Arquivo

Archive for the ‘Free and Open Access’ Category

Conferência da Divisão de Partículas e Campos de APS…

segunda-feira, 8 ago 2011; \32\America/New_York\America/New_York\k 32 Deixe um comentário

Hoje (segunda-feira, 08-Ago-2011) começa a edição de 2011 da Conferência da Divisão de Partículas e Campos da American Physical Society.

O programa da Conferência pode ser encontrado no link de ‘Schedule’ da mesma.

Mais ainda, os “proceedings” da Conferência serão publicados através do eConf.

Há também uma página para a Conferência no Indico do CERN, DPF2011 @ Indico/CERN. (A razão pra essa duplicação de esforços está fora da minha alçada (coisas da dicotomia de se passar o tempo dividido entre duas insituições) — quando me chamaram pra ajudar na organização da DPF2011 esse tipo de decisão já havia sido tomada. :razz:)

De qualquer maneira, essa página no Indico contém links para os Resumos das palestras e posteres, índice dos autores e palestrantes. Em particular, nestas listagens e índices é possível se encontrar os PDF que já foram carregados para o servidor.

Eu e o Rafael estamos atendendo a DPF2011. Então, vcs podem esperar por twittadas, fotos, posts, etc, etc, etc… provavelmente não no estilo “cobertura ao vivo”, uma vez que tudo vai ser meio corrido, mas fica aí aberto o canal pra quem quiser fazer perguntas ou participar de alguma outra maneira. 😉

Zipcast e TED Conversations…

quarta-feira, 16 fev 2011; \07\America/New_York\America/New_York\k 07 3 comentários

Dois lançamentos nesta semana estão marcando um passo interessante na Web2.0:

  • Zipcast: é um programa para ‘webconference’ que roda em HTML5, i.e., é um formato nativo em qualquer navegador moderno que suporte HTML5. O serviço é provido pelo SlideShare, que é um site que provê o serviço de compartilhação de palestras e apresentações (transparências, slides) — basta vc abrir a apresentação que deseja (sua mesmo, devidamente carregada no SlideShare; ou qualquer outra apresentação disponível no site) e clicar para inicializar uma seção de Zipcast. Aí basta vc convidar seus amigos e pronto: sua webconference está em ação. 😉
  • TED | Conversations: Essencialmente, é um fórum de discussões promovido pelo TED, onde os usuários interagem através de debates, perguntas, ou propondo idéias. Quem quiser maiores informações pode dar uma olhada em Getting started. 😉

Vale a pena conferir ambos… como o Zipcast roda em HTML5, é bem possível que ele se torne uma plataforma robusta de webconference (competindo com o EVO e até mesmo com as versões mais modernas do Skype, que permitem ‘conference calls’ com vídeo de mais de uma pessoa). O TED todo mundo já deve conhecer, então, quem sabe a qualidade do ‘Conversations’ não é mantida em pé-de-igualdade com a das palestras. 😉

As usual, you can use Google Translate to convert this post from pt_BR to en_US.

Would the Bard Have Survived the Web?

terça-feira, 15 fev 2011; \07\America/New_York\America/New_York\k 07 3 comentários

O New York Times tem um artigo de opinião de hoje entitulado Would the Bard Have Survived the Web? (“Teriam os menestréis sobrevivido a Internet?”, tradução livre). Vcs podem ler o artigo em Inglês seguindo o link acima, ou, se preferirem, podem ler a tradução para pt_BR via Google Translate.

Aqui vão meus comentários sobre o assunto:

  • Poor understanding of the concept of “market”, as it was done in the past and as it is done today, in our “Information Era”;
  • Poor understanding of the concept of “intellectual property” and “copyright”;
  • Pathetically dismissive argument against “[a] handful of law professors and other experts”: a 6-line paragraph? Out of which, only a single phrase address the actual point?! Seriously, this is the best these 3 people could do to ground their defense in solid and robust arguments?! They couldn’t even come up with a typical list of pros and cons? Deconstructing this 1-paragraph argument is really a silly exercise: the misunderstanding of the differences between “Science” and “Technology” is enough to make this 1-paragraph self-destructive. This is pretty shameful… 😦
  • Here are a couple of question that i would like answer: if “Science” had patented some of its *basic* and *fundamental* research outcomes, like the following, what would these same folks be saying, what would their tune be: electromagnetism (TV, radio), quantum mechanics (modern electronics, semiconductor devices, X-rays, MRIs, etc), general relativity (GPS; fluid mechanics: think missiles and torpedos)? What would happen if all of these *fundamental research* discoveries had been patented, copyrighted and “intellectual property-ed”?! Science, Physics in fact, would definitely not need any government support today, nor run the risk to have DOE’s budget completely slashed (regarding research support).
  • And, the cherry on the top of this piece, is the constant comparison with the Dark Ages, with the Medieval Times… seriously: the world really did not change since then?! Over 300 years have passed and the best these 3 gentlemen can do is propose a “market” as it was done over 3 centuries ago? This is their *very best* solution to address their “problem”? Do they even understand that the very concept of “market” has changed in these 3 centuries? Do they understand that the very core of their issue is exactly the grasping to understand what the “Web” really means and how to best use it? Do they realize that people don’t quite know what to do with this deluge of information and possibilities coming from the Web? :sigh: 😦

O futuro da revisão-por-pares…

terça-feira, 8 fev 2011; \06\America/New_York\America/New_York\k 06 2 comentários

Depois da invenção dos arXivs, o problema de distribuição de publicações científicas foi efetivamente resolvido. Dessa forma, o papel dos jornais acadêmicos ficou essencialmente resumido à revisão-por-pares. Ou seja, no frigir dos ovos, o valor agregado que as jornais acadêmicos acrescentam aos artigos é apenas a revisão-por-pares, uma vez que a distribuição desses artigos não é mais problema na Era da Informação.

[N.B.: Pense em termos de uns 400 anos atrás, na época de Galileu: era preciso um manuscrito viajar de cavalo ou barco para que sua distribuição fosse efetivada. Claro que as coisas melhoraram com o correio moderno e com a invenção dos aviões… mas, no final das contas, o processo de distribuição continuava o mesmo em sua natureza: era preciso haver uma mudança física, mecânica, de um lugar para outro. Hoje em dia isso não é mais verdade: organizar, colecionar e distribuir artigos é uma tarefa essencialmente trivial: o exemplo dos arXivs sendo o mais gritante, e PLoS sendo um segundo exemplo. Infelizmente, eu não conheço nenhum esforço dessa natureza Free-Open Access nas Humanidades nem nas Ciências Sociais: seria muito interessante conhecer esforços nessas direções.]

Entretanto, atualmente há também um movimento para “aliviar” os jornais acadêmicos inclusive dessa atividade:

Felizmente (ou não 😛 ), esta não é uma idéia nova: esforços nesta direção já têm sido promovidos há anos. Vejam os exemplos abaixo,

Esses esforços costumam vir sob o nome de Ciência 2.0 — apesar de que, atualmente, já está se falando em Ciência 3.0!

[N.B.: Resumidamente, o “2.0” significa a incorporação das ferramentas de Web 2.0, enquanto que o “3.0” significa que metadata é usada de modo “decente” (ie, como a coisa foi designed para funcionar 😉 ).]

Mais ainda, há movimentos em direções ainda mais ambiciosas, como os abaixo,

Tanto o MathJobs quanto o AcademicJobsOnline têm o intuito de organizar e facilitar a busca de empregos (postdocs, professores, etc) em Matemática e Ciências em geral, respectivamente. Isso tem melhorado o processo infinitamente: antigamente, era preciso se escrever cartas de aplicação para diversas (até centenas!) e instituições; hoje em dia basta vc carregar seu material nesses sites e selecionar os empregos que vc gostou — o resto acontece automaGicamante. 😎

De fato, nossa Era Digital trouxe ferramentas absolutamente fantásticas, que conectam o mundo da pesquisa de modo nunca d’antes navegado… Claro, como toda espada, esta também tem dois gumes: o ‘lado negro’ de toda essa facilidade e conectividade é o atual campo da cienciometria, onde se acredita que é possível se mensurar “criatividade científica” através de índices que, na melhor das hipóteses, são apenas parciais (ie, são índices cujo significado estatístico é questionável).

Enfim, este é um momento bastante conturbado… mas que certamente não deixará “pedra sobre pedra”. 😉

This post translated to English (en_US) (courtesy of Google Translate).

Café científicos levando ciência para o público leigo…

terça-feira, 8 fev 2011; \06\America/New_York\America/New_York\k 06 3 comentários

Está aí uma iniciativa excelente que está demorando para go viral:

Os Cafés Científicos são uma idéia que, pessoalmente, eu considero brilhante: um cenário informal, relaxado, onde as pessoas podem ouvir algum palestrante falar sobre Ciência — e, melhor ainda, depois da palestra, debater sobre o que foi dito. Aliás, de fato, o foco é maior no debate do que na palestra propriamente dita: a idéia é passar a informação de modo bem objetivo e, depois, deixar a platéia guiar a discussão.

Quem faz Ciência sabe: deixar a curiosidade ( ❗ ) guiar o debate científico é uma das formas mais entusiasmantes de se fomentar a criatividade. Essas digressões tangenciais que aparecem a todo momento nesse tipo de discussão são fundamentais pra se ‘mapear’ o ‘espaço’ do assunto sendo atacado. Quem não conhece, pode achar esse approach meio caótico… mas, é um método excelente pra se obter uma ‘imagem’ do objeto em questão.

O realejo do dia…

quinta-feira, 27 jan 2011; \04\America/New_York\America/New_York\k 04 5 comentários

Será que é preciso mudar alguns paradigmas de Educação?

Algumas perguntas:

  • “O que o vídeo acima implica sobre a ‘logística escolar’ (como comparar a ‘linha de montagem escolar’ com a ‘linha de montagem da Toyota’)?”
  • “O que o vídeo implica para esforços de Open- e Free-Access?”
  • “O que o vídeo implica para estudos multi- e inter-disciplinares?”
  • “O que o vídeo implica sobre Science2.0 e 3.0?”
  • “O que o vídeo implica sobre as ‘propriedades de escala’ dos nossos sistemas de administração (educação, saúde, segurança, etc)?”

Muitos (senão todos) dos métodos que temos hoje sobre governança e administração evoluíram dos originais criados para administrar nações de cerca de alguns [poucos] milhões de pessoas — o que fazer, então, quando as nossas nações têm centenas de milhões de pessoas?! Será que esses mecanismos escalam de modo apropriado?

P.S.: Só pra apimentar: Why Our Best Officers Are Leaving — Será que estamos escolhendo e mantendo nossos melhores cientistas? Será que há problemas em comum com os relacionados neste artigo? Como este artigo se relaciona com o vídeo acima?

Robust Discretization Schemes…

quarta-feira, 26 jan 2011; \04\America/New_York\America/New_York\k 04 3 comentários

ResearchBlogging.org

Today, the following article came up on the arXivs:

This is all fine and dandy… but my question is: “How does this paper (above) compare to the following”:

That is, GR is naturally written in terms of [pseudo-]differential forms (aka tensor densities), so the methods described above should be very appropriate to attack the problem of discretizing the path integral in such a way as to retain its symmetries.

» Robert Oeckl (2005). DISCRETE GAUGE THEORY: From Lattices to TQFT World Scientific eBooks, 1-216 DOI: 10.1142/9781860947377

História do Mundo, em menos de 5 minutos…

quarta-feira, 1 dez 2010; \48\America/New_York\America/New_York\k 48 1 comentário

Hans Rosling ataca mais uma vez! 😈

Semantic Web: Web 3.0…

domingo, 16 maio 2010; \19\America/New_York\America/New_York\k 19 Deixe um comentário

Quem quiser ver um pouco mais sobre o assunto,

O mais incrível disso tudo é que a idéia original do TBL sempre foi essa: usar metadata pra “organizar” e “concatenar” a informação. Entretanto, infelizmente, apenas agora (quantas décadas depois da “invenção” da web? 😛 ) a idéia original está sendo apreciada como se deve.

Encontros do Ars Physica

sábado, 27 mar 2010; \12\America/New_York\America/New_York\k 12 6 comentários

Olá a todos,

Hoje tivemos nosso primeiro encontro via video conferência do Ars Physica / Comunidade Física do Orkut. Foi muito interessante e conseguimos organizar a estrutura dos nossos futuros encontros.

Nós faremos algo como um Journal Club. Cada semana, um dos participantes fará uma apresentação sobre um tópico de interesse acadêmico. O objetivo é que as pessoas apresentem sobre aquilo que estão fazendo no seu curso de graduação (IC) ou pós-graduação (mestrado, doutorado). Todos farão um esforço para fazer com que a apresentação atinja o maior espectro de público possível.

Os encontros ocorrerão na comunidade Universo do EVO. Eu agendei os encontros para todo sábado, de 15:00 às 16:30 (BST – Horário de Brasília) sob o título:

Título: Ars Physica Meeting
Password: fisicaorkut

Para participar você precisa criar uma conta no EVO (siga o link) e abrir o software Koala. As apresentações terão formato livre e a idéia original é que elas tenham em torno de 45 minutos + 15 minutos de perguntas. Claro que as pessoas poderão continuar depois disso, mas essa proposta é para tornar os encontros mais organizados. Todas as apresentações serão em português.

Para dar o ponta pé inicial, eu farei a primeira apresentação no próximo sábado. Já temos um calendário inicial tentativo com apresentações por mais de um mês. Os palestrantes e o título da palestra serão apresentados durante a semana antes da apresentação. Eu usarei o Google Calendar do Ars Physica (ou veja na barra lateral desse blog) para isso.

Eu vou cuidar do calendário e de lembrar os palestrantes algumas semanas antes das suas apresentações. Por favor, eu sei que imprevistos acontecem, mas vamos tentar manter a regularidade dos encontros. Eu também vou cuidar de armazenar os slides das apresentações que serão salvos em PDF e disponibilizados através de links na página do Google Calendar acima.

As apresentações serão gravadas e, se o autor permitir, divulgadas aqui na comunidade para que as pessoas possam discutir posteriormente. Para manter organizado, eu sempre utilizarei esse tópico do Orkut para registrar as apresentações já feitas e direcionar aos tópicos de discussão. É possível que em alguns dias não tenhamos apresentações, mas mesa-redondas sobre temas ou artigos previamente escolhidos, nesse caso eu não gravarei.

Todos estão convidados a participar e eu espero que muitos se disponham a dar palestras. Não fiquem envergonhados e não precisam se preocupar com o nível ou assunto, contanto que seja sobre ciência, é de nosso interesse. Para marcar uma apresentação, entre em contato comigo por email rafael.lopesdesa@stonybrook.edu. Eu agendarei e reservarei um espaço num servidor para os arquivos da apresentação.

Winter Workshop on Non-Perturbative QFT…

segunda-feira, 18 jan 2010; \03\America/New_York\America/New_York\k 03 Deixe um comentário

I’m live tweeting the Winter Workshop in Non-Perturbative QFT. The tweets are being tagged with #wwnpqft and can all be found at,

Have fun! 😈

Contribuindo para o FQXi…

quinta-feira, 12 nov 2009; \46\America/New_York\America/New_York\k 46 Deixe um comentário

O FQXi, Foundational Questions Institute, tem como objetivo disseminar a pesquisa em áreas fundacionais da Física e da Cosmologia.

Em Agosto/09, eu fui convidado a integrar os blogueiros do FQXi 😈 . E minha primeira participação acabou de ser posta online (sim, a coisa demorou pra acontecer porque existe todo um processo de editoração e revisão por pares 😎 ):

Na verdade, o artigo que eu escrevi ficou “grande demais”… então, ele foi dividido em 3 partes, e esse link é pra primeira parte, que foi ao ar ontem. As outras partes vão se seguir… mas eu ainda não sei quando serão postas online. De qualquer forma, fiquem ligados, eu ponho os links aqui conforme eles forem aparecendo. 😉

Espero que vcs gostem… e, apesar de estar em Inglês, o Google Translate é seu amigo. :mrgreen:

Diversão garantida… ou sua Física de volta! 😈

Colaboração e Ciência: tudo a ver…

segunda-feira, 19 out 2009; \43\America/New_York\America/New_York\k 43 1 comentário

Semana passada saíram algumas notícias que são, IMHO, extraordinárias no sentido de mostrar o quão valiosa é a cooperação e a colaboração num ambiente criativo.

A Nature fez duas reportagens, uma sobre o Google Wave e outra sobre o Polymath Project,

Por outro lado, um pessoal do Secret Blogging Seminar lançou um site muito interessante, chamado MathOverflow,

Semana passada, eu entrei em contato com o Anton Geraschenko perguntando mais detalhes sobre o projeto do MathOverflow e tudo mais. E o primeiro link acima é, essencialmente, uma resposta às minhas perguntas.

No final das contas, eles estão sendo patrocinados por um professor em Stanford que está arcando com os custos duma solução ‘hosted’ de StackExchange — que é o software por detrás do StackOverflow, ServerFault, SuperUser, DocType, e HowTo Geek.

Então, eu acho que seria uma idéia genial a de se mandar uma proposta de divulgação científica pro CNPq. Quem sabe não sai, assim, um PhysicsOverflow?! 💡 😈

Esse é você + Ciência

Esse é você + Ciência

O realejo do dia…

domingo, 18 out 2009; \42\America/New_York\America/New_York\k 42 Deixe um comentário

Acesso aberto:

James Randi:

A semana nos arXivs…

sexta-feira, 25 set 2009; \39\America/New_York\America/New_York\k 39 Deixe um comentário


A semana nos arXivs…

quarta-feira, 1 jul 2009; \27\America/New_York\America/New_York\k 27 2 comentários


P.S.: No Brasil, eu sempre soube que “cappuccino” era café com leite e chocolate. Infelizmente, o resto do mundo todo chama esse danado de “caffé mocha” — enquanto que cappuccino é o nome dado pra café com leite e espuma [de leite]. Vai saber… mas, pelo menos, agora eu tenho uma tabelinha pra me lembrar, Coffee Drinks Recipes (Graphic). 😎

A semana nos arXivs…

sexta-feira, 12 jun 2009; \24\America/New_York\America/New_York\k 24 Deixe um comentário

“O Senhor da Guerra”…

segunda-feira, 4 maio 2009; \19\America/New_York\America/New_York\k 19 Deixe um comentário

ScribTeX = Wiki + TeX…?

terça-feira, 17 mar 2009; \12\America/New_York\America/New_York\k 12 Deixe um comentário

Ainda falando sobre a edição colaborativa de textos em TeX, acabei de trombar em algo bastante inusitado,

A idéia é simples, é uma mistura orgânica de Wiki com TeX: o software contém uma distribuição completa de TeX (LiveTeX) e vc usa a sintaxe normal do TeX/LaTeX; a diferença é que é num ambiente “Web2.0”: numa interface de Wiki e nas “nuvens” (i.e., não é no seu computador, mas nas “Internets” 😉 ). Então, vc tem o controle de versão e a possibilidade de colaboração feito pela parte “Wiki”, e o TeX feito pela distribuição LiveTeX contida no software. A interface é análoga a do GoogleDocs: vc cria seu documento e escolhe com quem vai compartilhar e tudo mais — básico mas efetivo.

Me parece que essa idéia é análoga a do branch do Instiki que o Distler usa,

Porém, o ScribTeX parece usar o Wikimedia como engine (além de ser um ‘hosted service’, i.e., funcionar “in the cloud”) — código fonte pode ser encontrado no GitHUB: MathWiki.

Eu, pessoalmente, ainda prefiro algo nas linhas daquilo que descrevi no post que fiz aqui no AP sobre isso (integração de “Emacs + AUCTeX” com git rodando num servidor central, esse sim, na “cloud”), mas acho que essa é uma excelente opção para um “hosted service” (i.e., eu não tenho que administrar nem servidor nem instalação nenhuma 😛 ), pra algo na “cloud”, no melhor estilo Web2.0.

Vamos ver como andam as coisas daqui pra frente… 😈

A semana nos arXivs…

sexta-feira, 13 mar 2009; \11\America/New_York\America/New_York\k 11 Deixe um comentário

Matemática na era da Web2.0…

quarta-feira, 25 fev 2009; \09\America/New_York\America/New_York\k 09 3 comentários

A WWW daria uma lousa e tanto… se a gente conseguisse rabiscar uma equação

A WWW foi concebida no CERN e, desde então, o patamar em que chegamos atualmente (chamado de Web 2.0) é bem diferente daquilo que se imaginava na época da criação da Web. Hoje em dia já se fala em Web 3.0, que é uma espécie de codinome para Cloud Computing. Porém, o sonho original para a WWW é a chamada Semantic Web. Eis o próprio T.B. Lee falando sobre esse assunto,

De fato, a tal “Web 3.0” deve incluir toda essa parte “semântica” (veja mais em W3C Semantic Web Activity, The Semantic Web e The Semantic Web Revisited (PDF)), chamada tecnicamente de Metadata — apesar de que a incorporação de todos esses “metadados” em bancos-de-dados e aplicações (“cloud”) afins ainda vai levar algum tempo. 😉

De qualquer maneira… essa “simples” idéia — de assimilar os “metadados” de forma fundamental e intrínseca nas entranhas da Web — tem um enorme potencial quando o assunto é Publicação Científica. Um exemplo claro disso é o Scientific Publishing Task Force: Mindswap: Science and the Semantic Web, Science and the Semantic Web (PDF), Semantic web in science: how to build it, how to use it, ScienceOnline09: The Semantic Web in Science.

Então, como se pode ver com clareza, essa idéia de se associar “semântica” aos elementos já pertencentes da WWW, realmente será algo revolucionário.

A razão pra essa longa introdução é o paradigma adotado pelo MathML, que é a linguagem que permitirá a introdução de linguagem Matemática na WWW. Existem dois modos de se “descrever” uma informação em MathML, Presentation MathML e Content MathML — enquanto o pMathML foca na apresentação e aparência das equações e elementos matemáticos, o cMathML foca no significado semântico das expressões (num esquema bem parecido com Cálculo λ 😎 ).

Então, fica claro que o objetivo de MathML não é apenas o de “apresentar” uma informação, mas também de dar significado semântico a ela, o que fará com que a comunicação matemática seja muito superior do que a comunicação atual, feita em HTML!

O paradigma atual: \TeX

Hoje em dia, efetivamente, quem tem necessidade de publicar muitas equações usa \TeX, mais especificamente, usa-se \LaTeX — esse é o de facto padrão.

Essa linguagem é extremamente poderosa, versátil e flexível, podendo ser extendida de várias maneiras diferentes. E isso facilita muito sua aplicação em várias áreas diferentes: desde símbolos matemáticos, gráficos vetoriais, …, até símbolos musicais, de xadrez e tipografia em línguas gráficas, como árabe, hindu, chinês e afins!

Por essas e por outras, atualmente é muito mais comum de se encontrar programas que convertem de \TeX para MathML do que programas que nativamente facilitam a edição nativa [em MathML]. Tanto que existe um livro unicamente dedicado a esse assunto: The LaTex Web Companion. Aliás, nessa linha, eu recomendo o uso do formato DocBook, cuja saída pode ser HTML, PDF, \TeX (via o uso de XSLT), etc.

Portanto, o que acabou acontecendo é que quando alguém precisa publicar fórmulas e afins, ou se cria um documento em PDF, ou se usa de “algum desvio” para colocar a informação na Rede — em geral, esse desvio consiste em se converter o conteúdo desejado em alguma imagem, e inserí-la no HTML em questão.

A saída: habilitar os navegadores

A alternativa pra tornar tudo isso integrado (Web 3.0, MathML, etc) e unificado é prepararmos os navegadores para essa nova jornada, nova etapa, da WWW. Por exemplo, o Firefox tem toda uma infra-estrutura dedicada para MathML: MathML in Mozilla. Porém, pra isso, é preciso que os desenvolvedores de navegadores sigam os padrões já definidos para MathML. Essa é uma lista dos navegadores que suportam MathML. Além disso, pra quem usa Firefox, esse é um ‘add-on’ bem interessante, Firemath (eu não tenho uma conta com o Mozilla, então, se alguém que tiver uma conta quiser me mandar o add-on, eu agradeço 😉 ).

Portanto, o caminho ainda se encontra aberto… e as possibilidades são infinitas! 😈

Referências…

Forca Tarefa para Tool Kit sobre Recursos Educacionais Abertos

quinta-feira, 29 jan 2009; \05\America/New_York\America/New_York\k 05 Deixe um comentário

Já divulguei aqui o workshop sobre Recursos Educacionais Abertos, ocorrido na USP no final do ano passado. Estou repassando aqui para o Ars Physica esse email da Carolina Rossini sobre Recursos Educacionais Abertos (REA) no Brasil.

A Carolina organizou o primeiro workshop sobre REA na USP
<http://wiki.stoa.usp.br/OER-Workshop>, junto com o professor Ewout ter Haar, do IFUSP. Ela também estuda questões sobre propriedade intelectual e tem bastante contato com o pessoal da Creative Commons.

Quem quiser entrar na lista de emails de lá, visite

http://groups.google.com/group/rea-lista

ou mande um email direto para rea-lista-subscribe@googlegroups.com.

Também os convido a assinar a  Declaração de Cidade do Cabo para a Educação Aberta:

http://www.capetowndeclaration.org/translations/portuguese-translation

e visitar a página (em inglês) sobre Open Educational Resources:

http://oerwiki.iiep-unesco.org/

Abraços!

Tom

———- Forwarded message ———-
From: Carolina Rossini
Date: 2009/1/26
Subject: Forca Tarefa para Tool Kit sobre Recursos Educacionais Abertos
Estimados colegas,

Vocês encontram-se copiados neste e-mail por terem, de uma forma ou de outra, expressado interesse sobre a discussão relativa a recursos educacionais abertos no Brasil.

Estas discussões iniciaram-se em dezembro de 2008 por meio de uma série de reuniões e workshop com o Open Society Institute – um dos lideres do movimento internacionalmente e co-autor da Declaração sobre Educação Aberta de Cape Town. (ver aqui:
http://www.capetowndeclaration.org/translations/portuguese-translation)
Um dos workshops realizados foi na USP e seus resultados podem ser vistos aqui, inclusive apresentações:

http://wiki.stoa.usp.br/OER-Workshop

Uma força tarefa internacional esta sendo organizada ao redor das discussões para o desenvolvimento de um Tool-Kit sobre recursos educacionais abertos a ser elaborado colaborativamente para posterior distribuição em escolas e universidades Brasileiras e pelo mundo.

O trabalho aproveitará trabalhos já realizados, mas tem como intenção melhorá-los e adaptá-los as necessidades Brasileiras. Além de tornar a linguagem mais acessível e apelativa a professores, educadores, e alunos.

Alguns trabalhos internacionais de referência de base são OER Handbook (produzido pelo COSL) – http://www.wikieducator.org/OER_Handbook –  e o rascunho produzido pela comunidade OER coordenada pela UNESCO – http://oerwiki.iiep-unesco.org/index.php?title=UNESCO_OER_Toolkit.

O objetivo deste Tool-Kit é aproximar a população brasileira,
principalmente políticos, professores, educadores, acadêmicos e
estudantes das discussões relativas a recursos educacionais abertos e seus benefícios, como acesso ao conhecimento e a uma ampla gama de materiais e metodologias de ensino que podem ser compartilhadas e desenvolvidas de forma colaborativa. O Tool-Kit trabalhará com conceitos básicos, estratégias de desenvolvimento de Recursos Educacionais Abertos, questões sobre propriedade intelectual a serem enfrentadas, além de trazer exemplos de REA que podem ser utilizados, no intento de divulgar o que já existe no Brazil e exterior.

Desta forma, venho, por meio deste email, perguntar-lhes se querem fazer parte desta força tarefa contribuindo com sugestões, duvidas e conteúdo. Por favor, responder em e-mail individual para Carolina Rossini.  Peço também, que enviem este email a colegas, alunos e instituições possivelmente interessadas em participar desta discussão.

Uma lista de debate será organizada e acesso a plataforma wiki para trabalho no Tool-Kit será autorizado.

Abraço e obrigada,

Carolina Rossini
Coordenadora
Projeto Recursos Educacionais Abertos Brasil: Perspectivas e Desafios
Apoio: Open Society Institute e Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas e
Fellow – Cooperation Project
Berkman Center for Internet and Society
Harvard University

e

Mônica Steffen Guise Rosina
Coordenadora Regional
Pesquisadora – Escola de Direito de São Paulo
Fundação Getulio Vargas
e
Pesquisadora – A2K Project
Yale University

Pequeno workshop na USP: Recursos Educacionais Abertos, 4 de dezembro

segunda-feira, 3 nov 2008; \45\America/New_York\America/New_York\k 45 1 comentário

Repassando email. Quando dizem na USP, presumo que quiseram dizer no campus Butantã da USP.

— x — x —

Na manhã do dia 4 de dezembro (quinta-feira) haverá um pequeno seminário para os interessados em “Recursos Educacionais Abertos” (OER) [1] na USP.
Discutiremos experiências internacionais e brasileiras com OER. Aproveitamos a visita de Melissa Hagemann do Open Society Institute (um instituto fundado por George Soros), Joel Thierstein da Rice University e diretor executivo do Connexions (http://cnx.org/) e Carolina Rossini (Berkman Center, Harvard) para dar uma perspectiva internacional.

Faça sua inscrição via formulário em:
http://spreadsheets.google.com/viewform?key=pcyBsjb0oVmMloY0W3q4WUg

Data: 4/12/2008, quinta-feira, 9h00 – 14h00

Local: A ser definido, acompanhe em http://wiki.stoa.usp.br/OER-Workshop

Língua: Inglês

Programa

* 9h: Abertura
* 9h30: Panel 1: Experiências Internacionais. Moderador: Prof.
Gilson Schwartz (ECA)
* 9:30-10:00 Melissa Hagemann (OSI): o trabalho do OSI em OER
* 10-10:50: Joel Thierstein (Rice): a experiência do Conexions
* 10:50-11:20: Carol Rossini: impactos da propriedade intelectual

Coffee Break

* 11:30 Panel 2: Experiências Brasileiras: Moderador: Carolina Rossini
* 11:40-12:05 Prof Pablo Ortellado (EACH/GPOPAI)
* 12:10 – 12:40 Prof Sueli Mara Ferreira (ECA)
* 12:40 – 1:10 Prof. Ewout ter Haar (IF)

* 1:10- 1:40 (max 2:00pm) Debate

Para mais informações, entre em contato com Prof. Ewout ter Haar
(ewout@usp.br, 3091-6696)

%d blogueiros gostam disto: