Arquivo

Archive for the ‘Utilidade Pública’ Category

O realejo do dia…

domingo, 4 jul 2010; \26\America/New_York\America/New_York\k 26 Deixe um comentário

Semantic Web: Web 3.0…

domingo, 16 maio 2010; \19\America/New_York\America/New_York\k 19 Deixe um comentário

Quem quiser ver um pouco mais sobre o assunto,

O mais incrível disso tudo é que a idéia original do TBL sempre foi essa: usar metadata pra “organizar” e “concatenar” a informação. Entretanto, infelizmente, apenas agora (quantas décadas depois da “invenção” da web? 😛 ) a idéia original está sendo apreciada como se deve.

Fefferman: Conformal Invariants…

quinta-feira, 13 maio 2010; \19\America/New_York\America/New_York\k 19 Deixe um comentário

Encontros do Ars Physica

sábado, 27 mar 2010; \12\America/New_York\America/New_York\k 12 6 comentários

Olá a todos,

Hoje tivemos nosso primeiro encontro via video conferência do Ars Physica / Comunidade Física do Orkut. Foi muito interessante e conseguimos organizar a estrutura dos nossos futuros encontros.

Nós faremos algo como um Journal Club. Cada semana, um dos participantes fará uma apresentação sobre um tópico de interesse acadêmico. O objetivo é que as pessoas apresentem sobre aquilo que estão fazendo no seu curso de graduação (IC) ou pós-graduação (mestrado, doutorado). Todos farão um esforço para fazer com que a apresentação atinja o maior espectro de público possível.

Os encontros ocorrerão na comunidade Universo do EVO. Eu agendei os encontros para todo sábado, de 15:00 às 16:30 (BST – Horário de Brasília) sob o título:

Título: Ars Physica Meeting
Password: fisicaorkut

Para participar você precisa criar uma conta no EVO (siga o link) e abrir o software Koala. As apresentações terão formato livre e a idéia original é que elas tenham em torno de 45 minutos + 15 minutos de perguntas. Claro que as pessoas poderão continuar depois disso, mas essa proposta é para tornar os encontros mais organizados. Todas as apresentações serão em português.

Para dar o ponta pé inicial, eu farei a primeira apresentação no próximo sábado. Já temos um calendário inicial tentativo com apresentações por mais de um mês. Os palestrantes e o título da palestra serão apresentados durante a semana antes da apresentação. Eu usarei o Google Calendar do Ars Physica (ou veja na barra lateral desse blog) para isso.

Eu vou cuidar do calendário e de lembrar os palestrantes algumas semanas antes das suas apresentações. Por favor, eu sei que imprevistos acontecem, mas vamos tentar manter a regularidade dos encontros. Eu também vou cuidar de armazenar os slides das apresentações que serão salvos em PDF e disponibilizados através de links na página do Google Calendar acima.

As apresentações serão gravadas e, se o autor permitir, divulgadas aqui na comunidade para que as pessoas possam discutir posteriormente. Para manter organizado, eu sempre utilizarei esse tópico do Orkut para registrar as apresentações já feitas e direcionar aos tópicos de discussão. É possível que em alguns dias não tenhamos apresentações, mas mesa-redondas sobre temas ou artigos previamente escolhidos, nesse caso eu não gravarei.

Todos estão convidados a participar e eu espero que muitos se disponham a dar palestras. Não fiquem envergonhados e não precisam se preocupar com o nível ou assunto, contanto que seja sobre ciência, é de nosso interesse. Para marcar uma apresentação, entre em contato comigo por email rafael.lopesdesa@stonybrook.edu. Eu agendarei e reservarei um espaço num servidor para os arquivos da apresentação.

Realejo do Dia: Humanismo Científico…

quinta-feira, 25 mar 2010; \12\America/New_York\America/New_York\k 12 2 comentários

O Sam Harris deu uma palestra no TED muito provocativa, com o título de “Science can answer moral questions” (que certamente tem a ver com o novo livro dele, The Moral Landscape: How Science Will Determine Human Values):

É claro que os exemplos mais “radicais” que ele cita só servem pra ilustrar os extremos do espectro nessa problemática toda. Entretanto, algumas imprecisões no discurso dele (e de outros), já foram comentadas a exaustão, e.g.: The Mystical Ethics of the New Atheists.

O ponto que eu considero principal e relevante, entretanto, não são esses pontos mais controversos (usados para “chocar” a audiência, tornando o ponto discutido mais concreto) que me interessam, mas sim o fato de se trazer para o diálogo social a noção de Humanismo Secular e Científico. O importante é se introduzir cada vez mais racionalidade no debate social — e nada melhor pra isso do que a penetração do jornalismo científico, cada vez maior e mais robusta, de qualidade, que possa garantir que o público leigo tenha acesso as informações necessárias para poder compreender as nuances e sutilezas envolvidas nas diversas questões relevantes no debate público atual.

Então, o real valor da palestra não está implícito no choque dos exemplos, mas sim na inserção de racionalidade e de um método científico pra se decidir as questões que aparecem no nosso dia-a-dia.

O JC do dia…

segunda-feira, 15 mar 2010; \11\America/New_York\America/New_York\k 11 Deixe um comentário

O Mercado Romântico: versão quântica…

segunda-feira, 8 mar 2010; \10\America/New_York\America/New_York\k 10 6 comentários

Essencialmente, o artigo Quantum Dating Market lida com um problema bem conhecido, chamado Stable Marriage Problem (SMP): ele usa um algoritmo quântico pra atacar o problema (ao invés do tradicional algoritmo clássico).

Mas, pra apreciar melhor esse resultado, a gente precisa compreender melhor alguns ingredientes,

A Teoria dos Jogos (clássicos, não-quânticos), grosseiramente falando, lida com o seguinte problema: situações nas quais interações estratégicas entre jogadores racionais produz resultados com respeito às preferências (ou utilidades) desses jogadores. (Pra entender melhor o que cada um desses termos em itálico significa, é necessário ler as referências acima. 😉 )

Falando um pouco mais matematicamente, define-se um jogo com n pessoas (i.e., jogadores) através das 2 propriedades abaixo,

  1. n \mbox{ conjuntos } S_{i}, \, i=1,\dotsc, n ; &
  2. n \mbox{ fun{\c c}{\~o}es } P_{i} \, :\, S_{1}\times\dotsm\times S_{n}\rightarrow\mathbb{R} \quad (i=1,\dotsc, n).

O conjunto S_{i} é chamado Espaço de Estratégias do jogador i, e a função P_{i} é chamada Função Lucro do jogador i.

Essa formulação é genérica o suficiente pra modelar praticamente qualquer problema concreto de interações estratégicas: os S_{i} são as ações disponíveis ao jogador i (nós imaginamos que cada jogador precisa escolher uma ação); as ações têm alguma conseqüência e P_{i} mede aquilo que o jogador i avalia como medida dessa conseqüência.

Isso posto, nós já podemos tentar definir o que é um Jogo Quântico: ingenuamente, um jogo quântico é aquele onde cada jogador implementa uma estratégia mista, o que requer que o Espaço de Estratégias seja expandido. Ou seja, num jogo quântico o jogador pode escolher uma estratégia que seja uma combinação linear das estratégias, S = \alpha_{1}\, S_{1} + \dotsb + \alpha_{n}\, S_{n}, de tal forma que \sum_{i=1}^{n} \alpha_{i} = 1.

Entretanto, essa combinação linear só captura 1 das características quânticas presentes num jogo quântico: ainda há outra característica relevante nesse problema: emaranhamento quântico. Portanto, no final das contas, o resultado final dum jogo quântico é diferente daquele que seria obtido apenas através do uso duma estratégia mista, uma vez que o emaranhamento quântico pode levar a resultados bastante não-triviais.

O trabalho feito no artigo Quantum Dating Market consiste em se aplicar o Algoritmo de Grover (que é um algoritmo quântico) para o Stable Marriage Problem (SMP). O poder do Algoritmo de Grover é o de fazer uma busca num bando-de-dados não-ordenado em O\bigl(\sqrt{N}\bigr), ao invés do clássico O(N).

Fazendo uma interpretação livre do significado duma estratégica quântica para o mercado romântico, essencialmente, o que o artigo diz é que uma estratégia quântica é mais eficiente para se resolver o SMP. Pois bem, isso implica em dizer que um determinado jogador deveria escolher sair com várias jogadoras (com uma certa probabilidade pra cada jogadora) ao mesmo tempo, repetindo esse processo várias vezes, até encontrar uma “situação de equilíbrio”, i.e., até encontrar seu “par ideal”. 😎

Claro, um dos possíveis resultados do emaranhamento quântico desse problema seria aquele em que todas as jogadoras decidem, ao mesmo tempo, não sair mais com o jogador. 😈

Referências

ResearchBlogging.org

  • O. G. Zabaleta, & C. M. Arizmendi (2010). Quantum Dating Market Physica A; arXiv: 1003.1153v1
  • E. W. Piotrowski, & J. Sladkowski (2002). An invitation to Quantum Game Theory Int.J.Theor.Phys. 42 (2003) 1089 arXiv: quant-ph/0211191v1

Cálculo Exterior para Elementos Finitos…

sábado, 6 mar 2010; \09\America/New_York\America/New_York\k 09 Deixe um comentário

ResearchBlogging.org

O artigo Finite element exterior calculus: from Hodge theory to numerical stability trata dum tópico que eu gosto muito: análise numérica feita com ferramentas modernas (e.g., Cohomologia de de Rham e Teoria de Hodge).

Meu interesse sobre esse tipo de tópico começou cedo, quando na graduação eu comecei a lidar com problemas numéricos. A noção de que a estabilidade e convergência do método numérico deveria variar com a particular discretização (“mesh”) escolhida sempre ficou atrás da minha orelha. Mas, naquelas épocas, ainda estando na graduação, pouco era possível se fazer. Mas a vontade de aplicar essas idéias em Lattice Gauge Theory sempre me provocou. 😉

Um pouco mais tarde, já na pós (mestrado), eu trombei com alguns artigos interessantes que, novamente, morderam essa mesma pulguinha,

Meu interesse por esses artigos era claro: o esquema de discretização deles tenta preservar as simetrias de Lie do problema original. Isso é particularmente importante se o objetivo é simular problemas que envolvem Quebra de Simetria! 💡 😎

Um pouco de tempo depois… me aparece o seguinte artigo, A Discrete Exterior Calculus and Electromagnetic Theory on a Lattice; que, mais tarde, seria seguido pelos seguintes artigos: Discrete Differential Geometry on Causal Graphs e Differential Geometry in Computational Electromagnetics.

A idéia, então, era novamente clara: aplicar esse mecanismo de Cálculo Exterior Discreto em Teorias de Gauge! 💡 😎

Afinal de contas, quem sabe, não daria pra juntar ambas as idéias: usar Cálculo Exterior Discreto de forma a preservar as simetrias [de Lie] do problema no contínuo ❗ O que será que poderia sair daí?! (De fato, não tenho a menor noção, infelizmente nunca tive tempo de voltar e morder essa questão. Mas, taí um problema prum doutorado… 😉 )

Bom, depois de tudo isso, aparece o artigo que motivou esse post — eu tinha que falar alguma coisa a respeito dele.

Na verdade, esse artigo vai mais longe, extendendo o trabalho feito anteriormente, definindo apropriadamente uma Teoria de Hodge para Elementos Finitos, e avaliando as conseqüências para a consistência (“well-posedness of the Cauchy problem”; algo que varia muito com as particularidades da questão em mãos) e estabilidade numérica do problema. Portanto, as técnicas disponíveis agora são muito mais robustas! (O que só me deixa cada vez mais curioso pra saber a resposta das questões acima… 😉 )

É isso aí: a leitura é excelente, a diversão é garantida… e eu não me responsabilizo por noites de sono perdidas (por causa das questões acima)! 😈

Referências

  • Arnold, D., Falk, R., & Winther, R. (2010). Finite element exterior calculus: from Hodge theory to numerical stability Bulletin of the American Mathematical Society, 47 (2), 281-354 DOI: 10.1090/S0273-0979-10-01278-4

Seminário de Física-Matemática de Königsberg…

sábado, 6 mar 2010; \09\America/New_York\America/New_York\k 09 2 comentários

ResearchBlogging.org

Königsberg é uma cidade na Alemanha famosa por suas sete pontes. Mas, há outra razão também: 150 anos depois dessas pontes inspirarem Euler, nos idos de 1880, a Universidade de Königsberg possuia um seminário de Física-Matemática, que ajudou a formar a carreira científica de David Hilbert e de Hermann Minkowski.

O simples fato de que esse tipo de seminário existia naqueles tempos é um tributo às reformas (Era Prussiana) no sistema educacional alemão: essas reformas começaram com as idéias de Martinho Lutero, que desejava que todas as pessoas devessem ser educadas para poderem ler e interpretar a Bíblia por si sós, independentemente. Foi esse conceito de educação obrigatória que se tornou o ideal educacional alemão da época.

No século 18, o então “Reino da Prússia” foi um dos primeiros países do mundo ( ❗ ) a introduzir educação gratuita e obrigatória. Por volta de 1810, depois das “Guerras Napoleônicas“, a Prússia introduziu o conceito de “certificações estaduais” para professores, o que levantou significativamente o nível da educação naquele país.

O Seminário de Física-Matemática nasceu com Franz Neumann e Carl Jacobi — eles foram patrocinados por Friedrich Wilhelm Bessel, astrônomo e diretor do observatório. Esse foi o primeiro seminário oficial da Prússia a incorporar métodos matemáticos no ensino de Física — um passo com muitas conseqüências: a universidade se tornou o centro duma escola de física-matemática, o que moldou a formação dessa disciplina de modo substancial!

Eis algumas outras conseqüências desse Seminário:

  1. Os atendentes dos seminários, jovens pesquisadores, transferiram as idéias educacionais básicas pra outras universidades, onde elas eram adaptadas e desenvolvidas. Isso é muito análogo ao conceito moderno de pós-doutorado, onde o recém-doutor deixa sua instituição e vai exercer seu primeiro emprego, como pós-doutor, em outra instituição, levando consigo os ensinamentos e idéias adquiridas em sua alma matter;
  2. No contexto científico da Física e da Matemática, o Seminário influenciou fortemente o desenvolvimento de áreas de pesquisa e metodologias; &
  3. Devido a responsabilidade pedagógica e esforço pessoal de Franz Neumann, por mais de 4 décadas, o Seminário tem que ser visto como o começo duma nova disciplina, que pode ser chamada de Física Teórica (ou Física Matemática).

Ainda mais importante que o Seminário, foi o Colóquio semanal, em matemática, estabelecido por Lindemann (em 1884). O Colóquio oferecia um fórum para palestras e diálogos científicos no nível de pesquisa (ao contrário do Seminário, cujo objetivo era mais pedagógico, no sentido de ensinar os tópicos expostos) ❗

Para mais detalhes e maiores diversões… o artigo abaixo é muito gostoso de se ler. 😈

Referências

  • Schwermer, J. (2010). Minkowski in Königsberg 1884: A talk in Lindemann’s colloquium Bulletin of the American Mathematical Society, 47 (2), 355-362 DOI: 10.1090/S0273-0979-10-01291-7

As melhores ferramentas de colaboração online…

quarta-feira, 17 fev 2010; \07\America/New_York\America/New_York\k 07 Deixe um comentário

Eu trombei no Mind Map abaixo, que faz uma lista (com recomendações quando necessário) das melhores ferramentas de colaboração online de 2009, e achei que vcs pudessem gostar e aproveitar também. 😉

Best Online Collaboration Tools 2009; by Robin Good

Best Online Collaboration Tools 2009

(Versão PDF da imagem acima: Best Online Collaboration Tools 2009, by Robin Good (PDF, 220Kb).)

Quem tiver mais dicas, ou achar que faltou alguma coisa no MindMap acima… é só mandar pau nos comentários! 😈

O realejo do dia…

segunda-feira, 15 fev 2010; \07\America/New_York\America/New_York\k 07 Deixe um comentário

Lord Rees, Presidente da Royal Society e o Astrônomo Real da Grã-Bretanha, conversa com Matin Durrani, Editor da Physics World, sobre o porquê do papel vital da Royal Society mesmo depois de 350 anos de sua fundação — e porquê o Presidente Obama estava certo ao cancelar as missões americanas tripuladas à Lua. (Sobre esse último ponto, o Weinberg também se manifestou positivamente em relação à decisão do Obama: Obama Gets Space Funding Right. 😈 )

Winter Workshop on Non-Perturbative QFT…

segunda-feira, 18 jan 2010; \03\America/New_York\America/New_York\k 03 Deixe um comentário

I’m live tweeting the Winter Workshop in Non-Perturbative QFT. The tweets are being tagged with #wwnpqft and can all be found at,

Have fun! 😈

Non-Perturbative QFT…

domingo, 17 jan 2010; \02\America/New_York\America/New_York\k 02 3 comentários

O Instituto Não-Linear de Nice vai realizar um Workshop de Inverno sobre QFT não-perturbativa — e eu fui convidado a dar uma palestra. 😈

O Workshop começa amanhã e eu já estou no gás todo (apesar da horrível viagem de SP pra Paris)! 😉

Quem se interessar, minha palestra pode ser vista no seguinte link,

Se for possível, eu vou tentar fazer ou um live blogging (aqui no AP) ou um live tweeting (no meu twitter): não prometo nada mas, fiquem de olho… quem sabe não dá certo?! 😉

A semana nos arXivs…

quinta-feira, 10 dez 2009; \50\America/New_York\America/New_York\k 50 Deixe um comentário


Transcendental Meditation

Transcendental Meditation

Realejo do dia…

terça-feira, 8 dez 2009; \50\America/New_York\America/New_York\k 50 Deixe um comentário

y = exp(x)

y = exp(x)

Aquecimento global…

terça-feira, 8 dez 2009; \50\America/New_York\America/New_York\k 50 Deixe um comentário

Ultimamente, principalmente depois do “climategate“, muito tem se discutido sobre o aquecimento global. Então, eu achei que um infográfico mostrando os principais argumentos lado-a-lado, poderia ser útil,

THE CLIMATE DENIERS VS THE CONSENSUS

THE CLIMATE DENIERS VS THE CONSENSUS

É claro que ainda existem perguntas extremamente importantes e relevantes acerca do papel das algas, dos plânctons (produção de oxigênio), dos corais, das nuvens (reflexão dos raios solares), e do ciclo do nitrogênio e do ciclo do metano. Mas, não é por isso que aquilo que já se sabe deve ser descartado. 😛

A semana nos arXivs…

quinta-feira, 19 nov 2009; \47\America/New_York\America/New_York\k 47 2 comentários


Academia vs. Business

Academia vs. Business

Buzzwords

Buzzwords

Pompéo: triciclo elétrico brasileiro?

sábado, 14 nov 2009; \46\America/New_York\America/New_York\k 46 33 comentários

Parece que um grupo de engenheiros brasileiros deu início a um interessante projeto de construir e mercantilizar um triciclo elétrico, que mais parece um carro compacto de dois lugares. Eis o Pompéo:

De acordo com a reportagem original do Yahoo, Pompéu só existe por enquanto como desenho, O triciclo é projeto inicial dos engenheiros Renato César Pompeu da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e Carlos Eduardo Momblanch da Motta.Uma pergunta que tenho é: já foi construído um protótipo do motor com sucesso? Um protótipo do triciclo já está em parte construído com sucesso [veja o comentário do engenheiro Carlos E. M. da Motta]. A versão comercial do motor será construída pela empresa brasileira WEG. Segundo seus criadores, Pompéu chegaria até a 90 km/h e consumiria hoje cerca de 4 centavos da sua conta de eletricidade para rodar 1 km. Uma versão de motor a álcool também foi projetada, mas o que mais me interessou foi a versão elétrica. Além de ter potencial para uso empresarial como carro de prestação de serviços que não exigem transporte de carga pesada, o automóvel pode atrair consumidores que usam diariamente um carro para viagem até o trabalho. O triciclo ocuparia pouco espaço no trânsito e poluiria menos (ou nada). Mas eu vejo esse projeto como um embrião para o desenvolvimento de outros automóveis elétricos brasileiros para competir na nova indústria do Chevy Volt e do Tesla Roadster, que você talvez já tenha ouvido falar.

O Volt da Chevrolet está programado para entrar no mercado norte-americano no ano que vem. O carro é equipado com um motor elétrico que utiliza uma bateria para percorrer até aproximadamente 65 km sem recarga. Todavia, o carro é bivalente e o motor do Volt pode usar combustão quando a bateria acaba. Um parênteses: O projeto do Volt é um exemplo de como as empresas são desprovidas de ideologia que não seja ganhar muito dinheiro, pois o presidente atual da GM Chevrolet é um desses sujeitos que não acredita em aquecimento global e que acha que a poluição causada por humanos é irrelevante ao planeta, não obstante, ele pessoalmente através de entrevistas fez a promoção do Volt na mídia estadunidense.

Volt, apresentado pela GM, começa a ser vendido em 2010 nos EUA.

O Tesla Roadster já é vendido nos EUA a partir de $100 mil dólares, em um país onde o Honda Civic custa US$15 mil. Não sei qual o preço estimado do GM Volt, mas espero que não seja muito mais caro que um carro compacto da GM, que não sai por mais de US$ 15 mil. O Pompéu está previsto para vender no Brasil só a partir de 2012, por talvez cerca de R$30 mil — que hoje talvez seja um preço um pouco salgado para um triciclo simples. Você pode receber atualizações do projeto inscrevendo-se na lista de emails do site oficial.



Tesla Roadster

Para saber mais: leia o comentário do engenheiro Carlos Eduardo Momblanch da Motta, a quem agradeço muito as informações, e o site oficial do projeto:

http://www.triciclopompeo.com.br/

e também uma notícia no Yahoo.

Contribuindo para o FQXi…

quinta-feira, 12 nov 2009; \46\America/New_York\America/New_York\k 46 Deixe um comentário

O FQXi, Foundational Questions Institute, tem como objetivo disseminar a pesquisa em áreas fundacionais da Física e da Cosmologia.

Em Agosto/09, eu fui convidado a integrar os blogueiros do FQXi 😈 . E minha primeira participação acabou de ser posta online (sim, a coisa demorou pra acontecer porque existe todo um processo de editoração e revisão por pares 😎 ):

Na verdade, o artigo que eu escrevi ficou “grande demais”… então, ele foi dividido em 3 partes, e esse link é pra primeira parte, que foi ao ar ontem. As outras partes vão se seguir… mas eu ainda não sei quando serão postas online. De qualquer forma, fiquem ligados, eu ponho os links aqui conforme eles forem aparecendo. 😉

Espero que vcs gostem… e, apesar de estar em Inglês, o Google Translate é seu amigo. :mrgreen:

Diversão garantida… ou sua Física de volta! 😈

Continuação analítica da função de partição…

sexta-feira, 6 nov 2009; \45\America/New_York\America/New_York\k 45 Deixe um comentário

Continuando no espírito dos posts Teorias Topológicas de Campo e suas Continuações Analíticas e Grothendieck, Sistemas Dinâmicos, Dualidade de Langlands e Higgs Bundles, mais um ingrediente pra temperar essa mistura, dessa vez vindo de Materia Condensada,

Essencialmente, nos dois primeiros artigos, Lee e Yang demonstram o chamado Teorema de Lee-Yang — essencialmente, o teorema mostra que, sob “certas condições” (é muito importante que essas condições sejam satisfeitas), os zeros da função de partição são imaginários; esses são os chamados zeros de Lee-Yang.

Por outro lado, os chamados zeros de Fisher têm origem numa construção muito semelhante a anterior, a diferença relevante entre ambas as construções sendo que, no caso de Fisher, a temperatura é continuada analiticamente [para os Complexos].

Nesse sentido, a construção de Fisher pode ser considerada a continuação analítica dos resultados de Lee-Yang.

A pergunta que se põem sozinha é: “Será que é possível fazer o mesmo em QFT e em Teorias de Gauge?” 💡

A resposta está longe de ser trivial ou conhecida, vide os dois primeiros posts linkados acima. Mas, agora, com um caso mais concreto pra se comparar… quem sabe não é possível se aprender alguma coisa…?! 😉

A semana nos arXivs…

terça-feira, 3 nov 2009; \45\America/New_York\America/New_York\k 45 Deixe um comentário


'Mike's motto'

'Mike's motto'

Grothendieck, Sistemas Dinâmicos, Dualidade de Langlands e Higgs Bundles…

sábado, 31 out 2009; \44\America/New_York\America/New_York\k 44 Deixe um comentário

Por falta de coisa melhor pra fazer num sábado de Halloween, à noite, …, eu estou aqui, lendo o artigo

e pensando na conexão dele com Local Dynamical Systems e Dinâmica Topológica (juntamente com Topological entropy), principalmente no contexto de Higgs bundles and local systems ou The Self-Duality Equations on a Riemann Surface — isso pra não falar em A mad day’s work: from Grothendieck to Connes and Kontsevich The evolution of concepts of space and symmetry, ou, melhor ainda, na continuação analítica de TFTs.

Taí o que me tira o sono… 👿

(Atualizado (2009-Nov-01 @ 11:30h): Pra “apimentar” ainda mais essa mistura toda, pensar em termos de Discrete gauge theory: from lattices to TQFT também corrói…, afinal de contas, o T. Tao, acima, descreve tudo de modo simplicial, combinatório — e o que é Lattice QFT senão uma versão discretizada, simplicial, de QFTs contínuas? 😛 E já existem técnicas robustas pra se discretizar via ‘lattices’ que não são apenas o ingênuo ‘lattice’ cúbico — muito dessa tecnologia foi desenvolvida pra simulações numéricas de GR; aliás, mais ainda, hoje em dia, já é possível até se construir ‘lattices’ supersimétricos. Resumindo: no final das contas, é possível até se pensar em simulações numéricas dessas construções! 😯 )

Mas, agora é hora de fazer uma boquinha… 😎

P.S.: Claro, o relógio abaixo também me tira o sono… 😈

Suunto Elementum Terra with the negative display and the stainless steel bracelet

Suunto Elementum Terra with the negative display and the stainless steel bracelet

Realejo do dia…

terça-feira, 20 out 2009; \43\America/New_York\America/New_York\k 43 2 comentários

Pra quem não sabe, a Fundação Nobel acaba de lançar uma proposta excelente no YouTube: Pergunte a um Nobelista.

O primeiro vídeo já está disponível,

😈

Sensacional, não?

O que vcs acham de um “Pergunte ao AP?” 😉

Votem e deixem comentários e sugestões abaixo. 😎

%d blogueiros gostam disto: