Arquivo

Archive for the ‘hep-ph’ Category

Uma visão da DPF2011…

sábado, 13 ago 2011; \32\America/New_York\America/New_York\k 32 Deixe um comentário

Conferência da Divisão de Partículas e Campos de APS…

segunda-feira, 8 ago 2011; \32\America/New_York\America/New_York\k 32 Deixe um comentário

Hoje (segunda-feira, 08-Ago-2011) começa a edição de 2011 da Conferência da Divisão de Partículas e Campos da American Physical Society.

O programa da Conferência pode ser encontrado no link de ‘Schedule’ da mesma.

Mais ainda, os “proceedings” da Conferência serão publicados através do eConf.

Há também uma página para a Conferência no Indico do CERN, DPF2011 @ Indico/CERN. (A razão pra essa duplicação de esforços está fora da minha alçada (coisas da dicotomia de se passar o tempo dividido entre duas insituições) — quando me chamaram pra ajudar na organização da DPF2011 esse tipo de decisão já havia sido tomada. :razz:)

De qualquer maneira, essa página no Indico contém links para os Resumos das palestras e posteres, índice dos autores e palestrantes. Em particular, nestas listagens e índices é possível se encontrar os PDF que já foram carregados para o servidor.

Eu e o Rafael estamos atendendo a DPF2011. Então, vcs podem esperar por twittadas, fotos, posts, etc, etc, etc… provavelmente não no estilo “cobertura ao vivo”, uma vez que tudo vai ser meio corrido, mas fica aí aberto o canal pra quem quiser fazer perguntas ou participar de alguma outra maneira. 😉

Relatividade Geral no Mathematica

sábado, 5 mar 2011; \09\America/New_York\America/New_York\k 09 4 comentários

Esse post é diferente do que eu escrevo usualmente, será um tutorial de um programa em desenvolvimento para fazer contas simbólicas em gravitação no Mathematica. Isso pode ser muito últil em um curso de Relatividade Geral da pós-graduação e teoria quântica de campos em espaço-tempos curvos, além de pesquisa.

Primeiro, você vai precisar do pacote xAct:

http://www.xact.es/

O xAct é dividido em vários subpacotes, eu vou me concentrar nos dois primeiros destes aqui:

  1. xTensor: permite usar a mesma notação de tensores usada na física, dentro do Mathematica. É a função principal do xAct.
  2. xCoba: permite definir sistemas de coordenadas.
  3. xPert: teoria de perturbação em gravitação.

Eu coloquei o terceiro acima para chamar a sua atenção. O objetivo do xAct é permitir escrever contas complicadas usando tensores, o que se tornou necessário com o avanço da cosmologia que hoje já requer perturbação em segunda ordem em Relatividade Geral.

Leia mais…

Estranha natureza da matéria escura

domingo, 25 abr 2010; \16\America/New_York\America/New_York\k 16 2 comentários


Fotografia em raios X da galáxia NGC 720 do telescópio Chandra da NASA (lado esquerdo) revelaram a estrutura de matéria escura da galáxia (foto óptica ao lado direito), que agora desfavorece a existência de interações da matéria escura causadas por um bóson escuro leve.
Quem acompanha o blog viu que no final de 2008, o satélite europeu Pamela apresentou qual o número de prótons e pósitrons que bombardeiam a Terra vindo da galáxia e descobriu que para energias acima de aproximadamente 10 GeV, o número de pósitrons começa a aumentar, enquanto o número de prótons continua a diminuir[1].
Como um pósitron consegue chegar a 10 GeV de energia, que corresponde a uma temperatura de 1014 K, quando a temperatura no núcleo do Sol é de apenas 107 K? De onde veio essa energia do próton?
Em 1949, Enrico Fermi mostrou que esse tipo de energia para raios cósmicos é natural[2]. Existem prótons e elétrons espalhados pela galáxia, que vieram de processos astrofísicos, largados aqui e ali por estrelas e supernovas. Eventualmente eles encontram o campo magnético que existe na galáxia e ficam presos, mas esse campo possui inomogeneidades, gradientes, e a partícula quando encontra um pico de intensidade do campo magnético recebe uma força maior que a média que a mantém presa no campo e acaba sendo liberada com uma energia maior. Quanto mais energética é a partícula, mais difícil é desviá-la do seu caminho, então podemos em primeira aproximação imaginar que os acréscimos são inversamente proporcionais a energia que a partícula já possuia antes de receber o pontapé do campo magnético. Então a probabilidade de observar uma partícula com energia E na Terra deve ser inversamente proporcional a sua energia,

 
P(E) \propto 1/E^\gamma

onde \gamma > 0 é um fator a ser determinado experimentalmente. Esse mecanismo de Fermi não poderia explicar o súbito crescimento do número de partículas com energias acima de 10 GeV observados no Pamela e no ATIC, e por isso o crescimento foi interpretado como um sinal de nova física.
Mas se esse excesso fosse devido a aniquilação de matéria escura na galáxia produzindo pósitrons, então a probabilidade de aniquilação de matéria escura teria que ser muito maior que o valor esperado no cenário de WIMPs. Por isso, Neil Weiner e colaboradores sugeriram que deveria existir uma nova partícula leve que só interage com a matéria escura, porque tal interação introduziria um fator de aumento na probabilidade de aniquilação da matéria escura que depende da velocidade do gás de matéria escura:

 
S = \displaystyle{\frac{\pi \alpha_X / v_\text{rel}}{1 - \exp(-\pi \alpha_X/v_\text{rel})}}

Infelizmente, este mês relata Jonathan Feng e colaboradores na Phys. Rev. Lett. que essa interação já está excluída devido ao formato das galáxias[3]. Motivados por estudos numéricos do formato dos halos de matéria escura quando se inclui interações[4], eles argumentam que a introdução de interação favorece a formação de halos mais esféricos do que aqueles que seriam formados desprezando interações, e então usam os dados sobre a elipsidade do halo da galáxia NGC 720 que foi estudado com as imagens de raios X do telescópio Chandra[5] e comparam com as simulações numéricas em função da intensidade da interação da matéria escura para restringir a seção de choque. O principal resultado deles é o gráfico da Fig. 1, que mostra que o valor do aumento da seção de choque S compatível com os dados do satélite Pamela não é compatível com o valor limite de S permitido pelo formato do halo de matéria escura de NGC 720.

Fig. 1, gráfico de S versus massa da partícula de matéria escura, da ref. 2. A região verde indica a parte favorecida pelos dados do Fermi, a vermelha pelos dados do Pamela. A linha tracejada indica o limite em S extraído da forma da galáxia NGC 720, e a linha azul da abundância de matéria escura. A discrepância se dá no fato que para produzir as regiões verde e vermelho, é necessário que a partícula intermediadora da aniquilação de matéria escura tenha massa 250 MeV, que já está excluído nesta região que requer uma massa de, no máximo, 30 MeV.

Esse resultado é consistente com a interpretação de que não há nenhum excesso no espectro de raios cósmicos, como os novos dados do satélite Fermi sugerem.

Referências

  1. Velhas e novas evidências da matéria escura
  2. E. Fermi, Phys. Rev. 75, 1169–1174 (1949).
  3. J. L. Feng, M. Kaplinghat, H.-B. Yu, Phys. Rev. Lett. 104, 151301 (2010).
  4. Romeel Davé et al. ApJ 547 574 (2001).
  5. David A. Buote et al ApJ 577 183 (2002).

A semana nos arXivs…

quinta-feira, 18 mar 2010; \11\America/New_York\America/New_York\k 11 4 comentários

Como vcs devem ter notado, já faz um tempo que não tenho conseguido publicar minha lista de artigos dos arXivs por aqui. Não que eu tenha deixado de ler ou de selecionar meus artigos preferidos nos arXivs — quem acompanha meu Google Buzz ou Google Reader sabe que isso não é verdade (eu leio os arXivs religiosamente todo santo dia 😎 ) —, mas o tempo anda cada vez mais curto pra vir aqui e publicar a lista (e o WordPress ainda não fez o favor de instalar o Markdown por aqui, o que é realmente um empecilho pra quem não curte muito o “Visual Editor” 😛 ).

De qualquer maneira, agora com o advento do Google Buzz e suas conexões com o Google Reader, a “vida digital” tem mudado um pouco de ângulo… então, eu pensei em dar um drible-da-vaca nessa situação: por que não fazer listas no Twitter?! Basta marcar cada tweet com um #hashtag apropriado, e tudo fica resolvido. 😎

Os #hashtag são evidentes, então já vou linkar direto para os ‘saved searches’ deles,

Assim fica fácil: é até possível se inscrever nos feeds de cada um dos #hashtag! 😎

Vamos ver se essa nova empreitada alça vôo… 😈

Fofoca do CDMS…

quinta-feira, 3 dez 2009; \49\America/New_York\America/New_York\k 49 11 comentários

Fofoca de Física é punk… 😎

Mas, anda correndo na boca miúda… que o CDMS está prestes a fazer um “anúncio público” no dia 18 de Dezembro (exatos 15 dias de hoje)! Inclusive, continua a fufuca, com direito a artigo publicado na Nature e tudo mais. 😈

Não dá pra contar a fonte, claro (senão, não seria fufuca 😉 ), … mas, dá pra dizer que a notícia veio desde o “alto escalão“, do “alto clero“, direto pros mortais…

😈

Fiquem ligados!

Buracos negros de laboratório

quarta-feira, 30 set 2009; \40\America/New_York\America/New_York\k 40 Deixe um comentário

Analogia em Física

Não é só a boa prática de didática que se vale das analogias. A física também faz bom uso dessa idéia. Você sabia que é possível, por exemplo, estudar as leis de Newton debaixo d’água usando circuitos elétricos? Bom, mais ou menos. Acontece que a equação que descreve a quantidade de carga elétrica presente em um circuito com um capacitor, resistor e uma bobina (um indutor) é a mesma associada ao movimento de uma massa presa a uma mola na presença de um meio que provoca resistência. É claro que os símbolos presentes nessa equação nesses dois casos representam elementos da realidade diferentes. No movimento massa-mola, a função que aparece na equação é a posição da massa, e os coeficientes da equação são dados pela massa, a constante da mola e a viscosidade do fluido. No caso do circuito, a função é carga elétrica no capacitor e os coeficientes estão relacionados a bobina, capacitância e resistência do circuito. Em física se diz que o circuito é um análogo do sistema massa-mola imerso em um fluido.

Mais especificamente, a equação que descreve o movimento de uma massa m presa a uma mola de constante k levando em conta a resistência do fluido é
m\ddot{x} + \beta \dot{x} + k x = 0
Já a carga elétrica Q em um capacitor de capacitância C em um circuito formado por um indutor de indutância L e resistência R satisfaz a equação
L \ddot{Q} + R\dot{Q} + Q/C = 0.

Se as equações são as mesmas, então as soluções das equações também são as mesmas. O objetivo de estudar análogos é encontrar sistemas que são fáceis de serem construídos em laboratórios e suscetíveis ao controle do experimentador que sejam análogos de um sistema difícil de ser estudado em laboratório. Dessa forma, como as equações são as mesmas, isso permite ao menos dar uma confiança indireta, uma evidência, de que se uma certa teoria não foi testada em um certo regime apenas, mas descreve muito bem outros aspectos da Natureza, então se for possível encontrar um análogo que seja fácil de reproduzir em laboratório daquele regime não-testado, será possível ao menos verificar que as soluções matemáticas da teoria de fato admitem (ou não) um determinado comportamento. Se usarmos um circuito para representar uma massa presa a uma mola em um fluido, não seremos capazes de testar se as leis de Newton descrevem corretamente o movimento da massa mas se assumirmos que ela descreve, podemos testar as soluções da teoria de Newton.

Claro que no caso da teoria de Newton essa tarefa é trivial, porque nós podemos testar a teoria de Newton diretamente. Basta colocar uma massa presa a uma mola dentro de um tubo transparente cheio de água e usar um cronômetro para medir o deslocamento em função do tempo da massa. É quando a teoria que temos não nos permite testes em laboratórios que os análogos se tornam realmente importantes.

Construindo buracos negros em laboratórios

Imagem em raios X colorida artificialmente do satélite Chandra da NASA de Sagitário A*, o buraco negro no centro da Via Láctea.

Imagem em raios X colorida artificialmente do satélite Chandra da NASA de Sagitário A*, o buraco negro no centro da Via Láctea.

Um grupo de Dartmouth College nos Estados Unidos, Paul Nation, Miles Blencowe e Alex Rimberg junto com E. Buks de Technion em Israel, mostrou como construir um análogo de um buraco negro. Nesse caso não apenas é possível obter equações análogas ao horizonte de eventos como também o processo de criação de pares de partículas-antipartículas do vácuo que provoca a radiação Hawking! Como a radiação Hawking de buracos negros é muitíssimo fraca, associada a uma temperatura da ordem de 10-10K, é improvável que seja possível medi-la diretamente e logo análogos se tornam preciosos.

O análogo proposto pelo grupo funciona da seguinte forma. Primeiro, você considera uma série de vários elementos de circuitos supercondutores em série chamados de SQUIDs. Esses elementos são usados para medir variações minúsculas em campos magnéticos, campos que podem ser tão pequenos quanto 10-18 T — para uma comparação, o campo magnético da Terra é da ordem de 50×10-6 T. Além disso, você passa um pulso eletromagnético de microondas que vai se propagar através da cadeia de SQUIDs. Se você tiver um número suficientemente grande de SQUIDs em cadeia — da ordem de 2 mil –, você pode aproximar a equação que descreve a variação da corrente ao longo do circuito por uma equação que descreve algo parecido com uma onda. Uma vez que temos uma equação desse tipo, é possível escreve-la em uma forma que representa a equação de movimento de um campo escalar na presença de um campo gravitacional. Isso é possível graças ao fato de que, devido ao princípio da equivalência, um campo gravitacional é equivalente a uma geometria do espaço e do tempo. Sendo assim, quando você escreve a equação de movimento de uma onda em um dado espaço-tempo, essa equação vai depender da geometria — o movimento da película vibrante de um tambor depende se você curva ou não o material. Paul Nation mostrou que essa equação de onda para a corrente elétrica no circuito interpretada como a equação de um campo escalar na presença de um campo gravitacional, coincide com uma “fatia” da equação de um campo escalar na presença de um buraco negro. Essa fatia corresponde a coordenada do tempo como medido por um observador que cai em direção ao buraco negro.

É o pulso eletromagnético que se propaga ao longo da cadeia que define o “horizonte de eventos”. Nesse caso, as flutuações quânticas do campo eletromagnético permitem a criação de um par de fótons que acompanha o pulso. Esse par de fótons que se propagará ao longo da cadeia representa o análogo da radiação de Hawking.

Infelizmente ainda não é possível montar o equipamento proposto porque até o presente momento o número máximo de SQUIDs que podem ser colocados em cadeia é da ordem de centenas. Aparentemente é impossível no presente momento construir uma cadeia tão comprida quanto a necessária para realizar a idéia (não me pergunte por quê…).

Uma vantagem imediata da realização do circuito de SQUIDs é que a temperatura da radiação Hawking produzida é da ordem de 100 mK, e como SQUIDs são operados a poucos mK, o efeito é muito superior a qualquer flutuação térmica presente no circuito, o que é importante porque a radiação Hawking é quase-térmica, portanto difícil de ser distinguida a qualquer temperatura maior que a temperatura do buraco negro. Como é igualmente possível medir os dois fótons da radiação (o que está fora do horizonte e o que está dentro), é possível distinguir experimentalmente o sinal da radiação Hawking de um sinal espúrio fazendo medidas correlacionadas de dois fótons com a mesma freqüência. Isso permite descriminar claramente a radiação Hawking de qualquer outro fenômeno térmico ocorrendo no material.

Além disso, o grupo notou que existe um limite controlável do experimento em que a fase de propagação da onda através da cadeia pode tornar-se quântica. Em última análise, todo o sistema é descrito pela mecânica quântica, mas mantendo um certo limite sobre as freqüências utilizadas, é possível manter o valor do fluxo do campo magnético através do SQUID essencialmente clássico. Isso corresponde em termos da mecânica quântica a manter a dispersão do valor médio do fluxo do campo muito pequena em comparação ao valor do campo. Mas se essa dispersão (a flutuação quântica) for próxima ao valor médio, a aproximação clássica deixa de valer e as correções da mecânica quântica se tornam relevantes. Dessa forma é possível reintroduzir flutuações quânticas no parâmetro que define a equação de onda que é o análogo do campo gravitacional. Assim, é possível introduzir um análogo de flutuações quânticas do campo gravitacional e testar a robustez do cálculo de Hawking (que despreza as flutuações quânticas do campo gravitacional). Isso no sentido de que é possível parametrizar livremente o tamanho dessas flutuações e responder a seguinte pergunta: podem os desconhecidos efeitos quânticos da gravitação alterar substancialmente a validade da conta da radiação Hawking? Se sim, quão grande esses efeitos devem ser para invalidar o tratamento clássico do campo gravitacional? Essas são ambas perguntas bem interessantes para entender melhor a gravidade.

Posts relacionados:

O realejo do dia…

sexta-feira, 12 jun 2009; \24\America/New_York\America/New_York\k 24 Deixe um comentário

Realejo do dia…

terça-feira, 5 maio 2009; \19\America/New_York\America/New_York\k 19 Deixe um comentário

Esse é o mais recente “LHC News”, um videocast direto do LHC:

Pegue o seu Georgi antes que acabe!

quarta-feira, 8 abr 2009; \15\America/New_York\America/New_York\k 15 Deixe um comentário

Howard Georgi tem um célebre livro introdutório de física de partículas, com a visão moderna de teorias efetivas, Weak Interactions and Modern Particle Theory, que ainda está disponível online, gratuitamente e legalmente, da sua página da Internet. O livro acaba de ser republicado pela Dover depois de um hiato de vários anos fora de circulação, e já está quase esgotando! A versão online gratuita provavelmente será removida em breve.

Na página do Prof Georgi também encontram-se dois outros materiais interessantes: uma introdução sem muitas contas sobre teorias efetivas e outra sobre a simetria de quarks pesados.

Alternativas a unificação

quarta-feira, 25 mar 2009; \13\America/New_York\America/New_York\k 13 3 comentários

O princípio vingente para descrever a física de partículas nas escalas de tamanho de 10-13 cm (1 GeV) até 10-15 cm (100 GeV) é o de que há uma simetria na lei de evolução temporal, quer dizer, certas transformações que mantém as leis da física invariantes. Há dois conjuntos distintos de transformações independentes que constituem o que se chama o Modelo Padrão da física, e em matemática esses conjuntos são denotados por SU(3) e SU(2)\times U(1). O conjunto U(1) e.g. consiste nas transformações em que um número complexo z é multiplicado por uma fase complexa:

z' = e^{i \theta} z .

Há um teorema, devido ao Sheldon Glashow e Murray Gell-Mann que diz que todas as simetrias admissíveis para teorias onde há uma corrente que se conserva (que no eletromagnetismo é a condição da conservação da carga elétrica) são um entre os conjuntos que os matemáticos chamam de grupos de Lie simples que podem ou não serem combinados também com o conjunto de transformações chamadas de U(1). Graças ao matemático Élie Cartan, há uma classificação completa (uma lista) de todos os grupos de Lie simples. A lista é infinita porém enumerável e é muito útil porque permite os físicos teóricos terem uma tabela completa de todas as teorias físicas que fazem sentido. Mas também é muito frustrante: embora o princípio de simetria de conservação das cargas descreve muito bem o mundo subatômico, há uma quantidade infinita de possibilidades de teorias e não há nenhuma racionalização disponível que permita decidir por que o Modelo Padrão escolheu SU(3) e SU(2)\times U(1). Ou dito de forma diferente: há algo de especial nessas simetrias?

Talvez não. Talvez todos os grupos de Lie simples existam na Natureza de forma independente do Modelo Padrão, porém ainda não foram observados. John Donoghue e Preema Pais recentemente mostraram que dentro deste cenário é possível haver unificação de todas as forças fundamentais (excetuando-se a gravitação) (arxiv:0903.3929). A idéia básica é que há uma teoria subjacente que não daria nenhum privilégio para SU(2) e SU(3), mas geraria toda a cadeia de simetrias SU(N), com infinitos férmions e interações. Porém, se todas essas interações tiverem uma origem comum, é possível simultaneamente ajustar que estas forças se tornam todas iguais em magnitude numa certa escala de energia próxima a escala de Planck e ao mesmo tempo há uma hierarquia entre as forças: SU(4), p.ex., o próximo grupo depois do SU(3), é confinante (como a QCD) na escala de pelo menos 1 TeV, e os próximos grupos são confinantes em escalas mais altas. Desse modo, a massa dos estados ligados, os hádrons destas forças, seriam maiores que 1 TeV. Todas as partículas geradas por essa cascata de simetrias são mais pesadas que qualquer partícula do atual do Modelo Padrão, portanto não estão excluídas.

Esse é um exemplo de como hoje em dia a noção de unificação na física vem ganhando novas janelas. Em 98, Arkani-Hamed, Dimopoulos e Dvali notaram que se há dimensões extras espaciais no universo então é permitido que a constante da gravitação universal seja bem maior do que o observado em 3 dimensões. Em unidades de energia, a constante de Newton é a massa de Planck que é 1019 GeV, mas com o número adequado de dimensões extras grandes é possível trazer a massa de Planck para 103 GeV, que é próxima da escala de energia da unificação eletrofraca (246 GeV), e portanto ambas as escalas (gravitacional e força fraca) seriam iguais. Esta é uma outra noção de unificação.

Uma das mais bonitas e interessantes, ao meu ver, é a motivada pelas descobertas das dualidades em teorias de campos: a propriedade que alguns sistemas físicos descritos por teorias de campo tem de que o mesmo sistema físico pode ser descrito por diferentes teorias de campo. A informação que eu tenho é que essa idéia surgiu mais ou menos nos anos 70 nos trabalhos do Sidney Coleman, Jorge Andre Swieca e outros, mas ganhou notoriedade mais tarde com os trabalhos do Witten e Maldacena. É como se cada teoria de campo fosse uma escolha diferente de coordenadas (o Rafael já postou sobre isso no blog aqui, aqui e aqui.). Nesse caso a unificação pode ser de uma natureza diferente: talvez o que nos parece uma teoria desconexa com simetrias que não conversam entre si, sem nenhuma unificação, é na verdade apenas uma escolha ruim de coordenadas de uma teoria onde há realmente uma unificação, só que evidente apenas em outro sistema de coordenadas (quero dizer campos). No caso do exemplo do Donoghue e Pais, seria interessante saber se um universo com todos os grupos de Lie simples de simetrias seria dual a uma descrição usando apenas poucos campos, ou mesmo uma teoria gravitacional.

Novo valor para a massa do top, e a coincidência persiste

terça-feira, 17 mar 2009; \12\America/New_York\America/New_York\k 12 Deixe um comentário

Hoje apareceu no arxiv um artigo do CDF e D0 com o mais recente resultado da medida da massa do top:

m_\text{top} = 173.1 \pm 1.3 \,\text{GeV} \, .

Este resultado é relativamente mais preciso do que se tinha até então, e está jogando a massa do top de volta aos 173 (o valor já foi 160, passou para 170 uns anos atrás e agora se mantém bem em cima do 174). O interessante desse número para massa do top é que o valor do campo do bóson de Higgs no vácuo é v = 246.2\, \text{GeV} (nível árvore), fornecendo um acoplamento do Higgs aos férmions igual a v/\sqrt{2\,{}} =174.1 \,\text{GeV}, que é praticamente idêntico a massa do top.

A massa das partículas no Modelo Padrão é paramétrica a este valor de v : \lambda\, v, onde \lambda é um número adimensional. Para a maioria das partículas \lambda é pequeno, já que a massa de todas é bem menor que 174 GeV. Isso é importante porque acredita-se que a massa das partículas no Modelo Padrão é proveniente de um acoplamento fraco com o Higgs, que permite o uso de teoria de perturbação. Mas a massa do top está perto de desafiar essa idéia, já que ela exige um acoplamento \lambda igual a 1. Isso em si não é um problema técnico porque em detalhes a teoria de perturbação é válida mesmo quando os acoplamentos são \approx O(1) devido a um efeito quântico, sendo que a quantidade mais relevante é na realidade \lambda/(16\, \pi^2) vezes um certo logarítmo, que quase sempre é muito pequeno. Além disso, nós já conhecemos um exemplo de teoria da perturbação para partículas que milagrosamente funciona mesmo sendo uma expansão em um número da ordem de 1 que é a Lagrangiana quiral para píons e nucleons. Mas o valor da massa do top é um pouco não natural porque no Modelo Padrão não há nenhuma boa razão para esse acoplamento ser 1. Há uma coincidência de massa inexplicável ai…

Não sei se correções radiativas melhoram ou pioram a concordância do VEV do Higgs com a massa do top, alguém conhece uma referência?

Ah, e olhando rapidamente estes artigos experimentais não vi que esquema de renormalização eles estão usando para essa massa. Como a massa dos quarks depende do esquema de renormalização, isso deveria estar dito em algum lugar. Eu suponho que seja \overline{MS}.

Velhas e novas evidências da matéria escura, e um pouco do lado negro da força

quinta-feira, 12 mar 2009; \11\America/New_York\America/New_York\k 11 10 comentários

Ilustração da situação do espectro de raios cósmicos. Com o lado negro da força no meio.

Ilustração da situação do espectro de raios cósmicos. Com o lado negro da força no meio.


Ah, terminado esse trimestre, dois seminários de cursos concluídos. Daí pensei em compartilhar com vocês o que eu aprendi para dar um desses seminários: os possíveis novos sinais (de outubro de 2008) da existência da matéria escura que vieram do satélite PAMELA e do balão ATIC. 🙂 Fica ai quem quiser… Primeiro eu falo sobre as velhas evidências, depois sobre as novas.

Coisas velhas

Já estava na hora de falar de matéria escura nesse blog. Essa história começou quando o Zwicky descobriu que a razão massa/luminosidade de galáxias espirais é pelo menos mais de 10 vezes maior que a do Sol. A luminosidade é uma medida da potência irradiada da luz (aquela em Watts), essa se mede diretamente na Terra. E a massa se acha utilizando a lei de Newton da gravidade para deduzir a distribuição de velocidades das estrelas nas galáxias. Mais tarde, Vera Rubin fez várias medidas precisas das velocidades das estrelas em várias galáxias espirais e obteve sistematicamente que a velocidade é mais ou menos constante mesmo longe do centro luminoso da galáxia (onde a maioria das estrelas se encontram). Isso só pode ser explicado no paradigma da gravitação de Newton se há uma distribuição aproximadamente uniforme de massa que se estende para bem além da galáxia visível (chamado halo de matéria escura).

Mas esse efeito não é, de repente, da Relatividade Geral? A resposta é não, por duas razões muito importantes. A primeira é que a velocidade das estrelas nas galáxias é tão pequena em comparação com a da luz que é válida a lei de Newton. E isso é possível ser quantificado com a aproximação pós-Newtoniana da Relatividade Geral, que é confirmada com enorme precisão nas medidas da NASA/CalTech da órbita das sondas espaciais e da Lua no Lunar Ranging Interferometer (saca só este artigo). A segunda é que mesmo a Relatividade Geral em toda a sua glória (resolvida exatamente, sem nenhuma aproximação) exige a matéria escura, por causa do diagrama de Hubble.

Qual é a desse diagrama? Na Relatividade Geral se calcula o valor do parâmetro de Hubble (que não é constante) em função da idade do universo em termos dos constituintes do universo: radiação, matéria massiva e qualquer outra coisa que você quiser colocar. A grande utilidade dessa variável cosmológica é que a dependência dela com a idade é distinta para cada diferente componente. P.ex. a matéria massiva contribui com uma potência (1+z)3 para H2, onde z é o desvio para o vermelho das linhas espectrais (quanto maior z menor é a idade do universo), mas a radiação contribui com (1+z)4, a energia escura contribui com \approx (1+z)^0 (constante) e por ai vai (err.. na verdade tem que fazer uma integral dessa série de potências… mas permita-me simplificar, ok?). Então é fácil saber quanto tem de matéria massiva no universo: medindo o valor de H em função de z utilizando diversos dados astronômicos, basta ajustar uma série de potência aos dados e extrair o coeficiente do termo adequado. Resultado: ~ 30% da densidade de energia do universo é matéria massiva. Mas isso não pode ser bárions ou léptons (prótons, nêutrons / elétron e neutrino), porque a abundância primordial de hélio-4, hélio-3, hidrogênio, deutério, lítio, boro e outros restringe que esse tipo de material só soma 4%-5% no máximo. Portanto, cerca de 25% da densidade de massa do universo é composta de algo desconhecido (a matéria escura).

Coisas novas

Há um modelo astrofísico no mercado que prevê o número de partículas como elétrons, pósitrons, prótons, etc. que devem chegar a Terra — os raios cósmicos — vindo de processos naturais de estrelas na galáxia, a versão mais sofisticada atual é do Igor Moskalenko (Stanford U) e Andrew Strong (Max Planck). Esse modelo faz um bom trabalho em prever quase todo o espectro de raios cósmicos de poucos MeV até 10 TeV (são aqueles que vem da nossa própria galáxia). Isso é visto com nitidez nas Figs. 1 e 2. Mas na Fig. 2 você vê que há uma lombada nos dados que o modelo perde. E na Fig. 3 você vê que o modelo está completamente fora. Qual a explicação para a lombada do ATIC na região de 300 – 800 GeV? E o excesso de pósitrons do PAMELA em comparação com o cálculo astrofísico?

Agora, outro ponto de informação interessante. O satélite INTEGRAL/SPI mediu uma emissão de luz que vem do centro da galáxia que é devida a reação elétron+pósitron->fótons. De onde vem esses pósitrons no centro da galáxia? Os dados do INTEGRAL já excluiram a possibilidade de supernovas. Até o momento os astrofísicos não tem idéia…

Espectro de antiprotons medidos pelo satélite PAMELA (Out 2008). As linhas correspondem a modelos, a sólida a um do tipo Moska&Strong.

Fig. 1. Espectro de antiprotons medidos pelo satélite PAMELA (Out 2008). As linhas correspondem a modelos, a sólida a um do tipo Moska&Strong.

Espectro de elétrons cósmicos na Terra medido pelo balão ATIC (Nature, Out 2008). A curva tracejada é o resultado do cálculo Moska&Strong somado com fontes pontuais astrofísicas de conhecimento do ATIC que estavam ativas no momento das medidas (a contribuição destas é exageradas nas curvas corloridas).

Fig. 2. Espectro de elétrons cósmicos na Terra medido pelo balão ATIC (Nature, Out 2008). A curva tracejada é o resultado do cálculo Moska&Strong somado com fontes pontuais astrofísicas de conhecimento do ATIC que estavam ativas no momento das medidas (a contribuição destas é exageradas nas curvas corloridas).

Medidas precisas do espectro de pósitrons cósmicos do satélite PAMELA. A linha sólida é o cálculo Moska & Strong. Esse gráfico não é tão bom quanto do ATIC porque PAMELA não incluiu (ainda) o fluxo previsto por qualquer fonte pontual temporária (diferente do ATIC).

Fig. 3. Medidas precisas do espectro de pósitrons cósmicos do satélite PAMELA. A linha sólida é o cálculo Moska & Strong. Esse gráfico não é tão bom quanto do ATIC porque PAMELA não incluiu (ainda) o fluxo previsto por qualquer fonte pontual temporária (diferente do ATIC).

A-Ha. Ai há uma janela de descobertas. Enquanto alguns se perguntam que mecanismo de aceleração de partículas carregadas foi esquecido (um pulsar, talvez) no modelo Moska&Strong, outros propõem que os excessos vistos por PAMELA, ATIC e INTEGRAL são da matéria escura. Dentro de um modelo genérico para a matéria escura conhecido por WIMPs (de weakly interacting massive particles, partículas massivas que interagem pela força eletrofraca), é previsto que na galáxia atualmente deve haver aniquilação de WIMPs com anti-WIMPs. WIMPs aparecem muitas vezes em modelos além do Modelo Padrão (que resolvem o chamado problema da hierarquia): dimensões extras, supersimetria (SUSY), Little Higgs, etc. Dentro do modelo de que existem mais dimensões espaciais no universo, mas que são grandes ~ 10-16 cm (i.e. TeV) em comparação com o comprimento de Planck, esses dados podem ser naturalmente explicados. Isso já havia sido mostrado na publicação original do ATIC na Nature, todavia há trabalhos mais detalhados disponíveis. Não tem muito jogo de cintura possível aqui porque a seção de choque de produção dessas partículas é fixada automaticamente pela densidade de matéria, e a escala de massa (embora não o valor exato) é fixada pela massa do bóson W.

O Modelo Padrão Supersimétrico Mínimo (MSSM) não consegue, por si só, explicar os dados do PAMELA. A seção de choque do MSSM fixada pela densidade de matéria escura observada astronomicamente precisa de um fator pelo menos de 30 para explicar o número de pósitrons observados. Dependendo de como você brinca com os parâmetros dos modelos supersimétricos, esse fator pode chegar a 100, 1000… 1010. Mas nem tudo está perdido para supersimetria. Fatores de 100 ou 1000 foram recentemente descobertos como esperados se você introduzir uma nova interação na teoria, que interage fortemente com a matéria escura, mas não com as partículas já conhecidas. Curiosamente, os dados do PAMELA e do ATIC sugerem que essa nova interação tem que ser leve em comparação com a escala TeV, digamos de poucos GeV de massa ou menos. Se essa nova interação escura for devida a uma partícula de massa da ordem de até 100 MeV, ela pode explicar a origem do sinal do INTEGRAL, porque permite um mecanismo no qual há uma pequena diferença de massa entre estados da matéria escura que é da ordem de MeV, e transições entre esses estados estão na região certa de energia para criar pares elétron-pósitrons (o par tem 1 MeV de massa). Com isso se explica tanto o sinal do PAMELA e ATIC, que exige uma partícula de matéria escura pesada > 600 GeV para produzir elétrons/pósitrons nas energias observadas, com o INTEGRAL/SPI que exige matéria escura ~ 1-100 MeV.

E então? Nova física? Novas partículas? Uma nova força que age apenas nas matéria escura portanto, uma força escura? 🙂

Citation Needed

  1. ATIC: J. Chang et al. (ATIC), Nature 456, 362 (2008).
  2. PAMELA: antiprotons, positrons
  3. Nova força escura: N. Weiner et al.; Katz & Sundrum Model para SUSY.
%d blogueiros gostam disto: