Arquivo

Archive for terça-feira, 28 out 2008; \44\America/New_York\America/New_York\k 44

Miguel Nicolelis online no Roda Viva, nessa quarta, 29/10, às 10h15

terça-feira, 28 out 2008; \44\America/New_York\America/New_York\k 44 3 comentários

O Leandro já escreveu um post aqui no Ars Physica sobre o professor Miguel Nicolelis, Brasileiro pode levar Prêmio Nobel, importante neurocientista brasileiro e um dos líderes do Instituto Internacional de Neurociências de Natal, indicado ao prêmio Nobel de Medicina esse ano. Nessa próxima quarta, 29/10, às 10h15, o professor Nicolelis vai ser entrevistado no Roda Viva, da TV Cultura. Vocês poderão acompanhar vídeos da entrevista e bastidores, um chat com espaço para perguntas dos espectadores da Internet, fotos dos bastidores e 3 usuários de Twitter comentando a entrevista, eu (@everton137), o Rafael Evangelista (@r_evangelista) e a Caru Schwingel (@caru), no seguinte endereço

http://www.radarcultura.com.br/rodaviva

Vocês também poderão acompanhar todos twits sobre a entrevista pelo sistema de buscas do twitter, procurando por rodaviva. Aliás, como podem notar, o debate já começou! 🙂

A entrevista irá ao ar na TV Cultura dia 10 de novembro, dia mundial da ciência pela paz e pelo desenvolvimento.

Vou tirar algumas fotos para colocar no meu Flickr e vou twittando pelo celular a partir do momento que estiver indo lá. É isso, nos vemos lá!

P. S. Em tempo, o Twitter aqui do Ars Physica é  @brasilciencia. 😉

(Atualizado dia 29/10 às 16h30: adicionada data da apresentação na TV e foto do Nicolelis)

Comparando transições de fase em TQC e sistemas estatísticos

terça-feira, 28 out 2008; \44\America/New_York\America/New_York\k 44 7 comentários

Não tem um seminário de altas energias que você vai que não se fale em fases de uma teoria quântica de campos. E nem mais só nos de teoria. Depois que pessoal de física nuclear começou a fazer experimentos de colisão de íons então tudo que se houve, mesmo nos seminários mais “aplicados”, é sobre fases de teoria quântica de campos.

Eu não vou negar que acho o assunto interessante, mas mal consigo entender o que é essa fase. Fases, nesse sentido, são bem entendidas em sistemas estatísticos. Quando atingimos o limite termodinâmico, o espaço de fase do sistema se divide em regiões em que os microestados podem ficar um tempo indeterminado: são as fases ergódicas da teoria. Em cada uma dessas regiões, o potencial termodinâmico é uma função analítica das suas variáveis. Uma descrição interessante de como acontece a transição de fase foi desenvolvida por Yang e diz respeito aos zeros da função partição. Num sistema finito, esses zeros estão sempre fora do eixo real, só que quando vamos atingindo o limite termodinâmico, os zeros podem ir se condensando em torno do eixo real e se você conseguir mostrar que no limite eles tocam no eixo, eis sua transição de fase. Para quem quiser ler:

Yang, Lee. Statistical Theory of Equations of State and Phase Transition, PR 87, pg 404-419 (partes I e II)

Em alguns sistemas que são completamente integráveis dá para ver isso acontecendo, em particular, um caso que todo mundo estuda é o modelo de Ising… impressiona qualquer aluno (ou pelo menos me impressionou).

Aí a gente se pergunta: o que teorias quânticas de campos tem a ver com isso? Bem, TQC também tem uma função partição parecida com sistemas estatísticos e nada te impede de procurar os zeros dela. Tem gente que faz isso. Pode-se inclusive perfeitamente pensar em estudos numéricos. Estudo numérico aqui pode significar séries perturbativas, mas esse tipo de estudo é complicado para transições de fase, porque você nunca pode chegar no ponto da transição. Sobre estudos numéricos, tem algumas vantagens para TQC e tem algumas vantagens para sistemas estatísticos: as séries perturbativas em sistemas estatísticos costumam convergir, as de TQC não. Por outro lado, sistemas estatísticos não admitem o mesmo tipo de expansão “de alta temperatura” que os de TQC (fora os sistemas definidos em redes, como o de Ising, por sinal). Os potenciais realísticos de sistemas estatísticos não tem nem transformada de Fourier. O que é comum fazer em sistema estatístico é estudar expansões na “densidade” (como as séries do virial e de Mayer).

E aí eu chego na questão, sobre a qual nada sei, mas que acho interessante: quais são os microestados de uma teoria quântica de campos? Isso não é conhecimento de “curso” de TQC. Se há uma fase é de se esperar que haja microestados. Acho que a forma tradicional de ver isso é considerar que o “lugar natural” de uma TQC é numa rede (lattice QFT) e daí tomar um limite termodinâmico no mesmo estilo de sistemas estatísticos. Não sei se isso é tão natural para mim, fiz poucas coisa de lattice QFT na minha vida até hoje e talvez seja simplesmente falta de conhecimento.

Você também ouve por aí pessoas falando que o microestado dos campos quânticos seriam as supercordas. Eu também não sei como entender essa frase (mas se alguém souber e quiser me explicar nos comentários eu agradeço). Eu sei que a teoria de supercordas eluciodou, por exemplo, os estados microscópicos da gravitação, como no caso do entropia do buraco negro calculada por Strominger e Vafa (e as diversas correções que as pessoas já calcularam depois deles). É também verdade que o mesmo sistema que é fonte de campo gravitacional é fonte de campos de gauge em outro limite da teoria, e desse estudo que nasceu a famosa conjectura AdS/CFT. Mas eu não sei se é nesse sentido que as pessoas falam.

Bem, é um post com mais “não sei” do que sei. Espero que no futuro eu possa rir dele. 😛

%d blogueiros gostam disto: