Arquivo

Archive for the ‘astro-ph’ Category

Conferência da Divisão de Partículas e Campos de APS…

segunda-feira, 8 ago 2011; \32\America/New_York\America/New_York\k 32 Deixe um comentário

Hoje (segunda-feira, 08-Ago-2011) começa a edição de 2011 da Conferência da Divisão de Partículas e Campos da American Physical Society.

O programa da Conferência pode ser encontrado no link de ‘Schedule’ da mesma.

Mais ainda, os “proceedings” da Conferência serão publicados através do eConf.

Há também uma página para a Conferência no Indico do CERN, DPF2011 @ Indico/CERN. (A razão pra essa duplicação de esforços está fora da minha alçada (coisas da dicotomia de se passar o tempo dividido entre duas insituições) — quando me chamaram pra ajudar na organização da DPF2011 esse tipo de decisão já havia sido tomada. :razz:)

De qualquer maneira, essa página no Indico contém links para os Resumos das palestras e posteres, índice dos autores e palestrantes. Em particular, nestas listagens e índices é possível se encontrar os PDF que já foram carregados para o servidor.

Eu e o Rafael estamos atendendo a DPF2011. Então, vcs podem esperar por twittadas, fotos, posts, etc, etc, etc… provavelmente não no estilo “cobertura ao vivo”, uma vez que tudo vai ser meio corrido, mas fica aí aberto o canal pra quem quiser fazer perguntas ou participar de alguma outra maneira. 😉

Relatividade Geral no Mathematica

sábado, 5 mar 2011; \09\America/New_York\America/New_York\k 09 4 comentários

Esse post é diferente do que eu escrevo usualmente, será um tutorial de um programa em desenvolvimento para fazer contas simbólicas em gravitação no Mathematica. Isso pode ser muito últil em um curso de Relatividade Geral da pós-graduação e teoria quântica de campos em espaço-tempos curvos, além de pesquisa.

Primeiro, você vai precisar do pacote xAct:

http://www.xact.es/

O xAct é dividido em vários subpacotes, eu vou me concentrar nos dois primeiros destes aqui:

  1. xTensor: permite usar a mesma notação de tensores usada na física, dentro do Mathematica. É a função principal do xAct.
  2. xCoba: permite definir sistemas de coordenadas.
  3. xPert: teoria de perturbação em gravitação.

Eu coloquei o terceiro acima para chamar a sua atenção. O objetivo do xAct é permitir escrever contas complicadas usando tensores, o que se tornou necessário com o avanço da cosmologia que hoje já requer perturbação em segunda ordem em Relatividade Geral.

Leia mais…

Telescópio de Paranal: 360º, noite…

quinta-feira, 9 dez 2010; \49\America/New_York\America/New_York\k 49 Deixe um comentário

O realejo do dia…

domingo, 4 jul 2010; \26\America/New_York\America/New_York\k 26 Deixe um comentário

Estranha natureza da matéria escura

domingo, 25 abr 2010; \16\America/New_York\America/New_York\k 16 2 comentários


Fotografia em raios X da galáxia NGC 720 do telescópio Chandra da NASA (lado esquerdo) revelaram a estrutura de matéria escura da galáxia (foto óptica ao lado direito), que agora desfavorece a existência de interações da matéria escura causadas por um bóson escuro leve.
Quem acompanha o blog viu que no final de 2008, o satélite europeu Pamela apresentou qual o número de prótons e pósitrons que bombardeiam a Terra vindo da galáxia e descobriu que para energias acima de aproximadamente 10 GeV, o número de pósitrons começa a aumentar, enquanto o número de prótons continua a diminuir[1].
Como um pósitron consegue chegar a 10 GeV de energia, que corresponde a uma temperatura de 1014 K, quando a temperatura no núcleo do Sol é de apenas 107 K? De onde veio essa energia do próton?
Em 1949, Enrico Fermi mostrou que esse tipo de energia para raios cósmicos é natural[2]. Existem prótons e elétrons espalhados pela galáxia, que vieram de processos astrofísicos, largados aqui e ali por estrelas e supernovas. Eventualmente eles encontram o campo magnético que existe na galáxia e ficam presos, mas esse campo possui inomogeneidades, gradientes, e a partícula quando encontra um pico de intensidade do campo magnético recebe uma força maior que a média que a mantém presa no campo e acaba sendo liberada com uma energia maior. Quanto mais energética é a partícula, mais difícil é desviá-la do seu caminho, então podemos em primeira aproximação imaginar que os acréscimos são inversamente proporcionais a energia que a partícula já possuia antes de receber o pontapé do campo magnético. Então a probabilidade de observar uma partícula com energia E na Terra deve ser inversamente proporcional a sua energia,

 
P(E) \propto 1/E^\gamma

onde \gamma > 0 é um fator a ser determinado experimentalmente. Esse mecanismo de Fermi não poderia explicar o súbito crescimento do número de partículas com energias acima de 10 GeV observados no Pamela e no ATIC, e por isso o crescimento foi interpretado como um sinal de nova física.
Mas se esse excesso fosse devido a aniquilação de matéria escura na galáxia produzindo pósitrons, então a probabilidade de aniquilação de matéria escura teria que ser muito maior que o valor esperado no cenário de WIMPs. Por isso, Neil Weiner e colaboradores sugeriram que deveria existir uma nova partícula leve que só interage com a matéria escura, porque tal interação introduziria um fator de aumento na probabilidade de aniquilação da matéria escura que depende da velocidade do gás de matéria escura:

 
S = \displaystyle{\frac{\pi \alpha_X / v_\text{rel}}{1 - \exp(-\pi \alpha_X/v_\text{rel})}}

Infelizmente, este mês relata Jonathan Feng e colaboradores na Phys. Rev. Lett. que essa interação já está excluída devido ao formato das galáxias[3]. Motivados por estudos numéricos do formato dos halos de matéria escura quando se inclui interações[4], eles argumentam que a introdução de interação favorece a formação de halos mais esféricos do que aqueles que seriam formados desprezando interações, e então usam os dados sobre a elipsidade do halo da galáxia NGC 720 que foi estudado com as imagens de raios X do telescópio Chandra[5] e comparam com as simulações numéricas em função da intensidade da interação da matéria escura para restringir a seção de choque. O principal resultado deles é o gráfico da Fig. 1, que mostra que o valor do aumento da seção de choque S compatível com os dados do satélite Pamela não é compatível com o valor limite de S permitido pelo formato do halo de matéria escura de NGC 720.

Fig. 1, gráfico de S versus massa da partícula de matéria escura, da ref. 2. A região verde indica a parte favorecida pelos dados do Fermi, a vermelha pelos dados do Pamela. A linha tracejada indica o limite em S extraído da forma da galáxia NGC 720, e a linha azul da abundância de matéria escura. A discrepância se dá no fato que para produzir as regiões verde e vermelho, é necessário que a partícula intermediadora da aniquilação de matéria escura tenha massa 250 MeV, que já está excluído nesta região que requer uma massa de, no máximo, 30 MeV.

Esse resultado é consistente com a interpretação de que não há nenhum excesso no espectro de raios cósmicos, como os novos dados do satélite Fermi sugerem.

Referências

  1. Velhas e novas evidências da matéria escura
  2. E. Fermi, Phys. Rev. 75, 1169–1174 (1949).
  3. J. L. Feng, M. Kaplinghat, H.-B. Yu, Phys. Rev. Lett. 104, 151301 (2010).
  4. Romeel Davé et al. ApJ 547 574 (2001).
  5. David A. Buote et al ApJ 577 183 (2002).

A semana nos arXivs…

quinta-feira, 18 mar 2010; \11\America/New_York\America/New_York\k 11 4 comentários

Como vcs devem ter notado, já faz um tempo que não tenho conseguido publicar minha lista de artigos dos arXivs por aqui. Não que eu tenha deixado de ler ou de selecionar meus artigos preferidos nos arXivs — quem acompanha meu Google Buzz ou Google Reader sabe que isso não é verdade (eu leio os arXivs religiosamente todo santo dia 😎 ) —, mas o tempo anda cada vez mais curto pra vir aqui e publicar a lista (e o WordPress ainda não fez o favor de instalar o Markdown por aqui, o que é realmente um empecilho pra quem não curte muito o “Visual Editor” 😛 ).

De qualquer maneira, agora com o advento do Google Buzz e suas conexões com o Google Reader, a “vida digital” tem mudado um pouco de ângulo… então, eu pensei em dar um drible-da-vaca nessa situação: por que não fazer listas no Twitter?! Basta marcar cada tweet com um #hashtag apropriado, e tudo fica resolvido. 😎

Os #hashtag são evidentes, então já vou linkar direto para os ‘saved searches’ deles,

Assim fica fácil: é até possível se inscrever nos feeds de cada um dos #hashtag! 😎

Vamos ver se essa nova empreitada alça vôo… 😈

Demonstrado novo parâmetro cosmológico

quinta-feira, 11 mar 2010; \10\America/New_York\America/New_York\k 10 1 comentário

Em 2007, Pengjie Zhang e outros cosmólogos teóricos sugeriram que a observação da posição e velocidade das galáxias com o desvio da propagação da luz dessas galáxias até nós serviria de uma medida da distribuição de massa do universo. (arXiv:0704.1932). Até então, a técnica utilizada pelo projeto astronômico do telescópio Sloan Digital Sky Survey (SDSS) consistia em medir a distribuição de galáxias e o desvio para o vermelho da galáxia e extrapolar o resultado para a distribuição de massa assumindo que a matéria escura deve seguir aproximadamente a mesma distribuição espacial que os prótons e nêutrons (bárions). Isso não é exatamente verdade porque os bárions formam um gás que interage muito mais facilmente com os fótons da radiação cósmica de fundo do que a matéria escura, e como resultado, os bárions são mantidos a uma temperatura próxima da radiação de fundo antes da formação das estrelas. Esse gás quente de bárions tem pressão presumivelmente maior que a pressão da matéria escura. Em Relatividade Geral, nós podemos deduzir a relação entre a fração da massa de bárions que acompanha a matéria escura e pode-se dizer que o contraste de densidade de bárions é de 10% a 17% menor que o de matéria escura quando se inclui a pressão do gás. Mais importante é talvez o fato de que devido a pressão dos bárions, existem concentrações densas de matéria escura no universo onde não existem galáxias. Todas essas concentrações de matéria escura pura são perdidas na estimativa original do SDSS.

A idéia de Zhang foi de utilizar as velocidades das galáxias e suas posições e relacionar com a lente gravitacional observada. Combinando astutamente estes dois observáveis diferentes de galáxias, é possível eliminar o efeito da pressão dos bárions pelo menos para certas partes da distribuição espacial da matéria total do universo. O observável é sensível a taxa de crescimento de estruturas (quão rápido/forte é a formação das galáxias) que depende sensivelmente com a teoria da gravitação subjacenete, e dessa forma medindo-a é possível testar diferentes teorias da gravitação. No artigo de Zhang, eles mostraram que com a sensibilidade projetada do telescópio SKA, seria possível distinguir a Relatividade Geral de MOND, f(R) e uma teoria de dimensões espaciais extras (conhecida pela sigla de seus autores, DGP) — isso tudo são outros candidatos para teoria da gravitação.

Agora, uma estudante de pós-graduação de Princeton, Reinabelle Reyes, junto com vários outros astrofísicos e astrônomos, demonstrou que a técnica é eficiente (Nature 464, 256-258 (2010)) usando os dados do SDSS. Na realidade, este resultado não é um teste preciso da Relatividade Geral — embora é um teste independente –, e tampouco produziu algo de novo em termos de excluir teorias pois já era sabido de lentes gravitacionais que MOND sem matéria escura não é consistente com os dados (e.g., este post). As barras de erro ainda são muito grandes para poder discernir entre a Relatividade Geral e as alternativas, contudo o que vem como importante é a demonstração de que é possível medir o parâmetro diretamente com erros sob controle. O programa agora será diminuir as incertezas nos telescópios futuros, e quem sabe, projetar um telescópio otimizado para essa medida, que não é o caso do SDSS, de modo a permitir a exclusão ou confirmação mais definitiva de alternativas a Relatividade de Einstein.

Como começou a expansão do universo?

quarta-feira, 25 nov 2009; \48\America/New_York\America/New_York\k 48 3 comentários

Lendo artigos de um grupo de cosmólogos teóricos bem ativos na atualidade, eu cruzei com a observação interessante levantada por Paolo Creminelli, Leonardo Senatore, Markus Luty e Alberto Nicolis, de que na teoria da gravitação atual, a taxa da expansão do universo sempre diminui. A taxa de expansão é o que se chama o parâmetro de Hubble, H. As galáxias relativamente próximas a nós estão se afastando com uma velocidade que é proporcional ao valor atual de H vezes a distância: v = Hatuald. Quanto maior H, mais rápido as galáxias a uma dada distância d se afastam.

Para teorias de campos que respeitam o princípio de relatividade e que possuem apenas soluções estáveis, a variação do parâmetro de Hubble no tempo é sempre negativa:

\Delta H/\Delta t < 0

que está de acordo com a idéia que a gravitação é atrativa. Portanto, mesmo em um universo com expansão acelerada, o que significa que a taxa da variação da distância média entre galáxias aumenta com o tempo, a taxa de expansão do universo diminui com o tempo, e portanto a gravitação de fato desacelera a expansão. Isso é importante porque garante, entre outras coisas, que a gravidade pode atrair matéria para uma região do espaço e formar aglomerados, como as galáxias. Essa condição também assegura que exista um mínimo para a energia do conteúdo do universo, o que se traduz no importante fato de que existe um estado de vácuo estável em cada instante, e que partículas não podem ser criadas do nada sem custo de energia. Em poucas palavras, garante certos critérios de estabilidade física da teoria.

No universo primordial H tinha um certo valor HI maior que o atual, mas se imaginarmos ingenuamente que a expansão do universo deveria ter começado com um processo físico que gradualmente levou o valor de H de zero para HI, precisamos que a variação no tempo de H possa ser positiva, pelo menos no momento da origem do universo. Isso não quer dizer que essa visão ingênua esteja certa, mas seria de fato interessante estudar a possibilidade de um processo físico que leve H de zero para um valor não nulo. Mas como é possível garantir simultaneamente que H cresça no tempo e que a estabilidade física da teoria seja satisfeita?

Creminelli e os demais sugeriram o seguinte: e se nós permitimos que essa violação da estabilidade ocorra de forma controlada para escalas de tamanho sempre maiores que o raio visível do universo? Em outras palavras, seria possível obter simultaneamente uma variação positiva no tempo para H e uma teoria em que sempre em escalas de tamanho suficientemente pequenas você tem efetivamente estabilidade?

O truque reside em começar com uma teoria para a inflação que seja salutar e estudar as perturbações do campo inflacionário (o inflaton) produzidas pelas flutuações quânticas e mostrar que essas perturbações podem contribuir para H de forma a provocar \Delta H / \Delta t > 0. Porém essas perturbações todas podem ser controladas para terem tempo de vida sempre maior que a idade do universo, de modo que nenhum observador é capaz de ver os efeitos físicos da instabilidade, a não ser através de H. Que isso é de fato possível não é trivial, e eu não sei explicar sem mostrar a matemática. Nós podemos começar com uma teoria absolutamente genérica de que existe um certo campo escalar \phi que domina a densidade de energia do universo, e então mostrar que as flutuações quânticas desse campo contribuem para H de modo que a variação no tempo de H seja positiva. Para que o universo sempre possua estabilidade física dentro de todas as regiões causais, deduz-se que a escala de energia da energia escura não pode ser muito maior que aproximadamente 100 GeV. Isso não está completamente descartado uma vez que esta energia é do setor escuro da Natureza, aquele que interage muito fracamente com os prótons, elétrons, fótons, etc., a não ser gravitacionalmente. Se você lembrar de um post anterior, eu já discuti como é possível que exista interações novas da matéria escura exatamente nessa escala de energia.

Uma série de artigos técnicos sobre esse assunto são estes:
arXiv:hep-th/0606090, arXiv:0911.2701, arXiv:0811.0827.

Versão um pouco mais técnica. Visto que

\dot{H} = -4\pi G (\epsilon + p )

para equações de estado p = w \epsilon com w > -1 sempre temos \dot{H} < 0. Para obter \dot{H} > 0 é necessário violar a condição de energia nula (NEC) \epsilon + p > 0. Isso pode ser feito apenas no setor das inomogeneidades da energia e pressão, i.e. calculando-se \delta p e \delta \epsilon, sendo que \bar{\epsilon} e \bar{p}, onde a barra significa a solução homogênea e isotrópica, é sadia. Isso cria um w efetivo menor que -1, violando a NEC. Mas como \delta p e \delta \epsilon são funções do espaço, as componentes de Fourier \delta p_q e \delta \epsilon_q podem ter instabilidade apenas para números de onda q suficientemente grandes, i.e. sempre satisfazendo q/aH \ll 1. Isto é equivalente a tomar que o período característico dos modos instáveis em um instante de tempo é maior que a idade do universo naquele instante. Para evitar a instabilidade gravitacional, a freqüência de Jeans associada ao modo instável também precisa ser menor que H.

Tomografia do universo revela evidência de energia escura

terça-feira, 3 nov 2009; \45\America/New_York\America/New_York\k 45 5 comentários

Resultado da análise de lentes gravitacionais usando o telescópio espacial Hubble revelou evidência independente da expansão acelerada do universo.

O conjunto de evidências favoráveis ao modelo do Big Bang com expansão acelerada acaba de crescer. Um grupo de astrônomos e astrofísicos de países da Europa, Estados Unidos e China — chamada colaboração COSMOS — finalizou uma detalhada análise da distribuição de lentes gravitacionais que indica que o universo é descrito pelo modelo do Big Bang com aceleração. O grupo utilizou dados de uma câmera do telescópio espacial Hubble que fotografa galáxias próximas a Terra dentro de uma área de aproximadamente (1.6°)2. Através de um método de estimativa do desvio para o vermelho da luz das galáxias, COSMOS mediu parte da distribuição de massa do universo em diferentes distâncias para concluir que esta exige um termo de aceleracão para a expansão do universo. Cosmólogos medem a contribuição da aceleração do universo em termos de um parâmetro conhecido como a (densidade da) constante cosmológica, que é zero em universo em expansão desacelerada, e positivo para um universo acelerado, \Omega_\Lambda. O recente resultado, publicado hoje, revela que

\Omega_\Lambda > 0.32.

Esse número significa que pelo menos 32% da densidade de energia do universo está na forma da componente responsável pela expansão acelerada, genericamente chamada de energia escura.

O método usado pelo grupo COSMOS é inédito, e é importante porque revela uma medida da aceleração da expansão do universo que independe da calibração de distância inventada com as medidas de supernovas tipo Ia — esta foi a relação entre intensidade da luz emitida pela supernova em função de sua distância, que permitiu a descoberta da aceleração do universo em 1998.

Lentes gravitacionais fracas

Fig. 1: Imagem do telescópio espacial Hubble do aglomerado de galáxias Abell 2218. O campo gravitacional das galáxias do aglomerado distorce a imagem de galáxias que estejam atrás deste, que tem sua forma esticada em uma elipse, que são os arcos visíveis ao redor do aglomerado.

Toda vez que um raio de luz passa perto de uma massa M, o campo gravitacional de M atrai o raio de luz, causando uma deflexão. Esta deflexão foi vista pela primeira vez por Arthur Eddington e constituiu uma das primeiras evidências a favor da teoria da Relatividade Geral de Einstein. Um conjunto de galáxias funciona como a massa M para galáxias próximas que estejam atrás do aglomerado vistas em relação a Terra, causando um desvio visível em fotografias, como a imagem do aglomerado de Abell 2218. Nesse caso, o fenômeno é conhecido como lente gravitacional forte.

Como todo objeto no universo emite luz que, inexoravelmente, passa perto de diversas massas M até chegar a Terra, é possível dizer que toda imagem vista por nós contém algum nível de distorção gravitacional. O efeito é esquematizado na Fig. 2, e nesse caso é conhecido como lente gravitacional fraca. Nesse caso, a deflexão da luz é causada por várias massas m distantes da linha de propagação da luz, causando um pequeno desvio da posição da fonte de luz. Embora o desvio seja pequeno, e não seja possível determinar a posição original do astro, é possível observar o padrão de distorção causado pelo meio material entre a fonte e nós, Fig. 2. Esse padrão permite inferir a quantidade de massa gravitacional que existe entre as galáxias sendo observadas e nós na Terra.

Fig. 2: Desenho esquemático de lente gravitacional fraca. A distorção na distribuição foi exagerada para melhor visualização. Imagem da Wikipedia. O lado esquerdo ilustra a imagem sem lente gravitacional, o lado direito com.

Tomografia de lentes gravitacionais

A colaboração COSMOS utilizou um católogo de lentes gravitacionais fracas associado a uma medida do desvio para o vermelho das galáxias na amostra. A distorção da imagem causada pelo campo gravitacional é o que dá informação sobre o conteúdo do universo, e a variação com desvio para o vermelho permite saber como este conteúdo evolui com a distância. O método então permite acompanhar no tempo a evolução da distribuição de massa do universo, e ficou conhecido como tomografia de lentes gravitacionais fracas.

Não é possível, naturalmente, definir qual é a posição exata de cada galáxia devido a distorção da posição causada pela desconhecida distribuição do campo gravitacional, no entanto, é possível obter informação sobre a correlação da distribuição de galáxias, isto é, a probabilidade de se encontrada uma galáxia na posição x, outra ser encontra na posição y. A medida da distribuição da fonte do campo gravitacional em função da distância contém a informação de que há um grande componente na fonte do campo gravitacional que é independente da distância: é a constante cosmológica.

Assumindo que o universo é plano, os dados de COSMOS indicam que no momento mais recente do universo (i.e. para desvios para o vermelho da luz da ordem de um), a densidade de matéria é aproximadamente

\Omega_m = 0.27.

Isso significa que aproximadamente 27% da densidade de energia do universo hoje se encontra na forma de massa com baixas velocidades em comparação a da luz. Como o universo hoje é composto predominantemente por massa e talvez energia escura, sabendo que a soma de todas as densidades de energia é igual a 1 (que é verdade apenas para o universo plano), conclui-se que cerca de 73% da densidade de energia está em forma de energia escura. Permitindo que a geometria do universo não seja necessariamente plana, não é possível extrair um único valor para \Omega_\Lambda, no entanto, é possível demonstrar que os dados implicam que a quantidade

q_0 = \Omega_m / 2 - \Omega_\Lambda

é negativa, logo \Omega_\Lambda não pode ser zero, e portanto o universo é acelerado.

O que ainda não se sabe sobre a aceleração do universo

COSMOS demonstrou que lentes gravitacionais fracas podem ser utilizadas para extrair informação cosmológica útil. O próximo passo é entender a evolução temporal das distribuições de massa do universo e da energia escura. A evolução temporal (se alguma) da energia escura é o que pode nos dizer sua origem física: se ela é uma constante cosmológica, ou se é mais outro campo físico da Natureza.

Mais informações

  1. Tim Schrabback et al., arXiv:0911.0053
  2. Matthias Bartelmann, Peter Schneider, astro-ph/9912508.
  3. Wikipedia

Realejo do dia…

quarta-feira, 12 ago 2009; \33\America/New_York\America/New_York\k 33 Deixe um comentário

Pierre Auger enfraquece relação entre UHECR e núcleos ativos de galáxias

terça-feira, 14 jul 2009; \29\America/New_York\America/New_York\k 29 Deixe um comentário

Durante a 31a Conferência Internacional de Raios Cósmicos na Polônia (7 – 15 Julho 2009), a colaboração Pierre Auger tornou pública uma maior quantidade de dados de raios cósmicos de altas energias (UHECR) — maior que 107 TeV — e concluiu que a relação entre núcleos ativos de galáxias (AGNs) e a origem destes raios cósmicos está mais fraca do que eles haviam encontrado em novembro de 2007. Acredita-se que AGNs diferem das galáxias comuns por possuírem um buraco negro central que acelera matéria produzindo radiação eletromagnética em quantidade muito superior aquela que poderia ser obtida dentro de estrelas.

Na primeira análise, publicada na revista Science, 18 de 27 eventos encontravam-se a menos de 3° de um AGN. Na nova análise de julho de 2009, 17 eventos de 44 foram encontrados na direção de AGNs. Os dados são parcos e a colaboração conclui que mais informação é necessária para creditar AGNs como fontes dos raios cósmicos de ultra energia. Uma análise estatística no momento indica todavia que a probabilidade de tal correlação ser medida para uma distribuição isotrópica de fontes é de apenas 1%. Esse resultado aparentemente favorável pode ser contudo artificial devido ao pequeno número de dados.

MOND talvez requer matéria escura

segunda-feira, 13 jul 2009; \29\America/New_York\America/New_York\k 29 1 comentário

Um dos últimos refúgios para uma alternativa a existência de matéria escura no universo é o modelo conhecido por MOND. Benkenstein formulou uma versão relativística, conhecida pela sigla TeVeS. Em dois artigos recentes, Mairi Sakellariadou et al. (arXiv:0901.3932 e arXiv:0907.1463) do King’s College de Londres encontram evidência de que o modelo TeVeS não suporta simultaneamente as lentes gravitacionais e as curvas de rotação de galáxia sem exigir um componente de matéria escura. Para isso, eles analisaram as lentes gravitacionais e as curvas de rotação de seis galáxias. Para explicar lentes gravitacionais, a teoria exige um conjunto de constantes diferente do que ela exige para as curvas de rotação. Até o melhor ajuste das lentes deduz automaticamente uma quantidade de massa superior a massa luminosa das galáxias. Ou seja, ainda se ignorarmos as curvas de rotação, as lentes gravitacionais impõe a existência de matéria escura no modelo TeVeS — inclusive aproximadamente na mesma quantidade da Relatividade Geral.

Obter a massa luminosa das galáxias é relativamente fácil. Uma estimativa é contar o número de estrelas e multiplicar pela massa do Sol. No trabalho em questão, os autores utilizaram um resultado de um grupo de astrônomos que é preciso e sofisticado: a massa total luminosa é extraída de uma simulação da estrutura galática combinada com as propriedades conhecidas dos tipos de estrelas luminosas pertencentes a estas regiões, usando medidas astronômicas de luminosidade por freqüência como entrada.

Mais: pequena explicação em português sobre lentes gravitacionais e colóquio no IF-USP de Martín Makler (CBPF).

Mistérios do Universo Escuro: a palestra Buhl de 2009…

sexta-feira, 12 jun 2009; \24\America/New_York\America/New_York\k 24 Deixe um comentário

O guia do astronomo amador, parte I

quarta-feira, 29 abr 2009; \18\America/New_York\America/New_York\k 18 7 comentários

”Quero comprar um telescópio! Será que esse aqui é bom??”

Essa é uma pergunta feita dezenas e dezenas de vezes em fóruns de internet e comunidades do Orkut sobre astronomia. Muitas pessoas se interessam por astronomia e a indústria fornece equipamentos das mais variadas qualidades e preços por aí. Existem dezenas de guias na internet de como se escolher um telescópio, mas como eu escrevi recentemente sobre isso na comunidade de física do orkut, resolvi fazer um refactoring do resultado e colocar aqui no blog, para ficar mais acessível.

Também notei uma falta muito grande de novos textos sobre o assunto. O Atlas Celeste[1] do Ronaldo Rogério de Freitas Mourão (que tinha um prefácio do Drummond!!) e programas como o ”Olhando para o Céu” da TV Cultura, e os livros do Isaac Asimov (Alpha Centauri, principalmente) eram meu deleite na infância e adolescência. Infelizmente não vejo mais textos novos de divulgação de astronomia, que estimulem esse hobby maravilhoso da astronomia amadora.

Por isso decidi escrever uma série longa de posts sobre o assunto (dessa vez eu vou cumprir a promessa) e tentar resgatar isso.

Para começar no espírito do que a astronomia amadora pode proporcionar de emoção e desse sentimento de maravilhamento com o mundo que eu acho tão essencial para se engajar na ciência, ou pelo menos para apreciá-la, minha epígrafe para esse post (que chique!) é do Olavo Bilac:

“Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-Ias, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto …

E conversamos toda a noite, enquanto
A via láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: “Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?”

E eu vos direi: “Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas.”


Lição 1 – Não compre um telescópio ainda!!!

A primeira informação que você precisa saber é que um telescópio que custe em torno de 200 reais ou menos (em 2009) em uma loja não-especializada certamente é ruim. Telescópios são objetos caros, de manufatura complicada. Se você deseja um bom equipamento amador, vai ter que fazer um pequeno investimento. Há muitos telescópios baratos por aí, mas a maioria deles são para uso terrestre – para olhar paisagens à distância.  Para uso astronômico, talvez sirvam para ver mais ou menos a lua e nada mais. Não têm qualidade ótica nem abertura suficiente para que olhar para objetos astronômicos seja uma experiência de fato agradável.

Para entender porque, é necessário perceber que os objetos celestes, apesar de serem enormes e emitirem vastíssimas quantidades de energia luminosa, são pontos de luz muito tênues quando vistos no nosso céu. Estão muito distantes, fazendo com que a quantidade de luz proveniente desses objetos que atinge os nossos olhos muito pequena. Para se ter uma idéia, imagine brilho de uma lampadinha daquelas que usamos para enfeitar árvores de natal. Elas tipicamente emitem uma potência em torno de 1W cada uma. Se você ficar a dois metros de distância de uma dessas lâmpadinhas e olhar em sua direção, a potência luminosa que vai entrar no seu olho proveniente dela será da ordem de 2 milionésimos de um watt.

Toda a luz que entra no seu olho quando você olha para Sirius, a estrela  mais brilhante do nosso céu,  uma estrela gigantesca e bastante próxima da Terra para os padrões astronômicos, equivale a 5 \times 10^{-13} watts, ou 0.0000000000005 W. Ou seja: uma lampadinha de natal a 2 metros de distância é, aparentemente, 4 milhões de vezes mais brilhante que a estrela mais brilhante do céu !!

Isso ocorre por causa da tremenda distância que nos separa dessa estrela. Na realidade, a totalidade da luz emitida por Sirius equivale a um número tão grande de lampadinhas de natal que é difícil até de imaginar. Sirius emite pouco mais de 25 vezes mais luz que o nosso Sol, e equivale a 10^{28} lampadinhas – isso é 1 seguido de 28 zeros. O problema é que a nossa distância a essa estrela é tão grande, que a fração da área total para onde essa luz está se dispersando que corresponde ao nosso olho é ínfima.

Essa quantidade pequena de luz que recebemos é o grande fator limitante para a observação. O fator mais importante em toda construção de muitos equipamentos astronomicos é que a quantidade de radiação (luz, ou qualquer outro tipo) que nos atinge proveniente dessas fontes é muito menor do que a quantidade de radiação emitida por fontes mais próximas: principalmente o Sol e as fontes localizadas na Terra.

Por isso a variável mais importante a se observar em um telescópio é o que chamamos de abertura – qual é o diâmetro em milímetros da abertura por onde a luz entra no seu telescópio para ser manipulada. Quanto maior a abertura, mais luz o seu telescópio é capaz de captar e projetar no seu olho, tornando melhores dois aspectos: a resolução da imagem e a capacidade de observar objetos cada vez mais tênues. A nossa pupila tem em torno de 1cm² de área. Portanto, se temos um telescópio com 250mm de abertura, teremos uma área de captação  quase 4000 vezes maior, aumentando nessa mesma proporção a quantidade de luz que nosso olho recebe.

Essa é a principal causa de frustração com telescópios mal escolhidos. Um telescópio com abertura incompatível com o aumento que você deseja usar não vai mostrar nada além de borrões. E é o que acontece com esses equipamentos de baixo custo vendidos em lojas não-especializadas, com raríssimas exceções.

O que pode ser ainda frustrante, mesmo que você tenha um equipamento de primeira linha, é tentar usar um telescópio sem uma experiência prévia com astronomia. Não são equipamentos fáceis de manejar no começo. Leva um certo tempo a se acostumar com o campo de visão diminuto que um telescópio razoável possui e bastante treino até conseguir achar mesmo os objetos mais fáceis.

Por causa dessas duas coisas, comprar um telescópio antes da hora pode ser um tiro fatal no seu gosto por astronomia amadora. Mas não fique desanimado. Astronomia amadora é muito mais do que telescópios. Aqui eu pretendo ter um pequeno guia de como se tornar um astronomo amador bem sucedido e como se preparar para em pouco tempo poder aproveitar bem o que bons equipamentos astronômicos amadores podem oferecer.


Lição 2 – Como começar?

O primeiro passo para se tornar um astronomo amador é familiarizar-se com o céu. Escolha uma noite sem lua de céu bem limpo para olhar para o alto e observar por um tempo. Ao longo do tempo você vai perceber um lento movimento do céu, como se a esfera celeste girasse  constantemente do leste para o oeste – do nascente para o poente. No leste novas estrelas surgem, no oeste as que estão no céu somem. Esse movimento diário é conhecido de todos nós e é meramente devido à rotação da Terra em torno do seu eixo.

Outro movimento é um pouco mais sutil e exige mais do que apenas uma noite de observação. Se você marcar mentalmente a posição de alguns grupos de estrelas e observá-los seguidamente por várias noites no mesmo horário, perceberá que a cada dia que passa eles estão cada vez mais à oeste naquele mesmo horário. Se você olhar por um ano inteiro, verá que depois de um ano (sideral) aquele grupo de estrelas estará de novo na mesma posição naquele horário marcado. Aos que já conhecem isso, surpreendam-se com o fato de que muita gente ignora esse movimento do céu resultante da translação da Terra em torno do Sol. É fácil não perceber esse movimento sutil  com tantas luzes na cidade e tão pouco tempo para olhar para o céu. Aos que desconheciam esse efeito note no que ele implica: existem épocas certas do ano para observar certos objetos astronômicos!!

É fundamental que se entenda isso – esse fato básico levou ao início do interesse prático do homem pelo céu. Ao observar o movimento anual das estrelas as antigas civilizações podiam prever com muita precisão quando a estação das cheias chegaria e quando começaria a estiagem. As estrelas eram para eles um calendário natural – você pode dizer em que época está do ano sabendo que grupo de estrelas está  em certa porção do céu em um certo horário naquele dia.

Enquanto estiver procurando no céu as pegadas dos movimentos da Terra no sistema solar, procure observar que os grupos de estrelas são fixos – elas não se movem perceptivelmente umas com relação às outras. Formam figuras estáticas, sempre deslocando-se rigidamente para o oeste. Asterismo é o nome que se dá a um certo grupo de estrelas e certas figuras são associadas a esses grupos para facilitar sua identificação. Não confunda asterismos e constelações – originalmente ambos eram nomes para grupos de estrelas, hoje os astronomos usam o termo constelação não para identificar uma figura formada por um grupo de estrelas, mas uma certa região do céu. Apesar da distinção você vai provavelmente me ver usar os dois termos de forma intercambiável por vício pessoal. Mas mantenha na cabeça a distinção.

Agora que você está familiar com o céu, procure identificar as constelações mais notáveis. As três mais fáceis são o Cruzeiro do Sul, o Órion e o Escorpião. Suas estrelas formam figuras bem fáceis de acompanhar e são bem brilhantes. É muito útil ter uma carta celeste para saber quais constelações estarão no céu nesse dia e qual é a figura que você deve procurar. Quais estrelas estarão no céu em uma certa data depende da sua longitude, do dia do ano e do horário. Por isso um programa de computador ajuda nessas horas. Alguns sites de internet fornecem cartas celestes gratuitamente também. Na final do post vou comentar alguns sites e programas de computador que tornam a astronomia amadora muito mais fácil hoje do que no tempo dos anuários astronômicos e listas de efemérides.


Lição 3 – Cartas celestes

Carta celeste para o dia 1º de Maio as 22:00 na cidade de São Paulo

Carta celeste para o dia 1º de maio as 22:00 na cidade de São Paulo. Figure reproduced from http://www.heavens-above.com

Uma carta celeste é uma representação dos objetos astronômicos que estarão no céu em um certo horário de um certo dia do ano, em uma certa localização. É o objeto mais útil para se aprender a localizar estrelas, constelações e outros objetos. Apesar da carta ser exata apenas para o dia e horário em que foi feita, não é difícil usá-la para dias próximos – o movimento anual do céu é lento o bastante para que uma carta seja útil por vários dias.

Na figura ao lado vemos uma carta celeste para a cidade de São Paulo no dia 1º de maio de 2009, as 22:00. Os pontinhos escuros são as estrelas, que estão conectadas por tracinhos para facilitar o reconhecimento das constelações. A posição do  planeta Saturno e da Lua também estão marcados.

Usar a carta é bem fácil – coloque-a em posição horizontal, paralela à linha do horizonte, alinhando as marcações N, E, S e W com o Norte, Leste, Sul e Oeste respectivamente. Agora o que você vê no papel deve ser o exato reflexo do que está no céu nesse momento. Comparando o papel com o céu você pode identificar as constelações. Em breve, com um pouco de prática, você não vai precisar mais dela para constelações mais comuns e brilhantes.

Para obter uma carta como essa registre-se no site http://www.heavens-above.com, coloque a latitude e longitude de sua cidade (provavelmente já existe no banco de dados deles) e clique em ”whole sky chart”. Coloque a data e hora e pronto. Eis a sua carta celeste. Outra forma de obter uma é através do programa gratuito e open-source chamado Stellarium (http://www.stellarium.org/ – versões para windows, linux e mac). Esse programa realmente mostra uma simulação bem realista do céu noturno com muitos detalhes. Realmente vale a pena dar uma fuçada, mas eu acho que na hora de procurar mesmo um objeto uma carta celeste bem feita da região desejada no heavens-above ajuda muito mais.

Outro lugar para encontrar cartas celestes é o site da revista Astronomy (www.astronomy.com), onde também há muitos artigos e dicas sobre astronomia. Infelizmente ainda é difícil achar links em português. O site do CDA – Centro de Divulgação de Astronomia, um mini-observatório de divulgação de astronomia da USP de São Carlos [2]é  bom. O site da revista eletrônica Café Orbital, produzida pelo Observatório Nacional, também é muito bom e costuma ter bons cursos online gratuitos de astronomia (http://www.on.br/revista/).

Para terminar esse primieiro post, a lição número 4 será bem destacada:

Lição 4 – PROCURE UM GRUPO OU CLUBE DE ASTRONOMIA!!!!

Muitas cidades possuem clubes de astronomia, grupos de astronomos amadores e até mesmo observatórios de divulgação científica. Nesses lugares você vai encontrar a coisa que você mais precisa – pessoas experientes que podem te dar dicas e ajudar, e vai encontrar o que você mais quer – telescópios apontados para o céu

Fecho o primeiro post dessa série com uma pequena lista de lugares a visitar para os que moram no estado de São Paulo. Eu não conheço muita coisa fora do estado, então exigiria um pouco mais de pesquisa. Mas eu prometo que no próximo post vou tentar colocar mais contatos sobre o assunto pelo Brasil.

Grupos, clubes e centros de divulgação de astronomia no estado de São Paulo

CDA/CDCC – Centro de Divulgação de Astronomia – Centro de Divulgação Científica e Cultural
O CDA possui um pequeno observatório no campus da USP em São Carlos. O observatório abre durante os fins de semana para o público de forma totalmente gratuita. É só chegar e entrar. Monitores estão disponíveis para mostrar os telescópios e responder perguntas. Procure saber sobre as palestras de sábado a noite.

CASP – Clube de Astronomia São Paulo – http://www.astrocasp.com/home
Provavelmente o maior clube de astronomia do Brasil. Realiza cursos e eventos com frequencia na cidade de São Paulo e fora dela. Têm listas grandes de discussão por e-mail e seus membros chegam até a fazer pesquisa acadêmica séria!! (sim! A astronomia é uma ciência que ainda é muito beneficiada pelos amadores).

Grupo de astronomia Sputnik – http://sputnikers.blogspot.com/
Um grupo ainda pequeno criado por amigos estudantes da USP mas que frequentemente levam telescópios para a praça do relógio, no campus Butantã da Universidade de São Paulo na capital.

CEU – Centro de Estudos do Universo  – http://www.fundacaoceu.org.br
Uma fundação privada de divulgação científica localizada em Brotas-SP. Recebe turmas de estudantes e excursões. Possui telescópios, um planetário e monitores treinados para receber todo tipo de visitantes.

Mini-observatório INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – http://www.das.inpe.br/miniobservatorio/
Em São José dos campos há um observatório de divulgação científica com um belo telescópio Schmidt-Cassegrain de 280mm de abertura. Para agendar visitas com turmas telefone para o Departamento de Astronomia – (12) 3945-7200 falar com Valéria.

Notas

[1] Era um livro muito querido do meu pai, e ele me deu o exemplar dele quando eu era adolescente. Talvez tenha sido o melhor presente que eu já ganhei, pelo valor que tinha para ele e pela ânsia com o qual eu o queria.

Velhas e novas evidências da matéria escura, e um pouco do lado negro da força

quinta-feira, 12 mar 2009; \11\America/New_York\America/New_York\k 11 10 comentários

Ilustração da situação do espectro de raios cósmicos. Com o lado negro da força no meio.

Ilustração da situação do espectro de raios cósmicos. Com o lado negro da força no meio.


Ah, terminado esse trimestre, dois seminários de cursos concluídos. Daí pensei em compartilhar com vocês o que eu aprendi para dar um desses seminários: os possíveis novos sinais (de outubro de 2008) da existência da matéria escura que vieram do satélite PAMELA e do balão ATIC. 🙂 Fica ai quem quiser… Primeiro eu falo sobre as velhas evidências, depois sobre as novas.

Coisas velhas

Já estava na hora de falar de matéria escura nesse blog. Essa história começou quando o Zwicky descobriu que a razão massa/luminosidade de galáxias espirais é pelo menos mais de 10 vezes maior que a do Sol. A luminosidade é uma medida da potência irradiada da luz (aquela em Watts), essa se mede diretamente na Terra. E a massa se acha utilizando a lei de Newton da gravidade para deduzir a distribuição de velocidades das estrelas nas galáxias. Mais tarde, Vera Rubin fez várias medidas precisas das velocidades das estrelas em várias galáxias espirais e obteve sistematicamente que a velocidade é mais ou menos constante mesmo longe do centro luminoso da galáxia (onde a maioria das estrelas se encontram). Isso só pode ser explicado no paradigma da gravitação de Newton se há uma distribuição aproximadamente uniforme de massa que se estende para bem além da galáxia visível (chamado halo de matéria escura).

Mas esse efeito não é, de repente, da Relatividade Geral? A resposta é não, por duas razões muito importantes. A primeira é que a velocidade das estrelas nas galáxias é tão pequena em comparação com a da luz que é válida a lei de Newton. E isso é possível ser quantificado com a aproximação pós-Newtoniana da Relatividade Geral, que é confirmada com enorme precisão nas medidas da NASA/CalTech da órbita das sondas espaciais e da Lua no Lunar Ranging Interferometer (saca só este artigo). A segunda é que mesmo a Relatividade Geral em toda a sua glória (resolvida exatamente, sem nenhuma aproximação) exige a matéria escura, por causa do diagrama de Hubble.

Qual é a desse diagrama? Na Relatividade Geral se calcula o valor do parâmetro de Hubble (que não é constante) em função da idade do universo em termos dos constituintes do universo: radiação, matéria massiva e qualquer outra coisa que você quiser colocar. A grande utilidade dessa variável cosmológica é que a dependência dela com a idade é distinta para cada diferente componente. P.ex. a matéria massiva contribui com uma potência (1+z)3 para H2, onde z é o desvio para o vermelho das linhas espectrais (quanto maior z menor é a idade do universo), mas a radiação contribui com (1+z)4, a energia escura contribui com \approx (1+z)^0 (constante) e por ai vai (err.. na verdade tem que fazer uma integral dessa série de potências… mas permita-me simplificar, ok?). Então é fácil saber quanto tem de matéria massiva no universo: medindo o valor de H em função de z utilizando diversos dados astronômicos, basta ajustar uma série de potência aos dados e extrair o coeficiente do termo adequado. Resultado: ~ 30% da densidade de energia do universo é matéria massiva. Mas isso não pode ser bárions ou léptons (prótons, nêutrons / elétron e neutrino), porque a abundância primordial de hélio-4, hélio-3, hidrogênio, deutério, lítio, boro e outros restringe que esse tipo de material só soma 4%-5% no máximo. Portanto, cerca de 25% da densidade de massa do universo é composta de algo desconhecido (a matéria escura).

Coisas novas

Há um modelo astrofísico no mercado que prevê o número de partículas como elétrons, pósitrons, prótons, etc. que devem chegar a Terra — os raios cósmicos — vindo de processos naturais de estrelas na galáxia, a versão mais sofisticada atual é do Igor Moskalenko (Stanford U) e Andrew Strong (Max Planck). Esse modelo faz um bom trabalho em prever quase todo o espectro de raios cósmicos de poucos MeV até 10 TeV (são aqueles que vem da nossa própria galáxia). Isso é visto com nitidez nas Figs. 1 e 2. Mas na Fig. 2 você vê que há uma lombada nos dados que o modelo perde. E na Fig. 3 você vê que o modelo está completamente fora. Qual a explicação para a lombada do ATIC na região de 300 – 800 GeV? E o excesso de pósitrons do PAMELA em comparação com o cálculo astrofísico?

Agora, outro ponto de informação interessante. O satélite INTEGRAL/SPI mediu uma emissão de luz que vem do centro da galáxia que é devida a reação elétron+pósitron->fótons. De onde vem esses pósitrons no centro da galáxia? Os dados do INTEGRAL já excluiram a possibilidade de supernovas. Até o momento os astrofísicos não tem idéia…

Espectro de antiprotons medidos pelo satélite PAMELA (Out 2008). As linhas correspondem a modelos, a sólida a um do tipo Moska&Strong.

Fig. 1. Espectro de antiprotons medidos pelo satélite PAMELA (Out 2008). As linhas correspondem a modelos, a sólida a um do tipo Moska&Strong.

Espectro de elétrons cósmicos na Terra medido pelo balão ATIC (Nature, Out 2008). A curva tracejada é o resultado do cálculo Moska&Strong somado com fontes pontuais astrofísicas de conhecimento do ATIC que estavam ativas no momento das medidas (a contribuição destas é exageradas nas curvas corloridas).

Fig. 2. Espectro de elétrons cósmicos na Terra medido pelo balão ATIC (Nature, Out 2008). A curva tracejada é o resultado do cálculo Moska&Strong somado com fontes pontuais astrofísicas de conhecimento do ATIC que estavam ativas no momento das medidas (a contribuição destas é exageradas nas curvas corloridas).

Medidas precisas do espectro de pósitrons cósmicos do satélite PAMELA. A linha sólida é o cálculo Moska & Strong. Esse gráfico não é tão bom quanto do ATIC porque PAMELA não incluiu (ainda) o fluxo previsto por qualquer fonte pontual temporária (diferente do ATIC).

Fig. 3. Medidas precisas do espectro de pósitrons cósmicos do satélite PAMELA. A linha sólida é o cálculo Moska & Strong. Esse gráfico não é tão bom quanto do ATIC porque PAMELA não incluiu (ainda) o fluxo previsto por qualquer fonte pontual temporária (diferente do ATIC).

A-Ha. Ai há uma janela de descobertas. Enquanto alguns se perguntam que mecanismo de aceleração de partículas carregadas foi esquecido (um pulsar, talvez) no modelo Moska&Strong, outros propõem que os excessos vistos por PAMELA, ATIC e INTEGRAL são da matéria escura. Dentro de um modelo genérico para a matéria escura conhecido por WIMPs (de weakly interacting massive particles, partículas massivas que interagem pela força eletrofraca), é previsto que na galáxia atualmente deve haver aniquilação de WIMPs com anti-WIMPs. WIMPs aparecem muitas vezes em modelos além do Modelo Padrão (que resolvem o chamado problema da hierarquia): dimensões extras, supersimetria (SUSY), Little Higgs, etc. Dentro do modelo de que existem mais dimensões espaciais no universo, mas que são grandes ~ 10-16 cm (i.e. TeV) em comparação com o comprimento de Planck, esses dados podem ser naturalmente explicados. Isso já havia sido mostrado na publicação original do ATIC na Nature, todavia há trabalhos mais detalhados disponíveis. Não tem muito jogo de cintura possível aqui porque a seção de choque de produção dessas partículas é fixada automaticamente pela densidade de matéria, e a escala de massa (embora não o valor exato) é fixada pela massa do bóson W.

O Modelo Padrão Supersimétrico Mínimo (MSSM) não consegue, por si só, explicar os dados do PAMELA. A seção de choque do MSSM fixada pela densidade de matéria escura observada astronomicamente precisa de um fator pelo menos de 30 para explicar o número de pósitrons observados. Dependendo de como você brinca com os parâmetros dos modelos supersimétricos, esse fator pode chegar a 100, 1000… 1010. Mas nem tudo está perdido para supersimetria. Fatores de 100 ou 1000 foram recentemente descobertos como esperados se você introduzir uma nova interação na teoria, que interage fortemente com a matéria escura, mas não com as partículas já conhecidas. Curiosamente, os dados do PAMELA e do ATIC sugerem que essa nova interação tem que ser leve em comparação com a escala TeV, digamos de poucos GeV de massa ou menos. Se essa nova interação escura for devida a uma partícula de massa da ordem de até 100 MeV, ela pode explicar a origem do sinal do INTEGRAL, porque permite um mecanismo no qual há uma pequena diferença de massa entre estados da matéria escura que é da ordem de MeV, e transições entre esses estados estão na região certa de energia para criar pares elétron-pósitrons (o par tem 1 MeV de massa). Com isso se explica tanto o sinal do PAMELA e ATIC, que exige uma partícula de matéria escura pesada > 600 GeV para produzir elétrons/pósitrons nas energias observadas, com o INTEGRAL/SPI que exige matéria escura ~ 1-100 MeV.

E então? Nova física? Novas partículas? Uma nova força que age apenas nas matéria escura portanto, uma força escura? 🙂

Citation Needed

  1. ATIC: J. Chang et al. (ATIC), Nature 456, 362 (2008).
  2. PAMELA: antiprotons, positrons
  3. Nova força escura: N. Weiner et al.; Katz & Sundrum Model para SUSY.

Buracos negros e estrelas hiper-velozes

domingo, 1 mar 2009; \09\America/New_York\America/New_York\k 09 1 comentário

SDSS J090745.0+024507, a primeira estrela hiper-veloz, descoberta em 2005.

SDSS J090745.0+024507, a primeira estrela hiper-veloz, descoberta em 2005.

Edição 15/03: correção: o referencial adotado para medir a velocidade da estrela hiper-veloz é o Sol, não o centro da galáxia (como está dito no artigo do W. Brown).

A teoria da Relatividade Geral hoje em dia na mídia e na divulgação científica deixou de ganhar um certo status de surpreendente, que as pessoas tem concentrado muito mais na mecânica quântica. Mas a Relatividade tem suas grandes surpresas contra-intuitivas também. Um exemplo são as propriedades dos buracos negros. Você sabia, por exemplo, que é impossível destruir um buraco negro? Esse é um teorema da Relatividade, e foi demonstrado pela primeira vez por Stephen Hawking.

Há muitas evidências astronomicas dos buracos negros. Uma das mais recentes surgiu em 2005: a descoberta da primeira estrela na Via Láctea com velocidade superior a velocidade de escape da galáxia. A velocidade da bichinha é 853 km/s em relação ao Sol. Para uma comparação, a velocidade orbital do Sol ao redor do centro da galáxia é cerca de 220 km/s. Essa estrela foi descoberta por Warren Brown e colaboradores, do Centro de Astrofísica Smithsonian de Harvard.

Buracos negros são capazes de ejetar estrelas da galáxia (Figura do NY Times).

Buracos negros são capazes de ejetar estrelas da galáxia (Figura do NY Times).


A existência de estrelas com velocidades da ordem de 103 km/s foi prevista teoricamente em 1988 por Jack G. Hill, num artigo publicado na Nature. Hill observou que se existe um buraco negro no centro da nossa galáxia, então quando um binário de estrelas passa próximo do buraco negro, uma estrela do par pode ser capturada e a segunda é ejetada com enorme velocidade. Nenhum outro processo astrofísico na galáxia conhecido é capaz de produzir velocidades tão altas. É importante ressaltar que o mecanismo não funciona se o buraco negro for substituido por uma estrela de mesma massa de qualquer natureza, porque há um mecanismo de fricção devido a qualidade de fluido da estrela supermassiva que reduz drasticamente a velocidade da ejeção. A única razão pela qual buracos negros podem realizar esse mecanismo é que eles não são bolas de um fluido.

Hoje já são conhecidas cerca de 10 estrelas hiper-velozes na galáxia, a maioria graças a um continuado programa de busca de tais estrelas liderado por Brown. As observações da distribuição espacial, de velocidades e de massa dessas estrelas permite ainda discriminar detalhes do mecanismo de ejeção de buracos negros: se as estrelas foram ejetadas por um buraco negro solitário, um binário de buracos negros, ou um sistema mais complicado envolvendo um buraco negro. Ainda não há número suficiente de estrelas hiper-velozes para isso: seriam necessárias cerca de 100 para diferenciar os mecanismos.

No centro da nossa galáxia já havia evidência da existência de pelo menos um buraco negro, Sagitário A*. Observações que duraram 14 anos da posição de estrelas no centro da galáxia resultaram neste belo e impressionante vídeo. Estas observações, combinadas com a descoberta das estrelas hiper-velozes, é consistente com a idéia de que há um buraco negro no centro da galáxia e que as órbitas de Sagitário A* provavelmente não são devidas a uma bola de gás (que por algum mecanismo físico não emite luz).

Para saber mais assista a palestra do astrônomo Warren Brown, Hypervelocity Stars and Massive Black Holes no Dartmouth College, 02/06/09.

%d blogueiros gostam disto: