Arquivo

Archive for the ‘soc-ph’ Category

Conferência da Divisão de Partículas e Campos de APS…

segunda-feira, 8 ago 2011; \32\America/New_York\America/New_York\k 32 Deixe um comentário

Hoje (segunda-feira, 08-Ago-2011) começa a edição de 2011 da Conferência da Divisão de Partículas e Campos da American Physical Society.

O programa da Conferência pode ser encontrado no link de ‘Schedule’ da mesma.

Mais ainda, os “proceedings” da Conferência serão publicados através do eConf.

Há também uma página para a Conferência no Indico do CERN, DPF2011 @ Indico/CERN. (A razão pra essa duplicação de esforços está fora da minha alçada (coisas da dicotomia de se passar o tempo dividido entre duas insituições) — quando me chamaram pra ajudar na organização da DPF2011 esse tipo de decisão já havia sido tomada. :razz:)

De qualquer maneira, essa página no Indico contém links para os Resumos das palestras e posteres, índice dos autores e palestrantes. Em particular, nestas listagens e índices é possível se encontrar os PDF que já foram carregados para o servidor.

Eu e o Rafael estamos atendendo a DPF2011. Então, vcs podem esperar por twittadas, fotos, posts, etc, etc, etc… provavelmente não no estilo “cobertura ao vivo”, uma vez que tudo vai ser meio corrido, mas fica aí aberto o canal pra quem quiser fazer perguntas ou participar de alguma outra maneira. 😉

As cidades mais científicas do mundo…

sábado, 19 mar 2011; \11\America/New_York\America/New_York\k 11 Deixe um comentário

O Physics arXiv blog publicou uma matéria interessante. Mas, antes de falar da notícia, eu tenho que avisar que não estou entre os maiores fãs desse blog — na verdade, minha opinião flutua bastante: alguns artigos são bons, outros ficam bem longe disso… mas, em todos os casos, o Physics arXiv blog é bem enviesado (a seleção dos tópicos que aparecem por lá deixa isso claro além de qualquer dúvida, isso pra não falar sobre o nível das discussões, sempre bem ‘passageiro’) — e isso sempre me incomoda muito.

De qualquer forma, e sem mais delongas… eis o artigo: Mashups Reveal World’s Top Scientific Cities. O original pode ser lido diretamente nos arXivs: Which cities produce worldwide more excellent papers than can be expected? A new mapping approach—using Google Maps—based on statistical significance testing.

A discussão no ‘Physics arXiv blog’ não passa de “mais do mesmo”: ciênci-o-metria. Infelizmente, perde-se a chance de se avaliar o artigo propriamente dito, escolhendo-se apenas notificar a “mensagem” contida no mesmo. Parece até mesmo um órgão de Relações Públicas, apenas alardeando e propagandeando.

O artigo propriamente dito é de tão baixa qualidade que a vontade que se tem é de apenas se repetir o adágio invisível, que diz que os artigos dos arXivs não escritos em [La]TeX são sempre de qualidade duvidosa — pior ainda quando são escritos em Word, ou algum editor de pior qualidade ainda; sem identação apropriada (quem ainda usa ‘identação à esquerda’, ao invés de ‘justificado’? :razz:): via de regra, a falta de atenção a esse tipo de detalhe num artigo costuma refletir a baixa qualidade do material escrito. Mas, como eu disse, esse é apenas um “adágio invisível”, uma unspoken rule, que não se vê, não se ouve, e cujo perfume não se sente. 😳 🙄

De qualquer forma, a máquina de salsicha continua na ativa: como se mensurar o imensurável: quais trabalhos científicos têm mais qualidade, quais são mais dignos de fomento, quais têm mais impacto na comunidade?

Todas essas são questões relevantes, claro, mas uma lição que a Ciência tem que aprender com a Arte é que a medição da criatividade é algo estupidamente difícil. Aliás, nem é preciso se apelar para o lado mais humanista desta questão: basta apenas se aprender Sistemas Dinâmicos corretamente (o que, de fato, parece ser algo tão complicado quanto nos dias de hoje). A razão deste meu argumento é bem simples: como se pode avaliar algo que possui resultados de médio a longo prazo (sem esperarmos por tal prazo)?

A resposta é simples: não é possível se avaliar nada que dependa de médio a longo prazo sem esperarmos tal prazo passar e medirmos o resultado efetivo do que se deseja avaliar. Ou seja, precisamos esperar o tempo passar pra podermos sequer ter a chance de sermos justos nesta empreitada! Ou seja, falando um pouco mais rigorosamente, é preciso termos acesso a todos os dados para podermos conhecer o problema de modo completo.

Infelizmente, com a idéia de que as Universidades devem ser “profissionalizadas” (sabe-se lá o que isso significa :razz:) e, mais ainda, de que toda a empreitada científica deve ser “profissionalizada”, todo esse tipo de questão métrica se torna relevante: como se pode escolher aquilo que há de “melhor” para se fomentar? Assim como numa empresa, numa linha de montagem, é preciso haver alguma forma de “selo de garantia”, alguma forma de “controle de qualidade”. (Note que não estou falando do processo de ensino de estudantes, mas sim de pesquisa científica — falar de ensino por si só abriria outra Caixa de Pandora!)

Entretanto, ao contrário de empresas, fábricas e linhas de montagem, Universidades e Pesquisa Científica [fundamental] possuem planos de ação, missões, de longo prazo, de longuíssimo prazo: há universidades com cerca de 1000 anos de existência: quantas empresas, fábricas e linhas de montagem podem dizer o mesmo?! A própria Revolução Industrial tem apenas cerca de 250 anos!

Felizmente ou não, esta é a natureza da busca pelo conhecimento, e este é o papel da Ciência, principalmente daquela dita fundamental (que costuma dar frutos bem distante das aplicações do dia-a-dia). Por outro lado, hoje em dia, na nossa Era da Informação, é possível se converter algo tão abstrato quanto Teoria dos Grafos em compiladores e navegadores. Este é o caminho da Ciência e do Conhecimento: a menos que se tenha acesso a toda informação, só se pode ver aquilo que está no curto prazo… 😉

Isso tudo só server pra fazer com qua a analogia posta acima — entre Sistemas Dinâmicos e Funções de Partição — fique ainda mais clara aos olhos: quando vc tem acesso à Função de Partição dum problema, vc tem em mãos toda a informação necessária pra resolver o problema completamente; no caso de Sistemas Dinâmicos, como o nome indica (dependência temporal), é muito difícil de se calcular o que vai acontecer no futuro (não-linearidades, caos, etc). E, no final das contas, tudo que se quer medir são os Fenômenos Críticos, as Transições de Fases, e as Propriedades de Escala do sistema em questão.

A mensagem é clara: sem uma visão mais global é impossível se poder qualificar e medir justamente um trabalho científico. Incontáveis exemplos, de Einstein à Wilson, todos nobelistas, jamais teriam os “índices” e os “fatores de impacto” necessários, hoje, para serem contratados em regime de ‘tenure track’ — isso é claro pra qualquer um que já tenha feito o exercício mental requerido por esta questão.

Algumas empresas e alguns nichos industriais já descobriram esse fato básico da natureza humana… aliás, no âmbito de Sistemas Dinâmicos tudo isso tem nome: Cisne Negro e Dragões Reis. 😈

Infelizmente, parece que esse aprendizado e essa mensagem ainda não chegaram na academia — um fato bem irônico, posto que a academia é o lugar onde tais idéias (transições de fase, cisne negros e dragões reis) nasceram! 😳 Então, por enquanto, nós ainda vamos nos debelando com índices e fatores de impacto e outras bobeiras afins. Eu gostaria que fosse feito um estudo com as revistas de maior impacto, procurando-se saber quantos dos artigos publicados nestas revistas deram origens a novos caminhos e novos ramos em seus respectivos campos da Ciência. Taí uma perguntinha bem capiciosa e que por motivos “mágicos” ainda ninguém teve a idéia de responder… 🙄 (Diquinha: eu não me lembro de Einstein ter publicado na Nature nem na Science, então nem as Relatividades nem a Mecânica Quântica (ou Teoria Quântica de Campos) tiveram suas origens nas revistas ditas de alto impacto; o mesmo vale, por exemplo, para as chamadas Transições Quânticas de Fase: o Kosterlitz não publicou numa revista de alto impacto — aliás, porque ninguém pergunta pro Kosterlitz o que ele pensa disso tudo, afinal de contas ele deu origem a todo um ramo da Física, logo deve saber o que significa “alto impacto científico”, não?! :razz:)

Pra finalizar, vou apenas me resignar a dizer que a análise estatística feita no tal artigo é de baixa qualidade, não apenas porque não leva em conta os cisnes negros e os dragões reis, mas também porque não leva em conta tantos outros métodos que a tornariam bem mais robusta. É uma pena, porque os “efeitos visuais”, os “efeitos especiais”, do artigo são bem bonitinhos… [bonitinhos mas ordinários! :razz:]

[]’s.

Atualizado (2011-Mar-19 @ 11:15h EDT): Ah… a ironia do destino. Assim que acabei de escrever o post acima, trombei no seguinte livro: Little Bets: How Breakthrough Ideas Emerge from Small Discoveries. O ponto do livro é clararamente exposto no título, mas também já foi feito por Asimov,

“The most exciting phrase to hear in science, the one that heralds new discoveries, is not ‘Eureka!’ (I’ve found it!), but ‘That’s funny…'”

Isaac Asimov.

Experimentação, passo-a-passo, erros e mais erros… é assim que se faz Ciência: a idéia de que pesquisa e progresso é feito através duma seqüência de ‘acertos’, de passos corretos, não poderia estar mais distante da realidade… c’est la vie

O futuro da revisão-por-pares…

terça-feira, 8 fev 2011; \06\America/New_York\America/New_York\k 06 2 comentários

Depois da invenção dos arXivs, o problema de distribuição de publicações científicas foi efetivamente resolvido. Dessa forma, o papel dos jornais acadêmicos ficou essencialmente resumido à revisão-por-pares. Ou seja, no frigir dos ovos, o valor agregado que as jornais acadêmicos acrescentam aos artigos é apenas a revisão-por-pares, uma vez que a distribuição desses artigos não é mais problema na Era da Informação.

[N.B.: Pense em termos de uns 400 anos atrás, na época de Galileu: era preciso um manuscrito viajar de cavalo ou barco para que sua distribuição fosse efetivada. Claro que as coisas melhoraram com o correio moderno e com a invenção dos aviões… mas, no final das contas, o processo de distribuição continuava o mesmo em sua natureza: era preciso haver uma mudança física, mecânica, de um lugar para outro. Hoje em dia isso não é mais verdade: organizar, colecionar e distribuir artigos é uma tarefa essencialmente trivial: o exemplo dos arXivs sendo o mais gritante, e PLoS sendo um segundo exemplo. Infelizmente, eu não conheço nenhum esforço dessa natureza Free-Open Access nas Humanidades nem nas Ciências Sociais: seria muito interessante conhecer esforços nessas direções.]

Entretanto, atualmente há também um movimento para “aliviar” os jornais acadêmicos inclusive dessa atividade:

Felizmente (ou não 😛 ), esta não é uma idéia nova: esforços nesta direção já têm sido promovidos há anos. Vejam os exemplos abaixo,

Esses esforços costumam vir sob o nome de Ciência 2.0 — apesar de que, atualmente, já está se falando em Ciência 3.0!

[N.B.: Resumidamente, o “2.0” significa a incorporação das ferramentas de Web 2.0, enquanto que o “3.0” significa que metadata é usada de modo “decente” (ie, como a coisa foi designed para funcionar 😉 ).]

Mais ainda, há movimentos em direções ainda mais ambiciosas, como os abaixo,

Tanto o MathJobs quanto o AcademicJobsOnline têm o intuito de organizar e facilitar a busca de empregos (postdocs, professores, etc) em Matemática e Ciências em geral, respectivamente. Isso tem melhorado o processo infinitamente: antigamente, era preciso se escrever cartas de aplicação para diversas (até centenas!) e instituições; hoje em dia basta vc carregar seu material nesses sites e selecionar os empregos que vc gostou — o resto acontece automaGicamante. 😎

De fato, nossa Era Digital trouxe ferramentas absolutamente fantásticas, que conectam o mundo da pesquisa de modo nunca d’antes navegado… Claro, como toda espada, esta também tem dois gumes: o ‘lado negro’ de toda essa facilidade e conectividade é o atual campo da cienciometria, onde se acredita que é possível se mensurar “criatividade científica” através de índices que, na melhor das hipóteses, são apenas parciais (ie, são índices cujo significado estatístico é questionável).

Enfim, este é um momento bastante conturbado… mas que certamente não deixará “pedra sobre pedra”. 😉

This post translated to English (en_US) (courtesy of Google Translate).

O realejo do dia…

quinta-feira, 27 jan 2011; \04\America/New_York\America/New_York\k 04 5 comentários

Será que é preciso mudar alguns paradigmas de Educação?

Algumas perguntas:

  • “O que o vídeo acima implica sobre a ‘logística escolar’ (como comparar a ‘linha de montagem escolar’ com a ‘linha de montagem da Toyota’)?”
  • “O que o vídeo implica para esforços de Open- e Free-Access?”
  • “O que o vídeo implica para estudos multi- e inter-disciplinares?”
  • “O que o vídeo implica sobre Science2.0 e 3.0?”
  • “O que o vídeo implica sobre as ‘propriedades de escala’ dos nossos sistemas de administração (educação, saúde, segurança, etc)?”

Muitos (senão todos) dos métodos que temos hoje sobre governança e administração evoluíram dos originais criados para administrar nações de cerca de alguns [poucos] milhões de pessoas — o que fazer, então, quando as nossas nações têm centenas de milhões de pessoas?! Será que esses mecanismos escalam de modo apropriado?

P.S.: Só pra apimentar: Why Our Best Officers Are Leaving — Será que estamos escolhendo e mantendo nossos melhores cientistas? Será que há problemas em comum com os relacionados neste artigo? Como este artigo se relaciona com o vídeo acima?

A semana nos arXivs…

quinta-feira, 18 mar 2010; \11\America/New_York\America/New_York\k 11 4 comentários

Como vcs devem ter notado, já faz um tempo que não tenho conseguido publicar minha lista de artigos dos arXivs por aqui. Não que eu tenha deixado de ler ou de selecionar meus artigos preferidos nos arXivs — quem acompanha meu Google Buzz ou Google Reader sabe que isso não é verdade (eu leio os arXivs religiosamente todo santo dia 😎 ) —, mas o tempo anda cada vez mais curto pra vir aqui e publicar a lista (e o WordPress ainda não fez o favor de instalar o Markdown por aqui, o que é realmente um empecilho pra quem não curte muito o “Visual Editor” 😛 ).

De qualquer maneira, agora com o advento do Google Buzz e suas conexões com o Google Reader, a “vida digital” tem mudado um pouco de ângulo… então, eu pensei em dar um drible-da-vaca nessa situação: por que não fazer listas no Twitter?! Basta marcar cada tweet com um #hashtag apropriado, e tudo fica resolvido. 😎

Os #hashtag são evidentes, então já vou linkar direto para os ‘saved searches’ deles,

Assim fica fácil: é até possível se inscrever nos feeds de cada um dos #hashtag! 😎

Vamos ver se essa nova empreitada alça vôo… 😈

Colaboração e Ciência: tudo a ver…

segunda-feira, 19 out 2009; \43\America/New_York\America/New_York\k 43 1 comentário

Semana passada saíram algumas notícias que são, IMHO, extraordinárias no sentido de mostrar o quão valiosa é a cooperação e a colaboração num ambiente criativo.

A Nature fez duas reportagens, uma sobre o Google Wave e outra sobre o Polymath Project,

Por outro lado, um pessoal do Secret Blogging Seminar lançou um site muito interessante, chamado MathOverflow,

Semana passada, eu entrei em contato com o Anton Geraschenko perguntando mais detalhes sobre o projeto do MathOverflow e tudo mais. E o primeiro link acima é, essencialmente, uma resposta às minhas perguntas.

No final das contas, eles estão sendo patrocinados por um professor em Stanford que está arcando com os custos duma solução ‘hosted’ de StackExchange — que é o software por detrás do StackOverflow, ServerFault, SuperUser, DocType, e HowTo Geek.

Então, eu acho que seria uma idéia genial a de se mandar uma proposta de divulgação científica pro CNPq. Quem sabe não sai, assim, um PhysicsOverflow?! 💡 😈

Esse é você + Ciência

Esse é você + Ciência

O realejo do dia…

quinta-feira, 8 out 2009; \41\America/New_York\America/New_York\k 41 Deixe um comentário

Pra quem ainda não conhece, o Google Flu trends (“Google Gripe”) acabou de ser expandido de 4 para 22 países. Nos EUA, os dados do Google Flu têm 92% de correlação com os dados do Governo (estes últimos podem demorar até 2 semanas pra serem disponibilizados ao público; ao passo que o GFlu é mais “tempo real”).

Aí vai um videozinho explicando como o GFlu funciona,

Pronto… agora todo mundo pode relaxar e comprar seu terno anti-gripe suína (H1N1) predileto! 🙄 😛

Enquanto isso, há “boatos” (i.e., artigos ainda não publicados) se propagando dizendo que a vacina contra a gripe “normal” pode aumentar os riscos de se contrair a gripe suína — dêm uma olhada em Flu Roundup.

Flame war garantidíssimo! 😈

A semana nos arXivs…

sexta-feira, 25 set 2009; \39\America/New_York\America/New_York\k 39 Deixe um comentário


“O Senhor da Guerra”…

segunda-feira, 4 maio 2009; \19\America/New_York\America/New_York\k 19 Deixe um comentário

O Cisne Negro e a Criatividade…

quarta-feira, 15 abr 2009; \16\America/New_York\America/New_York\k 16 9 comentários

Faz algum tempo que eu venho mastigando e ruminando sobre esse tema da criatividade, ainda mais durantes esses tempos de ‘publish or perish’ em que vivemos atualmente.

Todos os tipos de índice bibliométricos são usados numa tentativa de se “classificar” o conhecimento sendo produzido. Infelizmente, enquanto bibliometria, os índices são úteis, porém, quando se tenta usá-los pra se qualificar a pesquisa sendo feita… aí a ‘porca torce o rabo’… feio. Mas, hoje em dia, todas as agências de fomento usam esses índices — aliás, no exterior, eles são usados pra tudo, desde classificação da lista dos candidatos a contratação, …, até o salário do pesquisador!

O problema, de fato, não é a tentativa de se medir a produção dos pesquisadores e, assim, tentar se inferir a qualdiade de seus trabalhos. O problema é que esses índices bibliométricos são altamente “sociológicos” (por falta dum termo melhor): o que eles medem mesmo é a rede social dum determinado pesquisador! E, aí… aí as coisas começam a ficar complicadíssimas… porque há muito poucos estudos nas linhas do que já foi amplamente sugerido por Pierre Bourdieu no livro Homo academicus (também recomendo o livro Distinction: A Social Critique of the Judgement of Taste do mesmo autor). Aí também iria acabar sendo necessário se levar em consideração os livros Against Method e Science in a Free Society… e a coisa complicaria demais…

Ainda numa das primeiras encarnações do meu blog, eu fiz uma experiência sobre isso… e, de fato, a correlação entre “rede social” e “índice bibliométrico” é alta. Donde se pode concluir que há “nichos ecológicos” na comunidade científica, i.e., se a gente considera a comunidade científica (e.g., de Físicos, só pra fixar o exemplo de modo mais concreto) como um “organismo vivo”, então é possível se falar na ecologia da mesma (ou melhor, em termos de ecologia de sistemas, ou ecologia teórica), e, a partir daí, fica fácil de se entender o que os tais “nichos” significam (há mais detalhes… mas, vamos deixar pros comentários 😉 ).

O fato é que enquanto o sistema está num estado estacionário de equilíbrio dinâmico, tudo funciona de modo “ótimo”. Porém, quando processos irreversíveis são introduzidos no sistema… tudo muda. Em particular, processos irreversíveis podem ir se acumulando… até criar um ponto crítico, a partir do qual o sistema vai se “fracionando”, i.e., diferentes “fases” vão se formando. E, assim, nascem “cismas” na comunidade… alguns chamariam de “classes” (como em “classe social”). E assim os nichos ficam cada vez mais divididos.

Bom, agora não é preciso nenhum grande oráculo pra concluir que esse tipo de ambiente não é nada proveitoso pra nutrir a formação criativa dum indivíduo. Aliás, pelo contrário, o ambiente onde a criatividade é mais organicamente nutrida é exatamente num estado de equilíbrio, onde há todo tipo de mobilidade e possibilidades de se navegar por todos os lados (satisfazendo todos os tipos de curiosidades, além de fomentar a multi- e inter-disciplinaridade, dando uma visão mais “global”, mais “holística” e mais “orgânica” do processo todo)!

As referências abaixo aprofundam um pouco essa discussão, mostrando como, por exemplo, o quão semelhantes as grandes descobertas científicas são quando comparadas a transições de fase, algo que me soa muito como as idéias de Kuhn (expostas no livro The Structure of Scientific Revolutions) — mas isso fica pros comentários também 😉 .

O fato é que existem diferentes tipos de cientistas, como bem diz o Dyson abaixo, e existem os tais “cisnes negros”, aquelas pérolas raras, que aparecem muito de vez em quando, e mudam o caminho que todos vinham seguindo até então. (Apesar de soar meio “mártir messiânico”, a coisa não é bem assim… 😛 ) O resto cabe a sociedade, passando a entender e aceitar cada vez mais o trabalho dos Cientistas e os benefícios da Ciência — incluindo o quão diversificado e longo são os tentáculos da dita cuja.

Então, sem mais, eu recomendo que vcs se divirtam com os textos abaixo… 😎

Referências…

Atualizado (2009-Apr-16 @ 10:18h EDT): Na ânsia de acabar o texto e postá-lo aqui no blog, acabei me esquecendo de alguns vídeos que gostaria de ter posto ao longo do texto. Ei-los aqui, porém sem os comentários que eu gostaria de ter feito (esses ficam pros comentários desse post 😉 ),

Agora sim, a diversão está ainda mais garantida!

😈

Como medir a massa de um astronauta?

segunda-feira, 2 mar 2009; \10\America/New_York\America/New_York\k 10 3 comentários

O corpo do ser humano evoluiu em um ambiente no qual a aceleração da gravidade possui um valor de g = 10\, \mathrm{m}/\mathrm{s}^{2}. Em condições de microgravidade o organismo e o corpo do ser humano sofre bastante perda de massa, e é por isso que a NASA monitora periodicamente essa perda de massa de seus astronautas.

Eles usam um dispositivo conhecido como Body Mass Measuring Device (BMMD), traduzido para o português seria Aparelho que Mede Massa do Corpo. Ok, não é um nome muito criativo, mas a idéia física por trás do funcionamento do aparelho é bastante engenhosa.

É bom senso que para medirmos nossa massa em uma balança é preciso exercer uma força (ficamos em pé na balança) que comprime uma mola e pela deformação da mola medimos um valor que é calibrado e nos fornece uma medida absoluta de nossa massa. Mas como fazer isso em um ambiente onde a gravidade é praticamente nula? Simples, usando o BMMD:

Body Mass Measuring Device (BMMD), o Aparelho de Medida de Massa Corpórea (AMMC) projetado pela NASA para monitorar a perda de massa de seus astronautas em microgravidade. Foto retirada do site da NASA.

Body Mass Measuring Device (BMMD), o Aparelho de Medida de Massa Corpórea (AMMC) projetado pela NASA para monitorar a perda de massa de seus astronautas em microgravidade. Foto retirada do site da NASA.

Como podemos ver pela figura acima o BMMD é uma cadeira montada com molas. O astronauta senta na cadeira e esta é posta a oscilar. O astronauta mede o período de oscilação na cadeira, e a partir das Leis de Newton ele obtém uma relação matemática que relaciona a massa com outras grandezas experimentais conhecidas. Calculando então sua massa.

Encontrar essa relação matemática entre a massa do astronauta e dados conhecidos é uma tarefa simples que envolve mecânica clássica que aprendemos no colegial.

O sistema formado pelo astronauta e pelo BMMD é um simples sistema massa-mola. Seja M a massa desconhecida do astronauta, e m a massa da mola que oscila no BMMD, k é a constante elástica da mola, e T o período que será a grandeza obtida no experimento.

Nós sabemos dos livros didáticos de física que para um Movimento Harmônico Simples (MHS) também conhecido como (OH). A relação entre a massa do sistema, a constante elástica e a frequência angular (\omega) do MHS é dado pela seguinte relação matemática:

m\omega ^2 =k

A massa na relação acima é a massa total do sistema, que para o caso do sistema BMMD + Astronauta seria M + m. Dessa maneira temos que

(M + m)\omega^2=k

Foto retirada do site da NASA. Mostra uma astronauta no BMMD executando as oscilações. O sistema astronauta + BMMD é o já conhecido sistema massa mola também conhecido como Oscilador Harmônico. O movimento realizado pelo sistema é um movimento harmônico simples (MHS).
Foto retirada do site da NASA. Mostra uma astronauta no BMMD executando as oscilações. O sistema astronauta + BMMD é o já conhecido sistema massa mola também conhecido como Oscilador Harmônico. O movimento realizado pelo sistema é um movimento harmônico simples (MHS).

Lembrando que a relação entre frequência angular (\omega) e período (T) é dado pela seguinte relação matemática:

\omega=\frac{2\pi}{T}

Dessa maneira temos que:

M+m= k\left(\frac{T}{2\pi}\right)^2

Isolando a massa do astronauta (M) do lado esquerdo da relação acima:

M= \frac{k}{4\pi^2}T^2 -m

Usando a relação acima é possível então que a NASA monitore as possíveis perdas de massa de seus astronautas em microgravidade, usando apenas a engenhosidade e conceitos físicos já conhecidos por estudantes do colegial.

Referências

Micromotivos e macrocomportamento, parte I

sexta-feira, 31 out 2008; \44\America/New_York\America/New_York\k 44 5 comentários

Escolhendo como título o nome do livro famoso de um laureado pelo prêmio Sveriges Riksbank de Ciências Econômicas em Memória de Alfred Nobel [1], Thomas Schelling [2], pretendo discutir um pouco a minha área de pesquisa recente: modelagem quantitativa em ciências sociais e economia. Apesar de parecer um assunto novo, esse tipo de modelagem é na verdade bastante antigo, remontando a  Pierre de Laplace, Thomas Malthus,  David Ricardo, passando por Léon Walras, John Von Neumann e companhia. Essa é no entanto uma área de modelos bastante primários e ainda muito qualitativos. Ao longo desse período de história da modelagem quantitativa de fenômenos sociais houve um diálogo intenso (e negligenciado pelos dois lados)  com a física, particularmente a termodinâmica e a nascente mecânica estatística no final do século XIX. Ao longo das últimas duas décadas essa relação se intensificou novamente e o paradigma da mecânica estatística passou a integrar um programa de pesquisa em ciências sociais e economia com a criação de modelos microscópicos para diversos aspectos como dinâmica de opiniões, tráfego de automóveis,  negociações no mercado financeiro e outros.

A mecânica estatística é a área da física que lida com a ponte entre a dinâmica microscópia dos constituíntes da matéria e as observações macroscópicas que fazemos sobre ela. Por exemplo ela é capaz de, assumindo-se as leis de Newton para o movimento das moléculas de um gás, mostrar que as propriedades macroscópicas do mesmo devem satisfazer certas equações de estado (por exemplo a famosa lei dos gases ideias PV = nRT). É importante notar que essa ponte é feita admitindo-se um certo grau de ignorância sobre o estado microscópico do sistema e a forma correta de se fazer isso é associar uma distribuição de probabilidades aos possíveis estados microscópicos.

O primeiro problema na direção de um modelo estatístico para problemas economicos deve ser então identificar qual é a dinâmica microscópica – a forma com que cada agente economico se move no espaço de configurações. Para as moléculas dos gases temos leis newtonianas de movimento, para partículas menores temos a mecânica quântica. O que temos para pessoas tomando decisões de consumo e poupança, empresas tomando decisões de produção, governos intervindo e bancos decidindo taxas de empréstimo?

Nesse ponto é que paramos para a primeira grande crítica a esse tipo de modelagem. Partículas microscópicas não são conscientes, não aprendem, não tomam decisões racionais nem usam critérios objetivos para mover-se. São diferentes das pessoas. São mesmo? A história da modelagem das decisões economicas começou no século XIX com Léon Walras, Vilfredo Pareto e uma analogia com a mecânica. Walras criou uma teoria de equilíbrio, em analogia com o equilibrio mecânico. Claro que ninguém está propondo que pensemos nas partículas como pequenos seres racionais, mas a analogia com a mecânica e com a termodinâmica levou os economistas a admitir a idéia de que decisões racionais são tomadas através de problemas otimização (maximização de lucros, minimização de custos, etc.).

Na teoria microeconomica neoclássica as pessoas agem segundo escalas de preferência ordenadas através de um função chamada Utilidade. Construiu-se um modelo segundo o qual as pessoas agem para maximizar uma função que diz quão “felizes” elas estão com a decisão que tomaram, sujeito a vínculos que dependem das decisões das outras pessoas. A evolução dessa linguagem levou à construção do modelo de agente econômico ubíquo: o chamado Homo economicus, um agente ultra-racional, capaz de maximizar uma função  utilidade complicada de diversos parâmetros e escolher dentre todas as estratégias a que mais lhe traz benefício. Esse agente ideal tem poder computacional infinito e completo conhecimento de seu espaço de possíveis estratégias.

Esse modelo, apesar de ter bem servido à economia por um século, passou a ser questionado através de problemas em que era claro que, mesmo que houvesse um agente com esse grau de racionalidade, não há estratégias ótimas a se seguir diante da limitada informação disponível ao agente. Um desses modelos é o El Farol Bar. Hoje há modelos de agentes economicos tendem a ser mais realistas e focam-se na capacidade de aprendizado e desenvolvimento de estratégias “on-the-fly”, trocando o agente ultra-racional por um com racionalidade limitada.

Mas mesmo que nos mantenhamos no problema de agentes ultra-racionais, ainda resta a pergunta: como ligamos os modelos microscópicos de maximização de utilidade ao comportamento macroscópico da economia? Nesse campo a análise economica ofereceu poucas respostas. Há poucos estudos teóricos [3] anteriores à década de 90 por exemplo sobre quais são as propriedades de uma economia de escambo de duas mercadorias com muitos agentes neo-clássicos – que maximizam a utilidade em cada transação atingindo um equilíbrio local de Pareto. Os livros clássicos de microeconomia tratam de um problema com dois agentes e os de macroeconomia usam esses resultados para tirar conclusões globais (!). Hoje em dia é um exercício trivial simular isso em computador, mas esse é um problema que  deve ter solução analítica – não passa de um gás de agentes que quando se chocam trocam mercadorias conservadas segundo uma regra de espalhamento bem definida com taxas de transição conhecidas ainda que a regra de maximização de utilidade seja razoavelmente relaxada.

Depois desse blablablá todo (parece mesmo que estou virando economista: em dois posts usei apenas uma equação, e a mais simples que eu conheço :P), permita-me ao menos deixá-los com um tira gosto. No meu próximo post vou comentar um pequeno modelo com solução analítica em que se pode ilustrar o uso de agentes com racionalidade limitada e uma agregação que remete à mecânica estatística – apesar das analogias imperfeitas. É um pequeno modelo de decisão de tráfego, baseado no jogo da minoria. Apesar do contexto diferente, é um modelo que possui claras analogias com problemas de decisão binária que podem ser observadas no mercado financeiro (comprar ou vender?) e que possui a característica fundamental de que o agente gostaria de estar sempre na minoria.

Notas:

[1] Com freqüência denominado erroneamente de Nobel de Economia.

[2] Micromotives and Macrobehavior, Thomas Schelling.

[3] Talvez o problema não seja a escassez de resultados teóricos, mas uma falta de capacidade minha de encontrá-los.

Update:

Dias atrás o físico Jean-Phillipe Bouchaud, professor da École Polytechnique, na França, Chairman do fundo de investimentos francês CFM e pioneiro em pesquisa na interface entre economia e física estatísica escreveu um ensaio para a revista Nature apontando a necessidade desse tipo de modelagem:  Economics need a scientific revolutionNature 455, 1181 (30 October 2008).

%d blogueiros gostam disto: