Arquivo

Archive for the ‘math’ Category

As Raízes da Metafísica…

segunda-feira, 22 ago 2011; \34\America/New_York\America/New_York\k 34 1 comentário

Acabei de ler o post The Roots of Metaphysics que trata do Paradoxo de Russell — que tem a mesma natureza do Argumento Diagonal (o fato de que os Reais são incontáveis).

Entretanto, no sentido exposto no texto — “(…) no set of existential statements can entail a universal statement” —, a primeira coisa que veio a minha mente foi o Teorema do Limite Central (e suas “variações sobre o tema”). Ou seja, apesar dos pesares, minha crítica ao texto, ao modo como o problema foi exposto no texto, é que eu não achei que a noção de recursividade ficou exposta de modo claro o suficiente (de modo que se note que ela é o ‘pilar’ por detrás do problema sendo tratado). A analogia feita no texto é a de que enquanto a afirmação “todos os morcegos estão na pia” é universal, a afirmação “há um morcego na pia” é existencial. O problema dessa analogia é que nós já sabemos, a priori, que o número de morcegos é finito (assumindo, claro, que só existem morcegos no nosso planeta), o que faz uma diferença enorme em toda essa brincadeira. Num certo sentido, o problema dessa analogia está no Paradoxo de Banach–Tarski: se fosse possível, através dum corte ao meio, se obter dois morcegos idênticos entre si, a partir dum morcego original, aí sim, essa seria uma analogia bona fide, uma vez que a recursividade estaria então implementada no problema. Aliás, é por essas, e outras, que existem diferentes formulações da Teoria de Conjuntos, como, e.g., Teoria de Conjuntos de Zermelo–Fraenkel (e suas respectivas objeções), assim como Teoria de Topos e Teoria de Conjuntos de Tarski–Grothendieck.

Acho interessante ver que o Paradoxo de Russell é de ~1925… e que, por exemplo, os Teoremas de Incompletude de Gödel são de 1931: quando postos em contexto, acho que as implicações são bem interessantes. :wicked:

No final das contas, esse assunto tem um nome: Meta-Matemática — leia mais sobre isso em Meta Math! The Quest for Omega e Omega and why maths has no TOEs. Ou seja, como devemos usar a matemática pra avaliar a própria matemática?

Num certo sentido, isso me leva a pensar diretamente sobre o conceito de Grupo de Renormalização, Teorias Efetivas e Espaço de Teorias (em física teórica) (ver também Grupo de Renormalização Funcional). Ou seja, em Física existem teorias que são fundamentalmente desconexas (como, por exemplo, a Relatividade Geral e a Mecânica Quântica); entretanto, existe todo um outro conjunto de teorias que estão conectadas via o Grupo de Renormalização: ou seja, existe uma teoria pra explicar cada conjunto de graus-de-liberdade (ie, as variáveis que descrevem uma determinada teoria); entretanto, é possível se rearranjar um conjunto de graus-de-liberdade de modo a se obter as variáveis relevantes para se explicar outra teoria — esse fenômeno leva o nome de Transição de Fase.

Nesse sentido, existem várias escalas relevantes para a Física, que efetivamente formam “ilhas de teorias”, ou “ilhas de verdade” (à la Gödel). Dessa forma, acabamos com um sistema multi-fractal: a auto-similaridade consiste no fato de que toda a estrutura Física se repete nas diversas escalas: Lagrangianos, [quantização via] Integral de Trajetória de Feynman, Renormalização, etc, etc, etc — exceto, claro, por pontos-fixos não-triviais no Fluxo de Renormalização. 😉

O Lamento dum Matemático…

domingo, 21 ago 2011; \33\America/New_York\America/New_York\k 33 1 comentário

Acabei de encontrar esse artigo (PDF), escrito por Keith Devlin, onde a seguinte citação aparece:

“… The first thing to understand is that mathematics is an art. The difference between math and the other arts, such as music and painting, is that our culture does not recognize it as such. Everyone understands that poets, painters, and musicians create works of art, and are expressing themselves in word, image, and sound. In fact, our society is rather generous when it comes to creative expression; architects, chefs, and even television directors are considered to be working artists. So why not mathematicians?”

(Tradução livre: “… A primeira coisa a entender é que a matemática é uma arte. A diferença entre a matemática e as outras artes, como música e pintura, é que nossa cultura não a reconhece [como arte]. Todo mundo entende que poetas, pintores, e músicos criam trabalhos de arte, e se expressam em palavras, imagens e sons. De fato, nossa sociedade é meio generosa quando o assunto é expressão criativa; arquitetos, chefs [de cozinha], e até mesmo diretores de TV são considerados artistas. Então, por que não os matemáticos?”)

Taí uma desses “perguntinhas capiciosas” que têm a capacidade de mudar muita coisa… “Por que não os matemáticos?”

Simetria e Dualidade em Matemática e Física…

quarta-feira, 23 jun 2010; \25\America/New_York\America/New_York\k 25 Deixe um comentário

A semana nos arXivs…

quinta-feira, 18 mar 2010; \11\America/New_York\America/New_York\k 11 4 comentários

Como vcs devem ter notado, já faz um tempo que não tenho conseguido publicar minha lista de artigos dos arXivs por aqui. Não que eu tenha deixado de ler ou de selecionar meus artigos preferidos nos arXivs — quem acompanha meu Google Buzz ou Google Reader sabe que isso não é verdade (eu leio os arXivs religiosamente todo santo dia 😎 ) —, mas o tempo anda cada vez mais curto pra vir aqui e publicar a lista (e o WordPress ainda não fez o favor de instalar o Markdown por aqui, o que é realmente um empecilho pra quem não curte muito o “Visual Editor” 😛 ).

De qualquer maneira, agora com o advento do Google Buzz e suas conexões com o Google Reader, a “vida digital” tem mudado um pouco de ângulo… então, eu pensei em dar um drible-da-vaca nessa situação: por que não fazer listas no Twitter?! Basta marcar cada tweet com um #hashtag apropriado, e tudo fica resolvido. 😎

Os #hashtag são evidentes, então já vou linkar direto para os ‘saved searches’ deles,

Assim fica fácil: é até possível se inscrever nos feeds de cada um dos #hashtag! 😎

Vamos ver se essa nova empreitada alça vôo… 😈

Cálculo Exterior para Elementos Finitos…

sábado, 6 mar 2010; \09\America/New_York\America/New_York\k 09 Deixe um comentário

ResearchBlogging.org

O artigo Finite element exterior calculus: from Hodge theory to numerical stability trata dum tópico que eu gosto muito: análise numérica feita com ferramentas modernas (e.g., Cohomologia de de Rham e Teoria de Hodge).

Meu interesse sobre esse tipo de tópico começou cedo, quando na graduação eu comecei a lidar com problemas numéricos. A noção de que a estabilidade e convergência do método numérico deveria variar com a particular discretização (“mesh”) escolhida sempre ficou atrás da minha orelha. Mas, naquelas épocas, ainda estando na graduação, pouco era possível se fazer. Mas a vontade de aplicar essas idéias em Lattice Gauge Theory sempre me provocou. 😉

Um pouco mais tarde, já na pós (mestrado), eu trombei com alguns artigos interessantes que, novamente, morderam essa mesma pulguinha,

Meu interesse por esses artigos era claro: o esquema de discretização deles tenta preservar as simetrias de Lie do problema original. Isso é particularmente importante se o objetivo é simular problemas que envolvem Quebra de Simetria! 💡 😎

Um pouco de tempo depois… me aparece o seguinte artigo, A Discrete Exterior Calculus and Electromagnetic Theory on a Lattice; que, mais tarde, seria seguido pelos seguintes artigos: Discrete Differential Geometry on Causal Graphs e Differential Geometry in Computational Electromagnetics.

A idéia, então, era novamente clara: aplicar esse mecanismo de Cálculo Exterior Discreto em Teorias de Gauge! 💡 😎

Afinal de contas, quem sabe, não daria pra juntar ambas as idéias: usar Cálculo Exterior Discreto de forma a preservar as simetrias [de Lie] do problema no contínuo ❗ O que será que poderia sair daí?! (De fato, não tenho a menor noção, infelizmente nunca tive tempo de voltar e morder essa questão. Mas, taí um problema prum doutorado… 😉 )

Bom, depois de tudo isso, aparece o artigo que motivou esse post — eu tinha que falar alguma coisa a respeito dele.

Na verdade, esse artigo vai mais longe, extendendo o trabalho feito anteriormente, definindo apropriadamente uma Teoria de Hodge para Elementos Finitos, e avaliando as conseqüências para a consistência (“well-posedness of the Cauchy problem”; algo que varia muito com as particularidades da questão em mãos) e estabilidade numérica do problema. Portanto, as técnicas disponíveis agora são muito mais robustas! (O que só me deixa cada vez mais curioso pra saber a resposta das questões acima… 😉 )

É isso aí: a leitura é excelente, a diversão é garantida… e eu não me responsabilizo por noites de sono perdidas (por causa das questões acima)! 😈

Referências

  • Arnold, D., Falk, R., & Winther, R. (2010). Finite element exterior calculus: from Hodge theory to numerical stability Bulletin of the American Mathematical Society, 47 (2), 281-354 DOI: 10.1090/S0273-0979-10-01278-4

Seminário de Física-Matemática de Königsberg…

sábado, 6 mar 2010; \09\America/New_York\America/New_York\k 09 2 comentários

ResearchBlogging.org

Königsberg é uma cidade na Alemanha famosa por suas sete pontes. Mas, há outra razão também: 150 anos depois dessas pontes inspirarem Euler, nos idos de 1880, a Universidade de Königsberg possuia um seminário de Física-Matemática, que ajudou a formar a carreira científica de David Hilbert e de Hermann Minkowski.

O simples fato de que esse tipo de seminário existia naqueles tempos é um tributo às reformas (Era Prussiana) no sistema educacional alemão: essas reformas começaram com as idéias de Martinho Lutero, que desejava que todas as pessoas devessem ser educadas para poderem ler e interpretar a Bíblia por si sós, independentemente. Foi esse conceito de educação obrigatória que se tornou o ideal educacional alemão da época.

No século 18, o então “Reino da Prússia” foi um dos primeiros países do mundo ( ❗ ) a introduzir educação gratuita e obrigatória. Por volta de 1810, depois das “Guerras Napoleônicas“, a Prússia introduziu o conceito de “certificações estaduais” para professores, o que levantou significativamente o nível da educação naquele país.

O Seminário de Física-Matemática nasceu com Franz Neumann e Carl Jacobi — eles foram patrocinados por Friedrich Wilhelm Bessel, astrônomo e diretor do observatório. Esse foi o primeiro seminário oficial da Prússia a incorporar métodos matemáticos no ensino de Física — um passo com muitas conseqüências: a universidade se tornou o centro duma escola de física-matemática, o que moldou a formação dessa disciplina de modo substancial!

Eis algumas outras conseqüências desse Seminário:

  1. Os atendentes dos seminários, jovens pesquisadores, transferiram as idéias educacionais básicas pra outras universidades, onde elas eram adaptadas e desenvolvidas. Isso é muito análogo ao conceito moderno de pós-doutorado, onde o recém-doutor deixa sua instituição e vai exercer seu primeiro emprego, como pós-doutor, em outra instituição, levando consigo os ensinamentos e idéias adquiridas em sua alma matter;
  2. No contexto científico da Física e da Matemática, o Seminário influenciou fortemente o desenvolvimento de áreas de pesquisa e metodologias; &
  3. Devido a responsabilidade pedagógica e esforço pessoal de Franz Neumann, por mais de 4 décadas, o Seminário tem que ser visto como o começo duma nova disciplina, que pode ser chamada de Física Teórica (ou Física Matemática).

Ainda mais importante que o Seminário, foi o Colóquio semanal, em matemática, estabelecido por Lindemann (em 1884). O Colóquio oferecia um fórum para palestras e diálogos científicos no nível de pesquisa (ao contrário do Seminário, cujo objetivo era mais pedagógico, no sentido de ensinar os tópicos expostos) ❗

Para mais detalhes e maiores diversões… o artigo abaixo é muito gostoso de se ler. 😈

Referências

  • Schwermer, J. (2010). Minkowski in Königsberg 1884: A talk in Lindemann’s colloquium Bulletin of the American Mathematical Society, 47 (2), 355-362 DOI: 10.1090/S0273-0979-10-01291-7

Non-Perturbative QFT…

domingo, 17 jan 2010; \02\America/New_York\America/New_York\k 02 3 comentários

O Instituto Não-Linear de Nice vai realizar um Workshop de Inverno sobre QFT não-perturbativa — e eu fui convidado a dar uma palestra. 😈

O Workshop começa amanhã e eu já estou no gás todo (apesar da horrível viagem de SP pra Paris)! 😉

Quem se interessar, minha palestra pode ser vista no seguinte link,

Se for possível, eu vou tentar fazer ou um live blogging (aqui no AP) ou um live tweeting (no meu twitter): não prometo nada mas, fiquem de olho… quem sabe não dá certo?! 😉

Realejo do dia…

terça-feira, 8 dez 2009; \50\America/New_York\America/New_York\k 50 Deixe um comentário

y = exp(x)

y = exp(x)

Lógica Bayesiana

sexta-feira, 13 nov 2009; \46\America/New_York\America/New_York\k 46 6 comentários

Todo mundo conhece a lógica clássica, aquela segundo o qual proposições são julgadas verdadeiras ou falsas através de certos procedimentos de consistência. Mesmo que não conheça as regras da lógica formal, certamente já as usou e saberia reconhece-las. Poucos nunca ouviram o tal exemplo sobre a mortalidade ou não de Sócrates.  A lógica formal nos fornece uma forma de raciocínio: seguindo suas regras básicas eu consigo formas de, de posse de afirmações que eu julgo verdadeiras,  julgar a validade de outras. Mais ainda, na lógica não há espaço para ambiguidade e meia-certeza — o valor de uma proposição é verdadeiro ou falso, fim de papo. E note: ainda que eu não consiga determinar esse valor, está estabelecido desde o princípio que ele é verdadeiro ou falso.

Certamente isso fornece ferramentas úteis mas há uma grande limitação: como eu deveria raciocinar se eu não possuo informação completa sobre algo? A lógica formal não serve para isso. Eu não posso fazer perguntas como: “dado que eu acho a proposição P1 maaais ou menos certa, qual é o valor de P2?”. Há formas de lidar com essa questão de informação parcial? Isso é o que os probabilistas da escola bayesiana se perguntaram e o que eu pretendo dizer aqui é como responder positivamente essa pergunta.

A grande pergunta inicial é: como eu quantifico informação incompleta sobre algo? Em outras palavras, como eu digo a você quão fortemente eu acredito que algo é verdade? Uma vez determinada essa resposta a próxima pergunta é: como eu devo proceder, uma vez estabelecida o valor de uma proposição, para determinar o valor de outra proposição derivada dessa? Essas são as duas perguntas que eu vou tentar explicar como são respondidas pela teoria bayesiana.

Então para começo de conversa vamos estabelecer como se mede o grau de plausibilidade de algo (A. Caticha gosta de chamar de “degree of rational belief”, eu concordo com ele). Para cada proposição vamos criar uma função que associa a cada outra proposição um número real — a princípio irrestrito:

\Phi_{p} : \mathcal{P} \to \mathcal{R}, \forall p\in\mathcal{P}.

Aqui, \mathcal{P} é a coleção de proposições e \mathcal{R} o conjunto dos reais. Ao número \Phi_{P_1}(P_2) vamos chamar plausibilidade de P_2 no ambiente lógico (gerado por) P_1. Ou seja, esse número mede o quanto eu acredito em P_2 assumindo P_1 como “axioma”. Quanto maior o número maior minha crença.

Bem, não faz muito sentido apenas fazer isso. Preciso de algumas regras básicas para essa função. Essas regras devem me garantir que quando eu faço o “limite de certeza absoluta” eu recobre os resultados da lógica formal. Essas regras são chamadas axiomas de Cox e são bem simples e intuitivas. Melhor ainda: elas determinam \Phi_{p} quase univocamente (vamos entender esse quase adiante). Os axiomas de Cox são os seguintes:

A plausibilidade da negação de uma proposição é determinada assim que eu conheço a plausibilidade da própria proposição. Ou seja(2):

\Phi_{A}(\neg B) = F(\Phi_{A}(B)).

Parece razoável: quanto mais acredito em B, menos acredito em \neg B.  Note que há aqui a afirmação implícita de que a função que liga a plausibilidade de uma proposição com a plausibilidade da sua negação é única e independe de qual proposição estamos falando, nem do “ambiente lógico”.

A operação de negação é idempotente – ou seja, se eu aplicar a negação duas vezes, devo recuperar a proposição original(\neg \neg B = B). Essa propriedade nos fornece uma equação funcional para F(\cdot):

\Phi_{A}(\neg \neg B) = \Phi_{A}(B),

F(\Phi_{A}(\neg B)) = \Phi_{A}(B),

F(F(\Phi_{A}(B))) = \Phi_{A}(B).

Ou seja, para todos os valores u pertencentes à imagem de \Phi_{\cdot}(\cdot) devemos ter que:

F(F(u)) = u.

Ou seja, a função F(⋅) é idempotente também. Vamos reservar essa propriedade de F(\cdot) e prosseguir para o segundo axioma de Cox:

A plausibilidade da conjunção de duas proposições A\wedge B dada uma terceira proposição C (ou seja, \Phi_{C}(A \wedge B) ) deve depender apenas da plausibilidade de:

(1) plausibilidade de A dado C: \Phi_{C}(A);
(2) estabelecida a plausibilidade de A, quão plausível é B dado C : \Phi_{C\wedge A}(B).

Ou seja, estou assumindo a existência de mais uma “função universal”:

\Phi_{C}(A \wedge B) = G( \Phi_{C}(A) , \Phi_{C\wedge A}(B) ).

Também parece razoável: quando quero determinar se duas proposições são simultaneamente verdadeiras, estabeleço primeiro a validade da primeira e depois, dada a primeira, estabeleço a validade da segunda. É um pouco mais difícil tirar uma equação funcional para G(⋅ , ⋅) mas não é impossível. Considere a expressão:

\Phi_{B}(A_1 \wedge A_2 \wedge A_3).

Há duas formas diferentes de decompor essa expressão usando a função G(\cdot,\cdot): lembre-se que o conectivo \wedge é  associativo e comutativo e portanto:

\left(A_1 \wedge A_2\right) \wedge A_3 = A_1 \wedge \left(A_2 \wedge A_3\right).

Uma inferência consistente exige que essas duas formas dêem o mesmo resultado(3). Portanto:

G( \Phi_{B}(A_1 \wedge A_2) , \Phi_{B\wedge A_1 \wedge A_2}(A_3) ) = G(\Phi_{B}(A_1) , \Phi_{B\wedge A_1 }( A_2 \wedge A_3) ).

Aplicando novamente a definição de G(\cdot,\cdot):

G( G(\Phi_{B}(A_1),\Phi_{B \wedge A_1 }( A_2)) , \Phi_{B\wedge A_1 \wedge A_2}(A_3) ) = G(\Phi_{B}(A_1) , G(\Phi_{B\wedge A_1 }( A_2),\Phi_{B\wedge A_1 \wedge A_2 }( A_3)) ).

Se isso deve valer para quaisquer proposições então novamente tenho um equação funcional válida para quaiser u, v e w na imagem de \Phi_{\cdot}(\cdot)(4):

G(u,G(v,w)) = G(G(u,v),w).

Ou seja: a função G(⋅ , ⋅) também é associativa.

Um leitor apressado deve se perguntar nesse momento: e daí que você tem duas equações funcionais para essas funções arbitrárias F(⋅) e G(⋅ , ⋅) que você postulou do chapéu? O ponto é que essas duas equações funcionais generalíssimas definem univocamente estrutura de inferência! Sério mesmo. Não to brincando. E você conhece essa estrutura.

O coração da questão deriva de dois teoremas devidos a Cox. Para conseguir o primeiro teorema vamos usar o seguinte resultado (não vou provar aqui porque a prova é extensa e é encontrada na referência [2]).

Teorema da função associativa: dada qualquer função associativa G(u,v), existe uma função monotônica g(⋅) tal que:

g(G(u,v)) = g(u) g(v)

Isso é muito conveniente pois se escrevermos de novo a definição de G(\cdot,\cdot), temos:

\Phi_{C}(A \wedge B) = G( \Phi_{C}(A) , \Phi_{C\wedge A}(B) ),

e usarmos o teorema da função associativa, então obtemos:

g\left(\Phi_{C}(A \wedge B)\right) = g\left(\Phi_{C}(A)\right) g\left( \Phi_{C\wedge A}(B) )\right)

E agora posso simplesmente regraduar minha definição de plausibilidade. Uma vez que g() é monotônica, e portanto vai preservar a ordem com que eu classifico coisas como mais ou menos plausíveis, eu posso redefinir plausibilidade como:

\phi(A|B) = g(\Phi_{B}(A))

Mudei ligeiramente a notação para que o leitor possa apreciar melhor o que acontece com a antiga expressão que define G(⋅ , ⋅) com essa nova definição de plausibilidade:

\phi(A \wedge B | C) = \phi(B|C \wedge A) \phi(A|C)

Mas veja se essa não é a boa e velha regra do produto da teoria de probabilidades!!! Usando a comutatividade de \wedge eu ainda posso notar que:

\phi( B | C \wedge A) = \dfrac{\phi (A|C \wedge B) \phi (B|C)}{\phi (A|C)},

e essa não é nada mais que a regra de Bayes da teoria de probabilidades!

Mas calma, a nova função plausibilidade \phi(\cdot| \cdot) ainda não é uma probabilidade: não basta seguir essas duas regras, há uma série de condições na teoria axiomática de probabilidades para chamar algo com esse nome e a nossa função ainda não satisfaz todas. Tudo bem: ainda nos falta estudar as propriedades de F(\cdot)! Quem sabe isso ajude.

Novamente precisamos criar uma situação em que a demanda por consistência delimite as propriedades da função plausibilidade. Por exemplo temos a seguinte situação(5):

\phi(A \wedge B | C) = \phi(B|C \wedge A) \phi(A|C) =F\left(\phi(\neg B|C \wedge A)\right) \phi(A|C) .

Mas, pela regra do produto que deduzimos acima:

\phi(\neg B |C \wedge A) = \dfrac{\phi(A \wedge \neg B |C)}{\phi(A|C) }

e então:

\phi( A \wedge B | C) =\phi(A|C) F \left( \dfrac{\phi(A \wedge \neg B |C)}{\phi(A|C) }\right)

Mas lembre-se que a conjunção A \wedge B é simétrica, portanto toda essa expressão fica invariante se eu trocar A por B. E assim:

\phi(A|C) F \left( \dfrac{\phi(A \wedge \neg B |C)}{\phi(A|C) }\right)=\phi(B|C) F \left( \dfrac{\phi(B \wedge \neg A |C)}{\phi(B|C) }\right)

Se isso deve valer independente de quais são as proposições A, B e C, então eu posso, por exemplo, escolher uma particular proposição \neg B = A\wedge D. Note que com essa escolha temos as seguintes identidades: A\wedge \neg B = \neg B\neg A \wedge B = \neg A. Então:

\phi(A|C) F \left( \dfrac{\phi(\neg B |C)}{\phi(A|C) }\right)=\phi(B|C) F \left( \dfrac{\phi(\neg A |C)}{\phi(B|C) }\right)

\phi(A|C) F \left( \dfrac{F\left(\phi( B |C)\right)}{\phi(A|C) }\right)=\phi(B|C) F \left( \dfrac{F\left(\phi(A |C)\right)}{\phi(B|C) }\right)

O que finalmente resulta em mais uma equação funcional para F(⋅):

uF \left( \dfrac{F\left(v\right)}{u }\right)=v F \left( \dfrac{F\left(u\right)}{v }\right)

Novamente sem demonstrar, vou simplesmente afirmar que a solução mais geral dessa equação, submetida à condição de idempotência que deduzimos acima, é dada por:

F(u)^\alpha=(1-u^\alpha).

Note que para um \alpha qualquer isso restringe o dominio da função F(⋅), e portanto a imagem da função \phi(\cdot|\cdot), ao intervalo [0,1]. E veja o que acontece então com a regra que define F(⋅):

\phi(\neg A | B) ^\alpha + \phi(A|B)^\alpha = 1

Uma nova regraduação permite definir uma função Pr(A|B) =\phi(A|B)^\alpha com as seguintes propriedades:

  • Pr(A|B)\in[0,1]
  • Pr(A|B) + Pr(\neg A|B) = 1
  • Pr(A_1\wedge A_2|B) = Pr(A_2| B \wedge A_1)Pr(A_1 |B)

Esses não são exatamente os axiomas de Kolmogorov para a teoria de probabilidades mas… close enough para um post de blog. Isso tudo pode ser refinado com o devido grau de rigor matemático para satisfazer os exatos axiomas da teoria da probabilidade.

O que foi obtido com essa massagem matemática toda?

  1. É possível definir um sistema lógico de inferência baseado em informação incompleta e incerteza que atribui uma plausibilidade a cada proposição.
  2. Esse sistema lógico é único, a menos de uma regraduação monotônica da função plausibilidade. Isso faz com que uma ordenação segundo a plausibilidade seja única, uma vez que regraduações monotônicas não alteram essa ordem.
  3. A função plausibilidade satisfaz todas as regras que uma probabilidade legitima deve satisfazer (aqui não provei isso, mas apenas mostrei algumas coisas – para fazer isso rigorosamente precisa-se definir uma “sigma-álgebra de proposições”).

E qual é a utilidade prática disso? Bem… o mundo está cheio de situações de inferência baseada em informação incompleta. Particularmente, todo problema que depende de dados empíricos é, em essência, um problema dessa natureza e todo problema de inferência em ciência é assim. Uma vez que o único sistema de inferência para informação incompleta – como aí mostrado – é aquele que usa as regras  da teoria da probabilidade é razoável se supor que efetivamente usar essas regras explicitamente oferece vantagens sobre os métodos estatísticos ad hoc frequentemente usados, como os métodos de mínimos quadrados e outras formas de fitting de dados. Na verdade esse processo de inferência vai muito além disso – ele oferece ferramentas de modelagem física, de interpretação de modelos, de planejamento de experimentos e ainda mais. Mas disso eu vou tratar em um próximo post.

Notas:

(1) — Se você se interessa por nomes, o que se segue é devido a um certo número de pessoas — Edwin Jaynes, Harold Jeffreys e particularmente Richard Cox.

(2) — Estou usando os seguintes simbolos para os conectivos lógicos:

  • \neg — negação: \neg \mbox{Verdadeiro} = \mbox{Falso}
  • \wedge — o conectivo E (conjunção): \mbox{Verdadeiro} \wedge \mbox{Falso} = \mbox{Falso}
  • \vee — o conectivo OU (disjunção inclusiva): \mbox{Verdadeiro} \vee \mbox{Falso} = \mbox{Verdadeiro}

(3) — Lembre-se: queremos um sistema racional de atribuir um grau de confiança a algo.

(4) — Que pode ser obtida fazendo: u = \Phi_{B}(A_1), v = \Phi_{B \wedge A_1 }( A_2)) e w = \Phi_{B\wedge A_1 \wedge A_2 }( A_3).

(5) Note que eu tinha definido F(⋅) para a função original \Phi_{A}(B). Entretanto fizemos uma regraduação monotônica então nada me impede de abusar da linguagem e redefinir F(x) \to F(g(x)).

Referências:

[1] E. T. Jaynes, Probability Theory, the Logic of Science.
[2] A. Caticha, Lectures on Probability, Entropy, and Statistical Physics — arXiv:0808.0012v1 [physics.data-an]
[3] A. Caticha,  Quantifying Rational Belief — arXiv:0908.3212v1 [physics.data-an]

Grothendieck, Sistemas Dinâmicos, Dualidade de Langlands e Higgs Bundles…

sábado, 31 out 2009; \44\America/New_York\America/New_York\k 44 Deixe um comentário

Por falta de coisa melhor pra fazer num sábado de Halloween, à noite, …, eu estou aqui, lendo o artigo

e pensando na conexão dele com Local Dynamical Systems e Dinâmica Topológica (juntamente com Topological entropy), principalmente no contexto de Higgs bundles and local systems ou The Self-Duality Equations on a Riemann Surface — isso pra não falar em A mad day’s work: from Grothendieck to Connes and Kontsevich The evolution of concepts of space and symmetry, ou, melhor ainda, na continuação analítica de TFTs.

Taí o que me tira o sono… 👿

(Atualizado (2009-Nov-01 @ 11:30h): Pra “apimentar” ainda mais essa mistura toda, pensar em termos de Discrete gauge theory: from lattices to TQFT também corrói…, afinal de contas, o T. Tao, acima, descreve tudo de modo simplicial, combinatório — e o que é Lattice QFT senão uma versão discretizada, simplicial, de QFTs contínuas? 😛 E já existem técnicas robustas pra se discretizar via ‘lattices’ que não são apenas o ingênuo ‘lattice’ cúbico — muito dessa tecnologia foi desenvolvida pra simulações numéricas de GR; aliás, mais ainda, hoje em dia, já é possível até se construir ‘lattices’ supersimétricos. Resumindo: no final das contas, é possível até se pensar em simulações numéricas dessas construções! 😯 )

Mas, agora é hora de fazer uma boquinha… 😎

P.S.: Claro, o relógio abaixo também me tira o sono… 😈

Suunto Elementum Terra with the negative display and the stainless steel bracelet

Suunto Elementum Terra with the negative display and the stainless steel bracelet

O realejo do dia…

quinta-feira, 29 out 2009; \44\America/New_York\America/New_York\k 44 Deixe um comentário

Pra quem não conhece, o Marcus du Sautoy, além de professor de matemática em Oxford, é o atual autor da coluna Sexy Maths (Matemática Sexy) no Times de Londres.

A palestra dele no TED foi muito bacana — por isso mesmo, eu a reproduzo abaixo.

Something happens which is not observable: [Pierre] Curie’s more phenomenological approach led him to emphasize the role of “non-symmetry”, rather than symmetry, so that he was the first to appreciate the role of symmetry breaking as a necessary condition for the existence of phenomena.

De saidêra, deixou os comedinhas abaixo,

😈

Teorias Topológicas de Campo e suas Continuações Analíticas…

domingo, 18 out 2009; \42\America/New_York\America/New_York\k 42 2 comentários

Há dois posts recentes que lidam com assuntos muito interessantes… e que eu realmente gostaria de ter mais tempo pra comentar mais extensivamente… mas, por enquanto, os links vão ter que servir.

Ambos os assuntos dos links acima estão interligados e de modo não-trivial, o que significa que ainda há muita Física escondida por aí. 😉

A palestra do Witten tem como background um assunto muito interessante: Teoria de Morse nos complexos e em superfícies de dimensão infinita. Mais sobre isso pode ser lido nas seguintes referências,

De saidêra, eu deixo um artigo bem interessante: Applying Physics Concepts to Questions in Education. 😎

A semana nos arXivs…

domingo, 18 out 2009; \42\America/New_York\America/New_York\k 42 6 comentários

Esta edição vem um pouco atrasada… mas, vem mais recheada também. 😉


Cinqüenta anos de exploração espacial

Cinqüenta anos de exploração espacial

Estupidez vs Ignorância

Estupidez vs Ignorância

Leite com chocolate

Leite com chocolate

Genus e o Ensino de Matemática…

sexta-feira, 26 jun 2009; \26\America/New_York\America/New_York\k 26 Deixe um comentário

Quem gosta do problema de classificação de variedades (ver também Variedades Topológicas) certamente já ouviu falar do conceito de genus (como o nome é proveniente duma analogia com a biologia, a tradução mais apropriada deveria ser gênero mas, até onde eu sei, se usa ‘genus’ mesmo 😉 ).

O Hirzebruch e o Ochanine escreveram dois artigos muito interessantes na edição desse mês da Notices:

E quem gosta de Ensino de Matemática também pode se divertir com os artigos abaixo:

É isso aí!

Atualizado (2009-Jun-26 @ 19:10h EDT):

😉

Edição de fevereiro.

terça-feira, 17 fev 2009; \08\America/New_York\America/New_York\k 08 36 comentários

O título é um pedido de desculpas por ter estado tão ausente nessas ultimas semanas, mas nem sempre dá para aparecer por aqui. Então, esse vai ser um post com diversos assuntos, motivado por conversas com colegas ao longo do último mês, a maioria no orkut. Então, nessa edição temos:

  1. História da física (parte 2) – Anomalias
  2. A história do Jim Simons, Renaissance Tech e Stony Brook
  3. Partícula num aro (parte 2) – Mecânica quântica
  4. Rapid communications: pós-graduações no EUA e conferência sobre supercordas

Há algum tempo, um colega me perguntou sobre a relação de laços de Wilson e anomalias. Eu não conhecia a relação e, na verdade, ela nem chega a ser muito profunda. Em vista da oportunidade, deixa eu contar o que são anomalias de uma forma semi-técnica, aborando um pouco da história envolvida.

Tudo começou com um cálculo que foi tentado por Tomonaga onde ele calculou perturbativamente em 1 loop o propagador do fóton \langle J_{em}^{\mu} J_{em}^{\nu} \rangle. Há dois fatos experimentais inequívocos sobre o fóton (que na verdade é um só): ele não tem massa e é trasnversal, ie, há apenas dois estados de polarização. O problema dessa conta é que as quantidades definidas na ação de Maxwell, quando interpretadas quanticamente não são as quantidades medidas. São parâmetros livres, que na verdade são divergentes. As quantidades medidas dependem das interações. Quando elas são levadas em consideração, essas divergências deixam de existir e a ação quântica efetiva passa a ser função de quantidades finitas. Essa é a idéia do que se chama renormalização: em teorias renormalizáveis a ação quântica efetiva tem a mesma expressão funcional quando renormalizada ou não, mas os limites são tomados em pontos diferentes.

Bem, deixando os detalhes técnicos de lado, Tomonaga encontrou uma massa para o fóton e um estado não transveral, correções indesejadas que não podiam ser renormalizadas (Tomonaga, naquela época, usava o curioso termo “amalgamado”). Não demorou muito para as pessoas entenderem o papel das simetrias no cálculo das correções quântica. Bem, o importante para história é que essas inconsistências levou Tomonaga e seus colaboradore, Fukuda e Miyamoto a examinarem o próximo diagrama mais simples: um triângulo, ie \langle J_{\pi}J_{em} ^{\mu}J_{em}^{\nu} \rangle em 1 loop. Novamente, o resultado parecia não preservar invariância de gauge e, algo novo, o acoplamento com um pseudovetor U_{\mu} era diferente de com um pseudoescalar \partial_{\mu}U, o que é inconsistente com a equação de Dirac (na camada de massa \partial_{\mu}(\overline{\psi}\gamma_5\gamma^{\mu}\psi)=-2m\overline{\psi}\gamma_5\psi). Novamente eles perceberam que o problema estava na relação das simetrias com as integrais divergentes que apareciam durante a conta.

Esse trabalho, depois de algum tempo, chegou aos ouvido de Steinberger, em Princeton, através de Yukawa. Eles então decidiram aplicar o então recente método de Pauli-Villars para refazer as contas. E, como os leitores envovidos nessa área devem saber, o resultado foi invariante de Lorentz e invariante de gauge. Contudo, a diferença no acoplamento entre pseudoescalar e do pseudovetor continuava diferente. Em linguagem moderna: há uma anomalia quiral! Eles não sabiam muito o que fazer com esse resultado na época e a melhor sugestão no fim do artigo era esperar pela detecção experimental da reação \pi^0\rightarrow 2\gamma. Acho que poucas pessoas adotariam essa postura hoje em dia :D, mas o importante é que esse decaimento do pi-zero, na época chamado de Neutretto, de fato existe.

O problema, claro, não é simples e demorou até 1951 para Schwinger publicar uma nova forma de ataque ao problema. Num artigo que considero muito bonito “On Gauge Invariance and Vaccum Polarization”, Schwinger notou pela primeira vez com clareza que era necessário que os métodos de resolução das funções de Green fossem a todo instante invariantes de Gauge para que o resultado também fosse. Ele mostrou que a auto-energia do fóton, de fato, cancela na camada de massa e tudo parecia feliz. Mas ele também encontrou que o acoplamento para o pseudovetor e o pseudoescalar eram iguais. Um resultado que parece contrariar a existência de uma anomalia quiral. Schwinger justamente introduzia linhas de Wilson para fazer um “point-spliting” da corrente divergente. Vou deixar comentários extras para o final.

Mas outros muitos anos se passaram, e apesar dos problemas, as pessoas continuaram a usar teorias quânticas de campos para descrever a fenomenologia das interações fracas, que era o assunto quente da época. Em 1963, Rosenfeld, estudando a propriedade dos neutrinos na teoria V-A esbarrou no mesmo problema do diagrama triagular e fazendo a conta de forma a manter a invariância de gauge, ele calculou pela primeira vez a expressão da anomalia quiral, mas não deu prosseguimento à análise do resultado. Nessa época, teorias quânticas de campos não estavam muito em alta. Existiam outras teorias com pretensão de substituí-la, como a teoria de Regge e o programa da matriz-S. Existiam também teorias que pretendiam descrever teoria quântica de campos de uma forma não-perturbativa, como a teoria de álgebras de correntes.

Foi meio natural que as pessoas que trabalhavam com álgebras de correntes tentassem verificar seus resultados perturbativamente com TQC, e várias dessas pessoas deram contribuições determinantes para a criação das teorias modernas de gauge. Em particular, Gell-Mann e Levy, na década de 60, escreveram um artigo analisando as “PCAC” (putz… nem interessa! :roll:, na prática quero dizer \partial_{\mu}j_5^{\mu}=f_{\pi}m_{\pi}^2\pi(x) ) num modelo sigma linear. Na teoria quântica de campos que eles montaram, essa relação era realizada classicamente. É modelinho muito interessante com simetria SO(4) e quebrada espontaneamente. Esse trabalho se tornou uma leitura obrigatória em vários dos centros importantes de teoria quântica de campos na época. Em Stony Brook, B. Lee começou a estudar a renormalização dessa teoria e escreveu um pequeno livro influente sobre o assunto. Um aluno de doutorado de Utretch, G. ‘t Hooft, conheceu Lee na escola de verão de Carsège e resolveu aplicar os métodos para teorias de gauge. Deu no que deu. 😈

Depois disso, não demorou muito para Adler e, indendentemente, Bell e Jackiw entenderem a origem das anomalias como simetrias da ação clássica que não existem na ação efetiva quântica e escrevê-la como é conhecida hoje em dia. Vale notar no artigo do Bell e Jackiw, durante a batalha para entender quando a anomalia aparecia ou não nas contas, o seguinte comentário que vai no coração da questão:

Since the integral is linearly divergent a shift of variable picks up a surface term.

🙂 Que seja. Essa história, claro, não termina por aqui e tem muito mais coisa interessante. Mas fica para outro dia.

Antes de terminar, deixa eu só fazer um comentário sobre a conta do Schwinger. Eu acho que quem entendeu o que estava acontecendo foi o Adler. Schwinger, na sua ânsia justificada de preservar a invariância de gauge, considerava apenas derivadas covariantes na equação de conservação da corrente. Isso gera um termo extra igual a menos a anomalia. Ele também regularizava a corrente usando laços de Wilson, o que, naturalmente, preserva a invariância de gauge e introduz um termo igual a mais a anomalia. E assim, ambos se cancelam. Acontece.


Semana passada, o Jim Simons veio aqui na universidade conversar com os alunos durante o colóquio. Claro que colóquio com o Jim Simons não fica limitado aos alunos, mas lota o auditório. Foi razoavelmente interessante, ele contou sobre sua trajetória. Posso reproduzir um pouco do que ouvi e do que minha memória não fez questão de perder. Eu sei que tem leitores e editores aqui diretamente interessados em análise do mercado financeiro e, se infelizmente não posso dar muitos dados técnicos, pelo menos poderei contar uma história de sucesso.

O colóquio, que foi atípico, teve o título oficial de “Matemática, Bom Senso e Boa Sorte”. Para quem não sabe, O Jim Simons foi diretor do Instituto de Matemática de Stony Brook na década de 60, quando ele ainda não era o 178-ésimo homem mais rico do mundo. Ele hoje é dono da Renaissence Technologies, um fundo de investimento muito bem sucedido. Simons, que é o mesmo das “formas (teoria) de Chern-Simons”, nunca se afastou da universidade e investe muito dinheiro aqui. Ele, há alguns anos, quando o DOE resolveu cortar fundos dos laboratórios nacionais, manteve o BNL funcionando com dinheiro do seu bolso. Recentemente, ele doou quase 100 milhões para a construção do Simons Center for Geometry and Physics:

Simons Center for Geometry and Physics

Durante o colóquio ele anunciou mais uma doação de 20 milhões para o departamento de física. Isso só para citar as grandes doações. O Simons também mantém diversos programas aqui dentro, como um centro de formação em física de aceleradores, um programa para jovens do ensino médio em física de laser, entre outras coisas. O Brasil tem várias pessoas acima dele na lista da Forbes: o Antônio Ermírio de Moraes, Joseph Safra, o Eike Batista e o Jorge Paulo Lemann. O Safra recentemente fez algo semelhante com o IINN que já foi citado várias vezes aqui no blog. O Lemann também mantém programas de colaboração entre o Brasil e a universidade de Harvard, que se não é ideal, pelo menos é bom (ele doou um dinheiro para construção, em SP, de um escritório para organizar essas colaborações). Os demais, eu não sei estão associados à algum projeto desse porte. Mas se não estão, deveriam.

A parte matemática do título é então antiga. Naquela época, Simons era um recém doutor em matemática com um emprego em Princeton cuja carga horária deveria ser dividida metade para matemática e a outra metade para decifrar códigos da Guerra Fria. Só que um dia ele resolveu dar uma declaração para um jornalista dizendo que ele estava usando todas as metades da matemática agora e que só depois iria usar a metade para decifração de códigos de guerra. Bem, não é preciso muita imaginação para saber o que aconteceu com ele no mesmo dia. Despedido de Princeton, ele foi contratado para ser diretor (e efetivamente montar) o recém criado Insituto de Matemática de Stony Brook, um emprego que, para ser sincero, ninguém queria. Ele topou e começou um grupo que deu grandes frutos. Hoje, o programa de pós-graduação de Stony Brook normalmente aparece entre os top 5 do país. Durante sua estada aqui como diretor ele também manteve colaboração com o Yang no Instituto de Física. Os dois foram dos principais responsáveis por criar a ponte entre a física e a matemática das teorias de gauge (conexões de fibrados).

Agora vem a parte boa sorte. Naquela época, Simons investiu dinheiro com um amigo que trabalhava com câmbio e, por sorte, ganhou uma bolada de alguns milhões. E milhões de dólares naquela época era muito mais do que hoje. Milionário de uma hora para outra, ele resolveu mudar de direção na vida. Se esse colega dele podia ganhar dinheiro, ele também poderia. Matemático que era, ele e um outro professor daqui de Stony Brook começaram a tentar criar modelos para investir em câmbio. A realidade é que não deu muito certo, mas Simons conta que naquela época era tão fácil ganhar dinheiro, que ele rapidamente multiplicou seu dinheiro por um fator de 10 (e ele conta que isso nem chegou a impressionar muita gente).

Bom senso é a última parte. A década de 80 veio e ganhar dinheiro ficou um pouco mais difícil. Nesse ponto, ele decidiu novamente investir somente na construção de modelos. Com a ajuda de outro matemático (que me esqueci o nome, acho que ele não está mais na Renaissance Tech, parece que ele não conseguia trabalhar muito bem em equipe), ele abandonou completamente o tipo de investimento que fazia antes para só fazer investimentos baseados nos resultados desses modelos de mercado. Dessa vez deu certo. Hoje em dia, a Renaissance Tech conta com uma equipe composta basicamente de Ph.D.s e se orgulha de ter, mantidas as devidas proporções, um ambiente de trabalho acadêmico num fundo de investimento. Nem todos matemáticos, claro. Parece que hoje em dia há muito cientista da computação, já que além de criar modelos eles tem que lidar com a análise de 3 TB de dados por dia e tomar as decisões antes dos concorrentes. Se há alguma diferença do meio acadêmico real é que o resultado das suas idéias está alí, na sua frente, tudo reduzido a quanto dinheiro você ganhou ou perdeu.

No que volta à matemática. Simons recentemente voltou a trabalhar com matemática. Ele certamente é o aluno mais rico do mundo nessa área :P. E está trabalhando ativamente com o Dennis Sullivan, aqui mesmo em Stony Brook. Interessante, não?


Há algum tempo atrás, eu e Leandro escrevemos sobre a mecânica clássica de uma partícula num aro e como se pode aprender bastante sobre física com esse modelo simples. O post teve uma repercussão ótima e me motiva a fazer uma segunda parte. Vamos agora estudar a mecânica quântica de uma partícula no aro e vamos ver que podemos aprender também uma miríade de coisas através de analogias. Esse post vai ser um pouco mais alto nível, mas com certeza tem seu público.

Vou começar com uma lagrangeana bem geral:

L=\frac{M}{2}\dot{\phi}^2+A\dot{\phi}

Note que o segundo termo, sendo uma derivada total não influencia a equação de movimento que é simplesmente M\ddot{\phi}=0, onde M é o momento de inércia e \phi é uma variável angular.

Duas coisas devem ser notadas, para um determinado tempo inicial e final, há infinitas soluções para as equações de movimento, classificadas por um número inteiro (o número de voltas que ela dá no círculo). Isso é uma consequência da topologia não-trivial, ou mais especificamente, do grupo fundamental não-trivial, do círculo. Esse é o tópico que quero falar.

Além disso note que apesar de não mudar as equações de movimento, o momento canônico e a hamiltiana se alteram:

p =m\dot{\phi}+A;\qquad H=\frac{1}{2M}(p-A)^2

e é por isso que a mecânica quântica desse exemplo é tão bacana. Quantizar o sistema corresponde a tornar \phi,p operadores num espaço de Hilbert tal que [\phi, p]=i. O estado da partícula será então descrito por uma função de onda que obedece à equação de Schrödinger H\psi=E\psi. Para p ser uma quantidade mensurável, é necessário que ele seja auto-adjunto. Certamente, se escolhermos uma representação em que p=-i\partial_{\phi} ele será hermitiano. Porém, para ser auto-adjunto ele temos que definir condições de contorno do tipo \psi(\phi+2\pi)=e^{i\xi}\psi(\phi) onde diferentes escolhas de \xi correspondem à situações físicas distintas que pode, em princípio, serem diferenciadas por experiências de espalhamento. Vale a pena fazer a conta da matriz-S para verificar isso por si próprio, é supreendente a importância das condições de contorno.

Vamos começar com o caso \xi=0. A solução do espectro nesse caso é simples:

\psi_m=e^{im\phi};\qquad E_m=\frac{1}{2M}(m-A)^2;\qquad m\in\mathbb{Z}

Se você conhece o efeito Aharanov-Bohm, vai notar que A nada mais é que um fluxo magnético de valor \theta=2\pi A. Inclusive, fazendo conexão como tópico anterior, acho que as primeiras pessoas a notarem a hoje óbvia descrição desse efeito através da holonomias de conexões em fibrados foi justamente Yang e Simons. Mas voltando, note que a ação correspondente a A será:

S_{top}=\int_{t_1}^{t_2}A\dot{\phi}=\theta\frac{\Delta\phi}{2\pi}

que só depende das posições iniciais e finais. Essa ação também conta quantas vezes a partícula deu a volta no círculo. Como é comum escrever \theta para o fluxo magnético, esse tipo de termo ficou conhecido como termo \theta, sobre o qual já falei várias vezes aqui.

Note ainda que \theta múltiplo de 2\pi não afeta o espectro e que para \theta múltiplo ímpar de \pi, o espectro é simétrico por paridade.

Uma pessoa mais ousada arriscaria dizer: “Esse termo A eu tiro com uma transformação de gauge (classicamente: trasnformação canônica) da solução”. Você pode até tentar, só que aí suas condições de contorno vão corresponder a \xi=-\theta que, como eu argumentei, é fisicamente distinta.

Um outro método de quantização é o de integral de trajetórias. Nesse caso, a ação do termo topológico fatora e a função partição euclidiana fica escrita como:

Z=\sum_{Q=-\infty}^{\infty}e^{i\theta Q}\int_{\phi(0)-\phi(T)=2\pi Q}\mathcal{D}\phi\,e^{-\int_0^T d\tau M\dot{\phi}^2/2}

para baixas temperaturas (ie, longos tempos euclidianos), só o estado de menor energia importa. Se considerarmos M\rightarrow 0, o estado de menor energia fica duplamente degenerado e esse estado passa a ser igual a uma partícula de spin 1/2. Não estou dizendo que essa é a origem do spin, não há nenhuma simetria SU(2) nesse problema, mas um modelo parecido com esse pode e é utilizado como uma teoria efetiva para (quasi-)partículas de spin 1/2 e, além disso, partículas de spin 1/2 são fermions e a origem das duas possíveis estatísticas em 3 dimensões – férmions e bósons – tem tudo a ver com esse tipo de análise topológica.

Termos \theta se multiplicam na física e eu acho que esse pequeno exemplo deu para ilustrar várias de suas características:

  • Realiza representações irredutíveis unitárias do grupo fundamental do espaço-alvo. Bem, não discuti isso, mas é por isso que o termo se chama topológico;
  • Responsável pela interferência quântica entre setores toplógicos. Note que quando escrevi a função partição após rotação de Wick (supondo que ela seja possível), a única superposição quântica residual é devido ao termo topológico;
  • Não afeta as equações de movimento;
  • Muda as condições de quantização do espectro quântico;
  • É um termo periódico, não quantizado contudo;
  • \theta=0,\pi possuem simetrias adicionais;
  • \theta=\pi implica em degenerescência do espectro;
  • Equivalente a uma mudança nas condições de contorno.

Claro que esse não é o único termo topológico possível. Para fazer conexão agora com o primeiro tópico que eu escrevi, no estudo de anomalias é bem relevante a ação de Wess-Zumino-Witten (é o termo de anomalia integrado), que também é um termo topológico. Há muitos outros, mas eles ficam para outra chance. (Se eu for cumprir todas essas continuações, não trabalho mais :P)


Ping-pong rápido:

  1. Eu, quando estava aplicando para os EUA, juntei nessa comunidade do orkut:

    GRE – Física (orkut)

    muita informação sobre o processo de vir estudar aqui com o intuito de ajudar as pessoas que querem mas não encontram ajuda, como foi meu caso. A realidade é que poucos alunos de física no Brasil tentam vir para os EUA. Acho que muitos não tentam não é porque não querem, mas porque não tem informações suficientes. Infelizmente, muita informação que estava na comunidade foi perdida ou está desatualizada. Mais do que isso, os mesmos motivos que estão fazendo a gente se mudar do orkut para o BC e para o AP, estão me motivando, junto com um colega brasileiro que também é doutorando aqui em Stony Brook, a criar um fonte mais acessível para essas informações. Manterei vocês atualizados. No entanto, eu sei que alguns colegas e leitores daqui estudam no exterior e, então, eu “convoco” vocês a divulgar mais as informações, de forma organizada, como é o processo de aplicação para ajudar as pessoas mais novas e incentivá-las a ir atrás de uma boa formação profissional.

  2. Está acontecendo no KITP/UCSB uma conferência sobre supercordas com vários cursos bacanas de coisas realmente modernas e atualizadas nessa área.

    Para quem quiser ver as palestras: Fundamental Aspects of Superstring Theory

    É uma conferência longa com várias palestras didáticas. Além disso, ela está comemorando o octagésimo aniversário do Stanley Mandelstam que teve um papel proeminente para o desenvolvimento dos primórdios dessa teoria.

Até a próxima.

A semana nos arXivs…

sexta-feira, 17 out 2008; \42\America/New_York\America/New_York\k 42 1 comentário
%d blogueiros gostam disto: