Início > Ars Physica > Estão próximos de entender a matéria escura?

Estão próximos de entender a matéria escura?

segunda-feira, 3 nov 2008; \45\UTC\UTC\k 45 Deixe um comentário Go to comments

Este post será rápido porque estou com pouco tempo, vai merecer um mais detalhado depois🙂

Na quinta-feira passada, o experimento CDF II publicou um relatório em que eles mostraram que há uma distribuição de múons produzidos pelo decaimento do méson B (que contém o quark bottom) que, até onde se sabe no momento, não pode ser explicada pelo Modelo Padrão.

A motivação do estudo foi o fato de que a seção de choque de decaimento do B medida experimentalmente no Fermilab concorda com o valor teórico calculado na QCD perturbativa usando um método de reconstrução da trajetória, mas dá um valor incompatível quando o méson B é identificado através do seu decaimento em léptons (o múon). O artigo publicado gerou uma certa polêmica porque grupos importantes (mais conservadores) não assinaram o trabalho, entre eles todo o grupo da Universidade de Oxford e da Universidade Yale — que tiveram participação chave no CDF.

O experimento D0, também do Fermilab, vai fazer uma checagem independente usando seus próprios dados para ver se observa o mesmo excesso.

Em um trabalho independente disponibilizado hoje, sete físicos do CDF publicaram uma possível interpretação do resultado: há três novas partículas de massas 15, 7.3 e 3.6 GeV (a massa do próton é 1 GeV).

No início do mês, um grupo de teóricos publicou um artigo, motivado por uma combinação de resultados recentes de experimentos como PAMELA, ATIC, HEAT, INTEGRAL, mais uma anomalia na radiação cósmica de fundo medida pelo WMAP, no qual eles argumentaram que um certo excesso de pósitrons observados nesses experimentos poderia ser explicado se a matéria escura tivesse um bóson interagente de poucos GeV de massa. O espalhamento da matéria escura não-relativística, por causa desse bóson, sofreria um efeito da mecânica quântica não-relativística conhecido como ampliação (enhancement) de Sommerfeld, explicando o valor da seção de choque para a matéria escura que se infere do experimento PAMELA. Simultaneamente com esse trabalho, Nima Arkani-Hamed e Neal Weiner publicaram um esquema de um modelo supersimétrico em que uma nova interação de gauge que interage apenas no setor da matéria escura é espontaneamente quebrada na escala de poucos GeV, e no estudo da possível fenomenologia do modelo, mostraram que um excesso de múons similar ao visto pelo CDF poderia ser observado (devido uma seqüência de reações envolvendo matéria escura, parceiros supersimétricos e múons) .

Parece que os recentes resultados dos experimentos astronômicos supracitados começam a delinear algumas das propriedades da matéria escura. E talvez o CDFII tenha esbarrado em parte do setor escuro!

Aqui eu estou muito entusiasmado com a possibilidade. Mas é necessária muita calma nessa hora: há outras explicações para os efeitos do PAMELA (uma delas é o bom e velho axion, como o Yasunori Nomura mostrou num artigo recente) e nem toda a colaboração do CDF está segura que eles realmente mediram algo novo.

  1. Fabio Pra
    quarta-feira, 5 nov 2008; \45\UTC\UTC\k 45 às 21:54:09 EST

    O Risada vai adorar saber disso rssss

  2. quarta-feira, 26 nov 2008; \48\UTC\UTC\k 48 às 10:49:32 EST

    Leo,

    Achei que esse link vinha bem a calhar:

    The dark universe debate.

    []’s.

  3. Leonardo
    segunda-feira, 1 dez 2008; \49\UTC\UTC\k 49 às 20:53:14 EST

    http://physicsworld.com/cws/article/news/36919

    Tivemos isso aqui bem antes de sair na Physics World!😉

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: