Arquivo

Archive for the ‘hep-ex’ Category

Uma visão da DPF2011…

sábado, 13 ago 2011; \32\UTC\UTC\k 32 Deixe um comentário

Anúncios

Conferência da Divisão de Partículas e Campos de APS…

segunda-feira, 8 ago 2011; \32\UTC\UTC\k 32 Deixe um comentário

Hoje (segunda-feira, 08-Ago-2011) começa a edição de 2011 da Conferência da Divisão de Partículas e Campos da American Physical Society.

O programa da Conferência pode ser encontrado no link de ‘Schedule’ da mesma.

Mais ainda, os “proceedings” da Conferência serão publicados através do eConf.

Há também uma página para a Conferência no Indico do CERN, DPF2011 @ Indico/CERN. (A razão pra essa duplicação de esforços está fora da minha alçada (coisas da dicotomia de se passar o tempo dividido entre duas insituições) — quando me chamaram pra ajudar na organização da DPF2011 esse tipo de decisão já havia sido tomada. :razz:)

De qualquer maneira, essa página no Indico contém links para os Resumos das palestras e posteres, índice dos autores e palestrantes. Em particular, nestas listagens e índices é possível se encontrar os PDF que já foram carregados para o servidor.

Eu e o Rafael estamos atendendo a DPF2011. Então, vcs podem esperar por twittadas, fotos, posts, etc, etc, etc… provavelmente não no estilo “cobertura ao vivo”, uma vez que tudo vai ser meio corrido, mas fica aí aberto o canal pra quem quiser fazer perguntas ou participar de alguma outra maneira. 😉

A semana nos arXivs…

quinta-feira, 18 mar 2010; \11\UTC\UTC\k 11 4 comentários

Como vcs devem ter notado, já faz um tempo que não tenho conseguido publicar minha lista de artigos dos arXivs por aqui. Não que eu tenha deixado de ler ou de selecionar meus artigos preferidos nos arXivs — quem acompanha meu Google Buzz ou Google Reader sabe que isso não é verdade (eu leio os arXivs religiosamente todo santo dia 😎 ) —, mas o tempo anda cada vez mais curto pra vir aqui e publicar a lista (e o WordPress ainda não fez o favor de instalar o Markdown por aqui, o que é realmente um empecilho pra quem não curte muito o “Visual Editor” 😛 ).

De qualquer maneira, agora com o advento do Google Buzz e suas conexões com o Google Reader, a “vida digital” tem mudado um pouco de ângulo… então, eu pensei em dar um drible-da-vaca nessa situação: por que não fazer listas no Twitter?! Basta marcar cada tweet com um #hashtag apropriado, e tudo fica resolvido. 😎

Os #hashtag são evidentes, então já vou linkar direto para os ‘saved searches’ deles,

Assim fica fácil: é até possível se inscrever nos feeds de cada um dos #hashtag! 😎

Vamos ver se essa nova empreitada alça vôo… 😈

Pierre Auger enfraquece relação entre UHECR e núcleos ativos de galáxias

terça-feira, 14 jul 2009; \29\UTC\UTC\k 29 Deixe um comentário

Durante a 31a Conferência Internacional de Raios Cósmicos na Polônia (7 – 15 Julho 2009), a colaboração Pierre Auger tornou pública uma maior quantidade de dados de raios cósmicos de altas energias (UHECR) — maior que 107 TeV — e concluiu que a relação entre núcleos ativos de galáxias (AGNs) e a origem destes raios cósmicos está mais fraca do que eles haviam encontrado em novembro de 2007. Acredita-se que AGNs diferem das galáxias comuns por possuírem um buraco negro central que acelera matéria produzindo radiação eletromagnética em quantidade muito superior aquela que poderia ser obtida dentro de estrelas.

Na primeira análise, publicada na revista Science, 18 de 27 eventos encontravam-se a menos de 3° de um AGN. Na nova análise de julho de 2009, 17 eventos de 44 foram encontrados na direção de AGNs. Os dados são parcos e a colaboração conclui que mais informação é necessária para creditar AGNs como fontes dos raios cósmicos de ultra energia. Uma análise estatística no momento indica todavia que a probabilidade de tal correlação ser medida para uma distribuição isotrópica de fontes é de apenas 1%. Esse resultado aparentemente favorável pode ser contudo artificial devido ao pequeno número de dados.

Novo valor para a massa do top, e a coincidência persiste

terça-feira, 17 mar 2009; \12\UTC\UTC\k 12 Deixe um comentário

Hoje apareceu no arxiv um artigo do CDF e D0 com o mais recente resultado da medida da massa do top:

m_\text{top} = 173.1 \pm 1.3 \,\text{GeV} \, .

Este resultado é relativamente mais preciso do que se tinha até então, e está jogando a massa do top de volta aos 173 (o valor já foi 160, passou para 170 uns anos atrás e agora se mantém bem em cima do 174). O interessante desse número para massa do top é que o valor do campo do bóson de Higgs no vácuo é v = 246.2\, \text{GeV} (nível árvore), fornecendo um acoplamento do Higgs aos férmions igual a v/\sqrt{2\,{}} =174.1 \,\text{GeV}, que é praticamente idêntico a massa do top.

A massa das partículas no Modelo Padrão é paramétrica a este valor de v : \lambda\, v, onde \lambda é um número adimensional. Para a maioria das partículas \lambda é pequeno, já que a massa de todas é bem menor que 174 GeV. Isso é importante porque acredita-se que a massa das partículas no Modelo Padrão é proveniente de um acoplamento fraco com o Higgs, que permite o uso de teoria de perturbação. Mas a massa do top está perto de desafiar essa idéia, já que ela exige um acoplamento \lambda igual a 1. Isso em si não é um problema técnico porque em detalhes a teoria de perturbação é válida mesmo quando os acoplamentos são \approx O(1) devido a um efeito quântico, sendo que a quantidade mais relevante é na realidade \lambda/(16\, \pi^2) vezes um certo logarítmo, que quase sempre é muito pequeno. Além disso, nós já conhecemos um exemplo de teoria da perturbação para partículas que milagrosamente funciona mesmo sendo uma expansão em um número da ordem de 1 que é a Lagrangiana quiral para píons e nucleons. Mas o valor da massa do top é um pouco não natural porque no Modelo Padrão não há nenhuma boa razão para esse acoplamento ser 1. Há uma coincidência de massa inexplicável ai…

Não sei se correções radiativas melhoram ou pioram a concordância do VEV do Higgs com a massa do top, alguém conhece uma referência?

Ah, e olhando rapidamente estes artigos experimentais não vi que esquema de renormalização eles estão usando para essa massa. Como a massa dos quarks depende do esquema de renormalização, isso deveria estar dito em algum lugar. Eu suponho que seja \overline{MS}.

%d blogueiros gostam disto: