Archive

Posts Tagged ‘Science’

Como a Ciência escapou da Foice do Orçamento — até agora…

segunda-feira, 9 maio 2011; \19\UTC\UTC\k 19 1 comentário

O original, pode ser encontrado aqui: How Science Eluded the Budget Ax — For Now (DOI: 10.1126/science.332.6028.407).

É importantíssimo de se colocar esta notícia em comparação não só com os cortes oçamentários americanos, mas também com os cortes brasileiros: Brazil cuts its science budget, Brazil’s budget cut dismays scientists. De fato, duas comparações bastante interessante são as seguintes: percentual do corte orçamentário (o Brasil cortou o orçamento de Pesquisa e Desenvolvimento em ~13%), e proporção do investimento em Pesquisa e Desenvolvimento em relação ao PIB (o Brasil investe ~1.25% do PIB em Pesquisa e Desenvolvimento).

É dentro deste contexto que a crise econômica mundial foi apenas uma “marola” no Brasil…

When details of the 11th-hour budget compromise that kept the U.S. government running emerged last week, it became clear that science programs fared relatively well. True, most research agencies will have less to spend this year than they did in 2010 (see table), and the totals generally fall well short of what President Barack Obama had requested when he submitted his 2011 budget 14 months ago. But the legislators and Administration officials who struck the spending deal managed to slice $38.5 billion from a total discretionary budget of $1.09 trillion without crippling research activities. How did that happen?

US Research Funding Budget

First and foremost, both Republicans and Democrats were working off a quiet but powerful consensus on the importance of science to economic prosperity. Last fall, Congress authorized steady increases for three key science agencies in a renewal of the America COMPETES Act, and Obama’s recent statements on the 2011 negotiations emphasized the need to continue investing in clean energy and medical research as the overall budget is cut. Second, Senate Democratic leaders had crafted a spending plan in March that, although it failed to pass the full Senate, showed how it could be done. Finally, the so-called cardinals, who chair the 12 appropriations panels in the House of Representatives and the Senate that oversee every federal agency, found ways to protect research while trimming other programs to satisfy the deal’s bottom line.

“There was no magic to it,” explains Representative Frank Wolf (R–VA), whose panel has jurisdiction over the National Science Foundation (NSF), NASA, and the National Oceanic and Atmospheric Administration and the National Institute of Standards and Technology within the Commerce Department. “Science has been a priority for me and the other longtime members of the committee because you’re talking about jobs and about helping America maintain its economic leadership,” says the veteran legislator, who entered Congress in 1981. “There has not been any controversy about this.”

His appropriations counterpart, Senator Barbara Mikulski (D–MD), says she hopes that consensus will translate into “smart cuts that don’t cost us our future. I support science funding that can spur American discovery and ingenuity to create jobs for today and jobs for tomorrow.”

Of course, a passion for science wouldn’t have been enough to carry the day without the numbers to back it up. That’s clear from the actions of the commerce, justice, and science (CJS) panels that Wolf and Mikulski lead.

In February, the Republican-led House passed H.R. 1, which slashed $61 billion from current federal discretionary spending. For Wolf’s spending panel, that translated into $8 billion less than the committee dispensed in 2010. Divvied up among dozens of agencies, the $52.7 billion number forced Wolf to cut $360 million from NSF’s $6.87 billion budget, for example, and $600 million from NASA’s $18.7 billion budget.

In contrast, the 2011 spending plan devised by Senate Democrats gave Mikulski’s CJS panel $53.6 billion to work with. That $900 million difference allowed Mikulski to be kinder to the research agencies under her jurisdiction. It pared $75 million from NSF’s budget and even provided a slight boost to NASA.

“Nineteen billion dollars was authorized, and $19 billion is what I put in my appropriations bill,” Mikulski said at a hearing last week on NASA’s 2012 budget request, referring to both a reauthorization of NASA programs that was enacted last fall and the Senate plan for 2011. “But my [spending] bill died, so NASA won’t get $19 billion.”

The 8 April budget agreement resulted in a CJS allocation of $53.3 billion for each panel. And although that figure is a bit lower than the earlier Senate version, it was enough to turn the two chairs’ support for science into fiscal reality. The Senate bill was a “guide-post showing what could be done within that allocation level,” says a senior staffer at one federal research agency. “Having the Senate offer a road map made a huge difference.”

Wolf says he was happy to be able to deliver most of what science lobbyists had sought for agencies within his jurisdiction. “I thought science ended up pretty well,” Wolf says about the final bill, pointing out that it ranked with the FBI’s fight against global terrorism as his top priority. In contrast, federal support for local and state law enforcement assistance took a big hit, as did other Justice Department programs.

Mikulski believes she did the best she could under the circumstances. But she isn’t happy with the fate of NASA, which employs thousands at its Goddard Space Flight Center outside Washington, D.C., in suburban Maryland. “NASA won’t even get the $18.7 billion it got in 2010,” she said at last week’s hearing. “Simply put, NASA will be cut more.”

With the 2011 budget finally put to bed, Congress is turning to the budget for the 2012 fiscal year that begins on 1 October. In addition to the political bickering over how to reduce a $1.5 trillion annual deficit, legislators will have to deal with the domino effect of the 2011 cuts, as activities that needed increases this year to remain on schedule will be delayed. NSF’s final budget, for example, cuts $48 million from its request to continue building a half-dozen major research facilities, including the newly launched Ocean Observatories Initiative and the National Ecological Observatories Network. A shrunken 2011 budget also means even bigger headaches for NASA’s troubled James Webb Space Telescope.

Striking a positive note, Mikulski told NASA Administrator Charles Bolden last week that “NASA will need to work harder and smarter to accomplish its inspiring mission within a smaller budget.” Wolf was less sanguine. Asked what scientists should do to maintain support for federally funded research in these fiscally stringent times, he offers a one-word strategy: “Pray.”

O Movimento dos Jovens Acadêmicos…

terça-feira, 26 abr 2011; \17\UTC\UTC\k 17 Deixe um comentário

O original, pode ser encontrado aqui: The Young Academy Movement (DOI: 10.1126/science.1206690).

I have often argued on this page that scientists need to do more than simply advance their individual research projects. Maintaining excellence in the global scientific enterprise will require constant adjustments to policies and programs. In addition, much more outreach by scientists will be needed to make science better understood by the general public and by governments. Promising progress toward both of these goals comes from a movement that is forging new organizations of young scientists—the “young academies”—around the world. A few weeks ago, a new international organization, the Global Young Academy, held its initial meeting in Berlin to discuss spreading the idea to many more nations (www.globalyoungacademy.org). This effort deserves full support from of all of society.

In 2000, a new type of organization, Die Junge Akademie (the Young Academy), was created as a joint venture by two German academies. This Young Academy was described as “an organization intended to harness the resources of both academies in ways that would fertilize research fields with new ideas and bolster career pathways, as well as invigorate older academies by involving the young scientific community in critical policy-related work.”* In 2005, a similar Young Academy was established in the Netherlands. The success of these two experiments has recently inspired six other nations to create their own Young Academies: Egypt, Nigeria, Pakistan, Sudan, Thailand, and Uganda; all nations where the tolerance and rationality inherent to science will be invaluable.

I see this empowerment of young scientists as the next step in a process that began in 1993 in New Delhi, when the national academies of sciences from more than 60 nations came together to develop a coherent scientific position on world population issues in preparation for the major 1994 United Nations International Conference on Population and Development in Cairo. This first-ever meeting of the world’s science academies soon created the InterAcademy Panel (IAP), now a vibrant global network of more than 100 member academies (www.interacademies.net). The IAP functions as a mutual support organization for the existing science academies around the world.

But the empowerment of national science academies with distinguished, well-established members can leave a gap between these influential organizations and the young, dynamic scientists who represent the future in each nation. This is precisely the gap that has been filled by the Young Academies: each a group of fewer than 200 scientists, typically selected by their national science academies to serve in 4-year leadership roles. Through its connection to a prestigious national science academy, each Young Academy is empowered to exert national leadership in advancing science through projects that the young scientists themselves determine. These young scientists can often be more effective than their older peers in interactions with society and with politicians. They also bring new energy to these interactions, with a better gender balance due to the advances that women scientists have made in recent decades.

By bringing together outstanding scientists from many different disciplines, Young Academies catalyze the formation of multidisciplinary scientific collaborations that generate innovative new discoveries. Participation in a Young Academy also strengthens a nation’s scientific enterprise by training its next generation of leaders. The work exposes them to important policy issues while building networks of trusted personal relationships that can bridge disciplines for a lifetime. And by providing a shortcut for outstanding young scientists to exert national leadership, Young Academies can be highly effective in recruiting a nation’s most talented students to scientific careers—a critical issue for the future of every nation.

By fusing the promotion of the larger goals of science with an integration of young scientists into public service, the Young Academy movement is well positioned to drive the creation of the tolerant, rational societies that the world so badly needs.

O DOE cancela uma iniciativa massiva de treinamento…

segunda-feira, 25 abr 2011; \17\UTC\UTC\k 17 1 comentário

Quem quiser ler o original, pode encontrá-lo aqui: DOE Pulls the Plug on Massive Training Initiative (DOI: 10.1126/science.332.6026.162-a). DOE é uma abreviação, em Inglês, para “Department Of Energy”, que é o órgão americano análogo ao Ministério das Minas e Energia no Brasil. Historicamente, esse é o órgão que patrocina a pesquisa científica em Física de Partículas (pense em termos da Segunda Guerra Mundial) — no Brasil, esse papel é feito pelo Ministério de Ciência e Tecnologia (através do CNPq e CAPES).

In April 2009, President Barack Obama announced an ambitious education and training initiative at the Department of Energy (DOE). Speaking to members of the U.S. National Academy of Sciences, Obama said a proposed 10-year, $1.6 billion program, dubbed “Regaining our Energy Science and Engineering Edge” (RE-ENERGYSE), would “capture the imagination of young people who can help us meet the energy challenge.”

But RE-ENERGYSE never got off the ground. Congress twice declined to fund any portion of its sprawling vision, which would have included graduate and postdoctoral fellowships, summer research projects for undergraduates, professional master’s degrees in clean energy, and associate degree programs to train a clean-energy technology workforce. In February, the White House threw in the towel, dropping the program from DOE’s 2012 budget request.

Energy Secretary Steven Chu insists that the Administration remains gung ho about attracting more students into the field of clean-energy research. But its 2012 budget request signals a major shift. Instead of RE-ENERGYSE, Chu is now touting expansion of a small graduate fellowship program that is run out of an office different from the one responsible for implementing RE-ENERGYSE.

To understand why RE-ENERGYSE never got off the ground, it helps to understand DOE’s checkered history in science education. Although some previous Administrations tried to carve out a larger role for DOE in this arena, Congress has traditionally seen education as a secondary mission for a department that already has major responsibilities for science, energy, national security, and environmental cleanup. So the broad scope of RE-ENERGYSE was a red flag for some influential legislators, who also wondered why it was under the jurisdiction of the energy undersecretary when existing education and workforce-training efforts were overseen by the science undersecretary (Science, 10 July 2009, p. 130).

Kristina Johnson, the former energy undersecretary whom Chu asked to manage RE-ENERGYSE, says that it seemed clear to her. “It’s a national imperative, and the president is strongly behind it,” she explains. “So I came in, very wide-eyed, and said we should do this. As an engineer, I like to set a goal and put in place a plan and then carry it out. It’s really pretty simple.”

Although Chu tried to explain the program to legislators when testifying on DOE’s 2010 budget, Congress eliminated his request for $115 million when it approved DOE’s overall budget. The next year’s request, for $55 million, fared no better. And last October, Johnson, a former engineering dean and successful entrepreneur who joined the Administration in May 2009, left DOE and now consults for energy companies. “When she left, RE-ENERGYSE was gone, too,” says one DOE official. The Administration made it official by removing the initiative from its 2012 budget.

“There are broad STEM workforce–development programs across the federal government,” says Carl Wieman, associate director for science at the White House Office of Science and Technology Policy, in explaining the decision. “And there are plenty of other opportunities to improve STEM education.” Wieman, a physics Nobelist and science educator who joined the Administration last fall, says that RE-ENERGYSE “may have been comprehensive, but that also makes it complex to set up and make work. So the decision was that we’ll find something that Congress is happier with and move on.”

That something, Chu says, is a request for $11 million in 2012 to more than double the number of graduate research fellows supported by DOE’s Office of Science. It’s the most direct way to beef up the nation’s clean-energy workforce, he says: “The pipeline starts early, by getting [elementary and secondary school students] interested in science. But [educating] undergraduates and those in graduate school, this is something that we feel very strongly about.” Some 150 fellows are now funded under a program begun in 2009. Last month, DOE also announced a competition this year to award 20 postdoctoral fellowships for research on clean-energy technologies.

As cidades mais científicas do mundo…

sábado, 19 mar 2011; \11\UTC\UTC\k 11 Deixe um comentário

O Physics arXiv blog publicou uma matéria interessante. Mas, antes de falar da notícia, eu tenho que avisar que não estou entre os maiores fãs desse blog — na verdade, minha opinião flutua bastante: alguns artigos são bons, outros ficam bem longe disso… mas, em todos os casos, o Physics arXiv blog é bem enviesado (a seleção dos tópicos que aparecem por lá deixa isso claro além de qualquer dúvida, isso pra não falar sobre o nível das discussões, sempre bem ‘passageiro’) — e isso sempre me incomoda muito.

De qualquer forma, e sem mais delongas… eis o artigo: Mashups Reveal World’s Top Scientific Cities. O original pode ser lido diretamente nos arXivs: Which cities produce worldwide more excellent papers than can be expected? A new mapping approach—using Google Maps—based on statistical significance testing.

A discussão no ‘Physics arXiv blog’ não passa de “mais do mesmo”: ciênci-o-metria. Infelizmente, perde-se a chance de se avaliar o artigo propriamente dito, escolhendo-se apenas notificar a “mensagem” contida no mesmo. Parece até mesmo um órgão de Relações Públicas, apenas alardeando e propagandeando.

O artigo propriamente dito é de tão baixa qualidade que a vontade que se tem é de apenas se repetir o adágio invisível, que diz que os artigos dos arXivs não escritos em [La]TeX são sempre de qualidade duvidosa — pior ainda quando são escritos em Word, ou algum editor de pior qualidade ainda; sem identação apropriada (quem ainda usa ‘identação à esquerda’, ao invés de ‘justificado’? :razz:): via de regra, a falta de atenção a esse tipo de detalhe num artigo costuma refletir a baixa qualidade do material escrito. Mas, como eu disse, esse é apenas um “adágio invisível”, uma unspoken rule, que não se vê, não se ouve, e cujo perfume não se sente. 😳 🙄

De qualquer forma, a máquina de salsicha continua na ativa: como se mensurar o imensurável: quais trabalhos científicos têm mais qualidade, quais são mais dignos de fomento, quais têm mais impacto na comunidade?

Todas essas são questões relevantes, claro, mas uma lição que a Ciência tem que aprender com a Arte é que a medição da criatividade é algo estupidamente difícil. Aliás, nem é preciso se apelar para o lado mais humanista desta questão: basta apenas se aprender Sistemas Dinâmicos corretamente (o que, de fato, parece ser algo tão complicado quanto nos dias de hoje). A razão deste meu argumento é bem simples: como se pode avaliar algo que possui resultados de médio a longo prazo (sem esperarmos por tal prazo)?

A resposta é simples: não é possível se avaliar nada que dependa de médio a longo prazo sem esperarmos tal prazo passar e medirmos o resultado efetivo do que se deseja avaliar. Ou seja, precisamos esperar o tempo passar pra podermos sequer ter a chance de sermos justos nesta empreitada! Ou seja, falando um pouco mais rigorosamente, é preciso termos acesso a todos os dados para podermos conhecer o problema de modo completo.

Infelizmente, com a idéia de que as Universidades devem ser “profissionalizadas” (sabe-se lá o que isso significa :razz:) e, mais ainda, de que toda a empreitada científica deve ser “profissionalizada”, todo esse tipo de questão métrica se torna relevante: como se pode escolher aquilo que há de “melhor” para se fomentar? Assim como numa empresa, numa linha de montagem, é preciso haver alguma forma de “selo de garantia”, alguma forma de “controle de qualidade”. (Note que não estou falando do processo de ensino de estudantes, mas sim de pesquisa científica — falar de ensino por si só abriria outra Caixa de Pandora!)

Entretanto, ao contrário de empresas, fábricas e linhas de montagem, Universidades e Pesquisa Científica [fundamental] possuem planos de ação, missões, de longo prazo, de longuíssimo prazo: há universidades com cerca de 1000 anos de existência: quantas empresas, fábricas e linhas de montagem podem dizer o mesmo?! A própria Revolução Industrial tem apenas cerca de 250 anos!

Felizmente ou não, esta é a natureza da busca pelo conhecimento, e este é o papel da Ciência, principalmente daquela dita fundamental (que costuma dar frutos bem distante das aplicações do dia-a-dia). Por outro lado, hoje em dia, na nossa Era da Informação, é possível se converter algo tão abstrato quanto Teoria dos Grafos em compiladores e navegadores. Este é o caminho da Ciência e do Conhecimento: a menos que se tenha acesso a toda informação, só se pode ver aquilo que está no curto prazo… 😉

Isso tudo só server pra fazer com qua a analogia posta acima — entre Sistemas Dinâmicos e Funções de Partição — fique ainda mais clara aos olhos: quando vc tem acesso à Função de Partição dum problema, vc tem em mãos toda a informação necessária pra resolver o problema completamente; no caso de Sistemas Dinâmicos, como o nome indica (dependência temporal), é muito difícil de se calcular o que vai acontecer no futuro (não-linearidades, caos, etc). E, no final das contas, tudo que se quer medir são os Fenômenos Críticos, as Transições de Fases, e as Propriedades de Escala do sistema em questão.

A mensagem é clara: sem uma visão mais global é impossível se poder qualificar e medir justamente um trabalho científico. Incontáveis exemplos, de Einstein à Wilson, todos nobelistas, jamais teriam os “índices” e os “fatores de impacto” necessários, hoje, para serem contratados em regime de ‘tenure track’ — isso é claro pra qualquer um que já tenha feito o exercício mental requerido por esta questão.

Algumas empresas e alguns nichos industriais já descobriram esse fato básico da natureza humana… aliás, no âmbito de Sistemas Dinâmicos tudo isso tem nome: Cisne Negro e Dragões Reis. 😈

Infelizmente, parece que esse aprendizado e essa mensagem ainda não chegaram na academia — um fato bem irônico, posto que a academia é o lugar onde tais idéias (transições de fase, cisne negros e dragões reis) nasceram! 😳 Então, por enquanto, nós ainda vamos nos debelando com índices e fatores de impacto e outras bobeiras afins. Eu gostaria que fosse feito um estudo com as revistas de maior impacto, procurando-se saber quantos dos artigos publicados nestas revistas deram origens a novos caminhos e novos ramos em seus respectivos campos da Ciência. Taí uma perguntinha bem capiciosa e que por motivos “mágicos” ainda ninguém teve a idéia de responder… 🙄 (Diquinha: eu não me lembro de Einstein ter publicado na Nature nem na Science, então nem as Relatividades nem a Mecânica Quântica (ou Teoria Quântica de Campos) tiveram suas origens nas revistas ditas de alto impacto; o mesmo vale, por exemplo, para as chamadas Transições Quânticas de Fase: o Kosterlitz não publicou numa revista de alto impacto — aliás, porque ninguém pergunta pro Kosterlitz o que ele pensa disso tudo, afinal de contas ele deu origem a todo um ramo da Física, logo deve saber o que significa “alto impacto científico”, não?! :razz:)

Pra finalizar, vou apenas me resignar a dizer que a análise estatística feita no tal artigo é de baixa qualidade, não apenas porque não leva em conta os cisnes negros e os dragões reis, mas também porque não leva em conta tantos outros métodos que a tornariam bem mais robusta. É uma pena, porque os “efeitos visuais”, os “efeitos especiais”, do artigo são bem bonitinhos… [bonitinhos mas ordinários! :razz:]

[]’s.

Atualizado (2011-Mar-19 @ 11:15h EDT): Ah… a ironia do destino. Assim que acabei de escrever o post acima, trombei no seguinte livro: Little Bets: How Breakthrough Ideas Emerge from Small Discoveries. O ponto do livro é clararamente exposto no título, mas também já foi feito por Asimov,

“The most exciting phrase to hear in science, the one that heralds new discoveries, is not ‘Eureka!’ (I’ve found it!), but ‘That’s funny…'”

Isaac Asimov.

Experimentação, passo-a-passo, erros e mais erros… é assim que se faz Ciência: a idéia de que pesquisa e progresso é feito através duma seqüência de ‘acertos’, de passos corretos, não poderia estar mais distante da realidade… c’est la vie

Café científicos levando ciência para o público leigo…

terça-feira, 8 fev 2011; \06\UTC\UTC\k 06 3 comentários

Está aí uma iniciativa excelente que está demorando para go viral:

Os Cafés Científicos são uma idéia que, pessoalmente, eu considero brilhante: um cenário informal, relaxado, onde as pessoas podem ouvir algum palestrante falar sobre Ciência — e, melhor ainda, depois da palestra, debater sobre o que foi dito. Aliás, de fato, o foco é maior no debate do que na palestra propriamente dita: a idéia é passar a informação de modo bem objetivo e, depois, deixar a platéia guiar a discussão.

Quem faz Ciência sabe: deixar a curiosidade ( ❗ ) guiar o debate científico é uma das formas mais entusiasmantes de se fomentar a criatividade. Essas digressões tangenciais que aparecem a todo momento nesse tipo de discussão são fundamentais pra se ‘mapear’ o ‘espaço’ do assunto sendo atacado. Quem não conhece, pode achar esse approach meio caótico… mas, é um método excelente pra se obter uma ‘imagem’ do objeto em questão.

O realejo do dia…

sábado, 22 ago 2009; \34\UTC\UTC\k 34 Deixe um comentário

When Science & Poetry Were Friends.

Yeah!

Yeah!

A Próxima Campanha…

domingo, 15 mar 2009; \11\UTC\UTC\k 11 Deixe um comentário

Enquanto eu estou aqui, entre esperar minha roupa secar e me preparar pra levar o lixo pra fora, decidi dar uma lidinha (um pouco atrasada, é verdade) na última edição da Science que eu tenho aqui, em particular, no editorial,

Deixem-me traduzir esse editorial.

A eleição presidencial dos USA acabou, o presidente já tomou posse. Agora vem o desafio de governar. O Presidente Obama, seu time de liderança, e o 111º Congresso enfrentam problemas atordoantes. Entre os [problemas] mais teimosos dos USA estão aqueles relacionados a prover uma educação de primeiro nível a todas as crianças, atualizando os conhecimentos e habilidades dos pais [dessas crianças], e preparando todos para enfrentar as ameaças e oportunidades do século 21. A comunidade científica precisa tirar vantagem da crescente insatisfação pública com o sistema educacional atual e perguntar como o ensino e aprendizado de ciência pode ser transformado. Resumindo, os cientistas precisam montar a próxima campanha.

Em primeiro lugar, os cientistas precisam ajudar o público adulto a desenvolver um entendimento claro do que é ciência e o que deveria ser educação científica: um modo de descobrir o mundo baseado em evidências e análises lógicas. Um consenso está se formando nas comunidades científica, filantrópica e poĺitica sobre quais devem ser nossos objetivos. Pesquisas feita pela organização sem fins lucrativos “Public Agenda” indicam que os adultos se dão conta de que alguma coisa está faltando na instrução científica, apesar que não necessariamente para seus filhos. Essa tensão pode providenciar o espaço necessário para se introduzir um núcleo comum  de padrões para educação científica através dos USA; investir, enquanto nação, em procedimentos que mensuram o entendimento e habilidade científica que cada criança precisa para ter sucesso na economia global de hoje; e construir esforços vigorosos para recrutar, treinar, e reter os professores de ciências mais efetivos.

Se é para os USA atacar seus vários desafios — incluindo o desenvolvimento duma “economia verde” e fontes alternativas de energia que diminuem o impacto climático e atacam o aquecimento global como, talvez, a maior ameaça que enfrentamos como um planeta — a educação científica tem que ir para o palco e ter o foco principal. O Presidente Obama já reconheceu os desafios de recrutar e recompensar professores de ciência e matemática e de fazer da ciência, como nos anos pós-Sputnik, uma parte mais integral e inspiracional da nossa cultura. Agora nós precisamos tornar esse tipo de visão nacional de longo prazo em realidade orgânica.

Apesar da necessidade de se criar uma base de talentos para carreiras e cidadãos com base científica para o século 21 ser nacional (na verdade, global), a maioria das atividades pra se conseguir tal objetivo é local. Comunicação é necessária para se explicar as contribuições passadas da ciência para o crescimento econômico e o papel tradicional da ciência como um motor de mudança. Os trabalhadores para essa campanha devem ser recrutados, treinados, e postos para trabalhar, desde cientistas acadêmicos, indústrias e negócios, grupos da sociedade cívica, e sindicatos. Fontes devem ser extraídas a partir de filantropistas locais, entendendo a necessidade de se construir a consciência pública e apoio para uma agenda de mudanças. Apoio deve ser alistado da mídia, mas também de grupos comunitários, associações de pais e professores, e aposentados de todas as vertentes políticas. A comunidade científica tem muito a oferecer. Imaginem expandir por ordens de magnitude o número de cientistas e engenheiros aposentados trabalhando com professores e alunos em escolas ou em museus e centros de ciência como docentes; cientistas servindo em comissões educacionais estaduais e conselhos sendo reunidos por vários governadores; e em comunidades locais, cientistas advogando pela educação científica para prefeitos, comissões escolares, e superintendentes e apoiando a implementação com diretores, professores e alunos.

Nessa campanha, os cientistas vão precisar medir “ativos” (“espólios”) nacionais e locais, notando o que já deu resultado em outros lugares, como nos países Nórdicos onde a alfabetização científica é alta. Diferentemente de alguns países, os USA não têm um ministério da educação. Ao invés disso, uma estratégia para transformar a educação científica precisa unir os interesses e ações de 50 estados, 15.000 distritos locais, 3.500 faculdades e universidades, e incontáveis organizações científicas informais que constituem o sistema educacional dos USA. Incentivos federais devem fomentar a colaboração em agregar e compartilhar evidência de experimentos informados por pesquisas, guiados por um núcleo sólido de padrões nacionais para a educação científica. Os estados poderiam começar com lições de décadas de idade aprendidas pela Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS) e plas Academias Nacionais, e por estados como Massachusetts ou países como Singapura, ambos os quais tiveram performances boas nos testes internacionais.

Apesar de cientistas geralmente ficarem mais confortáveis com a apresentação de fatos do que com a divulgação pública [dos mesmos], a próxima campanha pede que eles façam ambos.

Esse é um “Plano de Nação”, baseado em sólidos e robustos princípios científicos, visando melhorar todo o país: uma idéia simples (usar princípios científicos par melhorar o país, elevando seus padrões científicos e educacionais, trazendo consigo uma multiplicação econômica) com uma implementaçnao estrategicamente planejada.

Pra finalizar, só pra dar uma relaxada, eu preparo vcs pro que está por vir amanhá… Duas Culturas. 😎

Diversão garantida… 😈

%d blogueiros gostam disto: