Archive

Posts Tagged ‘colaboração’

Colaboração e Ciência: tudo a ver…

segunda-feira, 19 out 2009; \43\UTC\UTC\k 43 1 comentário

Semana passada saíram algumas notícias que são, IMHO, extraordinárias no sentido de mostrar o quão valiosa é a cooperação e a colaboração num ambiente criativo.

A Nature fez duas reportagens, uma sobre o Google Wave e outra sobre o Polymath Project,

Por outro lado, um pessoal do Secret Blogging Seminar lançou um site muito interessante, chamado MathOverflow,

Semana passada, eu entrei em contato com o Anton Geraschenko perguntando mais detalhes sobre o projeto do MathOverflow e tudo mais. E o primeiro link acima é, essencialmente, uma resposta às minhas perguntas.

No final das contas, eles estão sendo patrocinados por um professor em Stanford que está arcando com os custos duma solução ‘hosted’ de StackExchange — que é o software por detrás do StackOverflow, ServerFault, SuperUser, DocType, e HowTo Geek.

Então, eu acho que seria uma idéia genial a de se mandar uma proposta de divulgação científica pro CNPq. Quem sabe não sai, assim, um PhysicsOverflow?! 💡 😈

Esse é você + Ciência

Esse é você + Ciência

Ars Physica começando a entrar na Wikipédia em português

segunda-feira, 9 fev 2009; \07\UTC\UTC\k 07 2 comentários

“Imagine um mundo onde qualquer ser humano posssa ter livre acesso a soma de todo conhecimento produzido.”

Será um post curtinho, pois acho que isso deve ser melhor discutido nas próprias páginas da Wikipédia. Primeiramente, gostaria de divulgar a página de um projeto cujo objetivo é organizar a edição de artigos de física da Wikipédia em português. Você pode verificar a lista de outros projetos parecidos aqui, Projetos em curso da Wikipédia, alguns deles relacionados a outras áreas da Ciência.

Recentemente criei um tópico na lista do Brasil Ciência pedindo uma comparação entre algumas outras enciclopédias que surgiram depois da Wikipédia, também de caráter coaborativo, mas com uma filosofia muito diferente, vejam Wikipedia vs. Citizendum vs. Scholarpedia vs. alguma outra. Os comentários do Rafael e Daniel foram interessantes. Há também um tópico nessa lista de discussões que o Daniel criou para organizarmos nossas contribuições na Wikipédia, vejam »» Wikipédia ««.O Rafael disse ter começado com o artigo sobre Supersimetria.

Alguns aqui do Ars Physica já contribuíatam para a Wikipédia em português: o Caio no artigo sobre paradoxo dos gêmeos, o Rafael Calsaverini falando sobre cópula – não se espantem, é outra cópula! -, o Rafael Lopes em mais de um artigo, o Adriano melhorou um artigo sobre consevação de energia que editei – alguém mais? Mas o que eu gostaria é de sistematizarmos melhor nossa contribuição e estabelecermos prioridades sobre quais artigos vamos ajudar a melhor primeiro. Na página do projeto, há uma interessante tabela que acho que podemos começar a editar, vejam Matriz qualidade/importância.

Podemos ir discutindo na página de discussão do projeto ou, quem não está tão familiarizado com o esse formato wiki (sugiro familiarizar-se), no campo de comentários aqui desse post de blog ou no tópico da lista de emails sobre a Wikipédia.

Por fim, gostaria de destacar que um capítulo da Fundação Wikimedia está chegando no Brasil, vejam Wikimedia Brasil. Tentando me envolver e ajudar com o projeto, estou começando a entender um pouco mais a organização da Wikipédia e seus projeto (mesmo assim, ainda sou um bebê!). Por isso acabei descobrindo esse projeto de física, por ter ajudado com uma lista de artigos relacionados a Cultura Livre (que quero ajudar a melhorar!). Também vale a pena ler a carta de princípios que está sendo elaborada pelo pessoal ativo para criar um capítulo da Wikimedia no Brasil, vejam Carta de Princípios.

Sugiro aos meus amigos do Ars Physica, que toparem ajudar, a colocar seus logins da Wikipédia em português na lista de participantes da página do projeto. Agora é colocar as mãos na massa!

Forca Tarefa para Tool Kit sobre Recursos Educacionais Abertos

quinta-feira, 29 jan 2009; \05\UTC\UTC\k 05 Deixe um comentário

Já divulguei aqui o workshop sobre Recursos Educacionais Abertos, ocorrido na USP no final do ano passado. Estou repassando aqui para o Ars Physica esse email da Carolina Rossini sobre Recursos Educacionais Abertos (REA) no Brasil.

A Carolina organizou o primeiro workshop sobre REA na USP
<http://wiki.stoa.usp.br/OER-Workshop>, junto com o professor Ewout ter Haar, do IFUSP. Ela também estuda questões sobre propriedade intelectual e tem bastante contato com o pessoal da Creative Commons.

Quem quiser entrar na lista de emails de lá, visite

http://groups.google.com/group/rea-lista

ou mande um email direto para rea-lista-subscribe@googlegroups.com.

Também os convido a assinar a  Declaração de Cidade do Cabo para a Educação Aberta:

http://www.capetowndeclaration.org/translations/portuguese-translation

e visitar a página (em inglês) sobre Open Educational Resources:

http://oerwiki.iiep-unesco.org/

Abraços!

Tom

———- Forwarded message ———-
From: Carolina Rossini
Date: 2009/1/26
Subject: Forca Tarefa para Tool Kit sobre Recursos Educacionais Abertos
Estimados colegas,

Vocês encontram-se copiados neste e-mail por terem, de uma forma ou de outra, expressado interesse sobre a discussão relativa a recursos educacionais abertos no Brasil.

Estas discussões iniciaram-se em dezembro de 2008 por meio de uma série de reuniões e workshop com o Open Society Institute – um dos lideres do movimento internacionalmente e co-autor da Declaração sobre Educação Aberta de Cape Town. (ver aqui:
http://www.capetowndeclaration.org/translations/portuguese-translation)
Um dos workshops realizados foi na USP e seus resultados podem ser vistos aqui, inclusive apresentações:

http://wiki.stoa.usp.br/OER-Workshop

Uma força tarefa internacional esta sendo organizada ao redor das discussões para o desenvolvimento de um Tool-Kit sobre recursos educacionais abertos a ser elaborado colaborativamente para posterior distribuição em escolas e universidades Brasileiras e pelo mundo.

O trabalho aproveitará trabalhos já realizados, mas tem como intenção melhorá-los e adaptá-los as necessidades Brasileiras. Além de tornar a linguagem mais acessível e apelativa a professores, educadores, e alunos.

Alguns trabalhos internacionais de referência de base são OER Handbook (produzido pelo COSL) – http://www.wikieducator.org/OER_Handbook –  e o rascunho produzido pela comunidade OER coordenada pela UNESCO – http://oerwiki.iiep-unesco.org/index.php?title=UNESCO_OER_Toolkit.

O objetivo deste Tool-Kit é aproximar a população brasileira,
principalmente políticos, professores, educadores, acadêmicos e
estudantes das discussões relativas a recursos educacionais abertos e seus benefícios, como acesso ao conhecimento e a uma ampla gama de materiais e metodologias de ensino que podem ser compartilhadas e desenvolvidas de forma colaborativa. O Tool-Kit trabalhará com conceitos básicos, estratégias de desenvolvimento de Recursos Educacionais Abertos, questões sobre propriedade intelectual a serem enfrentadas, além de trazer exemplos de REA que podem ser utilizados, no intento de divulgar o que já existe no Brazil e exterior.

Desta forma, venho, por meio deste email, perguntar-lhes se querem fazer parte desta força tarefa contribuindo com sugestões, duvidas e conteúdo. Por favor, responder em e-mail individual para Carolina Rossini.  Peço também, que enviem este email a colegas, alunos e instituições possivelmente interessadas em participar desta discussão.

Uma lista de debate será organizada e acesso a plataforma wiki para trabalho no Tool-Kit será autorizado.

Abraço e obrigada,

Carolina Rossini
Coordenadora
Projeto Recursos Educacionais Abertos Brasil: Perspectivas e Desafios
Apoio: Open Society Institute e Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas e
Fellow – Cooperation Project
Berkman Center for Internet and Society
Harvard University

e

Mônica Steffen Guise Rosina
Coordenadora Regional
Pesquisadora – Escola de Direito de São Paulo
Fundação Getulio Vargas
e
Pesquisadora – A2K Project
Yale University

Edição colaborativa em TeX…

domingo, 12 out 2008; \41\UTC\UTC\k 41 8 comentários

Muita gente, mais cedo ou mais tarde, acaba trombando nesse problema: como editar colaborativamente um artigo científico, em geral editado em \TeX e \LaTeX?

Imagine a seguinte situação: vc numa sala, no seu depto preferido, e seu colaborador na sala ao lado! Como é que vcs podem se coordenar para escrever um artigo juntos? Agora, imaginem uma situação mais idealizada, só pra facilitar o argumento a seguir: vc e seu colaborador estão a meio planeta de distância. 😈

No meio científico, essa situação é razoavelmente comum: vários autores colaborando num mesmo artigo, um em cada canto desse nosso mundo redondo.

Praqueles que não têm uma necessidade tipográfica muito grande, algo como Google Docs dá conta do recado: vc simplesmente transfere sua ferramenta editorial para “the cloud“. 😉

Agora, pra quem tem necessidades tipográficas mais agudas — e.g., TeX, LaTeX, DocBook ou HTML —, a colaboração é certamente mais complicada e delicada.

As primeiras alternativas que surgiram foram as seguintes:

Quem usa Emacs pode utilizar AUCTeX e psvn.el para integrar tudo de modo suficientemente transparente.

Uma alternativa um pouco mais moderna, que integra e faz o papel de agregar as funcionalidades de “editor de textos” e “controle de versões”, é a seguinte:

  • Gobby (roda em qualquer plataforma: Microsoft Windows, Mac OS X, GNU/Linux e *NIX afins);
  • SubEthaEdit (só para Mac OS X).

Essencialmente, ambos são equivalentes: O Gobby é uma implementação “software livre” do SubEthaEdit. Para usuários menos experientes em lidar com o controle de versões, delegar essa tarefa diretamente para o editor pode ser uma saída viável. Para maiores informações sobre esse tipo de editores, é só dar uma olhada em Collaborative real-time editor. Infelizmente, eu não sei quantos desses têm suporte para TeX ou LaTeX.

Isso tudo posto… aautgora é hora de falar no Git: o Git é um dos softwares para controle de versão mais rápidos disponível atualmente. Aliás, mais do que isso, o paradigma descentralizado e distribuído do git o torna um candidato natural para um sistema de arquivos com as mesmas propriedades: o jeito mais fácil de entender o conceito do git é imaginar que vc pode, e.g., ter uma pasta no seu computador ‘replicada’ em outros computadores (que vc explicitamente permitiu acessar a pasta original): ou seja, todos os seus colaboradores vão ter acesso à mesma pasta, de tal forma que quando qualquer arquivo (formatos ASCII ou binários, i.e., TeX, LaTeX, DOC(X), PDF, JPEG, TXT, HTML, RTF, etc) dentro dessa pasta for atualizado, todos os colaboradores recebem essa mesma atualização!

Fora isso, o git tem algumas outras propriedades bem interessantes para quem está desenvolvendo uma colaboração científica, que tende a ser um processo altamente emaranhado e não-linear: suporte para desenvolvimento não-linear (resolução de conflitos de edição), desenvolvimento distribuído, é possível usar subversion através de comandos de compatibilidade, velocidade e escalabilidade (eficiência para grandes projetos), autenticação criptografada, entre outras.

Ou seja, através do uso do git o controle de versões é extremamente mais poderoso e flexível, isso pra não falar na resolução de conflitos, i.e., quando dois ou mais dos seus colaboradores estiver trabalhando no artigo (ou gráfico, imagem, etc — qualquer tipo de arquivo), ao mesmo tempo, qual modificação tem maior prioridade? O git é excelente nesse departamento… além de permitir que vc compartilhe toda uma pasta com seus colaboradores, uma vez que qualquer tipo de arquivo é monitorado e atualizado automaticamente.

É, a meu ver, a saída mais sofisticada e robusta para o problema de colaboração e acesso de várias pessoas a um mesmo conjunto de arquivos (e tudo pode funcionar de modo encriptado, o que torna todo o processo ainda mais confortável). Porém, infelizmente, ainda não há nenhum suporte para git no Emacs nem em nenhum outro editor que eu conheço. Mas, dado que o AUCTeX é uma ferramenta tão poderosa, vale a pena se ajustar ao meio termo: “Emacs + AUCTeX” e Git no console. Pode ser meio confuso no começo, mas uma vez que se acostuma com esse arranjo… é puro zen! 😎

O que me traz à terceira opção: Dropbox (leiam mais no link Tour).

Essencialmente, o Dropbox é uma versão mais “user-friendly”, amigável, de softwares de controle de versões: o processo de instalação cria uma pasta no seu computador que fica arquivada no cloud deles… e, dessa forma, toda vez que qualquer arquivo denro dessa pasta for modificado, as diferenças são propagadas para o cloud, onde ficam arquivadas também. E é agora que vem o pulo-do-gato: uma das sub-pastas (dentro da pasta-mãe, compartilhada via o serviço do Dropbox) é chamada Public, de modo que qualquer arquivo dentro dessa pasta pode ser acessado por quem tiver o respectivo acesso permitido.

Até aqui, tudo soa exatamente como no git, acima… a diferença crucial é que o Dropbox não usa o git como ‘backend’, i.e., o Dropbox tem seu próprio método de atualização dos arquivos — que, até agora, não é muito bem conhecido publicamente.

Portanto, nesse sentido, o Dropbox é uma espécie de git light, i.e., é uma versão mais levinha e com menos recursos do que o git — não tão robusto, mas que satisfaz as necessidades da grande maioria dos usuários.

A grande vantagem é que não é preciso que “alguém” instale um servidor rodando git, o que torna tudo muito mais acessível a qualquer nível de usuários. 😉

Então, no final das contas, essa não é uma saída tão ruim assim… perde-se uns recursos dum lado, mas ganha-se em manutenção do outro — em geral, é um bom meio termo. E, de quebra, ainda é possível se usar TrueCrypt para se encriptar o conteúdo de toda a pasta, tornando tudo muito mais seguro (mesmo que o conteúdo da pasta esteja na ‘cloud’, ele estará encriptado 😉 ).


Pessoalmente, meu sonho de consumo seria um servidor rodando uma combinação dos seguintes:

juntamente com todo o indexamento feito pelo SPIRES! E, a essa mistura, adicionaria-se um servidor git, para que todos os usuários pudessem colaborar livremente e, de modo completamente transparente, publicar o artigo assim que acabado!

Dessa forma, numa mesma e única plataforma estariam centralizadas as melhores e mais robustas funcionalidades disponíveis no momento — seria o paraíso! 🙂

Bom… é isso aí: a diversão é mais-do-que-garantida, []’s! 😈

%d blogueiros gostam disto: