Arquivo

Archive for the ‘hep-th’ Category

Adivinha quem é…?

sábado, 1 out 2011; \39\America/New_York\America/New_York\k 39 Deixe um comentário

"3 Mosqueteiros"

Pra quem gosta de quebra-cabeças, e conhece os envolvidos na ‘descoberta’ do chamado Bóson de Higgs, fica essa dica do blog do Ian Sample: quem são esses personagens do livro Massive?

PS: Eu tenho mais dessas fotos… conforme os palpites forem aparecendo, eu ponho mais alguma(s). 😈

Uma visão da DPF2011…

sábado, 13 ago 2011; \32\America/New_York\America/New_York\k 32 Deixe um comentário

Conferência da Divisão de Partículas e Campos de APS…

segunda-feira, 8 ago 2011; \32\America/New_York\America/New_York\k 32 Deixe um comentário

Hoje (segunda-feira, 08-Ago-2011) começa a edição de 2011 da Conferência da Divisão de Partículas e Campos da American Physical Society.

O programa da Conferência pode ser encontrado no link de ‘Schedule’ da mesma.

Mais ainda, os “proceedings” da Conferência serão publicados através do eConf.

Há também uma página para a Conferência no Indico do CERN, DPF2011 @ Indico/CERN. (A razão pra essa duplicação de esforços está fora da minha alçada (coisas da dicotomia de se passar o tempo dividido entre duas insituições) — quando me chamaram pra ajudar na organização da DPF2011 esse tipo de decisão já havia sido tomada. :razz:)

De qualquer maneira, essa página no Indico contém links para os Resumos das palestras e posteres, índice dos autores e palestrantes. Em particular, nestas listagens e índices é possível se encontrar os PDF que já foram carregados para o servidor.

Eu e o Rafael estamos atendendo a DPF2011. Então, vcs podem esperar por twittadas, fotos, posts, etc, etc, etc… provavelmente não no estilo “cobertura ao vivo”, uma vez que tudo vai ser meio corrido, mas fica aí aberto o canal pra quem quiser fazer perguntas ou participar de alguma outra maneira. 😉

O universo é quântico I

sexta-feira, 25 mar 2011; \12\America/New_York\America/New_York\k 12 4 comentários

A gravitação quântica pode estar ali na esquina…

Este vai ser o primeiro do que eu espero ser uma série de posts sobre os recentes avanços em cálculos de gravitação quântica em Cosmologia. Serão em tom de divulgação, mas com alguns detalhes técnicos aqui e ali. Eu não vou me preocupar em dar detalhes de referências no texto porque toma tempo e quem tiver interesse é só procurar ou perguntar. 🙂

Essa história começa com o seguinte problema. Suponha que eu aqui na Terra com um telescópio queira saber toda a evolução que trouxe a sopa primordial do universo até a formação de todas as galáxias:

 

A distribuição das galáxias no céu visto da Terra depende da posição relativa da Terra as galáxias vizinhas, o que nenhuma teoria cosmológica pode nos dizer. O que nós podemos calcular são na verdade aspectos probabilísticos do universo, como a densidade de massa média em um volume que contém muitas galáxias, ou o número de galáxias a uma dada distância d de outra galáxia. Olhando cada galáxia nas figuras dos telescópios e determinando quantas galáxias estão ao redor dela a uma certa distância d e depois tirando a média dessa quantidade para todas as galáxias vistas no telescópio pode-se tirar um estimador aproximado de como as galáxias estão distribuídas, e então comparar essa função de d com uma previsão da física.

Naturalmente, a física clássica não pode fornecer essa previsão: não faz parte do arcabouço conceitual clássico o conceito de probabilidades associadas aos observáveis físicos. As equações da Relatividade Geral para um fluido como a matéria escura, uma vez dadas as condições iniciais, tem uma evolução futura única. Quando os cosmólogos nos anos 60 toparam com essa questão, a estratégia foi introduzir artificialmente variáveis aleatórias no problema. Então, por exemplo, se A(\mathbf{x}, t) é um observável cosmológico (como a massa que existe no universo), os cosmólogos passaram a escreve-lo assim:

A(\mathbf{x}, t) = \sum_n \alpha_n(\mathbf{x}) A_n (t)

onde A_n(t) é cada uma das possíveis evoluções temporais da Relatividade Geral (t é o tempo) e \alpha(\mathbf{x}) é uma variável estrangeira a teoria que tem algum tipo de distribuição de probabilidade para como o observável se distruibui no espaço, por exemplo:

\langle\alpha_n \rangle = 0
\langle \alpha_n \alpha_m \rangle = P_{nm}

etc., onde \langle O \rangle quer dizer que estamos calculando o valor médio da variável aleatória O com respeito a alguma lei de probabilidade (por exemplo, no problema de um dado não viciado, cada face pode ter uma regra de probabilidade 1/6, e nós poderíamos definir a média de cada face \langle\alpha_i\rangle = 1/6, e a chance de tirar duas faces iguais \langle\alpha_i\alpha_j\rangle = (1/6)\times(1/6)). Na física clássica não existe nada que possa nos dizer a priori qual a distribuição de probabilidades (a não ser um chute!). (Na verdade a distribuição é feita no espaço de Fourier e não sobre o espaço-tempo).

A solução desse problema foi proposta em 1981 pelos russos Viatcheslav Mukhanov e Gennadiy Vasilevich Chibisov, então do Instituto de Física Teórica de Lebedev. Muita gente também dá crédito aos físicos do ocidente que puxaram a descoberta no contexto do modelo inflacionário logo em seguida: Stephen Hawking, Alan Guth e So-Young Pi, James Bardeen, Paul Steinhardt e Michael Turner.

Mukhanov e Chibisov fizeram um cálculo proposto a eles pelo colega Starobinsky: computar as flutuações quânticas do campo gravitacional em um modelo cosmológico proposto por Starobinsky. A suspeita era que os efeitos poderiam ser “grandes” e invalidar todo o modelo cosmológico. O que Mukhanov e Chibisov encontraram é que a distribuição de probabilidades do campo gravitacional quantizado no modelo de Starobinsky era idêntica a distribuição de massa do universo que acreditava-se na época ser necessária para garantir a formação das galáxias no modelo do Big Bang (apesar de que a distribuição de galáxias ainda não tinha sido observada em 1982!). Ora, se a fórmula é idêntica, a física deve ser a mesma: eles propuseram então que a origem da distribuição das galáxias era a gravitação quântica no universo primordial. A solução é muito elegante, pois promover os observáveis cosmológicos a observáveis em mecânica quântica permite associar a eles distribuições de probabilidades de forma natural. Mais importante, permite prever a distribuição de probabilidades do universo.

Hoje em dia a idéia é assim: o universo começou no vácuo, e passou por um período em que as distâncias entre dois pontos cresceram exponencialmente — a inflação. As flutuações quânticas do vácuo são pequenas, mas durante o período inflacionário elas são esticadas de um tamanho de 10-25 cm (cem bilhões de bilhões de vezes menor que o próton) até ao tamanho de uma galáxia. Essa flutuações querem dizer que a intensidade do campo gravitacional não é a mesma no espaço, o campo gravitacional tem uma probabilidade associada a ele de ter valores diferentes, igual como as probabilidades associadas a posição do elétron no átomo de hidrogênio. Os picos e vales de intensidade do campo gravitacional são essas flutuações. Eu já tinha escrito sobre isso no blog aqui.

Mas como é possível que o formato do campo gravitacional quântico no universo primordial possa ter dado origem as galáxias, se a inflação aconteceu mais de 100 milhões de anos antes das galáxias começarem a se formar? A física posterior a inflação não iria bagunçar o campo gravitacional do universo, como por exemplo, através de transições de fases, ou as colisões de prótons a altas energias, ou a formação do plasma de quarks e gluons?

Devido a inflação, essas flutuações se tornam tão grandes — do tamanho de uma galáxia! — que elas são muito maiores que a distância que a luz pode percorrer durante boa parte da história do universo. Quando o universo tinha 3 minutos, por exemplo, a distância que a luz pode percorrer desde o início do universo é de 3 minutos-luz; em comparação, uma galáxia tem cerca de 30 mil anos-luz de diâmetro. Só quando o universo já tinha mais idade que essas flutuações quânticas começam a ser influenciadas por outros efeitos físicos. Por uma boa coincidência de escalas, a temperatura do universo aos 3 minutos de idade era cerca de 1 MeV, que é a escala de energia típica da física nuclear, então esses outros efeitos que alteram a distribuição quântica primordial são física muito bem conhecida: física nuclear “para baixo”.

É curioso como se fala tanto que a física do LHC e do RHIC tem a ver com o Big Bang quando na verdade se sabe que qualquer efeito dessas escalas de energia não tem relevância para cosmologia.

Alguém ai entendeu alguma coisa?

No próximo post eu vou falar sobre os trabalhos recentes sobre as interações dos grávitons no universo primordial que afetam os observáveis cosmológicos, que em breve pode constituir um dos primeiros testes das interações da gravitação quântica graças ao satélite Planck. E depois sobre como se trombou com as diversas dificuldades da quantização da gravidade, e como a Cosmologia tem dado uma luz sobre como fazer contas com a Relatividade Geral quantizada.

Uma palestra técnica sobre o assunto você pode ver aqui, é o seminário “Cosmological Correlations” do Steven Weinberg. Já está desatualizada, mas eu não conheço nenhuma outra mais moderna.

Relatividade Geral no Mathematica

sábado, 5 mar 2011; \09\America/New_York\America/New_York\k 09 4 comentários

Esse post é diferente do que eu escrevo usualmente, será um tutorial de um programa em desenvolvimento para fazer contas simbólicas em gravitação no Mathematica. Isso pode ser muito últil em um curso de Relatividade Geral da pós-graduação e teoria quântica de campos em espaço-tempos curvos, além de pesquisa.

Primeiro, você vai precisar do pacote xAct:

http://www.xact.es/

O xAct é dividido em vários subpacotes, eu vou me concentrar nos dois primeiros destes aqui:

  1. xTensor: permite usar a mesma notação de tensores usada na física, dentro do Mathematica. É a função principal do xAct.
  2. xCoba: permite definir sistemas de coordenadas.
  3. xPert: teoria de perturbação em gravitação.

Eu coloquei o terceiro acima para chamar a sua atenção. O objetivo do xAct é permitir escrever contas complicadas usando tensores, o que se tornou necessário com o avanço da cosmologia que hoje já requer perturbação em segunda ordem em Relatividade Geral.

Leia mais…

Miami 2010…

domingo, 12 dez 2010; \49\America/New_York\America/New_York\k 49 1 comentário

This week I will be at the Miami 2010, so I will try and “live tweet” the conference, with some comments and pictures — the hashtag will be #miami2010.

If anyone is interested, here’s the talk I am giving on tuesday (2010-Dec-14, right after lunch 😉 ),

😈

Updated (2010-Dec-15): Here are the notes to my talk, mostly of stuff that was said and is not in the PDF above,

SciBloWriMo…

segunda-feira, 8 nov 2010; \45\America/New_York\America/New_York\k 45 1 comentário

O mês de Novembro é conhecido no meio literário como NaNoWriMo, National Novel Writing Month.

Um pessoal da Matemática decidiu pegar carona nessa idéia de criar o MaBlogWriMo: Math Blog Writing Month. A idéia, como descrita no link, é a de se escrever todo dia um post com até 1.000 palavras sobre matemática. 😎

Então, parafraseando ambos esses eventos, vou começar o SciBloWriMo: Science Blog Writing Month! 😈

Eu vou aproveitar que vou dar uma palestra na conferência Miami 2010 e pegar uma carona pra falar dum tema que eu já venho trabalhando há algum tempo: o espaço de soluções (aka moduli space) de teorias quânticas de campo e suas simetrias. Esse será um dos temas do SciBloWriMo aqui no AP.

O outro tema é o de um trabalho que eu venho realizando atualmente, em colaboração com um pessoal da Neurociência, sobre o funcionamento hierárquico e maçissamente paralelo do cérebro, chamado Ersätz-Brain.

Assim que os posts forem ficando prontos, eu os linko aqui,

  • Álgebra, Teoria da Representação e Picard-Lefschetz;
  • Neurociência e o Projeto Ersätz-Brain: Teoria de Gauge, Variáveis de Nós e o Funcionamento Hierárquico do Cérebro.

É isso aí: espero que ninguém esteja com medo do frio! 😉

Simetria e Dualidade em Matemática e Física…

quarta-feira, 23 jun 2010; \25\America/New_York\America/New_York\k 25 Deixe um comentário

Fefferman: Conformal Invariants…

quinta-feira, 13 maio 2010; \19\America/New_York\America/New_York\k 19 Deixe um comentário

Estranha natureza da matéria escura

domingo, 25 abr 2010; \16\America/New_York\America/New_York\k 16 2 comentários


Fotografia em raios X da galáxia NGC 720 do telescópio Chandra da NASA (lado esquerdo) revelaram a estrutura de matéria escura da galáxia (foto óptica ao lado direito), que agora desfavorece a existência de interações da matéria escura causadas por um bóson escuro leve.
Quem acompanha o blog viu que no final de 2008, o satélite europeu Pamela apresentou qual o número de prótons e pósitrons que bombardeiam a Terra vindo da galáxia e descobriu que para energias acima de aproximadamente 10 GeV, o número de pósitrons começa a aumentar, enquanto o número de prótons continua a diminuir[1].
Como um pósitron consegue chegar a 10 GeV de energia, que corresponde a uma temperatura de 1014 K, quando a temperatura no núcleo do Sol é de apenas 107 K? De onde veio essa energia do próton?
Em 1949, Enrico Fermi mostrou que esse tipo de energia para raios cósmicos é natural[2]. Existem prótons e elétrons espalhados pela galáxia, que vieram de processos astrofísicos, largados aqui e ali por estrelas e supernovas. Eventualmente eles encontram o campo magnético que existe na galáxia e ficam presos, mas esse campo possui inomogeneidades, gradientes, e a partícula quando encontra um pico de intensidade do campo magnético recebe uma força maior que a média que a mantém presa no campo e acaba sendo liberada com uma energia maior. Quanto mais energética é a partícula, mais difícil é desviá-la do seu caminho, então podemos em primeira aproximação imaginar que os acréscimos são inversamente proporcionais a energia que a partícula já possuia antes de receber o pontapé do campo magnético. Então a probabilidade de observar uma partícula com energia E na Terra deve ser inversamente proporcional a sua energia,

 
P(E) \propto 1/E^\gamma

onde \gamma > 0 é um fator a ser determinado experimentalmente. Esse mecanismo de Fermi não poderia explicar o súbito crescimento do número de partículas com energias acima de 10 GeV observados no Pamela e no ATIC, e por isso o crescimento foi interpretado como um sinal de nova física.
Mas se esse excesso fosse devido a aniquilação de matéria escura na galáxia produzindo pósitrons, então a probabilidade de aniquilação de matéria escura teria que ser muito maior que o valor esperado no cenário de WIMPs. Por isso, Neil Weiner e colaboradores sugeriram que deveria existir uma nova partícula leve que só interage com a matéria escura, porque tal interação introduziria um fator de aumento na probabilidade de aniquilação da matéria escura que depende da velocidade do gás de matéria escura:

 
S = \displaystyle{\frac{\pi \alpha_X / v_\text{rel}}{1 - \exp(-\pi \alpha_X/v_\text{rel})}}

Infelizmente, este mês relata Jonathan Feng e colaboradores na Phys. Rev. Lett. que essa interação já está excluída devido ao formato das galáxias[3]. Motivados por estudos numéricos do formato dos halos de matéria escura quando se inclui interações[4], eles argumentam que a introdução de interação favorece a formação de halos mais esféricos do que aqueles que seriam formados desprezando interações, e então usam os dados sobre a elipsidade do halo da galáxia NGC 720 que foi estudado com as imagens de raios X do telescópio Chandra[5] e comparam com as simulações numéricas em função da intensidade da interação da matéria escura para restringir a seção de choque. O principal resultado deles é o gráfico da Fig. 1, que mostra que o valor do aumento da seção de choque S compatível com os dados do satélite Pamela não é compatível com o valor limite de S permitido pelo formato do halo de matéria escura de NGC 720.

Fig. 1, gráfico de S versus massa da partícula de matéria escura, da ref. 2. A região verde indica a parte favorecida pelos dados do Fermi, a vermelha pelos dados do Pamela. A linha tracejada indica o limite em S extraído da forma da galáxia NGC 720, e a linha azul da abundância de matéria escura. A discrepância se dá no fato que para produzir as regiões verde e vermelho, é necessário que a partícula intermediadora da aniquilação de matéria escura tenha massa 250 MeV, que já está excluído nesta região que requer uma massa de, no máximo, 30 MeV.

Esse resultado é consistente com a interpretação de que não há nenhum excesso no espectro de raios cósmicos, como os novos dados do satélite Fermi sugerem.

Referências

  1. Velhas e novas evidências da matéria escura
  2. E. Fermi, Phys. Rev. 75, 1169–1174 (1949).
  3. J. L. Feng, M. Kaplinghat, H.-B. Yu, Phys. Rev. Lett. 104, 151301 (2010).
  4. Romeel Davé et al. ApJ 547 574 (2001).
  5. David A. Buote et al ApJ 577 183 (2002).

Ambiguidades de Gribov – Elas são reais?

quinta-feira, 22 abr 2010; \16\America/New_York\America/New_York\k 16 1 comentário

Essa semana, em parte devido à erupção do vulcão na Islândia, tivemos várias aulas interessantes aqui em Stony Brook no formato de seminários. Yang, Donaldson e Slavnov foram os palestrantes e é sempre interessante conhecer esses cientistas renomados. Eu quero falar um pouco sobre a apresentação do Slavnov. Antes de mais nada, eu não deveria estar fazendo o que vou fazer, porque apenas vou contar aqui o que entendi da apresentação sem ler o paper referente a ela. Mas, como o assunto é interessante e vai levar alguns dias para eu entender o paper, eu peço que vocês me desculpem.

O paper em questão é este aqui:

Renormalization of the Yang-Mills theory in the ambiguity-free gauge.

E ele lida com um problema interessante na quantização de teorias de gauge: as ambuiguidades de Gribov. A questão é a seguinte: se você quantiza a teoria de Yang Mills usando uma função de fixação de gauge diferencial, ele não fixa completamente o gauge e você vai estar fazendo a integral de trajetória sobre várias cópias do mesmo campo. Por outro lado, se você usa uma função de fixação de gauge algébrica, você até consegue fixar o gauge completamente, mas quebra simetria de Lorentz e daí não se consegue mostrar que a teoria é renormalizável.

Muitas pessoas acreditam que esse problema na quantização leva a resultados físicos observáveis e o Slavnov tentou mostrar porque ele acredita no oposto. Para se ter uma idéia de como isso é uma linha de pesquisa moderna, veja esse paper bem recente que faz um apanhado dos esforços nessa direção:

Gribov horizon and BRST symmetry: a pathway to confinement

A idéia é simples nesse tipo de trabalho: você escolhe uma função de fixação de gauge diferencial, mas introduz na ação termos não locais adicionais, cujas equações de movimento quânticas implementem uma restrição ao espaço de funções mais restrito do que aquele imposto pelo gauge, isto é, dentro do “horizonte de Gribov”. Em particular, esse espaço de funções não tem cópias espúrias dos campos de gauge.

Porque as pessoas acreditam nisso? Por vários motivos, mas um muito chamativo é que se você calcula o propagador do campo de gauge, você não acha um polo real e a interpretação de partícula não existe. Isso seria uma demonstração perturbativa do confinamento, algo que seria maravilhoso e não esperado por quase ninguém na comunidade de altas energias.

Bem, o Slavnov não comentou sobre esses outros artigos, mas ele fez o seguinte: ele partiu da ação de Yang Mills e inspirado pelo gauge unitário que é possível nas teorias com quebra espontânea de simetria, tentou encontrar uma fixação de gauge que seja ao mesmo tempo algébrica, fixe o gauge completamente e não quebre simetria de Lorentz. Para tal, ele introduziu novos campos auxiliares na ação de Yang Mills de forma a estender a simetria de gauge a uma simetria bosônica+fermiônica. Com essa simetria estendida, é possível então fixar o gauge com uma equação algébrica sem quebrar simetria de Lorentz.

No artigo, ele argumenta que nesse gauge é possível provar renormalizabilidade (após uma redefinição dos campos – mas isso não é estranho, conhecemos essa necessidade de teorias supersimétricas no superespaço) e unitariedade. Em particular, ele mostra que usando uma quantização BRST bem tradicional para essa simetria estendida, os campos adicionados se desacoplam (bem como as polarizações temporais e longitudinais do campo de gauge, claro). Ele ainda argumenta que, perturbativamente, as amplitudes calculadas com essa ação e com a ação de Yang Mills original são idênticas.

Ou seja, há uma clara discordância entre os dois approaches e uma ótima linha de pesquisa em física teórica ainda aberta.

A semana nos arXivs…

quinta-feira, 18 mar 2010; \11\America/New_York\America/New_York\k 11 4 comentários

Como vcs devem ter notado, já faz um tempo que não tenho conseguido publicar minha lista de artigos dos arXivs por aqui. Não que eu tenha deixado de ler ou de selecionar meus artigos preferidos nos arXivs — quem acompanha meu Google Buzz ou Google Reader sabe que isso não é verdade (eu leio os arXivs religiosamente todo santo dia 😎 ) —, mas o tempo anda cada vez mais curto pra vir aqui e publicar a lista (e o WordPress ainda não fez o favor de instalar o Markdown por aqui, o que é realmente um empecilho pra quem não curte muito o “Visual Editor” 😛 ).

De qualquer maneira, agora com o advento do Google Buzz e suas conexões com o Google Reader, a “vida digital” tem mudado um pouco de ângulo… então, eu pensei em dar um drible-da-vaca nessa situação: por que não fazer listas no Twitter?! Basta marcar cada tweet com um #hashtag apropriado, e tudo fica resolvido. 😎

Os #hashtag são evidentes, então já vou linkar direto para os ‘saved searches’ deles,

Assim fica fácil: é até possível se inscrever nos feeds de cada um dos #hashtag! 😎

Vamos ver se essa nova empreitada alça vôo… 😈

Winter Workshop on Non-Perturbative QFT…

segunda-feira, 18 jan 2010; \03\America/New_York\America/New_York\k 03 Deixe um comentário

I’m live tweeting the Winter Workshop in Non-Perturbative QFT. The tweets are being tagged with #wwnpqft and can all be found at,

Have fun! 😈

Non-Perturbative QFT…

domingo, 17 jan 2010; \02\America/New_York\America/New_York\k 02 3 comentários

O Instituto Não-Linear de Nice vai realizar um Workshop de Inverno sobre QFT não-perturbativa — e eu fui convidado a dar uma palestra. 😈

O Workshop começa amanhã e eu já estou no gás todo (apesar da horrível viagem de SP pra Paris)! 😉

Quem se interessar, minha palestra pode ser vista no seguinte link,

Se for possível, eu vou tentar fazer ou um live blogging (aqui no AP) ou um live tweeting (no meu twitter): não prometo nada mas, fiquem de olho… quem sabe não dá certo?! 😉

A semana nos arXivs…

quinta-feira, 10 dez 2009; \50\America/New_York\America/New_York\k 50 Deixe um comentário


Transcendental Meditation

Transcendental Meditation

A semana nos arXivs…

quarta-feira, 2 dez 2009; \49\America/New_York\America/New_York\k 49 Deixe um comentário


Como começou a expansão do universo?

quarta-feira, 25 nov 2009; \48\America/New_York\America/New_York\k 48 3 comentários

Lendo artigos de um grupo de cosmólogos teóricos bem ativos na atualidade, eu cruzei com a observação interessante levantada por Paolo Creminelli, Leonardo Senatore, Markus Luty e Alberto Nicolis, de que na teoria da gravitação atual, a taxa da expansão do universo sempre diminui. A taxa de expansão é o que se chama o parâmetro de Hubble, H. As galáxias relativamente próximas a nós estão se afastando com uma velocidade que é proporcional ao valor atual de H vezes a distância: v = Hatuald. Quanto maior H, mais rápido as galáxias a uma dada distância d se afastam.

Para teorias de campos que respeitam o princípio de relatividade e que possuem apenas soluções estáveis, a variação do parâmetro de Hubble no tempo é sempre negativa:

\Delta H/\Delta t < 0

que está de acordo com a idéia que a gravitação é atrativa. Portanto, mesmo em um universo com expansão acelerada, o que significa que a taxa da variação da distância média entre galáxias aumenta com o tempo, a taxa de expansão do universo diminui com o tempo, e portanto a gravitação de fato desacelera a expansão. Isso é importante porque garante, entre outras coisas, que a gravidade pode atrair matéria para uma região do espaço e formar aglomerados, como as galáxias. Essa condição também assegura que exista um mínimo para a energia do conteúdo do universo, o que se traduz no importante fato de que existe um estado de vácuo estável em cada instante, e que partículas não podem ser criadas do nada sem custo de energia. Em poucas palavras, garante certos critérios de estabilidade física da teoria.

No universo primordial H tinha um certo valor HI maior que o atual, mas se imaginarmos ingenuamente que a expansão do universo deveria ter começado com um processo físico que gradualmente levou o valor de H de zero para HI, precisamos que a variação no tempo de H possa ser positiva, pelo menos no momento da origem do universo. Isso não quer dizer que essa visão ingênua esteja certa, mas seria de fato interessante estudar a possibilidade de um processo físico que leve H de zero para um valor não nulo. Mas como é possível garantir simultaneamente que H cresça no tempo e que a estabilidade física da teoria seja satisfeita?

Creminelli e os demais sugeriram o seguinte: e se nós permitimos que essa violação da estabilidade ocorra de forma controlada para escalas de tamanho sempre maiores que o raio visível do universo? Em outras palavras, seria possível obter simultaneamente uma variação positiva no tempo para H e uma teoria em que sempre em escalas de tamanho suficientemente pequenas você tem efetivamente estabilidade?

O truque reside em começar com uma teoria para a inflação que seja salutar e estudar as perturbações do campo inflacionário (o inflaton) produzidas pelas flutuações quânticas e mostrar que essas perturbações podem contribuir para H de forma a provocar \Delta H / \Delta t > 0. Porém essas perturbações todas podem ser controladas para terem tempo de vida sempre maior que a idade do universo, de modo que nenhum observador é capaz de ver os efeitos físicos da instabilidade, a não ser através de H. Que isso é de fato possível não é trivial, e eu não sei explicar sem mostrar a matemática. Nós podemos começar com uma teoria absolutamente genérica de que existe um certo campo escalar \phi que domina a densidade de energia do universo, e então mostrar que as flutuações quânticas desse campo contribuem para H de modo que a variação no tempo de H seja positiva. Para que o universo sempre possua estabilidade física dentro de todas as regiões causais, deduz-se que a escala de energia da energia escura não pode ser muito maior que aproximadamente 100 GeV. Isso não está completamente descartado uma vez que esta energia é do setor escuro da Natureza, aquele que interage muito fracamente com os prótons, elétrons, fótons, etc., a não ser gravitacionalmente. Se você lembrar de um post anterior, eu já discuti como é possível que exista interações novas da matéria escura exatamente nessa escala de energia.

Uma série de artigos técnicos sobre esse assunto são estes:
arXiv:hep-th/0606090, arXiv:0911.2701, arXiv:0811.0827.

Versão um pouco mais técnica. Visto que

\dot{H} = -4\pi G (\epsilon + p )

para equações de estado p = w \epsilon com w > -1 sempre temos \dot{H} < 0. Para obter \dot{H} > 0 é necessário violar a condição de energia nula (NEC) \epsilon + p > 0. Isso pode ser feito apenas no setor das inomogeneidades da energia e pressão, i.e. calculando-se \delta p e \delta \epsilon, sendo que \bar{\epsilon} e \bar{p}, onde a barra significa a solução homogênea e isotrópica, é sadia. Isso cria um w efetivo menor que -1, violando a NEC. Mas como \delta p e \delta \epsilon são funções do espaço, as componentes de Fourier \delta p_q e \delta \epsilon_q podem ter instabilidade apenas para números de onda q suficientemente grandes, i.e. sempre satisfazendo q/aH \ll 1. Isto é equivalente a tomar que o período característico dos modos instáveis em um instante de tempo é maior que a idade do universo naquele instante. Para evitar a instabilidade gravitacional, a freqüência de Jeans associada ao modo instável também precisa ser menor que H.

A semana nos arXivs…

quinta-feira, 19 nov 2009; \47\America/New_York\America/New_York\k 47 2 comentários


Academia vs. Business

Academia vs. Business

Buzzwords

Buzzwords

Contribuindo para o FQXi…

quinta-feira, 12 nov 2009; \46\America/New_York\America/New_York\k 46 Deixe um comentário

O FQXi, Foundational Questions Institute, tem como objetivo disseminar a pesquisa em áreas fundacionais da Física e da Cosmologia.

Em Agosto/09, eu fui convidado a integrar os blogueiros do FQXi 😈 . E minha primeira participação acabou de ser posta online (sim, a coisa demorou pra acontecer porque existe todo um processo de editoração e revisão por pares 😎 ):

Na verdade, o artigo que eu escrevi ficou “grande demais”… então, ele foi dividido em 3 partes, e esse link é pra primeira parte, que foi ao ar ontem. As outras partes vão se seguir… mas eu ainda não sei quando serão postas online. De qualquer forma, fiquem ligados, eu ponho os links aqui conforme eles forem aparecendo. 😉

Espero que vcs gostem… e, apesar de estar em Inglês, o Google Translate é seu amigo. :mrgreen:

Diversão garantida… ou sua Física de volta! 😈

Continuação analítica da função de partição…

sexta-feira, 6 nov 2009; \45\America/New_York\America/New_York\k 45 Deixe um comentário

Continuando no espírito dos posts Teorias Topológicas de Campo e suas Continuações Analíticas e Grothendieck, Sistemas Dinâmicos, Dualidade de Langlands e Higgs Bundles, mais um ingrediente pra temperar essa mistura, dessa vez vindo de Materia Condensada,

Essencialmente, nos dois primeiros artigos, Lee e Yang demonstram o chamado Teorema de Lee-Yang — essencialmente, o teorema mostra que, sob “certas condições” (é muito importante que essas condições sejam satisfeitas), os zeros da função de partição são imaginários; esses são os chamados zeros de Lee-Yang.

Por outro lado, os chamados zeros de Fisher têm origem numa construção muito semelhante a anterior, a diferença relevante entre ambas as construções sendo que, no caso de Fisher, a temperatura é continuada analiticamente [para os Complexos].

Nesse sentido, a construção de Fisher pode ser considerada a continuação analítica dos resultados de Lee-Yang.

A pergunta que se põem sozinha é: “Será que é possível fazer o mesmo em QFT e em Teorias de Gauge?” 💡

A resposta está longe de ser trivial ou conhecida, vide os dois primeiros posts linkados acima. Mas, agora, com um caso mais concreto pra se comparar… quem sabe não é possível se aprender alguma coisa…?! 😉

A semana nos arXivs…

terça-feira, 3 nov 2009; \45\America/New_York\America/New_York\k 45 Deixe um comentário


'Mike's motto'

'Mike's motto'

Grothendieck, Sistemas Dinâmicos, Dualidade de Langlands e Higgs Bundles…

sábado, 31 out 2009; \44\America/New_York\America/New_York\k 44 Deixe um comentário

Por falta de coisa melhor pra fazer num sábado de Halloween, à noite, …, eu estou aqui, lendo o artigo

e pensando na conexão dele com Local Dynamical Systems e Dinâmica Topológica (juntamente com Topological entropy), principalmente no contexto de Higgs bundles and local systems ou The Self-Duality Equations on a Riemann Surface — isso pra não falar em A mad day’s work: from Grothendieck to Connes and Kontsevich The evolution of concepts of space and symmetry, ou, melhor ainda, na continuação analítica de TFTs.

Taí o que me tira o sono… 👿

(Atualizado (2009-Nov-01 @ 11:30h): Pra “apimentar” ainda mais essa mistura toda, pensar em termos de Discrete gauge theory: from lattices to TQFT também corrói…, afinal de contas, o T. Tao, acima, descreve tudo de modo simplicial, combinatório — e o que é Lattice QFT senão uma versão discretizada, simplicial, de QFTs contínuas? 😛 E já existem técnicas robustas pra se discretizar via ‘lattices’ que não são apenas o ingênuo ‘lattice’ cúbico — muito dessa tecnologia foi desenvolvida pra simulações numéricas de GR; aliás, mais ainda, hoje em dia, já é possível até se construir ‘lattices’ supersimétricos. Resumindo: no final das contas, é possível até se pensar em simulações numéricas dessas construções! 😯 )

Mas, agora é hora de fazer uma boquinha… 😎

P.S.: Claro, o relógio abaixo também me tira o sono… 😈

Suunto Elementum Terra with the negative display and the stainless steel bracelet

Suunto Elementum Terra with the negative display and the stainless steel bracelet

A semana nos arXivs…

terça-feira, 20 out 2009; \43\America/New_York\America/New_York\k 43 1 comentário


E, pra quem ainda não sabe, o Michael Green (um dos autores dos volumes Superstring theory: Introduction e Superstring theory: Loop Amplitudes, Anomalies and Phenomenology — ainda um dos melhores livros sobre o assunto) foi o escolhido pra substituir o Hawking na Cátedra Lucasiana: Michael Green elected to Hawking’s Cambridge post — entre outros, o Witten e o Maldacena declinaram a oferta.

%d blogueiros gostam disto: