Arquivos

Arquivo para a categoria ‘cs’

As cidades mais científicas do mundo…

sábado, 19 mar 2011; \11\UTC\UTC\k 11 Deixe um comentário

O Physics arXiv blog publicou uma matéria interessante. Mas, antes de falar da notícia, eu tenho que avisar que não estou entre os maiores fãs desse blog — na verdade, minha opinião flutua bastante: alguns artigos são bons, outros ficam bem longe disso… mas, em todos os casos, o Physics arXiv blog é bem enviesado (a seleção dos tópicos que aparecem por lá deixa isso claro além de qualquer dúvida, isso pra não falar sobre o nível das discussões, sempre bem ‘passageiro’) — e isso sempre me incomoda muito.

De qualquer forma, e sem mais delongas… eis o artigo: Mashups Reveal World’s Top Scientific Cities. O original pode ser lido diretamente nos arXivs: Which cities produce worldwide more excellent papers than can be expected? A new mapping approach—using Google Maps—based on statistical significance testing.

A discussão no ‘Physics arXiv blog’ não passa de “mais do mesmo”: ciênci-o-metria. Infelizmente, perde-se a chance de se avaliar o artigo propriamente dito, escolhendo-se apenas notificar a “mensagem” contida no mesmo. Parece até mesmo um órgão de Relações Públicas, apenas alardeando e propagandeando.

O artigo propriamente dito é de tão baixa qualidade que a vontade que se tem é de apenas se repetir o adágio invisível, que diz que os artigos dos arXivs não escritos em [La]TeX são sempre de qualidade duvidosa — pior ainda quando são escritos em Word, ou algum editor de pior qualidade ainda; sem identação apropriada (quem ainda usa ‘identação à esquerda’, ao invés de ‘justificado’? :razz:): via de regra, a falta de atenção a esse tipo de detalhe num artigo costuma refletir a baixa qualidade do material escrito. Mas, como eu disse, esse é apenas um “adágio invisível”, uma unspoken rule, que não se vê, não se ouve, e cujo perfume não se sente. :oops: :roll:

De qualquer forma, a máquina de salsicha continua na ativa: como se mensurar o imensurável: quais trabalhos científicos têm mais qualidade, quais são mais dignos de fomento, quais têm mais impacto na comunidade?

Todas essas são questões relevantes, claro, mas uma lição que a Ciência tem que aprender com a Arte é que a medição da criatividade é algo estupidamente difícil. Aliás, nem é preciso se apelar para o lado mais humanista desta questão: basta apenas se aprender Sistemas Dinâmicos corretamente (o que, de fato, parece ser algo tão complicado quanto nos dias de hoje). A razão deste meu argumento é bem simples: como se pode avaliar algo que possui resultados de médio a longo prazo (sem esperarmos por tal prazo)?

A resposta é simples: não é possível se avaliar nada que dependa de médio a longo prazo sem esperarmos tal prazo passar e medirmos o resultado efetivo do que se deseja avaliar. Ou seja, precisamos esperar o tempo passar pra podermos sequer ter a chance de sermos justos nesta empreitada! Ou seja, falando um pouco mais rigorosamente, é preciso termos acesso a todos os dados para podermos conhecer o problema de modo completo.

Infelizmente, com a idéia de que as Universidades devem ser “profissionalizadas” (sabe-se lá o que isso significa :razz:) e, mais ainda, de que toda a empreitada científica deve ser “profissionalizada”, todo esse tipo de questão métrica se torna relevante: como se pode escolher aquilo que há de “melhor” para se fomentar? Assim como numa empresa, numa linha de montagem, é preciso haver alguma forma de “selo de garantia”, alguma forma de “controle de qualidade”. (Note que não estou falando do processo de ensino de estudantes, mas sim de pesquisa científica — falar de ensino por si só abriria outra Caixa de Pandora!)

Entretanto, ao contrário de empresas, fábricas e linhas de montagem, Universidades e Pesquisa Científica [fundamental] possuem planos de ação, missões, de longo prazo, de longuíssimo prazo: há universidades com cerca de 1000 anos de existência: quantas empresas, fábricas e linhas de montagem podem dizer o mesmo?! A própria Revolução Industrial tem apenas cerca de 250 anos!

Felizmente ou não, esta é a natureza da busca pelo conhecimento, e este é o papel da Ciência, principalmente daquela dita fundamental (que costuma dar frutos bem distante das aplicações do dia-a-dia). Por outro lado, hoje em dia, na nossa Era da Informação, é possível se converter algo tão abstrato quanto Teoria dos Grafos em compiladores e navegadores. Este é o caminho da Ciência e do Conhecimento: a menos que se tenha acesso a toda informação, só se pode ver aquilo que está no curto prazo… :wink:

Isso tudo só server pra fazer com qua a analogia posta acima — entre Sistemas Dinâmicos e Funções de Partição — fique ainda mais clara aos olhos: quando vc tem acesso à Função de Partição dum problema, vc tem em mãos toda a informação necessária pra resolver o problema completamente; no caso de Sistemas Dinâmicos, como o nome indica (dependência temporal), é muito difícil de se calcular o que vai acontecer no futuro (não-linearidades, caos, etc). E, no final das contas, tudo que se quer medir são os Fenômenos Críticos, as Transições de Fases, e as Propriedades de Escala do sistema em questão.

A mensagem é clara: sem uma visão mais global é impossível se poder qualificar e medir justamente um trabalho científico. Incontáveis exemplos, de Einstein à Wilson, todos nobelistas, jamais teriam os “índices” e os “fatores de impacto” necessários, hoje, para serem contratados em regime de ‘tenure track’ — isso é claro pra qualquer um que já tenha feito o exercício mental requerido por esta questão.

Algumas empresas e alguns nichos industriais já descobriram esse fato básico da natureza humana… aliás, no âmbito de Sistemas Dinâmicos tudo isso tem nome: Cisne Negro e Dragões Reis. :twisted:

Infelizmente, parece que esse aprendizado e essa mensagem ainda não chegaram na academia — um fato bem irônico, posto que a academia é o lugar onde tais idéias (transições de fase, cisne negros e dragões reis) nasceram! :oops: Então, por enquanto, nós ainda vamos nos debelando com índices e fatores de impacto e outras bobeiras afins. Eu gostaria que fosse feito um estudo com as revistas de maior impacto, procurando-se saber quantos dos artigos publicados nestas revistas deram origens a novos caminhos e novos ramos em seus respectivos campos da Ciência. Taí uma perguntinha bem capiciosa e que por motivos “mágicos” ainda ninguém teve a idéia de responder… :roll: (Diquinha: eu não me lembro de Einstein ter publicado na Nature nem na Science, então nem as Relatividades nem a Mecânica Quântica (ou Teoria Quântica de Campos) tiveram suas origens nas revistas ditas de alto impacto; o mesmo vale, por exemplo, para as chamadas Transições Quânticas de Fase: o Kosterlitz não publicou numa revista de alto impacto — aliás, porque ninguém pergunta pro Kosterlitz o que ele pensa disso tudo, afinal de contas ele deu origem a todo um ramo da Física, logo deve saber o que significa “alto impacto científico”, não?! :razz:)

Pra finalizar, vou apenas me resignar a dizer que a análise estatística feita no tal artigo é de baixa qualidade, não apenas porque não leva em conta os cisnes negros e os dragões reis, mas também porque não leva em conta tantos outros métodos que a tornariam bem mais robusta. É uma pena, porque os “efeitos visuais”, os “efeitos especiais”, do artigo são bem bonitinhos… [bonitinhos mas ordinários! :razz:]

[]‘s.

Atualizado (2011-Mar-19 @ 11:15h EDT): Ah… a ironia do destino. Assim que acabei de escrever o post acima, trombei no seguinte livro: Little Bets: How Breakthrough Ideas Emerge from Small Discoveries. O ponto do livro é clararamente exposto no título, mas também já foi feito por Asimov,

“The most exciting phrase to hear in science, the one that heralds new discoveries, is not ‘Eureka!’ (I’ve found it!), but ‘That’s funny…’”

Isaac Asimov.

Experimentação, passo-a-passo, erros e mais erros… é assim que se faz Ciência: a idéia de que pesquisa e progresso é feito através duma seqüência de ‘acertos’, de passos corretos, não poderia estar mais distante da realidade… c’est la vie

Would the Bard Have Survived the Web?

terça-feira, 15 fev 2011; \07\UTC\UTC\k 07 3 comentários

O New York Times tem um artigo de opinião de hoje entitulado Would the Bard Have Survived the Web? (“Teriam os menestréis sobrevivido a Internet?”, tradução livre). Vcs podem ler o artigo em Inglês seguindo o link acima, ou, se preferirem, podem ler a tradução para pt_BR via Google Translate.

Aqui vão meus comentários sobre o assunto:

  • Poor understanding of the concept of “market”, as it was done in the past and as it is done today, in our “Information Era”;
  • Poor understanding of the concept of “intellectual property” and “copyright”;
  • Pathetically dismissive argument against “[a] handful of law professors and other experts”: a 6-line paragraph? Out of which, only a single phrase address the actual point?! Seriously, this is the best these 3 people could do to ground their defense in solid and robust arguments?! They couldn’t even come up with a typical list of pros and cons? Deconstructing this 1-paragraph argument is really a silly exercise: the misunderstanding of the differences between “Science” and “Technology” is enough to make this 1-paragraph self-destructive. This is pretty shameful… :-(
  • Here are a couple of question that i would like answer: if “Science” had patented some of its *basic* and *fundamental* research outcomes, like the following, what would these same folks be saying, what would their tune be: electromagnetism (TV, radio), quantum mechanics (modern electronics, semiconductor devices, X-rays, MRIs, etc), general relativity (GPS; fluid mechanics: think missiles and torpedos)? What would happen if all of these *fundamental research* discoveries had been patented, copyrighted and “intellectual property-ed”?! Science, Physics in fact, would definitely not need any government support today, nor run the risk to have DOE’s budget completely slashed (regarding research support).
  • And, the cherry on the top of this piece, is the constant comparison with the Dark Ages, with the Medieval Times… seriously: the world really did not change since then?! Over 300 years have passed and the best these 3 gentlemen can do is propose a “market” as it was done over 3 centuries ago? This is their *very best* solution to address their “problem”? Do they even understand that the very concept of “market” has changed in these 3 centuries? Do they understand that the very core of their issue is exactly the grasping to understand what the “Web” really means and how to best use it? Do they realize that people don’t quite know what to do with this deluge of information and possibilities coming from the Web? :sigh: :-(

Reconstrução 3D via fotos…

sábado, 27 nov 2010; \47\UTC\UTC\k 47 Deixe um comentário

Só pra animar um pouco esse sábado cinzento daqui, aqui vai uma notícia bem legal: 3-D mashup of Rome from Flickr pics.

Ou seja, fizeram uma reconstrução 3D — de monumentos em cidades como Roma e Berlim — a partir de fotos disponíveis publicamente (e.g., Flickr e Google Images). Tecnologia sensacional! :twisted:

[N.B.: Versão no Twitter.]

Semantic Web: Web 3.0…

domingo, 16 mai 2010; \19\UTC\UTC\k 19 Deixe um comentário

Quem quiser ver um pouco mais sobre o assunto,

O mais incrível disso tudo é que a idéia original do TBL sempre foi essa: usar metadata pra “organizar” e “concatenar” a informação. Entretanto, infelizmente, apenas agora (quantas décadas depois da “invenção” da web? :razz: ) a idéia original está sendo apreciada como se deve.

A semana nos arXivs…

quinta-feira, 18 mar 2010; \11\UTC\UTC\k 11 4 comentários

Como vcs devem ter notado, já faz um tempo que não tenho conseguido publicar minha lista de artigos dos arXivs por aqui. Não que eu tenha deixado de ler ou de selecionar meus artigos preferidos nos arXivs — quem acompanha meu Google Buzz ou Google Reader sabe que isso não é verdade (eu leio os arXivs religiosamente todo santo dia :cool: ) —, mas o tempo anda cada vez mais curto pra vir aqui e publicar a lista (e o WordPress ainda não fez o favor de instalar o Markdown por aqui, o que é realmente um empecilho pra quem não curte muito o “Visual Editor” :razz: ).

De qualquer maneira, agora com o advento do Google Buzz e suas conexões com o Google Reader, a “vida digital” tem mudado um pouco de ângulo… então, eu pensei em dar um drible-da-vaca nessa situação: por que não fazer listas no Twitter?! Basta marcar cada tweet com um #hashtag apropriado, e tudo fica resolvido. :cool:

Os #hashtag são evidentes, então já vou linkar direto para os ‘saved searches’ deles,

Assim fica fácil: é até possível se inscrever nos feeds de cada um dos #hashtag! :cool:

Vamos ver se essa nova empreitada alça vôo… :twisted:

Google Public DNS…

quinta-feira, 3 dez 2009; \49\UTC\UTC\k 49 Deixe um comentário

Hoje o Google pôs no ar um serviço de DNS,

A TechCrunch tem alguns comentários em Google Gets Into The DNS Business. Here’s What That Means; e o LifeHacker também tem alguns comentários, Google Public DNS Aims to Speed Up Your Browsing [DNS].

Vale a pena dar uma testada: os benchmarks que eu fiz por aqui foram bastante positivos. (E, claro, eu me empolguei um pouco… :wink: )

Fora isso, uma notícia um tanto inusitada, também vindo do Google,

Ou seja, os caras preferem evitar contratações “em massa”, pra garantir o bom equilíbrio do “ecossistema” chamado “mercado”. :cool:

Atualizado (2009-Dec-03 @ 14:26h): Agora o Slashdot está dando a notícia também, Google Launches Public DNS Resolver. (Sim, estou repassando esta notícia em tempo real! :twisted: )

E pra quem estiver interessado em dar uma “tunada” no próprio site, eis outra diquinha,

Diversão garantida… :cool:

Opera 10 beta passa no Acid3…

quarta-feira, 3 jun 2009; \23\UTC\UTC\k 23 Deixe um comentário

Como eu falei do chromium num post anterior, nada mais justo do que falar do novo Opera 10 (beta): Além de melhoras significativas na velocidade e suporte aos padrões do W3C, o novo ‘engine’ passa nos testes Acid3 (olha só a fotinha abaixo)! :twisted:

Acid3 no Opera 10 (beta) — MacOS X (10.5.7)

Acid3 no Opera 10 (beta) — MacOS X (10.5.7)

Diversão garantida! :twisted:

Compilando o Chromium no Mac…

terça-feira, 2 jun 2009; \23\UTC\UTC\k 23 1 comentário

Como eu tinha pouca coisa pra ler ontem — :shock: :roll: —, decidi testar minhas habilidades ‘compiladorísticas’ e ver se conseguia compilar o Chromium no Mac.

Como vcs devem saber, ainda não há um ‘build’ do Google Chrome nem pra GNU/Linux nem pro Mac OS X. Mas, usando o código open-source do Chrome (chamado Chromium), é possível simplesmente se compilar o danado e ver no que dá. No caso do Mac, basta seguir as instruções em MacBuildInstructions. E foi exatamente o que eu fiz. O resultado vcs podem ver abaixo… :twisted:

Google Chromium no Mac OS X (10.5.7)

Google Chromium no Mac OS X (10.5.7)

P.S.: Claro, ainda há alguns problemas, como falta de suporte a UTF-8, plugins, etc. Mas, a estabilidade e velocidade do bixinho é uma surpresa agradável. :wink:

Atualizado (2009-Jun-02 @ 17:23h): Chrome For Mac “Coming Along Fine”. :wink:

Atualizado (2009-Jun-05 @ 15:52h): O time de desenvolvedores do Chromium lancou, ontem, a versao alpha do “Chrome” para Mac e GNU/Linux: Chromium Releases Official Mac, Linux Browser Alphas. Pra quem esta acompanhando esse post, isso nao faz a menor diferenca, uma vez que as versoes compiladas ‘no muque’ ja sao mais atualizadas que esse lancamento. :wink:

Google Wave…

sexta-feira, 29 mai 2009; \22\UTC\UTC\k 22 4 comentários

Como eu ainda não vi essa notícia sendo divulgada em nenhuma mídia brasileira… decidi quebrar o silêncio e informar, em primeiríssma mão, o próximo lançamento do Google: Google Wave! (Veja detalhes mais técnicos em Wave Protocol.)

Segundo quem já assistiu ao vídeo abaixo, Google Wave é tudo aquilo que o email seria se tivesse sido inventado atualmente — ou seja, a coisa promete! :-) Em poucas palavras, o GWave é uma plataforma colaborativa onde se pode compartilhar documentos e “conversas”, i.e., as pessoas podem se comunicar compartilhando arquivos (rich text format), fotos, mapas, vídeos, etc. Isso sem falar que a “wave” (‘onda’) é algo completamente compartilhado e em tempo real!

De fato, a coisa promete… Diversão garantidíssima! :twisted:

Atualizado (2009-May-29 @ 18:37h EDT): O T. Tao também pegou essa notícia, e ficou tão ansioso quanto esse que vos fala: Google Wave.

Diquinha tecnológica…

quarta-feira, 1 abr 2009; \14\UTC\UTC\k 14 4 comentários

Tirando o fato de que hoje é “1º de Abril” e que ter um “piloto automático no GMail” — :lol: — seria certamente fantástico… o Google anunciou outra coisa ainda melhor: a liberação da função “labs” do GMail para todos os idiomas que o Google suporta.

Isso é sensacional: havia alguns empecilhos técnicos pra liberar o “Labs”, mas agora a coisa tá liberada. Pra quem usa o GMail, então, aí vai uma listinha das funções do “Labs” que eu curto (os nomes estão em inglês porque eu ainda não vi a versão em pt_BR): Offline; Tasks; YouTube, Picasa, Flickr, Yelp Previews; Superstars; Pictures in Chat; Fixed Width Font; Custom date Formats; Advanced IMAP controls; Canned responses; Default “Reply to All”; Quote Selected Text; Navbar Drag’n Drop; Forgotten Attachment Detector; Custom Label Colors; Mark as Read Button; Go to Label; Create a Document; Filter import/export; Text messaging (SMS) in chat; Send & Archive; Undo Send; Location in Signature; Title Tweaks, Add a gadget by URL.

Pra quem curte a interface do GMail e gosta de trabalhar nesse esquema “Web2.0″ — e usa o Firefox :razz: —, eu recomendo os seguintes “complementos” (essa é a tradução oficial de “add-ons”; fazer o quê :razz: ): BetterGMail2, Remember the Milk (GMail gadget, GCalendar gadget e Offilne Access) e GTDInbox… e Xoopit também! :smile:

E pra quem quer dar um passo adiante e tentar algo ainda mais sexy… Install Linux In Your Dropbox Account Using VirtualBox.

Diversão garantidíssima!

:twisted:

Matemática na era da Web2.0…

quarta-feira, 25 fev 2009; \09\UTC\UTC\k 09 3 comentários

A WWW daria uma lousa e tanto… se a gente conseguisse rabiscar uma equação

A WWW foi concebida no CERN e, desde então, o patamar em que chegamos atualmente (chamado de Web 2.0) é bem diferente daquilo que se imaginava na época da criação da Web. Hoje em dia já se fala em Web 3.0, que é uma espécie de codinome para Cloud Computing. Porém, o sonho original para a WWW é a chamada Semantic Web. Eis o próprio T.B. Lee falando sobre esse assunto,

De fato, a tal “Web 3.0″ deve incluir toda essa parte “semântica” (veja mais em W3C Semantic Web Activity, The Semantic Web e The Semantic Web Revisited (PDF)), chamada tecnicamente de Metadata — apesar de que a incorporação de todos esses “metadados” em bancos-de-dados e aplicações (“cloud”) afins ainda vai levar algum tempo. :wink:

De qualquer maneira… essa “simples” idéia — de assimilar os “metadados” de forma fundamental e intrínseca nas entranhas da Web — tem um enorme potencial quando o assunto é Publicação Científica. Um exemplo claro disso é o Scientific Publishing Task Force: Mindswap: Science and the Semantic Web, Science and the Semantic Web (PDF), Semantic web in science: how to build it, how to use it, ScienceOnline09: The Semantic Web in Science.

Então, como se pode ver com clareza, essa idéia de se associar “semântica” aos elementos já pertencentes da WWW, realmente será algo revolucionário.

A razão pra essa longa introdução é o paradigma adotado pelo MathML, que é a linguagem que permitirá a introdução de linguagem Matemática na WWW. Existem dois modos de se “descrever” uma informação em MathML, Presentation MathML e Content MathML — enquanto o pMathML foca na apresentação e aparência das equações e elementos matemáticos, o cMathML foca no significado semântico das expressões (num esquema bem parecido com Cálculo λ :cool: ).

Então, fica claro que o objetivo de MathML não é apenas o de “apresentar” uma informação, mas também de dar significado semântico a ela, o que fará com que a comunicação matemática seja muito superior do que a comunicação atual, feita em HTML!

O paradigma atual: \TeX

Hoje em dia, efetivamente, quem tem necessidade de publicar muitas equações usa \TeX, mais especificamente, usa-se \LaTeX — esse é o de facto padrão.

Essa linguagem é extremamente poderosa, versátil e flexível, podendo ser extendida de várias maneiras diferentes. E isso facilita muito sua aplicação em várias áreas diferentes: desde símbolos matemáticos, gráficos vetoriais, …, até símbolos musicais, de xadrez e tipografia em línguas gráficas, como árabe, hindu, chinês e afins!

Por essas e por outras, atualmente é muito mais comum de se encontrar programas que convertem de \TeX para MathML do que programas que nativamente facilitam a edição nativa [em MathML]. Tanto que existe um livro unicamente dedicado a esse assunto: The LaTex Web Companion. Aliás, nessa linha, eu recomendo o uso do formato DocBook, cuja saída pode ser HTML, PDF, \TeX (via o uso de XSLT), etc.

Portanto, o que acabou acontecendo é que quando alguém precisa publicar fórmulas e afins, ou se cria um documento em PDF, ou se usa de “algum desvio” para colocar a informação na Rede — em geral, esse desvio consiste em se converter o conteúdo desejado em alguma imagem, e inserí-la no HTML em questão.

A saída: habilitar os navegadores

A alternativa pra tornar tudo isso integrado (Web 3.0, MathML, etc) e unificado é prepararmos os navegadores para essa nova jornada, nova etapa, da WWW. Por exemplo, o Firefox tem toda uma infra-estrutura dedicada para MathML: MathML in Mozilla. Porém, pra isso, é preciso que os desenvolvedores de navegadores sigam os padrões já definidos para MathML. Essa é uma lista dos navegadores que suportam MathML. Além disso, pra quem usa Firefox, esse é um ‘add-on’ bem interessante, Firemath (eu não tenho uma conta com o Mozilla, então, se alguém que tiver uma conta quiser me mandar o add-on, eu agradeço :wink: ).

Portanto, o caminho ainda se encontra aberto… e as possibilidades são infinitas! :twisted:

Referências…

Computação Científica e de Alta Performance…

terça-feira, 25 nov 2008; \48\UTC\UTC\k 48 8 comentários

O termo Computação de Alta Performance (HPC na sigla em Inglês) é usado para designar um determinado tipo particular de hardware, usado para atacar problemas que demandam o máximo da máquina, como “Teorias Quânticas de Campos na Rede“, “Enovelamento de Proteínas“, “Paleoclimatologia“, etc.

Um dos primeiros “galhos” dessa árvore da HPC foi a chamada “computação voluntária“, onde um usuário comum pode doar os ciclos inativos do seu computador para cálculos científicos, e.g.:

Tecnicamente falando, o nome dessa técnica é Computação em Gride — e, atualmente, no melhor espírito da Web2.0, fala-se também em termos de Computação na Nuvem.

O resumão dessa história começa há tempos atrás, enquanto as CPUs ainda eram oficialmente divididas em 2 tipos:

E, dentre esses 2 tipos, há mais algumas subdivisões:

Isso determina, essencialmente, o tipo de CPU que vc tem… aí é hora de falar em paralelização;-)

Ou seja, a coisa fica bem complicada bem rápido… e, como se pode esperar, navegar nessas águas não é fácil… (Apesar de que o Sam Fulcomer ganhou o prêmio de ‘Ultimate HPC Geek’ desse ano!)

Historicamente falando, os problemas mais complicados sempre eram atacados com hardware que, essencialmente, era construído para o problema em questão (vários dos Cray foram construídos para o cálculo de Campos Quânticos na Rede, ditto para os BlueGene da IBM, etc)… porém, com a descoberta dos Clusters Beowulf, essa arte de se construir “supercomputadores” acabou sendo posta de lado, em favor da massificação desse tipo de clusters — aliás, numa palestra na Brown, ParalleX: A New Execution Model for Sustainable HPC Design, o Thomas Sterling (um dos inventores dos Beowulf) disse claramente que se arrependia de tê-lo feito, uma vez que aquilo que era pra ser apenas uma alternativa barata, passou a virar o foco central e, essencialmente, acabou com o desenvolvimento e pesquisa na área de supercomputação!

Um dos últimos CPUs a serem desnvolvidos ainda nesse aspecto, foi o MULTIFLOW, do qual participaram ativamente Gerry Guralnik e Jim O’Dell — o Jim, aliás, foi um dos primeiros desenvolvedores do Macsyma, no Project MAC do MIT, o precurssor dos CAS modernos.

Por isso, foi muito bom ter visto as notícia abaixo:

O primeiro deles fala do Jaguar, o primeiro computador a quebrar a barreira dos PetaFLOPS! Enquanto que o segundo artigo fala do NVIDIA Tesla, que é um supercomputador pessoal, com até 960 cores!

É inacreditável, mas depois que os clusters tomaram conta do mercado de HPC (como bem disse o Thomas, acima), a única atividade que ainda demandava uma quantidade de processamento tamanha que necessitava de processadores vetoriais era a dos gráficos dos jogos de vídeo-game! E, como era de se esperar, o crescimento e avanço desse setor impulsionou o desenvolvimento de HPC que já estava estagnado em clusters há anos. Então, do mesmo modo que a indústria pornográfica impulsionou a demanda por banda-larga e possibilitou que a Internet chegasse até cada um de nós, em nossas casas; a indústria de vídeo-games propulsionou o desenvolvimento de HPC dum modo completamente inesperado. :-)

A lição a ser aprendida é que não adianta, alguns problemas só podem ser atacados com investimento em pesquisa básica e fundamental… não dá pra querer baratear tudo, sucateando tecnologia de ponta no processo. ;-)

É isso aí: diversão garantida para o feriado! :twisted:

[]‘s.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 67 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: