Arquivo

Archive for the ‘Humor’ Category

Adivinha quem é…?

sábado, 1 out 2011; \39\America/New_York\America/New_York\k 39 Deixe um comentário

"3 Mosqueteiros"

Pra quem gosta de quebra-cabeças, e conhece os envolvidos na ‘descoberta’ do chamado Bóson de Higgs, fica essa dica do blog do Ian Sample: quem são esses personagens do livro Massive?

PS: Eu tenho mais dessas fotos… conforme os palpites forem aparecendo, eu ponho mais alguma(s). 😈

O Realejo do Dia…

terça-feira, 6 set 2011; \36\America/New_York\America/New_York\k 36 Deixe um comentário

Animações de massinha, claymation, são sempre divertidas… 😎

Essa daqui é o claymation da partida de xadrez entre Roesch e Willi Schlage (Hamburgo, 1910). Esse jogo foi usado por Stanley Kubrick no filme “2001: A Space Odyssey” (na partida entre Frank Poole e HAL-9000).

Pra quem curte, aí vai o jogo: 1. e4 e5 2. Nf3 Nc6 3. Bb5 a6 4. Ba4 Nf6 5. Qe2 b5 6. Bb3 Be7 7. c3 O-O 8. O-O d5 9. exd5 Nxd5 10. Nxe5 Nf4 11. Qe4 Nxe5 12. Qxa8 Qd3 13. Bd1 Bh3 14. Qxa6 Bxg2 15. Re1 Qf3 16. Bxf3 Nxf3#

Conan O’Brien e formandos de 2011

segunda-feira, 13 jun 2011; \24\America/New_York\America/New_York\k 24 2 comentários

Ontem foi dia de formatura em Dartmouth, e o discurso da turma foi dado por Conan O’Brien, um comediante norte-americano que escreveu para o Saturday Night Live (1987-1991) e Os Simpsons (1992-1993) e é apresentador na TV desde 1993 e ganhador de dois Emmys. A primeira metade do vídeo é o que se espera de um grande humorista, e a segunda é uma bela mensagem a turma dos formados, por isso eu compartilho com vocês abaixo o discurso. Sei que alguns de nós mais velhos vamos nos identificar com ele, e aos mais novos, ainda estudando na faculdade ou planejando a sua pós-graduação, guardem a mensagem para mais tarde.

Se eu tiver um tempo, e mais alguém quiser colaborar, eu atualizo o post com a segunda parte do discurso traduzida para o português.

Para um pouco de informação sobre o que ele se refere no discurso, Conan foi apresentador de um programa de entrevistas na TV de 1993 a 2009 no canal NBC, onde o horário nobre era reservado para o Tonight Show apresentado na época por por Jay Leno. De 1962 a 1991, Tonight Show foi apresentado por Johnny Carson (o mesmo que Conan cita). Trata-se de um dos programas mais famosos da TV nos Estados Unidos e o de maior tempo de exibição entre todos que são exibidos hoje. Conan foi promovido ao Tonight Show em junho de 2009 mas ficou no programa apenas sete meses após a audiência cair pela metade. Devido a pressão por números de audiência, Conan foi substituído de volta por Jay Leno em 2010.

Categorias:Humor Tags:

Qual é o filme?

sábado, 23 abr 2011; \16\America/New_York\America/New_York\k 16 3 comentários

De SpikedMath Comics. 🙂

Spoiler Alert! Respostas debatidas nos comentários.

Se gostou, tem também o segundo e o terceiro. Depois eu vou postar nos comentários quais as respostas que eu e meus colegas pensamos para cada um. Há alguns que eu nós não conseguimos decifrar 🙂

Categorias:Humor

Arquimedes…

quinta-feira, 10 fev 2011; \06\America/New_York\America/New_York\k 06 Deixe um comentário

Arquimedes

Arquimedes

Categorias:Fun News, Humor, xkcd Tags:,

História da Arte…

quarta-feira, 9 fev 2011; \06\America/New_York\America/New_York\k 06 1 comentário

História da Arte

História da Arte

Papai Noel existe…

quinta-feira, 9 dez 2010; \49\America/New_York\America/New_York\k 49 Deixe um comentário

Papai Noel existe... pelo menos no Landscape!

Papai Noel existe... pelo menos no Landscape!

… pelo menos no Landscape!

😈

Verdades, mentiras e estatisticas na campanha eleitoral

quarta-feira, 13 out 2010; \41\America/New_York\America/New_York\k 41 3 comentários

Peço licença aos meus co-blogueiros para falar sobre as eleições presidenciais. Uma vez que eu não vou emitir nenhum juízo sobre nenhum dos candidatos, nem explicitar preferência alguma, creio que não há problema. Na verdade o tema eleitoral é só uma desculpa para falar sobre estatística :P. Caso haja problema, por favor me avisem.

Nessa campanha presidencial – como, aliás, deve ser em qualquer campanha eleitoral – tem acontecido uma fenômeno interessante nas propagandas e discursos de aliados de cada um dos candidatos do segundo turno. Ambas as campanhas tentam comparar os governos de Lula e FHC apresentando todo tipo de números e estatísticas. O interessante é que o cenário parece estranhamente ambíguo: para cada estatística que mostra Lula melhor que FHC existe outra que mostra o exato contrário. Para dois exemplos interessantes desse tipo de campanha, veja esses dois links:

Esse fenômeno pode parecer estranho para os espectadores da campanha menos acostumados aos números. Afinal, quem foi melhor para o ensino superior, FHC que aumentou o número de matrículas ou Lula que criou mais universidades? Quem diminuiu mais a pobreza, FHC que aumentou 4 vezes mais o IDH ou Lula que criou 3 vezes mais empregos?

Não há nada de estranho aí. O que está por trás dessa estranheza é uma falácia estatística que pode ser chamada “falácia do atirador”. Imagine um homem que quer demonstrar que é um excelente atirador e te mostra um alvo pintado em um campo de tiro, com 10 tiros certeiros na mosca. Você pode achar que ele é um grande atirador mesmo, mas sabe como ele produziu esse resultado?

O atirador ergueu uma enorme parede de madeira, de 10 metros de largura e 5 de altura, colocou-se na posição de tiro e descarregou 500 tiros contra a parede, sem tentar mirar particularmente em nenhuma posição. Claro que depois disso a parede estará cravejada de buracos e em alguns lugares haverá buracos de tiro mais próximos um dos outros. O atirador escolhe convenientemente 10 buracos que, ao acaso, ficaram bastante próximos entre si e desenha e pinta o alvo em torno deles. Então ele corta o resto da madeira e recoloca o alvo em sua posição original, com 10 tiros “certeiros” na mosca.

O homem não é um excelente atirador. Ele apenas escolheu o alvo depois de ter os resultados. Ele selecionou os “bons” resultados e descartou os ruins. Ele transformou uma distribuição bastante larga em uma distribuição mais estreita apenas descartando certos resultados e mostrando outros.

Como isso se aplica à campanha eleitoral?

Para cada aspecto de um governo que você queira avaliar, existe um sem número de estatísticas que podem ser usadas. Se, por exemplo, eu quero avaliar a evolução da renda, posso mostrar o crescimento do PIB per capita, ou de algum índice de salários, ou da fração do PIB correspondente aos salários, ou quanto subiram os salários em comparação com a taxa básica de juros, ou comparar com taxas “reais” praticadas no mercado. Posso comparar esses números em dólares ou reais, posso comparar o poder aquisitivo real, ou quanto essa renda compra de uma certa cesta de produtos essenciais. Posso focar apenas no crescimento da renda da classe C, ou em quanto cresceu (ou caiu) a razão da renda da classe C pela renda da classe A. Posso comparar quantos bens de consumo essenciais as pessoas conseguem comprar, ou posso comparar quanto o crescimento de suas rendas se compara com o rendimento de um certo investimento padronizado. Todas essas são formas de comparar quanto a renda cresceu.

Deu para perceber que existe um grande número de estatísticas para comparar dois governos, mesmo que fiquemos apenas no restrito conjunto de estatísticas referentes ao aumento da renda. Se eu comparar todos esses números entre o governo A e o governo B, alguns resultados serão pró-A e outros serão pró-B. É natural que seja assim por uma razão simples: há uma flutuação incrível nesses números. Flutuações temporais, flutuações causadas por diferentes metodologias ou mesmo flutuação que resulta do processo de amostragem. A incerteza nesses números as vezes é muito grande, e medidas em semanas diferentes podem causar flutuações de vários pontos percentuais. Não temos um valor determinado para esses números, temos uma distribuição de probabilidades que representa o quanto sabemos sobre eles. E essa distribuição é relativamente larga.

Então existe uma probabilidade de que cada estatística seja pró-A ou pró-B, ainda que os governos A e B tenham sido mais ou menos parecidos. E mesmo que o governo A tenha sido muito melhor que o governo B em certo sentido, ainda assim teremos uma certa probabilidade de ter um certo número de estatísticas pró-B. Mas eu sempre posso escolher que fração das estatísticas que eu pretendo mostrar será pró-A ou pró-B. Eu posso apenas mostrar 100% de estatísticas pró-A e argumentar assim que o governo A foi incrível. Isso é bem ilustrado pela famosa propaganda da Folha de São Paulo de alguns anos atrás, em que se apresenta diversas estatísticas positivas do governo de Adolf Hitler na Alemanha, que certamente foi um governo desastroso!!!

Então é impossível comparar dois governos com estatísticas? Claro que não. É perfeitamente possível. Apenas é necessário fazê-lo de forma sistemática, com métodos claros, com padrões e referências bem definidos. Existem procedimentos para se evitar a falácia do atirador em estudos estatísticos. Por exemplo, pode-se escolher que estatísticas serão calculadas de antemão, antes da colheita de dados, de acordo com um método bem definido. Isso evita que se “desenhe o alvo” em torno do resultado desejado. Pode-se fazer uma análise de sensitividade, mostrando que ainda que a metodologia fosse diferente, o resultado não seria tão diferente assim. Enfim, existem técnicas para isso.

Mas isso é algo que campanhas eleitorais nunca serão capazes de fazer. Elas são enviesadas por princípio, a cesta de índices que escolhem para mostrar é viciada e sua interpretação errônea e vazia. E isso vale para qualquer campanha, independente da orientação ideológica do candidato. É inevitável. Não chega nem a ser desonestidade, é da natureza da propaganda. O ideal seria que, ao invés de usar os números de forma leviana, fossem contratados estatísticos profissionais e neutros para criar essas análises. Mas isso nunca vai acontecer. 😉

O melhor é que o eleitor esteja atento às formas com que os números podem ser usados contra ele. Números adequadamente escolhidos podem defender qualquer estória que se deseje contar. Mas não fique achando que toda estatística é resultado de manipulação. Há métodos adequados para se evitar a manipulação, mesmo a manipulação involuntária.

Há uma citação de natureza ética difundida entre os estatísticos adequada para fechar essa discussão. Infelizmente não me lembro o autor ou a exata fraseologia, mas a essência é: é sempre possível mentir usando a estatística, mas é impossível dizer a verdade sem ela.

Realejo do dia: Brian Cox no programa do Jonathan Ross…

sábado, 27 mar 2010; \12\America/New_York\America/New_York\k 12 Deixe um comentário

Realejo do dia: Marcelo Gleiser no Programa do Jô…

sábado, 27 mar 2010; \12\America/New_York\America/New_York\k 12 7 comentários

Realejo do dia…

terça-feira, 9 mar 2010; \10\America/New_York\America/New_York\k 10 Deixe um comentário

Realejo do dia…

quinta-feira, 10 dez 2009; \50\America/New_York\America/New_York\k 50 Deixe um comentário

The Ultimate Gaming Computer

The Ultimate Gaming Computer

Realejo do dia…

terça-feira, 8 dez 2009; \50\America/New_York\America/New_York\k 50 Deixe um comentário

y = exp(x)

y = exp(x)

O realejo do dia…

sexta-feira, 4 dez 2009; \49\America/New_York\America/New_York\k 49 2 comentários

Penrose Chess

Penrose Chess (deveria ser "Escher" também 😉 )

Fofoca do CDMS…

quinta-feira, 3 dez 2009; \49\America/New_York\America/New_York\k 49 11 comentários

Fofoca de Física é punk… 😎

Mas, anda correndo na boca miúda… que o CDMS está prestes a fazer um “anúncio público” no dia 18 de Dezembro (exatos 15 dias de hoje)! Inclusive, continua a fufuca, com direito a artigo publicado na Nature e tudo mais. 😈

Não dá pra contar a fonte, claro (senão, não seria fufuca 😉 ), … mas, dá pra dizer que a notícia veio desde o “alto escalão“, do “alto clero“, direto pros mortais…

😈

Fiquem ligados!

Realejo do dia…

terça-feira, 24 nov 2009; \48\America/New_York\America/New_York\k 48 Deixe um comentário

Deus Salve a Rainha — 18 anos sem Freddy Mercury.

O realejo do dia…

segunda-feira, 19 out 2009; \43\America/New_York\America/New_York\k 43 Deixe um comentário

“Symphony of Science — We Are All Connected” (ft. Sagan, Feynman, deGrasse Tyson & Bill Nye),

Colaboração e Ciência: tudo a ver…

segunda-feira, 19 out 2009; \43\America/New_York\America/New_York\k 43 1 comentário

Semana passada saíram algumas notícias que são, IMHO, extraordinárias no sentido de mostrar o quão valiosa é a cooperação e a colaboração num ambiente criativo.

A Nature fez duas reportagens, uma sobre o Google Wave e outra sobre o Polymath Project,

Por outro lado, um pessoal do Secret Blogging Seminar lançou um site muito interessante, chamado MathOverflow,

Semana passada, eu entrei em contato com o Anton Geraschenko perguntando mais detalhes sobre o projeto do MathOverflow e tudo mais. E o primeiro link acima é, essencialmente, uma resposta às minhas perguntas.

No final das contas, eles estão sendo patrocinados por um professor em Stanford que está arcando com os custos duma solução ‘hosted’ de StackExchange — que é o software por detrás do StackOverflow, ServerFault, SuperUser, DocType, e HowTo Geek.

Então, eu acho que seria uma idéia genial a de se mandar uma proposta de divulgação científica pro CNPq. Quem sabe não sai, assim, um PhysicsOverflow?! 💡 😈

Esse é você + Ciência

Esse é você + Ciência

O realejo do dia…

domingo, 18 out 2009; \42\America/New_York\America/New_York\k 42 Deixe um comentário

E, de bônus…

:mrgreen:

Realejo do dia…

domingo, 13 set 2009; \37\America/New_York\America/New_York\k 37 Deixe um comentário

O realejo do dia…

terça-feira, 8 set 2009; \37\America/New_York\America/New_York\k 37 Deixe um comentário

“Life is a comedy for those who think… and a tragedy for those who feel.”Horace Walpole

(“A vida é uma comédia praqueles que pensam… e uma tragédia praqueles que sentem.”)

Pra quem gostou da citação, aí vão mais algumas: citações de Horace Walpole. 🙂

O realejo do dia…

sábado, 29 ago 2009; \35\America/New_York\America/New_York\k 35 Deixe um comentário

O realejo do dia…

segunda-feira, 24 ago 2009; \35\America/New_York\America/New_York\k 35 Deixe um comentário

Prova cabal de que é mais lucrativo fazer nada do que fazer um PhD

Prova cabal de que é mais lucrativo fazer nada do que fazer um PhD

😥

É por essas e outras, que fenômenos como o seguinte têm ficado cada vez mais comum: Foreigners Attending US Grad Schools Way Down: Wake Up, Xenophobes, US Colleges Say Hiring US Students a Bad Deal.

%d blogueiros gostam disto: