Arquivo

Archive for the ‘quant-ph’ Category

Erwin Schrödinger: vivo ou morto…

quinta-feira, 11 ago 2011; \32\America/New_York\America/New_York\k 32 3 comentários

No dia 12 de Agosto de 1887 nascia o bebê Erwin Schrödingerironicamente, até o momento do nascimento, a mãe dele não sabia se ela estava grávida ou não. 😈

[N.B.: Pra quem achou a piadinha acima infâme… tem uma melhor ainda hoje: Nova animação da Pixar: Start UP, a história de um velhinho que queria levantar sua empresa com bolhas da internet. tá-dá-tush… :mrgreen:]

Criação de partículas pelo vácuo pode ter sido demonstrada em laboratório

quinta-feira, 26 maio 2011; \21\America/New_York\America/New_York\k 21 6 comentários

Um dos conceitos mais difíceis de digerir na mecânica quântica relativística é o fato de que afirmar que “ali há uma partícula” é algo relativo. É devido a este fenômeno que um universo em expansão cria partículas espontaneamente, processo que acredita-se hoje deve ter sido o responsável por popular o nosso universo com prótons, elétrons, fótons, e todo o resto da matéria. É também esse o mesmo fenômeno da radiação Hawking que todo buraco negro emite. Esse efeito pode ter sido observado pela primeira vez em laboratório por Chris Wilson da Universidade Chalmers de Tecnologia de Gothenburg, Suécia, e colaboradores no RIKEN, Japão, New South Wales em Sidney e Michigan em Ann Arbor, EUA[4].

Em poucas palavras, o que eles observaram foi que um espelho se movendo no vácuo com aceleração não uniforme e velocidade próxima da luz, emite luz a uma taxa proporcional ao quadrado da velocidade do espelho em relação ao vácuo.

Este efeito foi previsto em 1970 pelo físico-matemático Gerald More e é mais conhecido como efeito Casimir dinâmico. Na prática, é quase impossível mover um espelho rápido o suficiente para criar uma taxa de partículas apreciável. Por exemplo, um espelho oscilando na frequência de 1 GHz com uma amplitude de 1 nm teria uma velocidade 10 milhões de vezes menor que a velocidade da luz, produzindo apenas um único fóton por dia, mas exigiria 100 MW de potência e o sistema inteiro deve estar a menos de 10 mK de temperatura[1]. Para uma comparação, uma usina de carvão produz cerca de 400-700 MW de potência elétrica.

O esquema realizado por Chris Wilson consistiu em usar uma guia de onda[5] com um SQUID preso em uma das extremidades. O SQUID é um dispositivo eletrônico cuja indutância pode ser finamente calibrada. A presença do SQUID no final da guia resulta em uma probabilidade alta de uma onda eletromagnética ser refletida no ponto próximo ao SQUID. Alterando a indutância do dispotivo, esse ponto pode ser deslocado no espaço. Desse modo, eles obtiveram um espelho que se move a velocidades de até 5% da velocidade da luz. Eles observam então a potência irradiada dentro da guia de luz quando o espelho efetivo começa a se mover. Algumas correlações entre voltagens previstas teoricamente são também comparadas com as medidas experimentais para ter certeza que o efeito é mesmo a criação de partículas no vácuo. Esse esquema experimental foi pela primeira vez proposto por Astrid Lambrecht, Instituto Max Planck de Óptica Quântica, Marc-Thierry Jaekel e Serge Reynaud da Ecole Normal[3].


Esquema experimental para demonstração do efeito Casimir dinâmico. Crédito da Figura: Ref. [2].

Criação de partículas pelo vácuo

Nesse outro post eu tentei explicar em termos simples como o conceito de partícula depende do observador: um estado que é vácuo para um observador A, será repleto de partículas como visto por um outro observador B que se move com aceleração constante em relação a A. No caso do efeito Casimir dinâmico, a condição de contorno dos campos muda no tempo devido a uma força externa, similar ao caso do efeito Casimir. Em termos simples, os valores de comprimento de onda admissíveis ao campo eletromagnético vão mudando a medida que a guia de onda muda de tamanho. Como os fótons são aqueles estados de comprimento de onda fixo do sistema, a medida que a guia de onda muda de tamanho ocorre surgimento de novos comprimentos de onda e o observador detecta novos fótons dentro da cavidade, mesmo quando esta incialmente encontrava-se no vácuo.

Referências e notas

  1. C. Braggio et al. 2005 Europhys. Lett. 70 754 doi: 10.1209/epl/i2005-10048-8.
  2. J. R. Johansson, G. Johansson, C. M. Wilson, F. Nori, Phys. Rev. A 82, 052509 (2010), doi: 10.1103/PhysRevA.82.052509.
  3. Astrid Lambrecht, Marc-Thierry Jaekel, Serge Reynaud. Phys. Rev. Lett. 77, 615–618 (1996), doi: 10.1103/PhysRevLett.77.615
  4. C.M. Wilson et al., arXiv:1105.4714 [quant-ph].
  5. Uma guia de onda é um dispositivo para guiar a direção de propagação de uma onda, forçando uma onda a propagar-se no seu interior, como por exemplo a fibra óptica, ou uma cavidade de metal.

A semana nos arXivs…

quinta-feira, 18 mar 2010; \11\America/New_York\America/New_York\k 11 4 comentários

Como vcs devem ter notado, já faz um tempo que não tenho conseguido publicar minha lista de artigos dos arXivs por aqui. Não que eu tenha deixado de ler ou de selecionar meus artigos preferidos nos arXivs — quem acompanha meu Google Buzz ou Google Reader sabe que isso não é verdade (eu leio os arXivs religiosamente todo santo dia 😎 ) —, mas o tempo anda cada vez mais curto pra vir aqui e publicar a lista (e o WordPress ainda não fez o favor de instalar o Markdown por aqui, o que é realmente um empecilho pra quem não curte muito o “Visual Editor” 😛 ).

De qualquer maneira, agora com o advento do Google Buzz e suas conexões com o Google Reader, a “vida digital” tem mudado um pouco de ângulo… então, eu pensei em dar um drible-da-vaca nessa situação: por que não fazer listas no Twitter?! Basta marcar cada tweet com um #hashtag apropriado, e tudo fica resolvido. 😎

Os #hashtag são evidentes, então já vou linkar direto para os ‘saved searches’ deles,

Assim fica fácil: é até possível se inscrever nos feeds de cada um dos #hashtag! 😎

Vamos ver se essa nova empreitada alça vôo… 😈

O Mercado Romântico: versão quântica…

segunda-feira, 8 mar 2010; \10\America/New_York\America/New_York\k 10 6 comentários

Essencialmente, o artigo Quantum Dating Market lida com um problema bem conhecido, chamado Stable Marriage Problem (SMP): ele usa um algoritmo quântico pra atacar o problema (ao invés do tradicional algoritmo clássico).

Mas, pra apreciar melhor esse resultado, a gente precisa compreender melhor alguns ingredientes,

A Teoria dos Jogos (clássicos, não-quânticos), grosseiramente falando, lida com o seguinte problema: situações nas quais interações estratégicas entre jogadores racionais produz resultados com respeito às preferências (ou utilidades) desses jogadores. (Pra entender melhor o que cada um desses termos em itálico significa, é necessário ler as referências acima. 😉 )

Falando um pouco mais matematicamente, define-se um jogo com n pessoas (i.e., jogadores) através das 2 propriedades abaixo,

  1. n \mbox{ conjuntos } S_{i}, \, i=1,\dotsc, n ; &
  2. n \mbox{ fun{\c c}{\~o}es } P_{i} \, :\, S_{1}\times\dotsm\times S_{n}\rightarrow\mathbb{R} \quad (i=1,\dotsc, n).

O conjunto S_{i} é chamado Espaço de Estratégias do jogador i, e a função P_{i} é chamada Função Lucro do jogador i.

Essa formulação é genérica o suficiente pra modelar praticamente qualquer problema concreto de interações estratégicas: os S_{i} são as ações disponíveis ao jogador i (nós imaginamos que cada jogador precisa escolher uma ação); as ações têm alguma conseqüência e P_{i} mede aquilo que o jogador i avalia como medida dessa conseqüência.

Isso posto, nós já podemos tentar definir o que é um Jogo Quântico: ingenuamente, um jogo quântico é aquele onde cada jogador implementa uma estratégia mista, o que requer que o Espaço de Estratégias seja expandido. Ou seja, num jogo quântico o jogador pode escolher uma estratégia que seja uma combinação linear das estratégias, S = \alpha_{1}\, S_{1} + \dotsb + \alpha_{n}\, S_{n}, de tal forma que \sum_{i=1}^{n} \alpha_{i} = 1.

Entretanto, essa combinação linear só captura 1 das características quânticas presentes num jogo quântico: ainda há outra característica relevante nesse problema: emaranhamento quântico. Portanto, no final das contas, o resultado final dum jogo quântico é diferente daquele que seria obtido apenas através do uso duma estratégia mista, uma vez que o emaranhamento quântico pode levar a resultados bastante não-triviais.

O trabalho feito no artigo Quantum Dating Market consiste em se aplicar o Algoritmo de Grover (que é um algoritmo quântico) para o Stable Marriage Problem (SMP). O poder do Algoritmo de Grover é o de fazer uma busca num bando-de-dados não-ordenado em O\bigl(\sqrt{N}\bigr), ao invés do clássico O(N).

Fazendo uma interpretação livre do significado duma estratégica quântica para o mercado romântico, essencialmente, o que o artigo diz é que uma estratégia quântica é mais eficiente para se resolver o SMP. Pois bem, isso implica em dizer que um determinado jogador deveria escolher sair com várias jogadoras (com uma certa probabilidade pra cada jogadora) ao mesmo tempo, repetindo esse processo várias vezes, até encontrar uma “situação de equilíbrio”, i.e., até encontrar seu “par ideal”. 😎

Claro, um dos possíveis resultados do emaranhamento quântico desse problema seria aquele em que todas as jogadoras decidem, ao mesmo tempo, não sair mais com o jogador. 😈

Referências

ResearchBlogging.org

  • O. G. Zabaleta, & C. M. Arizmendi (2010). Quantum Dating Market Physica A; arXiv: 1003.1153v1
  • E. W. Piotrowski, & J. Sladkowski (2002). An invitation to Quantum Game Theory Int.J.Theor.Phys. 42 (2003) 1089 arXiv: quant-ph/0211191v1

Vendo efeitos quânticos com os olhos

quinta-feira, 26 fev 2009; \09\America/New_York\America/New_York\k 09 Deixe um comentário

Um grupo de físicos propôs um esquema experimental que permite visualizar com os olhos um par de fótons emaranhados quanticamente.

A mecânica quântica é uma teoria que tem até hoje uma certa dificuldade de ser aceita por algumas pessoas devido ao fato de ser bastante estranha, vamos dizer assim, comparada aos fenômenos macroscópicos. Embora uma bola pulando constantemente elasticamente contra uma parede nunca pode ser encontrada do outro lado sem destruir o obstáculo, no problema análogo em mecânica quântica onde uma partícula se choca com uma parede constantemente há uma probabilidade de você encontrar a partícula do outro lado sem desturir o obstáculo. Esse é o chamado efeito de tunelamento quântico, que é fundamental para as reações nucleares ocorrerem (p.ex. as reações nucleares em que núcleos emitem elétrons só são possíveis porque o elétron tunela através da parede representada pela atração eletrostática dos prótons).

Outro fenômeno curioso da mecânica quântica é o emaranhamento. Uma definição exata de emaranhamento ainda é assunto de disputa, mas a idéia básica é que um sistema físico S é dividido em partes, digamos A e B, e há conhecimento sobre todo o sistema S que não pode ser reduzido a soma do conhecimento sobre os estados de A e B. Em outras palavras, como parece ter sido observado pela primeira vez por von Neumann, na mecânica quântica conhecimento sobre as partes não garante conhecimento sobre o todo!

Pois bem, feixes de luz emaranhados já são conhecidos faz um tempo. Mas emaranhamento de luz se concentrou, até hoje, em utilizar poucos (e muitas vezes um único) fótons. Todavia semana passada um grupo da Universidade de Genebra e de Bristol propuseram um esquema experimental onde feixes macroscópicos de luz são emaranhados. A diferença? Você pode ver estes com os olhos!

O arranjo experimental consiste em primeiro criar um par de fótons emaranhados e passá-los por um material onde outro feixe de luz incide na mesma freqüência e devido a processo descoberto por Einstein de emissão estimulada, vários novos fótons são produzidos no mesmo estado emaranhado original. Isso produz um feixe macroscópico de luz em estado emaranhado que então pode ser visto a olho nu. Os feixes emaranhados A e B podem ser então direcionados a dois observadores, cada um com o seu filme Polaroid, e eles podem checar que a determinação da polarização entre eles está 100% correlacionada.

Eu não sei quão viável a idéia é e também não entendo os detalhes do artigo original. Também o artigo não foi revisado por pares ainda, ou aceito para publicação. Porém pelo menos um físico que entende bem do assunto, Seth Lloyd do MIT comentou positivamente a respeito do trabalho.

Esse trabalho também é interessante devido ao fato de que o mecanismo proposto preserva a natureza quântica do estado de luz de dois fótons para um conjunto grande de fótons. Resolver esse tipo de problema é um dos maiores desafios para a realização de computadores quânticos úteis. O que acontece é que já foi possível realizar computação quântica com poucos átomos, núcleos ou fótons (e.g. o caso do computador quântico de ressonância magnética da IBM que sabe fatorar o número 15), mas a dificuldade de escalar esses sistemas para sistemas grandes que possam realizar computação similar aos computadores eletrônicos é um dos desafios da física e engenharia atuais.

Para saber mais

  • Assista ao vídeo do colóquio Convite a Física “Emaranhamento, Realismo e Não-Localidade”, Paulo A. Nussenzveig. (não-técnico, espero…)
  • Um artigo técnico introdutório.

Algumas coisas que a física pode dizer sobre o Mercado Financeiro

sábado, 21 fev 2009; \08\America/New_York\America/New_York\k 08 Deixe um comentário

Em um post deste blog, o Rafael Calsaverini começou a explicar alguns resultados interessantes economia e finanças e como estas podem com a física.

Vou ser um pouco mais generalista neste post já que quero mostrar o que os físicos tem feito para finanças (que criou um novo campo chamado Econofísica), e como esses resultados levaram a mudanças em princípios que eram considerados já bem estabelecidos pelos economistas. Esses fatos experimentais (ou seja, foram dados medidos em mercados reais) são conhecidos na literatura como stylized facts .

Uma crença geral, e que motivaram a evolução das financas nos ultimos trinta anos, é que as séries de retorno de ativo financeiro é normal (ou gaussiana), ou seja, os ativos seguiriam um random walk simples. Esta simples hipotese se prova muito mais profunda quando analisada com cuidado. Cito duas características:

– Retornos passados não afetariam resultados futuros. Ou, melhor dizendo, o mercado é eficiente em informação. Isso significaria que TODA informação conhecida sobre aquele ativo já está incluida em seu preço atual. Isso implica que estudar a série de preços de algum ativo não traria nenhuma vantagem.

– Não existencia de crashs e bubbles (crash seriam quedas muito grandes e rapidas, como a crise de 2008 ou bubbles que é um crescimento explosivo do preço, como aconteceu com a nasdaq em 1998 com as empresas de internet) internas ao modelo. Isso porque uma queda de 15% em um dia seria um retorno de 10 desvios padrão, o que indicaria um evento de probabilidade menor que 0.0000000001%. Uma crise seria um fator externo ao modelo, e portanto não preditivel.

Todo o formalismo construído com base na hipótese da gaussianidade é chamado na literatura de hipótese do mercado eficiente.

Mas observando o funcionamento do mercado, nós sabemos que existem métodos de se fazerem previsões a partir da série de dados (isso vem feito a decadas por traders) e que mesmo fora de crises temos movimentos muito rápidos para serem considerados possíveis em um modelo gaussiano. Outra coisa que é facilmente visível nos dados do mercado, mas que não estava de acordo com o modelo gaussiano é a chamada volatility clustering, que é um efeito onde dias de retornos grandes (ou seja, dias onde o valor do mercado varia muito) tem grande probabilidade de serem seguidos outros dias onde o mercado varia muito.

Esses fatos nos levam a crer que a hipótese do mercado eficiente merecia uma revisão, fato que começou a ser levado a sério com o inicio da década de noventa. A gravação de séries de alta frequencia (ou seja, observar como o mercado se comportava em períodos muito curtos (primeiramente na ordem de minutos, atualmente na ordem de microsegundos) permitiu que nosso conhecimento dos comportamentos dos ativos melhorassem muito, e portanto, que as diferenças entre as distribuições fossem notadas. As séries de retorno, por exemplo, são de bordas mais significativas que a distribuição normal (o que significa que dias de variações extremas se tornem possíveis. Um retorno de 15% agora teria apenas 0.1% de chance de ocorrer). E em especial, o fim da hipótese do mercado eficiente implica que é possível observar as séries de preços e retirar informações delas.

Esses fatos ( que podem ser vistos como resultados experimentais, já que estão baseados fortemente nos dados), nos motivam a buscar modelos que tragam alguns destes comportamentos. Um exemplo disso é o “jogo da minoria” que está sendo explicado na seqüencia de posts do Rafael. E como ele está explicando, essa tentativa de trazer as finanças um comportamento microscópico permite aplicações de modelos já muito bem testados na física, e com isso técnicas de modelagem que conhecemos bem: teorias de campos, mecânica estatística, integrais de trajetória, transições de fase, por exemplo. E aparentemente tem tido resultados interessantes.

Toda essa mudança de paradigma sobre o mercado introduziu uma grande oportunidade de pesquisa: novas técnicas (vindas da matematica, física e engenharia) que eram bem conhecidas em suas areas passaram a serem testadas e utilizadas no mercado (por exemplo o post do Rafael citado no inicio, que fala de modelos de agentes). Obviamente nem todos os resultados são positivos. Em 1998 o LTCM, um grande hedge fund que utilizava técnicas modernas de previsão, quebrou, gerando perdas de bilhões de dolares. Hoje é sabido que eles ignoraram uma hipótese básica de toda essa mudança de paradigma: não consideraram a possibildiade de retonros nao gaussianos.

———

Observação: No post sobre fluxos de Ricci, o Daniel comenta brevemente sobre a ligação entre processos de Wiener e Mecanica Quantica. Isso será uma bastante util no próximo post desta série, já que leva a algo que é conhecido como Quantum Finance.

%d blogueiros gostam disto: