Arquivo

Posts Tagged ‘política científica’

A semana nos arXivs…

quarta-feira, 29 abr 2009; \18\UTC\UTC\k 18 1 comentário


Anúncios

A semana nos arXivs…

sexta-feira, 10 abr 2009; \15\UTC\UTC\k 15 Deixe um comentário

Revisão por pares…

terça-feira, 31 mar 2009; \14\UTC\UTC\k 14 2 comentários

Já faz tempo que a qualidade do processo de revisão por pares, peer review, me deixa com a pulga atrás da orelha… mas, eu sempre acabo deixando essa questão de lado, achando que, de uma forma ou de outra, a “média” é melhor do que aquilo que eu venho vendo.

Pois bem, hoje saiu um artigo na “Inside of Higher Education” que mostra como esse problema, pelo visto, é muito maior do que eu imaginava,

O ponto é o seguinte: eu não me importo em ter artigos ou projetos rejeitados — de fato, dentro do ambiente acadêmico, ou vc aprende a lidar com rejeição e frustração, ou vc não vive muito. E isso não é necessariamente algo ruim, é apenas parte do “processo científico”, no sentido de que é assim que as “arestas” das proto-idéias são aparadas e trabalhadas, e o “mármore da criatividade é esculpido”, dando origem à Ciência, propriamente dita.

Não, certamente esse não é o problema… a questão é mais sutil, e é sobre o método pelo qual essa avaliação é feita, i.e., é uma crítica ao “como” o processo acontece. Eu explico: Se o avaliador nota erros científicos numa determinada proposta, eu acho absolutamente normal que ele faça o ‘fisking‘ necessário, i.e., que ele prossiga a dissecar o texto, ponto por ponto, comentando os méritos de cada um. Por outro lado, o que eu — pessoalmente — tenho visto (e, pelo visto, tem acontecido em outras áreas do saber também — como argumentado no texto acima) é que as revisões são feitas com um certo descaso… de fato, eu chamaria de “desrespeito” mesmo.

Veja, quando eu escrevo um artigo ou uma proposta, eu, particularmente, o faço com todo o carinho e respeito que tenho pela minha profissão. Dessa forma, eu espero que a revisão venha imbuida do mesmo respeito, do mesmo profissionalismo. Porém, ao contrário dessa expectativa, o que se recebe em troca é uma avaliação que, mais freqüentemente do que deveria, vem sem referência e sem argumentos científicos, mas recheada de generalismos como “esse trabalho será feito de modo isolado da comunidade, uma vez que não é ‘mainstream'”, “essa proposta é extremamente inovadora e rompe com paradigmas de décadas, portanto deve esperar por mais apoio da comunidade”, “não entendi boa parte desse artigo pois a matemática dele está além da minha compreensão, portanto não o recomendo para publicação porque não deve interessar a comunidade de um modo mais geral”, e assim por diante.

Esse tipo de revisão, pessoalmente, eu considero um desrespeito, de uma falta de profissionalismo sem tamanho! Eu mesmo, quando já revisei propostas completa e absolutamente ‘crackpot‘, tive o respeito de fazê-lo exatamente da forma como descrevi acima, ‘fisking’ todos os argumentos, citando fontes e mais fontes, e mostrando claramente os erros envolvidos: se uma pessoa, por mais ‘crackpot’ que seja, se dá ao trabalho da mandar um artigo ou uma proposta de dezenas de páginas (às vezes, até centenas!), o mínimo que se pode fazer é ter o profissionalismo de se refutar os pseudo-argumentos com razões científicas sólidas e robustas, devidamente estabelecidas. Claro que não é agradável ter que revisar propostas completamente crackpots… mas, vc pode muito bem escolher não fazê-lo! Porém, uma vez que se assume a responsabilidade, eu espero sim que o trabalho seja profissional e de qualidade. E não é isso que tenho visto ultimamente… 😦

Aliás, tenho visto uma situação bastante deplorável: gente que não conhece a representação integral das funções de Airy (o que não é problema nenhum, posto que uma simples busca na Wikipedia resolve esse problema de modo bastante completo — imagine, então, quando é necessário se extender essa representação para representações “matrix-valued” ou “Lie algebra-valued”), gente que admite não conseguir acompanhar o nível matemático dum artigo (e usa a incompetência pessoal como argumento para justificar a não publicação do mesmo, ao invés de recomendar que outra pessoa avalie o artigo), gente que percebe a criatividade e inovatividade do trabalho mas usa essas qualidades como argumentos derrogatórios contra o fomento do mesmo (dizendo que o trabalho é isolado da comunidade), e assim por diante… 😥

O que fazer nessas situações?! Não há absolutamente nada a ser feito… a qualidade dos “revisores” está cada vez pior, e a única coisa que pode ser feita é agradecer a existência dos arXivs, senão, apenas o “arroz-e-feijão” estaria sendo publicado atualmente.

Assim caminha a humanidade…

A Próxima Campanha…

domingo, 15 mar 2009; \11\UTC\UTC\k 11 Deixe um comentário

Enquanto eu estou aqui, entre esperar minha roupa secar e me preparar pra levar o lixo pra fora, decidi dar uma lidinha (um pouco atrasada, é verdade) na última edição da Science que eu tenho aqui, em particular, no editorial,

Deixem-me traduzir esse editorial.

A eleição presidencial dos USA acabou, o presidente já tomou posse. Agora vem o desafio de governar. O Presidente Obama, seu time de liderança, e o 111º Congresso enfrentam problemas atordoantes. Entre os [problemas] mais teimosos dos USA estão aqueles relacionados a prover uma educação de primeiro nível a todas as crianças, atualizando os conhecimentos e habilidades dos pais [dessas crianças], e preparando todos para enfrentar as ameaças e oportunidades do século 21. A comunidade científica precisa tirar vantagem da crescente insatisfação pública com o sistema educacional atual e perguntar como o ensino e aprendizado de ciência pode ser transformado. Resumindo, os cientistas precisam montar a próxima campanha.

Em primeiro lugar, os cientistas precisam ajudar o público adulto a desenvolver um entendimento claro do que é ciência e o que deveria ser educação científica: um modo de descobrir o mundo baseado em evidências e análises lógicas. Um consenso está se formando nas comunidades científica, filantrópica e poĺitica sobre quais devem ser nossos objetivos. Pesquisas feita pela organização sem fins lucrativos “Public Agenda” indicam que os adultos se dão conta de que alguma coisa está faltando na instrução científica, apesar que não necessariamente para seus filhos. Essa tensão pode providenciar o espaço necessário para se introduzir um núcleo comum  de padrões para educação científica através dos USA; investir, enquanto nação, em procedimentos que mensuram o entendimento e habilidade científica que cada criança precisa para ter sucesso na economia global de hoje; e construir esforços vigorosos para recrutar, treinar, e reter os professores de ciências mais efetivos.

Se é para os USA atacar seus vários desafios — incluindo o desenvolvimento duma “economia verde” e fontes alternativas de energia que diminuem o impacto climático e atacam o aquecimento global como, talvez, a maior ameaça que enfrentamos como um planeta — a educação científica tem que ir para o palco e ter o foco principal. O Presidente Obama já reconheceu os desafios de recrutar e recompensar professores de ciência e matemática e de fazer da ciência, como nos anos pós-Sputnik, uma parte mais integral e inspiracional da nossa cultura. Agora nós precisamos tornar esse tipo de visão nacional de longo prazo em realidade orgânica.

Apesar da necessidade de se criar uma base de talentos para carreiras e cidadãos com base científica para o século 21 ser nacional (na verdade, global), a maioria das atividades pra se conseguir tal objetivo é local. Comunicação é necessária para se explicar as contribuições passadas da ciência para o crescimento econômico e o papel tradicional da ciência como um motor de mudança. Os trabalhadores para essa campanha devem ser recrutados, treinados, e postos para trabalhar, desde cientistas acadêmicos, indústrias e negócios, grupos da sociedade cívica, e sindicatos. Fontes devem ser extraídas a partir de filantropistas locais, entendendo a necessidade de se construir a consciência pública e apoio para uma agenda de mudanças. Apoio deve ser alistado da mídia, mas também de grupos comunitários, associações de pais e professores, e aposentados de todas as vertentes políticas. A comunidade científica tem muito a oferecer. Imaginem expandir por ordens de magnitude o número de cientistas e engenheiros aposentados trabalhando com professores e alunos em escolas ou em museus e centros de ciência como docentes; cientistas servindo em comissões educacionais estaduais e conselhos sendo reunidos por vários governadores; e em comunidades locais, cientistas advogando pela educação científica para prefeitos, comissões escolares, e superintendentes e apoiando a implementação com diretores, professores e alunos.

Nessa campanha, os cientistas vão precisar medir “ativos” (“espólios”) nacionais e locais, notando o que já deu resultado em outros lugares, como nos países Nórdicos onde a alfabetização científica é alta. Diferentemente de alguns países, os USA não têm um ministério da educação. Ao invés disso, uma estratégia para transformar a educação científica precisa unir os interesses e ações de 50 estados, 15.000 distritos locais, 3.500 faculdades e universidades, e incontáveis organizações científicas informais que constituem o sistema educacional dos USA. Incentivos federais devem fomentar a colaboração em agregar e compartilhar evidência de experimentos informados por pesquisas, guiados por um núcleo sólido de padrões nacionais para a educação científica. Os estados poderiam começar com lições de décadas de idade aprendidas pela Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS) e plas Academias Nacionais, e por estados como Massachusetts ou países como Singapura, ambos os quais tiveram performances boas nos testes internacionais.

Apesar de cientistas geralmente ficarem mais confortáveis com a apresentação de fatos do que com a divulgação pública [dos mesmos], a próxima campanha pede que eles façam ambos.

Esse é um “Plano de Nação”, baseado em sólidos e robustos princípios científicos, visando melhorar todo o país: uma idéia simples (usar princípios científicos par melhorar o país, elevando seus padrões científicos e educacionais, trazendo consigo uma multiplicação econômica) com uma implementaçnao estrategicamente planejada.

Pra finalizar, só pra dar uma relaxada, eu preparo vcs pro que está por vir amanhá… Duas Culturas. 😎

Diversão garantida… 😈

Novas estruturas sociais e o cientista hacker…

quinta-feira, 19 fev 2009; \08\UTC\UTC\k 08 Deixe um comentário

Com a crescente fusão entre ciência e tecnologia (principalmente TI), surgem novas formas de produção e distribuição do conhecimento.

Origens da divulgação científica

Em ciências (exatas, humanas ou biológicas), desde os primórdios até hoje, a forma preferida de divulgação do conhecimento é oral, por meio de palestras, congressos e conversas formais ou informais. Isso acontece porque explicar a lógica por detrás de uma idéia, de um raciocínio ou de uma metodologia, costuma requerer mais do que a comunicação escrita pode oferecer. Ao vivo, é possível interagir com o interlocutor. Perguntas e respostas são fundamentais para o entendimento.

Com o desenvolvimento histórico, porém, os modos de organização sociais mudaram, outros continentes foram descobertos, a humanidade se expandiu. A história das ciências também mudou: a cada nova escolha feita pelas sociedades, era necessária uma nova adaptação do método científico e de sua divulgação. Na Babilônia e no Egito, há registros de números Pitagóricos, incluindo o famoso teorema de Pitágoras, que datam de 1900-1600 AC, alguns ainda em escrita cuneiforme. Compare isso com as nossas mais modernas formas de escrita: TeX, XHTML, MathML.

Enquanto o mundo era pequeno (Europa/Eurásia) e com o aparecimento de “centros de excelência” para as diversas áreas do saber, a divulgação do conhecimento humano acontecia sem grandes problemas. Porém, com a entrada do “Novo Mundo”, as distâncias começaram a mudar o modo de divulgação científica, passando de oral para escrita. Só assim era possível comunicar as descobertas para os diversos cantos do mundo. Publicava-se uma enciclopédia, uma revista, e essa era levada de barco para o resto do globo. Foi basicamente por essa razão – transposição das distâncias –, num contexto de desenvolvimento da tecnologia da impressão por Gutenberg, que as revistas científicas tomaram a forma que, em alguns casos, adotam até hoje. Contudo, a revolução tecnológica desse último século, incluindo a revolução digital, começou a chacoalhar as fundações desse modelo.

Internet: agilidade na popularização do conhecimento

Flexibilidade e dinamismo na divulgação do conhecimento são peças fundamentais em ciências. Dentre outras razões, estão o simples fato de se atrair um maior interesse no trabalho dos pesquisadores (jovens cientistas, alunos) e o fato de que o resultado da pesquisa de um determinado grupo poder catapultar a pesquisa de outros grupos. Quanto mais pessoas tiverem acesso aos resultados de determinada pesquisa e quanto mais rápido esses resultados forem divulgados, maior será a chance de avançar aquela área do saber. Em alguns casos, essa dinâmica é necessária para manter vivo um campo do conhecimento.

A invenção da Internet e a popularização das tecnologias de computadores, modems, bandas-largas e redes foram um passo fundamental na direção de se agilizar a produção e divulgação do conhecimento. Hoje em dia, é rotina um pesquisador de um lado do globo comunicar seus resultados para seus colaboradores em outros cantos do planeta. Quando se adiciona a isso o fato de que o conhecimento da humanidade pode seguir um novo paradigma de “velocidade, flexibilidade e dinâmica”, esse avanço tecnológico passa a ser incomensurável.

Esse novo ”modus operandi” é fundamental para que se possa maximizar os caminhos da ciência: tanto na direção do cientista para o leitor quanto na do leitor para o cientista. Mas, para que isso se realize, é imprescindível que a divulgação seja o mais democrática possível, habilitanto qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo a ter acesso a informação. Nossa sociedade industrial transformou-se em uma sociedade que valoriza a informação. Essa é uma das razões que justifica a existência de modelos de distribuição como o usado pelo arXiv (distribuição gratuita) em lugar de modelos canônicos (revistas especializadas e seus custos).

Ciência da Computação e a revolução digital

Ciência e tecnologia são conceitos diferentes. De acordo com suas definições de dicionário:

  • ciência: conhecimento; conhecimento de princípios e causas; confirmação da verdade dos fatos;
  • tecnologia: aplicação prática da ciência para o comércio e/ou indústria [sinônimos: engenharia, ciência aplicada].

Dada essa distinção, surge a questão de como ciência e tecnologia se relacionam. Em outras palavras, “qual é a ”distância” entre um fato científico e seu correspondente tecnológico?” Para quem está familiarizado com essa questão, é fácil ver que isso é complicado. É preciso entrar nos pormenores de cada área do saber e avaliar o quão próximo do dia-a-dia cada uma delas está. “O que é que se pode fazer de prático com Gravitação Quântica?” Contraste isso com: “O que é que se pode fazer de prático com uma vacina contra a AIDS?” ou ainda “O que é que se pode fazer de prático com a nanotecnologia?” A Gravitação Quântica está bem longe de trazer resultados práticos para o nosso dia-a-dia. Em compensação, pesquisas em HIV e em nanotecnologia estão presentes e afetam a nossa vida diariamente.

Entretanto, é preciso ter cuidado com esse tipo de afirmação: avanços tecnológicos aparecem onde menos se espera. As dificuldades técnicas em se construir equipamentos para pesquisa pura, como aceleradores de partículas (por exemplo, CERN e SLAC) levaram a avanços enormes para os componentes de computadores. O volume de dados que trafega pelas redes de computadores desses experimentos chega a atingir 1 Terabyte (1024 Gigabytes) por segundo, e uma colisão típica nesses aceleradores leva alguns segundos. Um experimento para se medir alguma propriedade de uma teoria de Gravitação Quântica pode levar a avanços dessa natureza.

Para ilustrar esse argumento, vale a pena lembrar duas frases do físico inglês Michael Faraday. Enquanto Faraday explicava uma nova descoberta para o Ministro das Finanças e para o Primeiro Ministro britânicos, perguntaram-lhe ”‘Mas afinal, que uso tem isso?’”, no que Faraday respondeu, ”‘Excelência, é provável que em breve o senhor esteja cobrando impostos sobre isso’”. Em uma outra conversa, o Primeiro Ministro britânico lhe perguntou a respeito de uma nova descoberta ”‘Que valor tem isso?’”; Faraday respondeu, ”‘Que valor tem um recém-nascido?’” e prosseguiu explicando que sem os cuidados de uma boa infância, um recém-nascido não cresce e não se torna um adulto criativo e trabalhador.

Na área de Ciência da Computação, a distância entre ciência e tecnologia fica ainda mais difícil de medir. Por exemplo, Teoria dos Grafos é uma das áreas de pesquisa da matemática pura. Porém, em Ciência da Computação, o conhecimento de Teoria dos Grafos é fundamental para a construção de compiladores (programas que traduzem código escrito em uma linguagem para linguagem de máquina), ou então para o desenvolvimento das linguagens usadas na criação de páginas WWW para a Internet, como o HTML, XHTML, XML, CSS e seus interpretadores (navegadores, como Mozilla Firefox e Opera). Uma teoria abstrata como Teoria dos Grafos acabou gerando uma aplicação imediata. Sem ela, nenhum de nós estaria surfando na Internet hoje.

A Ciência da Computação introduziu um novo paradigma a respeito dessa “distância” entre teórico e prático. E esse novo paradigma trouxe consigo um novo conceito para a nossa sociedade pós-industrial: ”O conceito de Sociedade da Informação”. Uma visão corrente afirma que foi a Tecnologia da Informação que causou essa mudança. Entretanto, é preciso ter em mente que esta teve origem na Ciência da Computação. Uma nova gama de ciências apareceram por causa desse ”insight”, como Teoria da Informação e Inteligência Artificial. O momento histórico, portanto, é mais do que propício para discutirmos uma possível liberação dos meios convencionais de divulgação científica.

Propriedade intelectual

Cooperação e colaboração entre cientistas e acesso às pesquisas e seus resultados são pontos para que se caminhe em direção ao futuro. Portanto, tanto a ciência quanto seus pesquisadores são historicamente livres. No começo dos tempos científicos, a pesquisa e seus resultados tinham uma aplicação prática muito mais tímida do que hoje em dia. Atualmente, é possível ganhar um Prêmio Nobel pela descoberta da estrutura de dupla-hélice do DNA (via cristalografia de raios-X), ou pela descoberta da liberdade assintótica dos quarks, coisa que os egípcios e babilônios jamais sonharam. As aplicações da nanotecnologia vão desde tecidos inteligentes até computadores quânticos e ”spintrônica”. No campo de biotecnologia, desenvolvem-se fármacos para combater um vírus específico. Em suma, aprendemos a dar forma, cor, sabor e até cara para nossos achados científicos de tal forma que, teorias antes consideradas completamente abstratas e sem aplicação prática, são hoje os pilares de uma revolução no nosso modo de vida.

Com esses avanços, um método para a proteção do conhecimento foi desenvolvido. Trata-se da ”Propriedade Intelectual”. Esse desenvolvimento ocorreu ao mesmo tempo em que a nossa ciência ficava cada vez mais próxima da tecnologia. Isso acontece por uma razão bem simples: economicamente, é mais fácil atribuir valor à tecnologia do que à ciência. Afinal de contas, o que é mais fácil quantificar: a Teoria Quântica de Campos e seus aceleradores de partículas ou os computadores e suas tecnologias de rede e bandas-largas? O que é mais fácil de medir: 20 anos de estudo ou um novo antibiótico?

Em vista disso, a medida de ”distância” entre ciência e tecnologia passou a ser cada vez mais fundamental: com o aumento da proteção sobre o conhecimento, o custo sobre o desenvolvimento científico pode tornar-se proibitivo. O desenvolvimento científico deixaria de ser livre. Já imaginaram o que seria do mundo moderno se Maxwell tivesse “cobrado” por sua teoria, o Eletromagnetismo? Sua teoria resume-se a 5 equações. Quatro delas descrevem os fênomenos elétricos e magnéticos propriamente ditos e uma delas descreve a conservação de carga. Essas equações, chamadas Equações de Maxwell, são a base de tudo que é elétrico, eletrônico e magnético hoje em dia (lâmpadas, geladeiras, microondas, computadores). Isso ilustra a dificuldade de atribuir-se um valor econômico a descobertas científicas.

Porém, é necessário dar valor à tecnologia, afinal de contas os produtos e resultados das pesquisas científicas têm que gerar alguma coisa. E é por isso que o paradigma atual, de revolução digital e sociedade da informação, é tão crítico. Como foi mostrado acima em Ciência da Computação, essa distância entre ciência e tecnologia é algo mal definido. Um mestre em Teoria dos Grafos pode inventar um novo compilador, isto é, um teórico pode produzir tecnologia. A Ciência da Computação é a primeira a permitir esse nível de interação entre teoria e prática, entre ciência e tecnologia. Esse é o primeiro palco onde a mais abstrata das matemáticas acaba tendo aplicações práticas de uma utilidade inigualável.

Bazar do conhecimento: por uma sociedade livre e universal

É essa mistura entre ciência e tecnologia, entre teoria e prática, que foi responsável pela revolução digital, pelo nosso novo paradigma cultural (pós-industrial) de sociedade da informação. Portanto, nesse novo momento histórico nós, enquanto coletividade/sociedade, teremos que fazer uma escolha que mudará nossas vidas de forma crítica: ”como é que vamos lidar com a impossibilidade de se medir a distância entre ciência e tecnologia?”. Essa pergunta é fundamental para os futuros modelos econômicos.

Dentre os estudiosos dessa nova economia e sociedade, destacam-se Eric Raymond (The Cathedral and the Bazaar) e Richard Stallman (Free Software, Free Society). O ponto principal dessas referências é que tudo que nelas é descrito como cultura hacker sempre fez parte da cultura da ciência e dos cientistas. Segundo o dicionário dos programadores, a definição de ”hacker” é “um programador para quem a computação em si é sua própria recompensa” e “aquele que gosta do desafio intelectual de superar barreiras criativamente ou encontrar alternativas para limitações”). Ora, cientistas têm sido assim desde sempre. Cientistas são ”hackers”: hackers da matemática, da física, da química, da biologia, da ciência da computação.

Portanto, e chegamos agora ao ponto crucial: estamos vivendo o momento do ”interlace de culturas”, de permeação da cultura ”hacker” na cultura científica. Creio que esse interlace se originou na Ciência da Computação, a primeira ciência a permitir uma interação intensa entre teoria e prática. Assim, nesse momento cultural, vivemos a impossibilidade de discernir ciência de tecnologia e cultura hacker de cultura científica. Dessa forma, a escolha crítica que teremos que fazer reside no fato de que a cultura hacker/científica é fundamental e diferente do paradigma econômico em que vivemos hoje, principalmente no que diz respeito à produção de valor.

O caminho na direção de uma sociedade mais livre e universalmente inclusiva terá que lidar com essas questões, terá que formular respostas para essas questões, terá que encontrar novos paradigmas sociais e econômicos que acomodem essas questões. Um dos problemas a serem atacados é o da universalidade da ciência, principalmente no que diz respeito à sua divulgação. A meu ver, a solução mais universalmente inclusiva e livre para essa questão deve seguir os moldes do arXiv. Trata-se de uma solução que permita o acesso irrestrito ao conhecimento, às pesquisas e seus resultados. E, dado o modelo econômico atual, isso só pode ser feito através de uma forma eletrônica e gratuita de divulgação científica. Seria fantástico se o modelo do arXiv fosse adotado para todas as outras áreas do saber.

Epílogo: Uma breve história do arXiv

No começo, o arXiv era chamado “LANL preprint archive” (LANL é o Laboratório Nacional de Los Alamos – lugar onde a física das bombas atômicas da Segunda Guerra Mundial foi finalmente entendida e “dominada”). Ele é um arquivo para ”preprints” eletrônicos de artigos científicos nos campos de Física, Matemática, Ciência da Computação e Biologia Quantitativa. No passado, o servidor do arXiv ficava no LANL mas, atualmente, o arXiv é servido e operado pela Universidade de Cornell, além de ser espelhado pelo mundo afora. Sua idéia original é devida ao físico Paul Ginsparg.

O arXiv surgiu em 1991 como um arquivo de ”preprints” em física (hep-th, sigla que denota “física teórica de altas energias”) e, mais tarde, foi expandido para incluir, além de outras áreas de física, matemática, ciência da computação e, mais recentemente, biologia quantitativa. Em Março de 2004, o arXiv continha cerca de 267.000 preprints e recebia cerca de 3.000-4.000 novos preprints por mês!

O primeiro nome do arXiv foi xxx.lanl.gov, porém esse nome foi mudado quando se descobriu que programas de “censorware” (ou seja, programas de filtragem de conteúdo) estavam bloqueando seu acesso a partir de diversos sites, acreditando que as três letras X implicassem num site pornográfico. A idéia do XXX era a de que o arXiv era melhor que o WWW em todos os aspectos (já que a letra x vem depois da letra w no alfabeto).

A existência do arXiv foi um dos fatores mais importantes que levou à presente revolução em publicações científicas, conhecida como Open Access Movement (veja também Budapest Open Access Initiative e Berlin Declaration), com a possibilidade de levar ao desaparecimento das revistas científicas tradicionais (e, mais importante ainda, seus modelos de publicação).

Um método popular para se acessar a porção de matemática do arXiv é via o portal da Universidade da Califórnia em Davis chamado de Front. O portal oferece um método de busca poderoso e uma interface mais amigável para o usuário. Por essa razão, o arquivo de matemática é conhecido como ”[the] Front”.

Cientistas e matemáticos profissionais (como Grigori Perelman em 2002 e Richard Arenstorf em 2004) ”carregam” regularmente seus achados e demonstrações matemáticas no arXiv para o acesso e revisão mundial (e gratuito).

Referências

Enquete…

Diversão garantida…

😈

Plano de Nação…

sexta-feira, 14 nov 2008; \46\UTC\UTC\k 46 2 comentários

No post O Obama brasileiro, fizemos alguns comentários sobre a matéria homônima no CSM — e como bem observaram o Rafael e o Tom, algumas diferenças entre Lula e Obama são mais do que simplesmente “marcantes”.

Pra citar um exemplo do ponto que foi levantado pelos dois, eu cito o exemplo abaixo: uma matéria ainda da época que o Obama era apenas candidato à presidência (e não “presidente eleito”, como agora),

É isso mesmo que vcs viram: uma matéria de sete páginas pra revista Foreign Affairs! 😯

Pra quem não conhece, a revista Foreign Affairs é, essencialmente, um repositório para os diversos ângulos que compõem um “Plano de Nação”.

Na época em que o FHC ainda era “professor-at-large” no Watson Institute da Brown, eu me lembro duma reunião que tivemos e eu perguntei pra ele quando (no passado) o Brasil havia tido um “Plano de Nação” e qual era o atual. Um amigo meu da Ciência Política me deu um cutucão na hora… e, por muito tempo, isso foi matéria de chacota, quer dizer, a minha ingenuidade [em fazer a pergunta].

Aparentemente, a resposta é óbvia pra muitos… mas, não o era pra mim — até porque, sendo o FHC um renomado sociólogo, eu achei que nada mais natural do que ele, que conhece o tema, ter um Plano de Nação, uma visão para o futuro do Brasil. Bom, a resposta que ele (FHC) me deu foi bem ‘lisa’, daquelas que cada vez que vc “aperta” tentando entendê-la, ela escorrega cada vez mais: essencialmente, a “mensagem” da resposta era que a política brasileira ainda era muito “caótica” (pra não dizer “primitiva”) pra comportar soluções proporcionalmente tão “rígidas” quanto um plano de longo (10, 15, 25, 50 anos!) prazo.

É aí que entra a diferença não só marcante mas também gritante do longo artigo acima, publicado numa revista renomada internacionalmente: essa é a visão dum candidato à presidência [do país dele], mostrando claramente qual é o jogo dele.

As perguntas que ficam, pra mim, são as de sempre: “Por que é que nossos intelectuais das Ciências Sociais (sociologia, política, economia, direito) não têm um mecanismo análogo no nosso país?” Ainda mais hoje em dia, não é preciso que seja uma publicação em papel, com custo elevado e tudo mais… não, hoje em dia, depois da revolução digital, qualquer website dá conta de exprimir de modo completamente democrático e transparente o que pensam nossos intelectuais sobre o futuro de longo prazo da nossa Nação.

Nesse sentido, eu acho que estudos como o abaixo, são absolutamente fundamentais:

Aqui vai um resuminho mínimo desse artigo:

Estudo da Anprotec propõe a estruturação de um Sistema Nacional de Parques Tecnológicos a partir de investimentos da ordem de R$ 10,2 bilhões em 20 parques nos próximos cinco anos.

Bom, nesse tom… agora podemos começar o final-de-semana! 🙂

[]’s!

Atualizado (2008-Nov-15 @ 09:42h): Ainda em tempo:

[]’s.

O apoio da ciência a Barack Obama

sexta-feira, 31 out 2008; \44\UTC\UTC\k 44 12 comentários

Um fenômeno interessante está ocorrendo no cenário científico internacional: vários profissionais e instituições estão publicamente se manifestando a favor do candidato a presidência dos Estados Unidos Barack Obama, mesmo aqueles não residentes nos EUA. Ontem, a revista Nature declarou suporte ao candidato. A revista é britânica, e segundo Sean Carroll, é a primeira vez que ela apoia um candidato a presidência dos EUA. O primeiro parágrafo do editorial diz:

O valor da investigação científica, e não uma posição da política científica em particular, sugere uma preferência para o candidato à presidência dos EUA.

Em 23 de agosto deste ano, 61 prêmios Nobel de física, química e medicina, residentes dos EUA, escreveram uma carta aberta em apoio ao candidato Obama, na qual dizem:

O país urgentemente necessita de um líder visionário que pode garantir o futuro de nossos tradicionais pontos fortes em ciência e tecnologia e que pode fazer uso destas forças para atacar vários dos nossos principais problemas: energia, doenças, mudança climática, segurança e competitividade economica. (…) Nós observamos a postura do senador Obama nestes assuntos com admiração.

Em 29 de outubro, a carta foi atualizada para conter a assinatura de 76 laureados. Entre os físicos que assinaram a carta, encontram-se: Murray Gell-Mann, Sheldon Lee Glashow, David Gross, Frank Wilczek, Yochiro Nambu, Philip Anderson, Leon Cooper, James Cronin, Val Fitch e Walter Gilbert, pilares da ciência moderna. Gell-Mann fez ele próprio um vídeo no YouTube:

Além disso, é público que os blogueiros do Cosmic Variance estão alinhados com Obama, são eles pesquisadores de instituições como CalTech, Stanford, Los Alamos, Washington University, Syracuse University, Pennsylvania University e outros.

Há várias razões para esse suporte. John McCain e Sarah Palin já fizeram comentários criticando gastos com ciência e educação. Já Obama defende publicamente mais gastos nessas áreas. O partido Republicano, nos últimos 8 anos na Casa Branca, diminuiu o suporte a ciência, redirecionou dinheiro da NASA de pesquisa científica para projetos supérfluos de viagens espaciais tripuladas e permitiu que decisões sobre legislação científica, como o uso de embriões para extração de células-tronco ou o ensino de educação sexual nas escolas, que deveriam ser feitas com base em dados técnicos, fossem contaminadas por lobby religioso.

A eleição de 2008 nos EUA tem uma importância para a ciência que transcende o território norte-americano. Os EUA responde por muito do investimento em pesquisa, e uma retirada de investimentos, ou legislações que impeçam estudos, tem um impacto global.

%d blogueiros gostam disto: