Início > Ars Physica > A Física da Psicologia Humana

A Física da Psicologia Humana

quinta-feira, 24 set 2009; \39\UTC\UTC\k 39 Deixe um comentário Go to comments

Talvez interesse para vocês, principalmente para os nossos leitores que são professores colegiais de física — ou mesmo quem quer falar de física para o público –, essa seguinte palestra do Steven Pinker


The Stuff of Thought, áudio MP3 na iTunes U, grátis, The RSA, 1h25min.

onde ele fala logo no início, entre outras coisas, sobre a física da psicologia humana.

O que é, exatamente? Entende-se hoje que o comportamento humano é o produto da evolução das espécies. Todos os animais superiores são dotados de instintos natos que constituem um conjunto de teorias físicas do mundo. Para ilustrar, vou usar dois outros exemplos diferentes da palestra (que você encontra no Como a Mente Funciona do Pinker), e que não estão ligados a linguagem. O primeiro é a conservação da massa. Todo mamífero tem escrito no cérebro essa suposição sobre a matéria. Quando Bambi vê uma leoa distante andando perpendicularmente a sua linha de visão e a imagem da leoa é obstruída por uma rocha, Bambi sabe que há um leão atrás da rocha, mesmo que esse tenha desaparecido do campo de visão. Essa é uma suposição básica sobre o universo que os mamíferos inteligentes fazem. O cérebro dos animais superiores foi dotado dessa suposição porque aqueles que não a tinham ficavam despreocupados quando um predador se escondia e consequentemente eram presa mais fácil. O DNA associado a esse comportamento foi portanto desfavorecido na população. Outro exemplo é a lei da gravitação. Quando um humano se encontra na beira de um precipício, o cérebro automaticamente reconhece o perigo e injeta na corrente sangüínea (não ligo para você novo acordo ortográfico!) os hormônios necessários para reação adequada: os movimentos musculares são drasticamente desacelerados, de fato, podem até congelar por um tempo. Essa injeção hormonal é involuntária, não depende se você já aprendeu ou não a lei da gravidade na escola: o cérebro pressupõe que objetos não permanecem no ar sem sustentação. A origem evolutiva do medo inato de altura é bem óbvia.

As leis físicas supostas pelo cérebro humano não precisam ser corretas ou precisas. Elas são o produto direto de tentativa e erro da evolução. Aprendendo qual é a física da psicologia, os psicólogos podem testar a teoria mostrando situações a seres humanos em que a física da psicologia é explicitamente violada. Os mais notórios exemplos são as ilusões de óptica. Como a imagem que se forma na retina é bidimensional, informação do mundo tridimensional é perdida. Ainda assim, o cérebro reconstrói a informação de profundidade. Isso só é possível porque há uma série de suposições sobre a propagação de raios de luz (perspectiva) e conservação da massa. Violar parte desses pressupostos permite aos psicólogos criar parte das ilusões ópticas (existem ilusões de óptica de outros tipos, como aquelas associadas a tentativa do cérebro de preencher padrões da região de visão central na visão periférica).

Nessa palestra da RSA, e também no livro homônimo (no Brasil: Do que é feito o pensamento, Cia. das Letras), Pinker explora como uma análise cuidadosa da gramática das línguas revela alguns desses pressupostos que o cérebro humano faz sobre o mundo. É a física da psicologia e da linguagem.
Eu deixo o Pinker falar sobre parte do que eles tem apreendido sobre o comportamento humano. Um dos aspectos interessantes da palestra é a observação de que, na gramática, tempo é tratado “como uma dimensão do espaço”. Isso remete a construção da linguagem com base em analogias, coisa que o Pinker explora brevemente no Como a Mente Funciona (e explica nessa palestra também).

Ao ensinar física newtoniana, eu creio que as explorações dessa área da psicologia podem ser interessantes para alunos de colégio, para verem como a física é útil em outras ciências de uma forma inusitada. Porque nesse caso não é que modelos matemáticos da física estão sendo usados para descrever o disparar de um neurônio, e sim a noção de teorias físicas entra para entender alguns dos aspectos do comportamento humano.🙂

  1. littledrop
    sexta-feira, 25 set 2009; \39\UTC\UTC\k 39 às 08:56:11 EST

    Mas a física newtonina seria capaz de explciar o funcionamento do cérebro ou precisaríamos de física quântica?

  2. pablo
    sexta-feira, 25 set 2009; \39\UTC\UTC\k 39 às 13:28:31 EST

    “o cérebro pressupõe que objetos não permanecem no ar sem sustentação”

    será??

    não achei boa essa abordagem

    simplesmente essa reação do cerébro vantagem evolutiva, os indivíduos que não tinham essa característica tinham menos chance de transmitir seus genes, o cérebro não precisa pressupor nada

  3. segunda-feira, 28 set 2009; \40\UTC\UTC\k 40 às 07:58:06 EST

    Não acho que a linguagem esteja errada. Esse pressuposto é bem razoável, assim como tantos outros. Por exemplo, porque certos predadores não investem em presas que já estão a uma certa distância? Eles sabem que mesmo com sua velocidade não poderão alcançar a presa, afinal a presa também dispara em uma certa velocidade. Bem, leões não assistem aulas de física. Então como eles chegam a isso?!

    • pablo
      segunda-feira, 28 set 2009; \40\UTC\UTC\k 40 às 20:28:44 EST

      “Bem, leões não assistem aulas de física. Então como eles chegam a isso?!”

      Simplesmente porque os leões que corriam atrás de presas ‘perdidas’ gastavam preciosas calorias e isso é uma desvantagem evolutiva. Já leões que só investiam em presas com chances reais de serem pegas tinham melhores chances de sobreviver e deixar essas características para seus descendentes. Mas veja que essa característica surgiu de mutações aleatórias no DNA, os leões não precisam saber de nada, apenas ter esse comportamento.

      • Leonardo
        segunda-feira, 28 set 2009; \40\UTC\UTC\k 40 às 21:03:53 EST

        esse comportamento é a física embutida na psicologia do leão. Acho que você não entendeu… o Pinker não está dizendo que as pessoas aprenderam física para formular as línguas. Ele está apontando que alguns aspectos do comportamento são produto de instintos que constituem uma visão de mundo, uma coleção de pressupostos sobre as leis da Natureza, como objetos se movem, gravitação, etc. e que os psicólogos podem entender que instintos são esses (qual é a “teoria física” embutida no cérebro pela evolução) através da análise da linguagem humana (para o caso dos humanos, claro).

        É por isso que eu disse no meu texto que o cérebro assume que objetos não flutuam no ar, e a reação fisiológica inata dos humanos a um precipício é a evidência disso. Você não precisa de uma aula de física para ter essa reação, porque é um instinto nato, que está lá porque é uma vantagem evolutiva. Essa pressuposição do cérebro sobre o mundo natural que eu estou chamando da “física da psicologia”. O Pinker especificamente na palestra fala em “física da gramática” (e não física aplicada a gramática!), mas o que ele quer dizer é exatamente que os pressupostos do cérebro podem ser revelados através da gramática.

  4. sexta-feira, 27 ago 2010; \34\UTC\UTC\k 34 às 17:54:43 EST

    Olá passei aqui de novo para avisar que o blog de psicologia antigo saiu do ar devido aos muitos acessos simultaneos, entao, estou aqui pra te avisar do novo blog: ==> http://psicologiaparatodos.orgfree.com/blogpsicologia

    não esqueça de visitar! Pode esquecer o outro endereço!

    meu twitter é @psicoparatodos

    Abraços!!!

    biel

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: