Início > Ars Physica > Os carros elétricos estão chegando (mais uma vez)

Os carros elétricos estão chegando (mais uma vez)

segunda-feira, 31 maio 2010; \22\UTC\UTC\k 22 Deixe um comentário Go to comments

Tesla Roadster Sport, potencialmente o primeiro carro esporte elétrico. A venda desde final de 2009 em Los Angeles.

Você talvez já sabia que carros 100% elétricos, sem uso de gasolina, já existem, depois das notícias recentes do Tesla Roadster, do Chevy Volt e do REVAi. Talvez você não sabia que eles existem pelo menos desde os anos 90. Devido a razões difíceis de entender, eles nunca foram consolidados no mercado. Porém, parece estar acontecendo uma confluência de situações que vão potencialmente colocar nos próximos dois anos ou menos os carros elétricos em produção e venda em massa, além de toda a infra-estrutura de reabastecimento elétrico.

Os carros, até agora, já incluem o Nissan Leaf, Renault Fluence ZE, Chevrolet Volt e os modelos Tesla. Os carros devem começar a serem vendidos e circular em 2011 e 2012, por enquanto com distribuição limitada a Califórnia ou alguns países da Europa e Israel. Neste último, uma empresa fornecerá a infraestrutura de postos de reabastecimento e troca de baterias. E no Brasil, esta semana o governo pretende lançar um programa de incentivo fiscal a produção e comercialização de carros elétricos. A Toyota possui um carro similar, mas ainda não fez nenhum anúncio oficial de disponibilizá-lo no mercado.

De todas as montadoras, Nissan e a Tesla parecem ser as únicas que irão vender os carros (a Tesla já distribui o Roadster desde dezembro de 2009). As demais, de início, apenas prestarão um contrato temporário de aluguel para os usuários. Todas as vendas ou alugueis serão limitados. A Nissan planeja vender o Leaf por US$37 mil nos Estados Unidos (depois de um certo desconto no imposto de renda, o preço pode chegar a US$ 25 mil) — isso é um pouco mais que o dobro do preço de um carro equivalente a gasolina, todavia mais barato que a SUV média, que é o carro mais popular nos EUA e no Japão hoje em dia.

Quem matou o carro elétrico?

Um fato que eu desconhecia, que aprendi no documentário Quem matou o carro elétrico? este fim de semana, é que essa tecnologia comercialmente viável já existe pelo menos desde os anos 90, quando o estado da Califórnia estabeleceu uma lei (California Zero Emission Act) que obrigava até 1998 que pelo menos 2% de todos os carros vendidos no estado deveriam ser de emissão zero (ZEVs). As montadoras imediatamente passaram a produzir carros elétricos, como o GM EV1, o Honda EV Plus, Toyota RAV4 EV (uma SUV!) e o Nissan Altra. Um fato curioso é que todos esses carros foram apenas alugados pelas empresas. Eles foram fabricados por cerca de quatro anos. Ocorreu uma batalha judicial nos EUA, em que as fabricantes e a Casa Branca (então sob presidência de George W. Bush) entraram com um processo contra o Estado da Califórnia em outrubro de 2002, e a lei foi derrubada em abril de 2003 pela secretaria responsável do estado antes de ir a julgamento (cf aqui para mais info). As companhias então retiraram todos os carros elétricos das ruas — elas não permitiram que nenhuma das pessoas que estavam dirigindo esses carros pudesse comprá-los. Os carros foram quase todos destruídos em ferro-velhos. Alguns EV1s foram doados a museus automobilísticos e a universidades, desativados pela GM, e com a imposição legal de nunca serem reutilizados em público. Outro fato curioso, é que os donos do GM EV1 gostavam muito de seus veículos: eram silenciosos, confortáveis de dirigir, não poluíam; ao ponto que um grupo de 80 chegou a oferecer um cheque de mais de 1 milhão de dólares para a GM para ficar com os carros (isso depois de já terem pago o aluguel por cerca de três anos). A GM não negociou a oferta — ela ignorou os interessados, e prosseguiu com a reapropriação e destruição dos automóveis em 2003.

Agora é aguardar para ver se esta nova reabilitação dos carros elétricos não vai terminar como o que ocorreu na Califórnia…

Categorias:Ars Physica Tags:
  1. terça-feira, 1 jun 2010; \22\UTC\UTC\k 22 às 15:36:58 EST

    @Leo,

    De fato, a idéia de carro elétrico não é nova (pulga-atrás-da-orelha: quão melhores são os carros elétricos de hoje quando comparados aos seus primos mais antigos?).

    Mas, a questão principal, pra mim, continua sendo a mesma:

    — Qual é o saldo energético dessa empreitada?

    Ou seja, quanta energia é usada pra se fabricar um carro elétrico (incluindo a reciclagem das baterias, que é algo altamente tóxico e dispendioso do ponto-de-vista energético), e quanta energia é possível se retirar do produto final; ou seja, qual é a eficiência [termodinâmica] desse produto?

    Quem fizer as contas cuidadosamente vai ver que é muito mais “sustentável” um carro “normal” (movido à gasolina, ou “flex-power”) do que um elétrico (a reciclagem dessas baterias é o grande gargalo nessa conta).

    Então, eu ainda continuo extremamente não-impressionado com esses esforços…😛

    []’s!

    • sexta-feira, 4 jun 2010; \22\UTC\UTC\k 22 às 20:31:27 EST

      Sei não. A informação que os engenheiros estão passando é que os carros elétricos são 3 a 4 vezes mais eficientes em converter energia que os motores de combustão. Há um relatório bem detalhado feito pelo MIT que mostra que se as fontes de energia elétrica forem mais limpas que queima de carvão, como é o caso do Brasil, a emissão de gases estufa é reduzida drasticamente, levando em conta toda a produção industrial dos carros e bateriais e da produção elétrica. Algumas fontes divergem sobre o que acontece se toda a produção de eletricidade for de petróleo; nesse caso, há um relatório da WWF que diz que a redução seria pequena, uns 10%, mas o relatório do MIT diz que não ocorre redução, e sim mais poluição. Mas todas as fontes concordam que se a rede elétrica não for 100% suja, os carros elétricos são mais limpos, incluindo ai todo o processo industrial de fabricação. Veja, p.ex.:

      http://e360.yale.edu/content/feature.msp?id=2066
      http://web.mit.edu/evt/info.html

      Além disso, já há centros de pesquisa de engenharia dedicados a isso no MIT, Caltech e UC Davies. Não parece ser uma coisa tão trivial assim como você sugere.

      Quando eu me referi a carro elétrico, tinha em mente carros equiparáveis em potência com os de combustão, como sedans, SUVs, etc.; e não mini-compactos, ou carros muito leves. Esse só surgiu nos anos 90, quando esse grupo de engenheiros da GM montou o projeto do EV1. O EV1 mesmo ainda era muito compacto; mas os novos elétricos já superaram essa deficiência. E com a idéia de vender esses produtos com uma infraestrutura de troca de baterias, o problema de alcance pequeno vai ser resolvido.

  2. terça-feira, 28 set 2010; \39\UTC\UTC\k 39 às 12:01:21 EST

    Meu sonho é ter um carro elétrico, sempre achei que o aproveitamento de energia é melhor, o carro são menos poluentes – depende de onde vem a energia elétrica. E com investimento seria uma solução para acabar com esse monopólio do petróleo.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: