Arquivo

Archive for the ‘Bolsa de Estudos’ Category

Notícias da Semana…

sábado, 7 abr 2012; \14\UTC\UTC\k 14 Deixe um comentário

Nos últimos 7–10 dias, muitas notícias interessantíssimas apareceram. E vale a pena dar uma olhada no que está circulando pelo mundo afora.

  1. Brazil a Great Place to do Physics … and Other Things“: Esse primeiro link é sobre programa de intercâmbio da APS, e o caso da reportagem conta sobre um aluno que saiu da Columbia University, em NY, e foi para o CBPF, no RJ. Como diz o rapaz que fez o intercâmbio, “Given that Rio was one of Richard Feynman’s favorite places, I was sure the experience would be very interesting, and I quickly became excited about it.”. 🙂
  2. Brown University forges research partnership in Brazil“: Esse segundo link é sobre a parceria que a Brown University assinou nessa semana com o IMPA (RJ). A parceria, promovida pela doação de um pai dum aluno da Brown, vai promover a colaboração em pesquisas, conferências e intercâmbios entre a Brown e o IMPA pelos próximos três anos.
  3. Open grad program allows students to pursue two fields“: Esse terceiro link é sobra um programa piloto que a Brown abriu esse ano e que poderia ser resumido como “Ciências Moleculares para a pós-graduação”. A Brown tem um currículo de graduação aberto, como o do Ciências Moleculares, desde os anos 70. E, agora, eles decidiram aplicar o mesmo princípio para a pós-graduação. A idéia é de que os alunos selecionados para participar desse experimento irão cursar seus respectivos doutoramentos, que será complementado com um mestrado em alguma outra disciplina. (A Brown permitia que seus alunos tirassem um ‘double-masters’, i.e., um duplo-mestrado até alguns anos atrás, quando essa opção foi cancelada em favor dessa nova empreitada multi- e inter-disciplinar.) E é disso que trata a reportagem, desse experimento em se ter um currículo multi- e inter-disciplinar na pós-graduação. Até onde eu conheço, essa é uma atitude completamente pioneira e que não existe em nenhuma outra escola. 😈
  4. How the Modern Physics was invented in the 17th century, part 1: The Needham Question“: Essa é a primeira parte (de um total de 3) de um blog convidado da SciAm, contando a história da Física moderna. Muito interessante.
  5. How Much Is a Professor Worth?“: Essa matéria do NYT trata do tópico de um novo livro que tenta comparar o salário de professores em diferentes países. Vale a pena ler pra ver em qual posição o Brasil se encontra, e como os diferentes países se comparam. Há muitos detalhes a serem analisados nessa questão todo… mas, de qualquer maneira, é um bom começo.
  6. Sociedade Brasileira de Física — Cortes no orçamento de ciência ameaçam futuro do Brasil“: o governo decidiu cortar o orçamento em cerca de 33% (comparado ao orçamento de 2010), entrando em rota de colisão com diversas conquistas recentes da política científica federal.
  7. Carnaval Is Over“: Seria esse o fim do milagre brasileiro? A FP faz uma lista dos vários fatores que influenciam essa questão.

Parcerias científicas internacionais, flexibilização do currículo da pós-graduação, história da Física, cortes do orçamento de ciência e tecnologia, e futuro econômico do país. Todas notícias relevantes e contemporâneas.

“E agora, José?”

Anúncios

O Brasil no Chronicle of Higher Education…

sábado, 9 jul 2011; \27\UTC\UTC\k 27 7 comentários

O jornal The Chronicle of Higher Education é uma das referência no mundo da Educação Superior — assim como o Times Higher Education.

No começo da semana, o Chronicle publicou a seguinte matéria sobre o Brasil: Brazil Reaches Out. Essa reportagem também apareceu no Physics Today: Brazil reaches out (Physics Today).

Pra quem está com preguiça de clicar no link da Physics Today, aqui vai o comentário deles (em sua integridade):

Chronicle of Higher Education: The Brazilian government has announced that it will fund 75,000 studentships to study abroad, worth $30,000 each. Brazil’s university system is successful, but that success is not unqualified; scientific research is highly variable in quality, and there is a shortage of researchers. Student bodies of elite universities tend to be economically homogenous. The Brazilian government recognizes that the country’s higher education system will need to expand rapidly while improving in quality if it is to support the country’s economic growth: 7.5% last year, with another 4% predicted for 2011 despite the global slowdown.

O ponto principal da reportagem é o seguinte: o governo brasileiro anunciou 75.000 bolsas-de-estudos (para estudo no exterior) no valor de US$30.000 cada. (Posso estar enganado, eu até gostaria de ter mais informações a esse respeito, mas meu entendimento é que essas bolsas são para áreas onde não há possibilidade de se fazer a pesquisa no Brasil.)

Eu, confesso, tenho algumas dúvidas. Por exemplo, como esse valor de US$30.000 é calculado e aplicado para uma bolsa de doutoramento? A tuition (custo anual) das escolas pode variar muito: nos USA, para a pós-graduação, uma escola pública (e.g., UCLA ou UCSD, SUNY-SB, Rutgers, etc) pode cobrar cerca de ~US$20.000 para alunos estrangeiros (que claramente têm origem fora do estado onde essas escolas se localizam — a anuidade para residentes do estado é consideravelmente mais baixa: cerca de 25% do valor cobrado para quem vem de fora do estado), assim como uma escola privada (Harvard, MIT, Princeton, Brown, Chicago) pode cobrar até US$40.000 por ano! E isso não inclui o salário para o doutorando, que gira em torno de US$2.000/mês (i.e., cerca de ~US$21.000–US$24.000 por ano), dando um total de até ~US$65.000 por ano. Portanto, mesmo uma média simples entre os dois tipos possíveis de anuidades já dá o valor anunciado para as bolsas, cerca de ~US$30.000.

Claro, a situação na Europa é bem diferente e varia bastante de país pra país (e.g., Reino Unido, França, Alemanha). Então, eu imagino que os valores europeus vão ser um pouco mais baixos quando comparados aos valores americanos. Por outro lado, a conta européia vem em Euros, o que torna tudo cerca de 43% mais caro que a conta americana. Então, um custo de ~€21.000 se torna algo como ~US$30.000.

Mais ainda, quem conhece gente que foi pro exterior pago pelo CNPq, sabe o quão comum é o atraso do pagamento dessas pessoas…: muito mais comum do que deveria — às vezes vc recebe por 3 meses atrasados. De qualquer modo, essa já é outra questão, apesar de relevante pra pessoa que está do outro lado do oceano.

Fora isso, também é importante se colocar esses números em comparação com os dados do post Como a Ciência escapou da Foice do Orçamento — até agora. Em particular, os seguintes artigos são de extrema relevância: Brazil cuts its science budget e Brazil’s budget cut dismays scientists . Esses cortes não precisam, necessariamente, afetar as bolsas mencionadas acima. Entretanto, as pessoas formadas por este programa de bolsas vão necessariamente (por causa do contrato da bolsa) voltar para o Brasil — o que imediatamente traz a seguinte pergunta à tona: “Com esses cortes, será que haverá empregos para esses bolsistas? Ou será que eles simplesmente vão ficar desempregados depois de voltarem? Há planos para a absorção desses bolsistas?” E por aí afora…

Portanto, a notícia soa boa, mas sem os devidos detalhes fica difícil de se saber o quão realista isso tudo é.

Reproduzo aqui o artigo do Chronicle em sua integridade.

Brazil Reaches Out

July 5, 2011, 12:14 pm, By Nigel Thrift.

In Brazil on a delegation with the Deputy Prime Minister and the Minister of State for Universities and Science. As usual with these delegations, they tend to be a mixture of frenzied last-minute reorganizations and moments of formal ceremony. They certainly require serious stamina occasioned by crammed programmes and non-stop travel.

But this delegation was buoyed by the Brazilian government’s announcement of 75,000 studentships to study abroad over the next four years, each worth $30,000, of which the UK looks set to obtain a good number.

What is striking about Brazilian higher education its range and variety. There are numerous private institutions, some of which are of good quality. There are state universities. There are federal universities. There are a number of federal science and technology institutions like CAPES, along with many national institutes of science and technology. There are a number of companies (most notably Petrobras and Embraer) which have close associations with universities. I was able to visit the University of Sao Paulo, an august institution boosted by the fact that a proportion of the State of Sao Paulo’s sales tax goes to universities (other countries take note).

What became clear to me was that Brazilian higher education is now in a state of take-off. Brazilian research is often world class. It is the 13th biggest knowledge producer as measured by numbers of papers. In particular, Brazilian research in is paramount in fields like engineering and aspects of the biological sciences.

In a meeting with luminaries from the world of Brazilian higher education, what was clear was that they are bullish about the future and that the scholarship scheme is a tangible expression of that optimism, as well as a desire to diversify the locations in which students study (which are currently led by the United Sates and France).

What is very different from many other countries which are now in economic take-off is that Brazil already has a thriving university system which has achieved many successes. It needs to expand its higher education system rapidly but the goal that has been set for participation rates seems entirely possible. In fact, it is about the same rate of expansion as the UK has achieved over the last 30 years.

There are clearly still problems. For example, the elite universities tend to be populated by students from well-off backgrounds. But Brazil is hardly the only country that can be accused of that. Again, there is very considerable variation in quality. Again, Brazil is hardly the only country that can be accused of that. It has a shortage of researchers to match its ambitions. Once more, Brazil is hardly the only country that can be accused of that.

In other words, this cannot be seen as a situation in which a country needs “help.” Rather, it requires a partnership of equals in which the non-Brazilian partner realizes that the Brazilian partner has much more to offer than the prospect of studentships abroad. Those studentships are a sign off greater engagement but an engagement that will be a two-way process right from the very start.

O DOE cancela uma iniciativa massiva de treinamento…

segunda-feira, 25 abr 2011; \17\UTC\UTC\k 17 1 comentário

Quem quiser ler o original, pode encontrá-lo aqui: DOE Pulls the Plug on Massive Training Initiative (DOI: 10.1126/science.332.6026.162-a). DOE é uma abreviação, em Inglês, para “Department Of Energy”, que é o órgão americano análogo ao Ministério das Minas e Energia no Brasil. Historicamente, esse é o órgão que patrocina a pesquisa científica em Física de Partículas (pense em termos da Segunda Guerra Mundial) — no Brasil, esse papel é feito pelo Ministério de Ciência e Tecnologia (através do CNPq e CAPES).

In April 2009, President Barack Obama announced an ambitious education and training initiative at the Department of Energy (DOE). Speaking to members of the U.S. National Academy of Sciences, Obama said a proposed 10-year, $1.6 billion program, dubbed “Regaining our Energy Science and Engineering Edge” (RE-ENERGYSE), would “capture the imagination of young people who can help us meet the energy challenge.”

But RE-ENERGYSE never got off the ground. Congress twice declined to fund any portion of its sprawling vision, which would have included graduate and postdoctoral fellowships, summer research projects for undergraduates, professional master’s degrees in clean energy, and associate degree programs to train a clean-energy technology workforce. In February, the White House threw in the towel, dropping the program from DOE’s 2012 budget request.

Energy Secretary Steven Chu insists that the Administration remains gung ho about attracting more students into the field of clean-energy research. But its 2012 budget request signals a major shift. Instead of RE-ENERGYSE, Chu is now touting expansion of a small graduate fellowship program that is run out of an office different from the one responsible for implementing RE-ENERGYSE.

To understand why RE-ENERGYSE never got off the ground, it helps to understand DOE’s checkered history in science education. Although some previous Administrations tried to carve out a larger role for DOE in this arena, Congress has traditionally seen education as a secondary mission for a department that already has major responsibilities for science, energy, national security, and environmental cleanup. So the broad scope of RE-ENERGYSE was a red flag for some influential legislators, who also wondered why it was under the jurisdiction of the energy undersecretary when existing education and workforce-training efforts were overseen by the science undersecretary (Science, 10 July 2009, p. 130).

Kristina Johnson, the former energy undersecretary whom Chu asked to manage RE-ENERGYSE, says that it seemed clear to her. “It’s a national imperative, and the president is strongly behind it,” she explains. “So I came in, very wide-eyed, and said we should do this. As an engineer, I like to set a goal and put in place a plan and then carry it out. It’s really pretty simple.”

Although Chu tried to explain the program to legislators when testifying on DOE’s 2010 budget, Congress eliminated his request for $115 million when it approved DOE’s overall budget. The next year’s request, for $55 million, fared no better. And last October, Johnson, a former engineering dean and successful entrepreneur who joined the Administration in May 2009, left DOE and now consults for energy companies. “When she left, RE-ENERGYSE was gone, too,” says one DOE official. The Administration made it official by removing the initiative from its 2012 budget.

“There are broad STEM workforce–development programs across the federal government,” says Carl Wieman, associate director for science at the White House Office of Science and Technology Policy, in explaining the decision. “And there are plenty of other opportunities to improve STEM education.” Wieman, a physics Nobelist and science educator who joined the Administration last fall, says that RE-ENERGYSE “may have been comprehensive, but that also makes it complex to set up and make work. So the decision was that we’ll find something that Congress is happier with and move on.”

That something, Chu says, is a request for $11 million in 2012 to more than double the number of graduate research fellows supported by DOE’s Office of Science. It’s the most direct way to beef up the nation’s clean-energy workforce, he says: “The pipeline starts early, by getting [elementary and secondary school students] interested in science. But [educating] undergraduates and those in graduate school, this is something that we feel very strongly about.” Some 150 fellows are now funded under a program begun in 2009. Last month, DOE also announced a competition this year to award 20 postdoctoral fellowships for research on clean-energy technologies.

Bolsas para pós-graduação em física no Brasil e nos EUA

terça-feira, 29 dez 2009; \53\UTC\UTC\k 53 Deixe um comentário

Muitos já devem ter percebido que 3/4 dos editores desse blog fazem ou fizeram seu doutoramento nos EUA. Como tal, acho que temos algo a falar sobre isso. Eu queria discutir algo que é de extrema importância para qualquer pessoa: dinheiro. Meu objetivo não é chorar mágoas, até porque não tenho nenhuma nesse aspecto, mas sim deixar clara uma realidade.

Existe diversos desafios em viver nos EUA enquanto se faz uma pós-graduação e certamente dinheiro é uma delas. A situação do aluno estrangeiro nos EUA é muito diferente, por exemplo, do aluno estrangeiro no Brasil. A primeira grande diferença é que não há bolsas (fellowships) para alunos estrangeiros nos EUA. Por exemplo, agora em novembro o DOE abriu oportunidade para sua prestigiosa bolsa. Contudo, se você ler o edital verá que apenas cidadãos americanos podem se candidatar. Para ter uma base de comparação, você pode ir no site equivalente da FAPESP que tem a bolsa de maior prestígio no Brasil e verá que no Brasil a única exigência para se ter uma bolsa de doutorado é ser um potencial bom aluno de doutorado. Ou seja, se você já não tiver uma bolsa quando chega nos EUA, por exemplo, da CAPES-Fulbright ou, mesmo bolsa da Fulbright sem ligação à CAPES, você não vai conseguir outra.

Para quem não tem bolsa, a forma de suporte é através de TA (assistência de professores), quando você é pago diretamente pela universidade para dar aula, ou RA (assistência de pesquisa), quando você é pago por um grupo de pesquisa para fazer pesquisa junto com eles. Acho que já falei sobre essas atividades aqui no blog e não quero me repetir, o objetivo desse texto é só comparar a situação financeira do aluno no Brasil e nos EUA. Vamos então falar sobre valores, onde também há grande disparidade. Um fellowship desses disponíveis apenas para americanos é de aproximadamente 30-35k dólares por ano. Uma atividade de RA paga em torno de 22-25k dólares por ano. A bolsa da CAPES é de 1.3k por mês, o que dá 15.6k dólares por ano. Para se ter uma comparação de como isso é pouco, no ano de 2008, o governo americano traçou a linha de pobreza como uma renda anual de 11.2k dólares.

Se esse dinheiro já parece pouco, aí que vem a próxima supresa que todo se lembram no mês de abril: dinheiro recebido para fazer pós-graduação nos EUA também é sujeito a imposto de renda, diferentemente do Brasil. E aí o aluno estrangeiro tem outra disparidade: ele, além de ganhar menos ainda paga mais imposto (eu colocaria links aqui, mas a documentação do IRS é tão confusa que nem vale a pena).

Last but not least, há também o programa de Summer Federal Work-Study, que garante aos americanos o dinheiro durante as férias de verão enquanto os alunos internacionais, se voltarem para casa, ficam sem receber nada durante todo esse período. Alunos internacionais terminam com reduzindo suas férias a um mínimo possível e ainda tem que convencer algum grupo de pesquisa a pagar um salário durante o verão, o que é particularmente complicado nos primeiros anos da pós-graduação (mas praticamente garantido após você ter um orientador). Lembre-se que aluguel, contas e afins continuam vencendo durante o verão, e esse dinheiro tem que vir de algum lugar.

É difícil afirmar que há xenofobia (preconceito) envolvido. Poderíamos dizer que é reserva de mercado, mas eu não consigo deixar de achar socialmente injusto, principalmente se levarmos em conta que 36% dos alunos de pós-graduação em ciências e engenharia nos EUA não são americanos (chegando a 40% em física e 42% em matemática. Essa página da NSF é a única estatística em nível nacional dos alunos de pós-graduação nos EUA, mas é muito bem feita, vale a pena a visita). Mas talvez eu só esteja sendo parcial…

A realidade é que esse cenário vem piorando muito. Desde 9/11, passando por crises econômicas mundiais e novas tentativas de sequestro de aviões a cada ano o financiamento de estudantes é pior e os primeiros a sofrerem são os estudantes internacionais. Pelo que contam colegas nas UC (Berkeley, Santa Barbara, Los Angeles…), a situação financeira daquele estado[1] é tão séria que há alguns anos que o número de alunos internacionais financiados foi reduzido a um mínimo nunca visto antes.

Mas vale a pena? Claro que vale, só podia ser mais simples…

[1] Todos os links desse post são para páginas departamentais ou grandes jornais da mídia. Esse link é para o blog Cosmic Variance e, mais que isso, a entrada em questão é tão passional quanto as minhas nesse blog. Porém, veja as sugestões propostas: além da óbvia maior taxação sobre gasolina e petróleo há essa discussão crescente sobre a legalização da maconha. Eu não quero discutir isso nesse blog, não é o lugar, mas não posso deixar de comentar a ironia do Schwarznegger poder ser o governador responsável pela legalização da maconha num estado americano. E eu que achava que ver o Flamengo campeão brasileiro já era surpresa suficiente por uma década…

%d blogueiros gostam disto: